# #

Um trabalho de corno pro próprio corno

4511 palavras | 17 |4.40
Por

Quando eu ainda era criança vi meu pai trocar minha mãe por outro macho que fazia dele de gato e sapato enquanto minha mãe foi pelo mesmo caminho com outra mulher.
Cresci fingindo que nada daquilo tinha acontecido e como todo jovem eu estava procurando uma namorada pra chamar de minha, então aos meus 22 anos conheci Rachel, uma linda loira da mesma idade que eu, ela tinha uma aparência bem infantil como se ainda fosse uma adolescente, ela é baixinha um pouco magra seios pequenos bem empinados como sua bunda bem redonda, era como se eu estivesse realmente abraçando uma garotinha.
Ela sempre fala que adorava meu jeito carinhoso e delicado, coisa que sempre foi uma piada na minha infância, mas eu estava feliz ao lado dela que fica sem jeito ao descobrir que meu pai vive com outro homem e minha mãe vive com outra mulher, Rachel tinha crescido numa forte disciplina religiosa então nosso namoro começou a desandar por causa das imposições doutrinárias que ela queria me submeter, eu estava aceitando tudo e me casei com ela mas continuei morando na casa da minha mãe, nos fundos pra ser mais exato, com a casa dividida e nossa privacidade respeitada está tudo indo muito bem inclusive eu até acompanhava ela na igreja e via como Rachel mostrava ter uma grande influência e muito potencial naquele local quando ela palestrava a igreja lotava, ela tinha uma condulta e uma postura impecável sendo procurada por pessoas de todas as idades pra se aconselhar com ela, nossa relação sexual sempre era a convencional sem nenhuma vulgaridade e anal não podia nem mencionar entre nós dois, comecei a trabalhar numa linha de montagem do distrito de Manaus e Rachel cuida da casa e estuda, então começamos a pensar na possibilidade de morar em outro lugar de aluguel mas pra isso ela tinha que trabalhar também, mas me envolvi num esquema e fui demitido por justa causa e isso quase custou o nosso casamento de tão certinha que ela gostava de viver sua vida.
Num desespero de arrumar logo um trabalho fui trabalhar com seu Valdo que trabalha com mental reciclado o propriamente dito “sucateiro”, não era muito longe de casa e por isso ele sempre queria que eu chegasse cedo, o bicho era bruto, principalmente quando estava na frente dos outros, ele morava no próprio depósito de sucata e só não era um verdadeiro chiqueiro porque sua mulher dava um jeito de deixar tudo limpo, mas a convivência deles era muito conturbada e até agredida ela era quando ele bebia, tinha uns amigos de farra que vinham e passavam o tempo todo falando quem eles tinham comido a noite faziam pouco da forma como elas gemiam e das posições que faziam elas ficar, inclusive as vezes iam juntos com apenas uma garota na maioria das vezes e tudo o que eles faziam saiam falando entre eles, quando a esposa de Valdo ouvia alguma coisa era briga certa por isso ela não gosta nem um pouco dos amigos dele, Valdo era moreno claro mas parece ser mais moreno porque pega muito sol trabalhando comigo, ele era muito mulherengo e por muitas vezes fomos em locais dizendo que era pra pegar sucata só pra sua mulher não desconfiar dele mas na verdade era pra ele e outro(os) amigos transarem com meninas que eles rodeavam nas escolas eles não tinham escrúpulos ou qualquer respeito por nenhuma garota não importava a idade delas que eles botavam pra cima até fazer elas cederem pra eles que tinham as lábias persuasiva mais incrível que eu tinha visto, era absurdo como elas ficam doidas procurando eles principalmente Valdo depois que eles comem elas, mas acabei tendo uma forte suposição depois que sem querer vi o tamanho da rola de Valdo, o homem era um verdadeiro jegue com uma rola abusadamente enorme entre as pernas dele.
