#

Na construção com uma cadela

1815 palavras | 14 |4.25
Por

Tendo morado num bairro “religioso” acabei me casando cedo com uma moça da igreja. Nos conhecíamos desde crianças, mas sem muito contato, pois a família dela não gostava que ela ficasse na companhia de macho nenhum, estudávamos juntos e começamos a namorar. O tempo foi passando, ficamos na escola, começamos a namorar e como adolescente não pensa não deu outra e logo ela estava grávida. Os pais dela logo que descobriram o bucho apressaram logo o nosso casamento, afinal a filha não podia ser mãe antes. E lá estava eu casado antes mesmo dos 20 anos.

Meu sogro nunca gostou muito de mim, mas me tolerava por ser marido da filha dele e pai da sua neta, ele achava que eu era um atraso na vida da minha mulher, que tinha uma estabilidade financeira bem melhor que a minha, alegava que eu era um vagabundo, que não servia nem pra ficar num emprego por mais de seis meses sem ser demitido. Por essa razão ele mal andava na nossa casa e quando ia era para ver a neta e a filha dele e manter as aparências.

No começo do meu namoro com a Clara não faltava sexo. Qualquer coisa e já estávamos aproveitando para dar uma escapada das vistas do pai e da mãe dela, era em construção, era de noite depois de terem ido dormir, ela arrumava um jeito de dar uma fugida e a gente aproveitava. Mas aí ela engravidou, a gente casou, entre cuidar da menina e a faculdade a nossa relação esfriou. Sempre que eu procurava ela, a desculpa era que tinha que estudar para uma prova, que estava cansada, que estava com dor de cabeça, que tinha que cuidar da nossa filha, mesmo que ela passasse boa parte do dia na casa dos avós para que a Clara, minha esposa, pudesse se dedicar aos estudos. Enfim, aquelas desculpinhas que todo mundo inventa quando enjoa do parceiro em casa.

A Clara tinha se formado em enfermagem, trabalhava a semana num hospital e ainda tinha dia que fazia plantão de até 12 horas. Haviam dias que chegava em casa já era de manhã e aí é que não rolava nada mesmo entre nós. Também não vou me fazer de santo, se minha esposa não me dava eu arrumava quem desse, então eu tinha meus casos por aí, e nas empresas que eu trabalhei mantinha contato com uma ou duas putas com quem eu me encontrava quando o tesão batia.

Desde novo curto zoofilia. Quando percebi que eu curtia devia ter uns 14 anos por aí. Sempre que via uma cachorra no cio com a buceta toda inchada me imaginava junto ali com os cachorros perto dela metendo nela também. Via pornô e até mesmo cheguei a fazer com uma cadela no sítio que moravam uns tios meus quando passei minhas férias com eles. Posso afirmar com toda a certeza que comer uma cadela é uma das melhores coisas que um homem pode fazer na vida. Mas de lá para cá nunca mais tinha conseguido pegar nenhuma, primeiro porque não tinha uma na minha casa e segundo por ter medo de ser visto por alguém se tentasse pegar alguma da rua. Porém, isso mudou quando comecei a trabalhar de novo.

Eu tinha conseguido um trabalho consertando celulares numa assistência técnica em uma cidade que ficava a uma hora do meu ponto de ônibus. Eu ficava com aquela parte mais fácil do trabalho, colocava película, formatava, fazia a primeira configuração do celular e trocava a tela ou bateria quando traziam um quebrado. A parte mais complicada ficava com os outros funcionários. Eu ia de manhã e só estava em casa pela noite. Quando eu descia do ônibus ainda tinha uma trajeto de uns 15-20 minutos até minha casa que eu fazia de pé, como já era tarde da noite que eu chegava as ruas ficavam praticamente desertas, passava por lojas e construções.

Nos primeiros dias percebi que que quando eu passava pela construção de uma casa tinha uma cadela vira-lata, de porte médio, nas cores branco e preto no cio e no mínimo uns quatro cachorros atrás dela. Pelo o que dava de ver a buceta dela estava bastante inchada e avermelhada. Efeito do cio e do tanto de rolada que ela deve ter tomado deles esses dias. Na hora pensei besteira, lembrei da que eu tinha comido no sítio dos meus tios anos antes e bolei um plano para conseguir foder essa aqui. Se minha esposa não me dava, aquela cadela no cio ia.

