Gansa linda!

Como já relatei nos outros contos, eu tenho um sitio no interior, para o qual eu vou quase todos os fins de semana, meu pai mora lá, cuida do sítio para mim. Em um destes fim de semana eu estava lá no sítio quando chegou um primo meu com um casal de gansos, não eram esses gansos comuns, eram uns gansos chineses, grandes e coloridos, o macho era de penas pretas com dourado e branco, e a fêmea penas cinza, com amarelo e branco, lindos mesmo. O meu primo tinha ganho esses gansos e como não tinha onde deixar pediu para deixar uns dias lá no patio de casa, deixei que ficassem lá. Estava eu na porta da casa olhando os gansos quando o ganso trepou na gansa e enfiou um negócio comprido no cú da gansa, eu fiquei tarado na hora, o pau chegou ficar espremido na cueca de tão duro, pensei tenho que foder esta gansa, se um pau entra no cú de uma galinha, imagina de uma gansa que o ovo é bem maior.
Estou ali pensando nisso quando meu pai chega e diz "vou lá no bolicho"(bolicho é um armazém, um mercadinho que a gente chama de bolicho), eu exultei, o velho quando vai no bolicho demora, pois sempre se encontra com velhos amigos e ficam lá de papo. Esperei o velho sair, dei um tempinho, fui no galpão peguei uma lata com milho, e chamei os gansos e coloquei um pouco de milho na porta do galpão, eles vieram correndo, dei um jeito e empurrei a gansa para dentro, fechei a porta, tirei a roupa, peguei a gansa coloquei em cima de uma mesa que tinha lá, ficou na altura perfeita, com uma mão peguei o pescoço e com o mesmo braço apertei ela por cima, com a outra mão levantei as penas da cauda e lá estava um cúzinho vermelhinho piscando, o pau chegou bater na barriga. Dei uma boa cuspida coloquei a cabeça da piça na portinha e fui empurrando, entrou tudinho, pois eu sou normal de pau em tamanho e grossura, vi que não ia machucar ela, como era quente, eu coloquei tudo dentro e fiquei parado olhando, que gostosura, ela estava quietinha, nem se mexeu, eu estava tão excitado, e aquele cúzinho tão quente e apertado, que eu dei umas cinco fincadas e veio o gozo, gozei como um louco, enterrei tudo e gemi de prazer, parecia que ha muito eu não fodia. Esperei amolecer, tirei de dentro, me sentei um pouco para me recuperar pois minhas pernas estavam fracas, tremendo. Deixei ela no galpão, fui lá dentro de casa, tomei um suco, comi um pão de casa com chimia de abóbora, espiei pela janela, e enxergava o velho lá no bolicho sentado na sombra com um monte de amigos. Voltei para o galpão peguei a gansa de novo, coloquei em cima da mesa e meti o pau, dessa vez fodi mais devagar, com mais prazer, levei um bom tempo tirando e botando até que gozei gostoso, tirei o pau, soltei ela na porta o ganso veio correndo e deu uma trepada nela, me lavei, fiz um mate e sentei na área da frente, tomando um mate e olhando o movimento. no outro dia após o almoço o velho foi sestear, peguei a gansa de novo, dei uma foda super gostosa. A tardinha vim embora, mas avisei o velho que voltaria no fim de semana, já pensando na minha gansa. No fim de semana quando voltei os gansos não estavam mais lá, o pai disse que meu primo tinha vindo buscar por que ele tinha vendido. Olhei para minha cadela perdigueira e pensei, vai ter que ser contigo para mim aliviar os bagos.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 5,00 de 1 votos)
Loading...