Um dia cheguei no trabalho e sua mulher tinha ido embora com seus filhos, desde então o lugar foi ficando largado as traças, as meninas que ele levava era só pra comer junto com seus amigos e eu comecei a fazer limpeza pra amenizar a situação mas esse pequeno favor virou obrigação depois e como de costume eu vivia levando bronca em cima de bronca, era como se ele descontasse em mim sua frustração.
Um dia Rachel foi distribuir currículos porque queria muito trabalhar pra sairmos da casa da minha mãe e passou no meu trabalho porque tinha perdido a chave dela, Valdo quando viu ela falando comigo veio igual a um lobo faminto querendo saber quem era ela que fiquei até constrangido da forma que ele chegou se intrometendo na conversa, Rachel viu o assanhamento dele e não deu bola indo embora na hora, desde então o comportamento dele muda comigo querendo saber detalhes da minha vida como onde moro, se saiu pra algum lugar e outras coisas, percebi que ele estava me fazendo ficar trabalhando até a noite só pra me deixar em casa e toda vez ele queria cumprimentar Rachel que não olha pra ele, um domingo fui comprar carne enquanto ela foi comprar pão, de longe vi o carro de seu Naldo acompanhando os passos dela tentando chamar a tenção dela que não levanta a cabeça dela e nem olhou pra ele que insiste incansavelmente pra ela falar com ele.
Eu não tive coragem de tirar satisfação porque eu era um garoto na frente dele que com certeza eu ia levar a maior surra e passar vergonha, mesmo eu não tinha porque fazer nada pois Rachel não iria fazer nada de errado pois eu sabia que ela tinha uma convicção bem forte e firme.
Naquela mesma semana ouvi claramente ele dizendo pra seus amigos que eu tinha uma mulher bem gostosa que ele estava muito afim de comer, no meio da bagunça seus amigos ficam empolgados em saber quem e como era ela, eu não sei porque mas eu estava gostando com medo daquele papo deles que não se preocupam comigo limpando sucata do outro lado da parede.
Agora eu tinha que chegar ainda mais cedo porque até o café dele eu tinha que fazer agora além de trabalhar na sucata, e Rachel reunida com outras jovens da igreja foram convidar pessoas na rua e para pra conversar um pouco comigo e Valdo sem nenhum respeito novamente veio entrando na conversa mas dessa vez Rachel tenta chamar ele pra igreja, isso deu início a uma conversa bem descontraída entre eles, logo ela estava rindo respondendo suas dúvidas abertamente, vi de perto o cinismo de Valdo dizendo que iria pra igreja se ela aceitasse a carona dele pra nossa casa depois que terminasse, Rachel fica empolgada achando que estava consegui mais um membro pra igreja e concorda com o termo dele.
Uma semana foi o suficiente pra Valdo mostrar sua intenção de lobo pras ovelhinhas e Rachel viu que fez uma grande besteira levando ele pra lá, comigo ela comentou que ele não parava de dar em cima dela e que eu deveria sair daquele trabalho pra cortar as relações de vez com ele ou tomar uma atitude firme e dá um basta nisso.
Como falei antes Valdo e seus amigos tinham uma lábia e insistência que dobravam qualquer uma e chegou o dia que Rachel seria mais uma vítima, no sábado ele bebeu muito ficando muito rabugento me brigando sem motivo na frente de todo mundo que aparece lá e pra minha surpresa Rachel apareceu tentando fugir da chuva que começou a cair sem pena prometendo ser daquelas bem demoradas e Valdo puxando assunto com ela já estava até passando a mão no ombro dela que parecia não está gostando nada disso, ela estava com uma espécie de maquete que não podia molhar por isso está aguentando tudo aquilo mas a por causa da bebida Valdo foi perdendo a noção paquerando ela na minha frente pedindo um chance com ela, meu coração disparou com medo e sem saber o que fazer, o olhar dela quase pedindo socorro me deixou numa situação deplorável de muita vergonha e humilhação por não ter coragem de enfrentar Valdo, muito pelo contrário eu obedeci quando ele mandou eu baixar o portão e trancar, Rachel viu que eu estava com medo e tenta impor limites mas ele foi direto mostrando a intenção dele com ela dizendo sempre com sua lábia que não seria nada de mais e que não tinha nada a ver o receio dela que ninguém ia ficar sabendo, ele me induziu a confirmar a opinião dele me chamando pra ir nós três pra dentro pra conversar melhor, Rachel estava a ponto de perder a paciência e eu sabia disso.