No começo só prestei atenção nisso, mas logo comecei a trazer alguma comida para dar a ela e afastava os outros cães que chegavam perto. Fiz isso por uns quatro dias e ela já ficava toda boba quando me via passando na rua. Sempre me certificando de fazer isso em algum lugar que não houvesse ninguém por perto já para não levantar suspeita.

No quinto dia fazendo isso acabei encontrando ela uma rua antes do que eu costumava achar ela, sozinha. Decidi que tentaria comer ela naquela noite, já que minha esposa tinha pego um plantão e só apareceria em casa no outro dia de manhã. Acho que tinha conseguido fugir dos cachorros que viviam no pé dela. Logo que me viu ficou toda serelepe pulando em mim, me cheirando já querendo o lanche que eu tinha guardado para ela. Assim, aproveitei que estávamos perto de uma construção e a levei, lá entreguei o lanche dela. Enquanto ela comia fui para atrás afim de ver a vagina inchada e avermelhada que ela exibia por aí para atrair macho. Lá estava meu objeto de desejo exatamente do jeito que me deixava doido de tesão.

Antes de começar com o que eu tinha em mente ainda fui mais uma vez na saída para ver se alguém vinha. Para a minha alegria a rua continuava deserta. Voltei para dentro e ela ainda estava lá, parecia que estava me esperando. Ela veio direto para mim me cheirando, pulando em mim, enfiando o focinho na minha virilha. Nisso meu pau já estava duro feito pedra embaixo da minha calça. Afastei ela um pouco, desabotoei a calça, baixei o zíper e desci até o tornozelo.

Me coloquei como que sentado nas minhas pernas e nem precisei chamar ela de volta que ela veio direto para mim já lambendo meu pau duro que a essa altura estava babando de vontade de se enterrar na buceta daquela cachorra. A sensação da língua dela em mim era uma delícia só, quente e um pouco áspera. No interim fiquei brincando com a vagina quentinha dela, ora enfiando um dedo, ora dois fazendo movimentos de vai e vem para amaciar ela para o meu pau. Fiquei coisa de dois minutos com ela me lambendo mas tive que fazer parar, pois se não ela eu ia esporrar e isso era uma coisa que eu fazer no fundo da xana dela.

Fiquei de joelhos, posicionei a bunda dela na minha frente e ela lá com o rabo apontado para cima mostrando que também estava com vontade. Segurei na cintura dela com uma mão e com a outra guiei meu pau para a entrada da sua sua vagina canina. Como essa não era minha primeira vez com uma cadela, eu sabia que o jeito certo de meter em uma era colocar a pica porta e ir enfiando para cima, na direção do cu. Assim eu fiz até ter meus pelos se misturando com os dela.

Senti uma descarga de prazer quando senti minha rola toda dentro dela. Depois de anos eu novamente estava atolado numa cadela. O caminho foi macio, entrei com facilidade, uma vez que eu não era o primeiro a passar o pau nela. Pela forma como ela me recebeu arrisco dizer que não fui o único homem a meter o pau nela, talvez ela tinha recebido outros antes de mim, isso me fez ficar mais tarado ainda. Cheguei até a imaginar eu e outro cara revezando aquela delícia. Esperei uns segundos saboreando a sensação, o calor das paredes da buceta dela abraçando meu membro. Então decidi que era de começar.

No começo meus movimentos foram lentos compassados, fui aumentando até chegar num ritmo gostoso para nós dois. Alternei entre metidas mais leves e rápidas e metidas mais lentas e fortes na sua xana. Continuei assim por um tempo até que vi que o gozo estava chegando. Com uma fincada mais funda meu pau passou por um anel, acho que era onde prendia os cachorros, que eu já tinha sentido uma vez antes. Com um urro que eu não consegui segurar jorrei porra na buceta dela, era jato atrás de jato. Mas não para por aí, porque a safada prendeu meu pau com uma força brutal.

