A Patricinha e o Porteiro – Parte 5 Dominação

Chegando em casa, meio dia e pouco, passo pela portaria do meu predio com a minha tradicional cara de “ta olhando o que?” com narizinho empinado e oculos escuros de menina marrenta, ao passar pelo meu porteiro tarado, ainda fiz questao de virar o rosto e nem dar papo, adoro manter a pose hahahaha

Elevador, hall, porta. Mal entro em casa e o interfone já estava tocando, eu sabia bem quem devia estar me ligando…

– Alo
– Ta cheia da marra né menina… Nem me deu oi… Assim não dá, acho que vou ter que passar ai pra te ensinar bons modos…

Vale lembrar que na epoca eu ainda não estava tão “domesticada”, ainda era briguenta, relutava um pouco e tentava me impor. Era todo um processo de aceitação. Tanto aceitar o dominio, quanto aceitar que eu gostava daquilo.

Só tive tempo de trocar de roupa, botar um shortinho basico de ficar em casa e uma blusinha mais simples e a campainha já estava tocando. Meu carrasco chegou.

– Fernandinha, Fernandinha… Você não muda, né? Quando é que vai aprender a tratar melhor os outros?
– Quando eu te destratei? Não sou obrigada a ficar dando bom dia e sorrisinho pra todo mundo
– Não… Não é… Mas ta na hora de aprender que não é melhor que ninguem aqui

Fui acomodando o meu porteiro tarado no sofá e perguntei se ele queria alguma coisa pra beber. Nem arriscava perguntar se queria comer algo, com medo da respostinha que ele podia me dar rs

Diante de uma negativa, o safado me segurou pelo braço me puxando para sentar ao seu ladinho, ali no sofá da sala. Um esboço de sermãozinho rolando, reclamando do meu jeito de menina menina mimada marrenta, isso tudo com as mãos assanhadas alisando as minhas coxas e apertando tudo que tinha pela frente.

Não estava no melhor dos meus dias no quesito paciência e levar esporro é algo que me deixa mais ainda de saco cheio, imaginem então aturar uma bronca de um porteiro que teoricamente seria meu empregado. Imaginem a minha cara de poucos amigos que eu fiz diante daquilo tudo, torcendo o nariz e a boca pra cada coisa que ele falava pra mim.

Pois é, ele também não gostou…

Me segurando pelo queixo, apertando as minhas bochechas e expremendo a minha boquinha, ele ficou puto de vez:

– Vai ficar me olhando com essa cara de putinha marrenta é? Acho que você ta precisando de outra lição pra aprender a ficar mais humildezinha!

Outra lição, no caso, seria pau no cu mesmo!

Naquela época eu só tinha feito na bundinha umas duas vezes, todas com ele e todas um desespero sem fim. Como eu ainda estava em fase de “aprendizagem” na arte da sodomia, essas pequenas curras rolavam com tempo bem espaçado, pra dar tempo de me recuperar até aguentar um novo castigo.

No caso desse dia, já fazia quase um mês que ele não me pegava por trás, e julgando pelos meus atos, acho que o efeito das curras anteriores já havia expirado, tava na hora de uma nova dose de pau no cu pra baixar a minha bolinha outra vez.

Ainda me segurando pelo queixo e com olhar enfurecido, ele não pediu, ele não falou, ele ORDENOU que eu me ajoelhasse!

Com o folgado sentado no sofá da minha sala, botando aquela piroca preta pra fora das calças, me fez ajoelhar a sua frente, comigo no chão, olhando de baixo pra cima, com uma rola na cara e me mandou pedir desculpas.

Falei timidamente um pedido de desculpas, falando baixinho e de maneira mecanica, de forma que não convenceria ninguem, nem a ele.

Me segurando forte pelo cabelo, puxou meu rabo de cavalo pra baixo, fazendo a minha cabeça se inclinar pra cima, com o rosto grudado na sua pica e olhando pra cima diretamente nos seus olhos.

– Pede direito, putinha!
– Desculpas, porra! Nem te fiz nada!
– É… Não fez… Mas agora vai fazer…

Com uma de suas mãos me segurando pelo cabelo, inclinando meu rosto pra cima, usou sua outra mão para segurar no prórpio pau e esfregar o cacete por todo o meu rosto.

Nem preciso estudar pscicologia para entender o significado daquilo. Era pura e simples dominação, imposição de poder. Ele queria deixar claro quem é que dava as cartas por ali.

Esfregando e batendo o pau na minha cara, aquele preto resmungava coisas dizendo que ia me botar nos eixos, ia me ensinar os bons modos que o meu pai não tinha me ensinado.