Mas com uma certa sutileza Valdo consegue fazer ela rir com sua lábia persuasiva e alí ela perdeu toda a postura que ainda fazia ele se afastar dela e agora ele estava forçando um abraço apertado enquanto ela tentava resistir sem conseguir parar de sorrir e eu querendo fazer uma coisa diferente como ele e seus amigos fui entrando na corda dele deixando ela sem espaço pra fugir, Rachel me olha como se fosse me matar logo logo mas fiquei firme ajudando Valdo a puxar ela pra dentro até que ela concordou dizendo que ia só pra conversar um pouco até a chuva passar, então corremos o pátio debaixo daquela chuva com ventos e raios, entramos rindo no pequeno cômodo onde Valdo morava que naquelas altura era uma verdadeira bagunça sem ninguém pra arrumar, vi o nojo estampado no rosto de Rachel olhando e sentindo aquele fedor de mofo abafado, sem onde sentar ficamos na beira da cama dele e novamente começou a querer abraçar ela que não oferece a mesma resistência de antes dando oportunidade pra ele cheirar o pescoço dela dizendo que ela estava muito cheirosa, eu conheço minha mulher e vi que não foi só o arrepio que ele causou nela, Rachel estava esfregando as pernas dela sem parar e quando ela tentou se levantar dizendo que basta ele puxa ela pra cima da cama e vai indo pra cima dela que me olha rindo muito sem graça mas não tentou se livrar mais aceitando ele se ajeitar sobre ela, o desgraçado ainda fala que eu não ia brigar com ela e que íamos apenas brincar entre nós três, vi Rachel concordando com a condição de que realmente ninguém soubesse daquilo, confirmei até a mentira que ele nunca falou nada sobre suas namoradas, Rachel não pede opinião de nada de mim, conversa apenas com ele e naquele momento os dois trocam o primeiro beijo que foi algo apaixonante, eu fiquei de pau duro na hora.
Valdo mostra toda habilidade deixando ela sem fôlego, era como ver um homem gigante sobre uma pequena garotinha de tão grande que ele era na frente dela, Rachel estava se deixando apalpar e era como se eu não existisse em pé do lado da cama, ela estava começando a agarrar ele de volta como se fosse uma felina selvagem como eu nunca vi ela fazendo comigo que fui o primeiro e único homem dela segundo sua afirmação, ela não se incomoda mais nem com o forte odor de bebida impregnada nele principalmente no hálito, sentei do lado pra ser notado e participar da brincadeira mas foi mesmo que nada, o beijo deles era muito intenso, tive uma vontade parar tudo com ciúmes dela mas eu sabia que não tinha mais volta, que se fosse o caso eles iriam fazer tudo escondido agora então deixei rolar, Valdo dava pequenas pausas pra deixar ela com vontade e puxar ele pra se beijarem, foi numa dessas vezes que eles me olham e ela sorri beijando ele sem tirar os olhos de mim, só com aquele momento ela estava praticamente gemendo profundamente apenas com os beijos dele.
Vendo que a situação estava toda a seu favor Valdo se afastou pra tirar a roupa dele e Rachel arregalou os olhos dela quando viu aquele mastro escuro erguido pra ela, Rachel teve um ataque de risos tentando esconder o rosto dela e Valdo puxou a saia que veio junto com a calcinha, quando ele puxa ela pelas mãos entrei em cena tirando a blusa dela e vi o olhar deles querendo rir da minha atitude, Valdo pede que eu me afaste e os dois vão ajeitando e começou uma foda tranquila que fazia Rachel perder o fôlego, o pau dele faz um barulho melado mostrando como ela está exitada, eu não me controlo e também tirei a roupa, mas perto dele o pau era um dedo ao lado de um pepino.