A sensação era de que ela estava me ordenhando e esmagando ao mesmo tempo. A sua vagina dava uns espamos como se estivesse gozando no meu pau, tirando até a última gota de leite que eu tinha a oferecer, parecia que ela quem estava me comendo naquela hora; e o calor que fazia era indescritível. Então ela derramou na cabeça da minha pica um liquido quente que me deixou louco. Não deu nem de eu ficar mole com o que ela estava fazendo comigo. Só sei que quando consegui retomar um pouco o controle da situação, voltei a foder ela e gozei mais uma vez dentro, porém em menor quantidade.

Quando terminei a segunda rodada deslizei meu pau para fora e ela se virou logo para mim querendo me lamber. Deixei que lambesse minha rola que amolecia até que me deixasse mais ou menos limpo. Aí ela foi para o chão cuidar de lamber a buceta dela que vazava minha porra branquinha. Ainda dei um sorriso e pensei “isso, safada, lambe a porra do macho que acabou de te comer”.

Me levantei, subi minha calça e cueca de volta e rumei para casa deixando a cadela só. Saí de lá era mais ou menos meia-noite. No caminho ela ainda me acompanhou um pouco logo foi encurralada por uns cachorros que apareceram e correu.

Eu ainda tive chance de replay até o fim do cio dela e não sendo trouxa, aproveitei. Aquela cadela por uns dias fez, deliciosamente, o papel de fêmea que a minha mulher não fazia mais.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,25 de 24 votos)

Por #
Comente e avalie para incentivar o autor

14 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder Quarentão Salvador ID:mt971myql

    Delicia de conto..realmente buceta de cadeia melhor que tem

  • Responder Ted ID:1daibbsht8fl

    As lambida no pau são boas e quando goza eles lambe tudo meu tele @sukitarj

  • Responder Zoozinho ID:469d0jq049j

    Minha experiência com galinha foi traquila, na minha cidade vende na feira.
    Falei pro vendedor que queria uma grande, a maior que tivesse que minha avó havia pedido pra comprar. E que nao tivesse botando ovo.
    Vai com calma e usa bastate lubrificante, nao da pra meter todo, a vontade é grande. Mas de entrar todo vai rasgar a bixinha. É dificil, tem que ter cuidado, mas da pra sentir o limite ai é so nao força mais.

  • Responder Anonimo ID:1so9a0d4

    •Qual a técnica de comer o cu da galinha sem mata-la?
    •Qual as melhores raças?
    •A da granja serve?

    • Cidadão Zoo ID:fi04itt09

      Não faço a menor ideia

    • Ted ID:1daibbsht8fl

      Trabalhei em uma granja no sul e as vezes me rendia boas gozadas

  • Responder DDserio ID:1eldpjc813gc

    Man alguém tem dicas pra começar no zo? Tipo eles passam doenças sexuais?

    • AnonimoES ID:1drfd2gezycs

      Nao transmitem DSTs, o sangue delas nao e compativel com as doencas sexuais humanas. porem voce pode contrair a raiva, indico que se for fazer, faça com uma sua, vacinada e cuidada.

    • Cidadão Zoo ID:fi04itt09

      Eu já li um comentário aqui nesse site, em um conto, do amigo de um cara que comeu uma cadela e ele ficou com o pau descamando, então se você pegar uma cadela que foi comida por alguém com doença pode ser que você pegue, sim, uma IST. No geral, a chance de você pegar uma zoonose é pequena, menor até do que pegar uma IST com um humano, todavia é bom ter cuidado.

    • Zé das cadelas ID:6stwyke20b

      Cidadão zoo. Eu sou uma velho e desde crianca prático zoo. Olha você pode sim ser infectado por doenças praticando zoo.
      Eu fui infectado. Peguei uma alergia enorme.
      Meu pau meu saco e o meu cu tem uma coceira terrível coça 24 horas sem parar.
      Devido a coceira formou muitas feridas.

    • Cidadão Zoo ID:fi04itt09

      Mas não tem nada que você possa usar para aliviar a situação, Zé das cadelas?

    • Zé das cadelas ID:6stwyke20b

      Vou ter que procurar um médico.
      Mas tô com medo.
      Terei que contar a verdade pra ele.
      Pra você ter ideia a cabeça do pau tá com muitas feridas.

    • Cidadão Zoo ID:fi04itt09

      Zé das cadelas, a situação tá feia então. Não vai ter jeito de não procurar um médico

    • Dog3333 ID:12r38f8yqz95

      Caralho Zé vai no medico cara