– Ah putinha… Que carinha de princesa você tem… Não fica bem ficar fazendo cara de marrenta… Pede desculpas pro meu pau, pede…

Desculpas pro pau dele, como assim?

Parada com cara de tonta, não entendi o que ele queria. O safado segurou firme a base do cacete, apontando ele pra cima e me mandou dar um beijinho nele.

– Da um beijinho de desculpas nele…

Era um gesto simbólico. Eu sabia que se beijasse o seu pau, era como passar a bola pras mãos dele. Assumiria meu negão como dominador.

E assim eu fiz, um beijinho na cabecinha do pau do meu negão, representando a minha submissão a ele.

O que eu gosto e gostava nele, o que eu gosto e gotsava naquilo, era que nada era forçado. Ele não me forçava fisicamente, não usava de força física ou ameaças do tipo, era tudo um joguinho pscicológico que me tirava do sério e pirava a minha cabecinha louca rs

O beijinho rapidamente se transformou numa bocada e engolindo o máximo que eu podia, aquele caralho sumia na minha boquinha de patricinha mimada.

Fechava os olhinhos, sugava com gosto, minha cabeça fazia um vai e vem com vontade naquela pica. tentava caprichar o máximo, pra servir como pedido de desculpas. Tava até felizinha com aquilo, me lambuzando com o meu pirulitão.

Maaaaaaaaaaaaasss… Maaaaaaaaaaaasss….

– Fernandinha, tem tempo que a gente não brinca nessa bundinha eihn, acho que hoje tava na hora…
– NÃÃÃããããooooo….

Fui tão espontanea, fui tão aberta demonstrando minha insatisfação…

Ao ouvir ele falar aquilo, retirei rapidamente o pau da minha boca e soltei um suspirado e desesperado “nãããoooo” manhosinha. Mas o filho da puta não gostou da negativa:

– Não o que, sua vadia? Vai começar seus ataquezinhos de novo?

Puto da vida, meu negão me segurou pelo braço, fazendo me levantar e me puxando para o seu colo, caindo de bruços com a bundinha pra cima.

– Patricinha chata pra caralho! Sempre quer tudo do seu jeito, ta na hora de deixar de ser mimada!

PLAFT! Sim, taradinhos PLAFT!

Pela onomatopéia vocês imaginam o que aconteceu… Um tapão de mão cheia explodindo na minha bunda!

Do jeito que deu, comigo ajudando, rapidamente fomos arrancando meu shortinho fora, deixando a minha bundinha mais reluzente e convidativa para novas palmadas que estavam por vir…

Comigo deitadinha de bruços no seu colo, shortinho todo enrolado no meio das minhas coxas, calcinha toda socada na bunda, com o meu rabo todo empinado pra cima, era assim que eu aguentava uma mão gigantesca me castigar como uma criança mimada que fez manha pra não comer todo o brócolis no jantar.

O filho da puta ainda fez questao de segurar a minha calcinha e puxar ele toda pra cima, cravando toda no meu rabo, deixãndo meu bundão todo a mostra e desprotegido das palmadas que eu ia levar…

Daí por diante vocês imaginam bem a cena como foi… Um festival de tapas e palmadas estalando na minha bunda, deixando a minha traseira toda rosadinha e queimando de ardência.

Sádico e imponente, ele construia todo um cenário pscicológico, dando um nó na minha cabecinha, me fazendo aceitar a sua superioridade e choramingando das palmadas, eu já pedia desculpas, aceitava tudo que ele me falava e repetia tudo que ele me mandava falar. Isso taradinhos, se chama DOMINAÇÃO.

– Vai se comportar, putinha?
PLAFT
– Vou…

– Vai passar a me respeitar?
PLAFT
– Vou…

– Então fala quem é que manda aqui…
PLAFT
– Você…

– É… Eu mando é? E você vai me dar essa bunda hoje, vai?
PLAFT
– Vou…

– Então pede um pau no cu, pede
PLAFT
– Eu quero um pau no cu…
PLAFT

Pedido feito, pedido atendido… Se ele já tinha deixado a minha bundinha ardendo por fora, tava na hora de fazer ficar ardendo por dentro também…

– Fernandinha, vai la na cozinha e traz uma banana

Comigo ainda de bruços, olhando pra trás, por cima dos ombros, fiquei parada digerindo o seu pedido

– Banana….?
– É, putinha… Vai la e traz uma banana, anda!
PLAFT

Banana, taradinhos. Banana…

O que vem na cabeça de vocês com um pedido desses?

É, eu também…

Maaaasssss…. Isso fica pro próximo conto…

Espero que gostem e comentem,
beijos >> PARTE 1

feschiavo@globomail.com