A foda deles foi ficando mais empolgada e Rachel estava gemendo fora de controle numa mistura se agarrando e empurrando ele, vi Rachel tendo um prazer imenso como eu nunca fui capaz de fazê-la sentir, minha esposa estava literalmente chorando na rola dele, nem parecia aquela menina cheia de pudor e doutrina religiosa, ela meche com ele sincronizando seus movimentos que ele fica ainda mais tarado, os dois se encaram satisfeitos enquanto fodem, eu estava olhando tudo e não lembro quando comecei a bater punheta mas está muito gostoso aquilo.
Valdo deu uma pausa e começou a sugar os pequenos bicos clarinhos dos seios dela, ele parecia querer sugar até a alma dela, ele foi descendo e sem mostrar nojo começou a chupar a buceta dela, ela nunca permitia nada se não fosse o sexo formal e agora ela estava delirando com um estranho chupando a buceta dela, não tinha demorado nem um minuto direito e ela começou a se contorcer todinha pra trás dizendo que ia gozar e solta um gritinho fino enquanto treme sem se controlar, Valdo não para de chupar deixando ela sem saber o que fazer, percebi que até o dedo ele estava metendo sem parar, ela literalmente chorou muito gostoso, quando ele para ela fica toda deplorável jogada na cama dele, o miserável ainda teve a coragem de dizer pra mim “caralho, tua mulher é muito gostosa ó, gostei” fiquei numa vergonha com um sorriso sem graça.
Ela começou a se recobrar e pra minha surpresa ela chamou ele pra fuder de novo mas ele puxa ela pra chupar o pau dele que era outro tabu no nosso casamento mas com ele ela mostra uma satisfação enorme e uma maestria impecável chupando uma rola daquela, ela queria saborear tudo o que podia e estivesse a seu alcance, nem os ovos dele ela dispensou, era definitivamente outra mulher na minha frente, ela nem ligou pra ele fazendo chacota puxando a cabeça dela fudendo com a sua boca, foi então que fui chamado pra ser o seria dali pra frente além de corno passivo, fui pro lado dele achando que ele faria ela me chupar mas acabou me empurrando pra baixo pra beijar ela, apesar de ter sido vergonhoso eu curti muito essa situação assim como ela que passa a alternar me beijar e chupar o pau dele que tinha acabado de fuder com ela, fiquei tão concentrado somente aceitando que quando olhei pra ele meu chão sumiu vendo como ele está rindo de mim, nessa hora ele puxa minha cabeça me fazendo abocanhar sua rola e Rachel se senta pra rir mas logo veio disputar o pau dele comigo e ficamos numa gostosa disputa de boca, foi algo que aconteceu rápido com aceitação de ambos os lados mas Valdo não conteve uma rápida gargalhada bem debochada puxando eu e Rachel contra a rola dele, confesso que eu estava muito admirado como alguém com uma rola enorme daquela pudesse ter uma ereção tão forte deixando o pau dele completamente erguido e duro como aço esfregando entre nossas bocas.
Valdo se sentou na cama chamando Rachel pra sentar na rola dele de costas pra ele, ela não fez menção nenhuma de recusar o pedido dele e com uma certa dificuldade por causa da diferença de tamanho entre eles ela começou a movimentar sozinha enquanto ele com uma cara de deboche dava ordens pra ela subir e descer, olhando pra mim ele disse “caralho que buceta gostosa da porra, bem apertada” Rachel começou a se empolgar e acelerar e pra não cair se apoia com as mãos na cômoda dele ficando quase de lado, ela gemia profundamente sem medo de ser uma mulher sentindo prazer, Valdo começou a abrir e aperta a bunda dela pra ver o buraco rosado do cú dela que parecia piscar pra ele de volta, numa rápida troca de posição eles vão pro meio da cama e ela monta de frente pra ele desse vez iniciando uma cavalgada sensacional que eu via claramente o pau dele entrando e saindo da buceta dela ouvindo aquele melado gostoso de entra e sai, novamente ele estava apertado e abrindo a bunda dela que ao olhar como eu estava olhando pra ela começou a se abrir pra mostrar ainda mais a pau dele entrando nela, vi um sorriso