# # # #

A filha do dono da mercearia (segunda parte)

832 palavras | 4 |4.26
Por

Bom para vocês entenderem como as coisas ocorreram comigo terão que ler a primeira parte, meu pai, erra um tremendo comedor, com uma pica descomunal e até onde relatei, comia todos os meninos da vizinhança e eu com sete anos assistia a tudo de dentro de um armário que abria tanto para o meu quarto quanto para o dele, já sentia um tremendo fogo na perereca e todas as vezes que via papai sendo chupado por aqueles garotos, ficava toda melada.
Em determinado domingo a noite, queixe-me de estar bem indisposta, papai colocou a mão em minha testa e constatou que eu estava febril, medicou-me sentou em seu colo enquanto assistíamos televisão, sem ele perceber, passei a mão várias vezes em seu pinto e fui me empolgando até que em dado instante sentei com o pau dele bem no meio do meu rego, nossa que delícia, comecei a lembrar do garoto que deu a bunda para ele, sem querer comecei a rebolar e sentir o pau de papai começar a endurecer, ele maliciosamente ou não, me abraçou por trás e ficamos os dois naquele roça-roça e o pau dele parecia uma estaca de ferro no meu reguinho, até que ele me apertou com mais força e fez um som gutural, papai ficou muito sem graça, ele acabara de gozar pela primeira vez se esfregando em sua filhinha de sete anos, e eu sabia o que tinha acontecido, ele levantou dando a desculpa que tinha engasgado e foi para o banheiro, muito provavelmente para se limpar, passei a mão no meu pijama e senti que minha bunda estava úmida e minha calcinha creia de baba da minha pombinha, que alegria, eu tinha feito papai soltar pelo pinto aquela gosta que os meninos só conseguiam depois de chupar o pinto dele.
No dia seguinte, papai achou melhor eu não ir para a pré-escola, fiquei deitada em meu quarto, quando escuto a motorista da perua perguntar para Dona Clara (nossa funcionária): Como está a Marly, está melhor ? _ Ela está dormindo no quarto dela. _ E o pai dela ? Está lá atrás.
Eu não sabia, que a motorista da perua uma mulher de quarenta e poucos anos, alta tipo alemã, com um par de peitos enormes e bunda grande tinha tanta intimidade, foi entrando como se fosse de casa, entrou no meu quarto, colocou a mão na minha cabeça e eu fingi que estava dormindo, ela saiu do meu quarto e foi até a cozinha onde estava meu pai, logo os dois fazem barulho no quarto do meu pai, corri para o armário para ver o que estava acontecendo, os dois estavam semi nus e se beijando, logo estavam completamente nus, os peitos da motorista eram realmente enormes, papai chupava aqueles peitos como louco, já com o caralhão no meio das coxas dela, ela virava os olhos como se estivesse tendo um ataque até que se jogaram na cama, assumiram uma posição diferente que mais tarde vim a saber ser um 69, logo em seguida papai ficou de pé e coloca os pes da mulher em seu ombro, aponta aquele torpedo para a buceta que estava toda arreganhada e ela com tom de sofreguidão fala : Coloca devagar, faz mais de um mês que só dou para o meu marido o o dele não é nem a metade do seu, isso, isso, nosso que delícia sentir esse pauzão dentro de mim, assim, enfia lá no fundo, quero sentir tudinho. E na verdade entrou tudo mesmo, aquela pica que era quase do tamanho do meu braço estava todo dentro da mulher que rebolava de um lado para o outro enquanto meu pai empurrava sem dó , os dois gozaram juntos foi quando eu percebi alguém no corredor, corri e entre abri a porte e vi dona Clara com a saia levantada com a mão no meio das pernas, uma mulher tão séria se masturbando só de ouvir a foda do papai.
Naquele dia os garotos estavam jogando taco em frente da mercearia, quando um deles, com mais ou menos sete anos deu a volta e papai abriu o portão dos fundos para ele entrar, levando-o direto para o quarto, o menino não perdeu tempo, tirou o shorts, ajoelhou na cama e papai passou a chupar o cuzinho dele, em dado momento, o menino passou a afastar as nádegas enquanto papai enfiava a lingua em seu cuzinho e se masturbava, eu queria aquilo para mim, eu tinha que conseguir que papai chupasse meu cuzinho também, o pintinho do menino estava durinho, quando papai gozou melecando todo o chão, papai foi lá na frente na mercearia e trouxe um pirulito deu para o menino, abriu o portão dos fundos e o menino foi embora.
Daqui a pouco eu continuo

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,26 de 34 votos)

Por # # # #
Comente e avalie para incentivar o autor

4 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder Jorginho zangi 1075553328 ID:1dgxi4bf4gld

    Continua já gozei muito aqui, cada vez melhor que tesão você deixou. Conta mais.

  • Responder juares ID:xlq12dv4

    nao tem nada de pessimo ta otimo e ficando cada vez melhor, bom mesmo vai ser quando seu pai conseguir atolar esse mastro dele no cuzinho desse moleque de 7 aninhos que delicia! escreve logo.

  • Responder Anderson ID:1euvkitab6wj

    Péssimo

  • Responder Louco por contos ID:bemlpa6rm2

    Tá ficando cada vez melhor! Continua!..