sarcástico no seu rosto e de repente ela sussurra no ouvido dele que tira o pau de dentro dela e me chama pra chupar, eu estava com uma vergonha enorme como se fosse ter um ataque cardíaco mas o tesão supria tamanha humilhação, tive que eu mesmo devolver a rola pra dentro da buceta dela que parecia entrar em êxtase profundo, minha doce Rachel que era toda branquinha está toda vermelha com marcas de onde ele aperta e chupa, a bunda dela tinha a marca até da palma da mão dele, ela não tinha o menor controle e de repente teve outro orgasmo explosivo, como quem não quer nada ele começou a massagear suavemente o cú dela enquanto ela estava jogada sobre ele, vendo que eu estava olhando pra tudo isso ele começou a forçar o dedo fazendo ela se espantar dizendo que aquilo ela não faria com ele, os dois começaram uma pequena discussão mais era engraçado que ele ainda estava com a rola dele dentro dela que não saia de cima dele que força uma dedada e mesmo tentando segurar o braço dele vi como entrou até o fundo, ela sente dor, reclama pede pra ele parar mas não saia de cima da rola dele, pra piorar a minha situação eu que batia punheta acabei gozando, eles riram muito e isso deixou ela vulnerável a invertida dele que começou a meter na buceta dela jogando ela pra cima e isso pelo jeito relaxou tanto que ela não está mais ligando pro dedo dele entrando e saindo do cú dela, Rachel estava alucinada em transe, seus gemidos ecoavam dentro daquele pequeno quarto que era sala e cozinha ao mesmo tempo, minha situação apesar de humilhante era muito gostosa, eu estava assistindo outro homem comendo minha mulher enquanto eu estava exausto e apenas tinha batido um punheta.
Numa certa truculência Valdo se vira obrigando ela a ficar de quatro mas Rachel viu que ele quer comer seu cú e se recusa a ficar na posição, ele não estava querendo conversar com uma ríspida ordem ele mandou ela deixar de frescura e se virar logo, ele não estava nem aí se estava machucando ela mas ele mesmo colocou ela de costas pra ele e foi se colocando atrás dela com ela querendo fugir dele, quando tentei convencer ele a parar ele mandou eu calar a boca se não ele ia me dar um soco na boca se eu atrapalhar, Rachel estava tentando fazer ele mudar de idéia prometendo chupar o pau dele até ele gozar mas também briga com ela pra ela deixar de ser fresca, ele deu um solavanco forte nela que ela caiu debruçada sobre a cama e ele puxa o quadril dela pra cima, logo ele começou a forçar o pau dele e ela tenta resistir querendo se virar mas ele deu um forte tapa na cabeça dela mandando ela ficar quieta e assim ela realmente para de resistir e aceita seu destino, o cuzinho dela era totalmente desproporcional pra rola dele e não mostra qualquer sinal de que vai entrar, só as tentativas faziam ela fazer uma careta tremenda de dor, então começou a encaixar e ela grita pedindo pra ele parar que estava doendo muito, ela tentou fugir e cair pra frente mas ele estava segurando forte o quadril dela e deu uma pancada costela dela pra ela ficar quieta e foi novamente forçando, agora a cabeça começou a entrar e foi demais pra Rachel, ela derramava lágrimas pedindo pra ele parar mas ele não está nem aí pra ela e eu hipnotizado olhando pra ele empurrando no cú dela que meu pau ficou duro novamente.
Pensei que Rachel ia desmaiar de tanto sofrimento, ela mordia os beiços e apertava com força o lençol enquanto ele empurra sem parar, mesmo entrando bastante chegou apenas no meio da rola dele quando ele para de meter, com uma passada de mão na costa dela ele alcança a buceta dela e começou a masturbar gostoso fazendo ela misturar um choro descontrolado e bem sofrido com um delicioso gemido choroso, mas logo ele começou a fazer pequenos movimentos e Rachel não pede mais pra ele tirar ou parar, apenas aceita permanecendo de quatro toda empinada, eu nem percebi que ela estava esfregando o rosto na cama mostrando um prazer imenso em meio a toda aquela dor, ele cuspiu várias vezes entre o buraco e o pau dele e isso parece ter lubrificado e facilitado o pau dele entrar e sair, Rachel aos poucos foi se deixando permitir sentir prazer naquilo e já estava mostrando satisfação levando rola no rabo, Valdo jogou isso na nossa cara mostrando que ela estava gostando de dá o cú pra ele, Rachel chegou a rir naquela situação chamando ele de gaiato, agora era uma foda digna de uma profissional diante dos meus olhos, era como se a rola dele desligasse pra dentro do cú dela que parecia que sugava o pau dele pra dentro, agora ela estava toda entregue deixando ele puxar ela pra trás sem parar, acho que de forma inconsciente Rachel acabou dizendo “isso me fode gostoso, aiiinn”, Valdo não para de socar dizendo o quanto ela era gostosa e sempre chamando ela puta e outros palavrões e insultos olhando direto pra mim que novamente estava tentando me controlar pra não gozar batendo punheta, ele entrelaçou a mão no cabelo dela e uma foda frenética fazia a cama balançar.
Rachel estava totalmente diferente e fora de si pedindo pra ele meter tudo conforme ele socava nela, então ele tira mandando ela deixar o buraco aberto e cospe bem no fundo, ele apertar uma nádega na outra como se fosse uma boca mastigando a saliva dentro e volta a fuder o buraco que não tinha dificuldade nenhuma de receber a rola dele agora, num perversão sexual dele fui chamado pra cuspir dentro também mas lógico que ele me obrigou a chupar a rola dele também, depois de muita foda ele começou a mudar a respiração dele que fica bem profunda, e numa rápida ação virou ela se masturbando direto no rosto dela onde logo despejou uma gozada bem farta e grossa como eu nunca tinha visto, ele começou a limpar colocando tudo na boca dela que engoliu tudo sem ninguém pedir, pra finalizar ele ainda fez ela chupar bastante a rola dele que parecia se recusar a ficar mole.
Satisfeito e realizado ele fez pouco caso mostrando um certo deboche curtindo com a nossa cara, Rachel até tentou mostrar que não estava gostando daqueles comentários mas ele começou a imitar ela gemendo e tirando ainda mais sarro dela e muito sem graça ela viu que não ia adiantar dialogar com ele e parou de retrucar, ele fez pouco de mim me chamando de corno viadinho e que desconfiava que eu queimava a rosca, embora eu tenha dito que nunca fiz isso ele veio com sua grosseria querendo me obrigar a chupar a rola dele e Rachel ria bastante, tentei inútilmente resistir mas ele me imobiliza com sua força metendo a rola dele dentro da minha boca, feito isso ele faz planos pra que Rachel volte lá no dia seguinte, ela tentou dizer que não podia porque tinha um compromisso no grupo de jovens da igreja mas ele ameaça dizendo que se ela não fosse ele ia lá em casa pegar ela e faz pouco da hipocrisia dela, nesse termo ela teve que confirmar com clareza que ia assim que terminasse lá, como último ato de vergonha eu queria fuder com ela também alí e foi uma diferença enorme de pressão que eu senti na buceta dela, era apenas uma banda de carne macia deslizando sem nenhuma dificuldade, Valdo ria fazendo chacota que minha rola não fazia nem cócegas numa mulher arrombada como ela e Rachel deu uma grande gargalhada dizendo pra ele se mancar, ele começou a bater forte na minha bunda mandando eu fuder com força, Rachel se acabando com um sorriso enorme parecia não sentir nada comigo, foi então que pedi pra ela dá o cú pra mim também, pra minha surpresa era até mais folgado que a buceta dela antes de fuder com ele, eu não aguento muito e gozei.
Como agradecimento pelo prazer ele me libera e vai nos deixar de carro em casa onde tenho que esperar eles terminar de namorar pra sair junto com ela, a noite ela foi pra igreja normalmente e quando volta quer saber de mim que horas é melhor pra ela aparecer no meu trabalho como prometido.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,40 de 25 votos)

Por # #
Comente e avalie para incentivar o autor

17 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder Maria22 ID:8d5f2s60qj

    Tem dias que eu tenho uma vontade tremenda de ceder as cantadas imorais do patrão do meu marido mas tenho que pensar na minha família reprimindo esse forte desejo mas tem horas que fico a ponto de fraquejar

    • Alexandre ID:8ef7ku2hrk

      Vai fundo Maria l, o tempo voa e vc tem que aproveitar, vc não falou se o seu marido gosta de ser corno, eu gosto e essa história me exitou muito, mete e goza bastante pois o tempo corre e o que levamos são os prazeres, se vc fosse minha esposa ia adorar você dar para o patrão, ele seria o nosso dono

    • Suely ID:sfystri78xf

      Maria, eu tenho o mesmo problema, o patrão de meu marido vive me assediando. Ele é bem coroa, mas muito charmoso. Por vezes, tenho muito dificuldade em resistir a seu charme e a sua insistência, ele me faz sentir muito desejada e em fogo, quando chego a casa tenho de me consolar…rs você tem e-mail para podermos falar de nossas experiencias?

  • Responder ViviCd ID:81rdumk9v1

    Delicia de histporia, me senti no seu lugar, submisso, passivo. Não resistiria e dava pra ele tambem

    • Alexandre ID:8ef7ku2hrk

      Vivi também me senti, submisso sendo mandando e corno, que delícia né queria ser submisso e que o dom comesse a minha esposa e os dois me humilhasse

  • Responder Reis ID:1e8uv7kgxq5r

    Pode preparar porque além de ter uma puta em casa,ele vai ti enrabar logo logo.

  • Responder maturedman ID:13ucbbf76q0j

    Caramba que conto bom!!! Continue pois tem muito talento>

  • Responder Lucasj6 ID:8d5f2s60qj

    Que conto top, adorei a história tem muita Rachel nesse meio só esperando a conversa certa pra libertar a puta enjaulada de dentro

  • Responder LeonManaus ID:gqc13fwqk

    Nossa que conto incrível, não ficaria passivo não, mas se eu descobrisse que minha esposa era uma puta enrustida, ela ja ser a atração do churrasco, dando pra vários , meu tele é meu nome porem com @ antes (tbm sou de Manaus

    • Alexandre ID:8ef7ku2hrk

      Também desejo, e já imaginei um churrasco, com vários abusando dela e pediu uma gelada para o corno manso, ia adorar mas ela só fantasia

  • Responder Fome_de_sexo ID:19p2nknd0

    Muito bom. Queria mais detalhes sobre medidas deles. Seria ótimo se na próxima ela desse pra um ou mais amigos, os descrevendo em detalhes.

    • Heitor ID:vh326fkfqpn

      E muito exitante esses contos

    • Fome_de_sexo ID:19p2nknd0

      Demais. Gosto de todos, sem limites ou preconceitos. Quanto mais detalhes melhor

  • Responder Jedmanco ID:40vpmcenxib

    Bom conto, mas tua mãe depois que virou sapatão, virou macumbeira também?

    • Rafaelcaldas ID:8d5f2s60qj

      Engraçado que virou mesmo, parece até uma regra entre elas.kkkkkkkk

    • Anônimo ID:xgmx4ym2

      já ouviu falar de influência do Mau

    • Jedmanco ID:40vpmcenxib

      Elas gostam de dizer que são um tapa na cara da sociedade, aiai triste fim.