# # # #

Início da história – comprando a virgindade da ninfetinha antes dela nascer

3219 palavras | 14 |4.23
Por

Início introdutório de uma série de histórias que eu vou contar aqui, esse conto não vai ter muita putaria, mas prometo que no próximo vai ter bastant

A história que eu vou contar começou há muitos anos atrás e finalmente há alguns meses ela chegou ao seu ápice, o que depois de anos de espera me trouxe muito prazer e a possibilidade de um prazer estendido sempre que eu quiser.
Tudo começou há uns catorze anos, eu tinha 30 anos, solteiro, sem filhos e tinha passado um pouco de dificuldade por um tempo, tendo que morar na casa de familiares e amigos, trabalhar em empregos com baixo salário. Quando eu completei 30 as coisas finalmente começaram a mudar, com 28 eu tinha terminado a faculdade, e quando fiz trinta, finalmente consegui um bom emprego, em uma empresa grande, numa posição um pouco mais alta e ganhando muito bem. Consegui quitar minhas dividas, arrumar um bom lugar pra morar e começar a aproveitar a vida de verdade. Eu sempre fui viciado em sexo, porém com a época de dificuldade que eu havia passado eu tinha ficado um bom tempo sem transar, já que não tinha dinheiro pra bancar mulher nenhuma. Passei um bom tempo me masturbando bastante pra me aliviar, de forma que quando eu me estabilizei e voltei a ganhar bem, logo comecei a investir em voltar a ter prazer, comecei a sair com várias mulheres, principalmente prostitutas, de algumas eu virei cliente regular, já que eu pagava bem e sempre levava elas em lugares caros. Voltei a ser um tarado viciado em sexo que com dinheiro no bolso comia qualquer tipo de mulher que queria, desde ninfetas de 18 anos até milfs de trinta ou quarenta anos.
A história que eu vou contar começa quando eu comecei a sair com uma prostituta da qual acabei virando cliente recorrente, o nome dela era Kelly, naquela época ela tinha em torno de uns 25 anos, ela era extremamente gostosa, magra, cabelo castanho, rabuda e belos peitos de tamanho normal, nas primeiras vezes ela foi um pouco fria, não deixava eu fazer tudo que eu queria, eu que sempre gostei de sexo violento. Mas foi só eu liberar um pouco mais de grana que ela foi se soltando e logo eu fazia com ela o que eu queria, fodia forte, enforcava, cuspia, enchia ela de tapa, brutalizava o cuzinho, fazia de tudo e ela, com uma boa putinha obediente, aguentava tudo bem comportada. Ela acabou virando uma das minhas putas preferidas e eu trepava com ela pelo menos uma vez por semana. Assim foi indo e com o dinheiro que eu dava pra ela, ela conseguiu viajar com algumas amigas que também eram garotas de programa para fazer atendimento em puteiros famosos do rio e de SP, o que ajudava elas a ganhar dinheiro. Assim as coisas foram indo por um tempo, até o dia que ela sumiu por uns dias, eu tentava ligar pra ela e ela nunca atendia, as amigas não sabiam de nada. Ela ficou uns três meses sem aparecer, até que voltou pra cidade, no mesmo dia eu liguei pra ela e marcamos de sair, fomos pro motel e transamos, mas ela estava estranha, um pouco impaciente, estressada, bem diferente dos atendimentos normais onde ela era mais solta e safada. Paguei ela e deixei ela ir embora, mais uns dias se passaram e ela sumiu por mais um tempo, quando eu consegui voltar a falar com ela, marquei da gente sair e levei ela jantar, tive que pressionar um pouco até ela falar e aí ela finalmente revelou:
Tinha engravidado numa das viagens pra São Paulo. Na hora eu fiquei chocado, perguntei se ela sabia de quem era a criança, ela falou que era de um cara rico que tinha comido ela e tinha pago a mais pra fuder sem camisinha, acabou gozando dentro e a vagaba engravidou. Ela estava muito preocupada, não sabia o que fazer, tinha tentado pedir ajuda pros pais, mas a relação deles era complicada, tentou ir atrás do cara que tinha engravidado ela, mas o cara não queria saber, até chegou a ameaçar ela. Nesse dia, deixei ela na casa dela e fui embora achando que tinha perdido minha puta preferida pra sempre. Ela ficou umas semanas sumida e eu dei uma boa diminuída na putaria por conta do trabalho que estava tomando muito tempo, até que um dia ela me ligou, disse que estava passando necessidade e que os gastos com médico e com a gravidez estavam tomando a maior parte da grana que ela conseguia com os programas, tinha tentado pedir ajuda para clientes antigos que também eram recorrentes, falou que tinha tentado cobrar um pouco mais caro, mas isso só tinha afastado os clientes. Ela estava bem preocupada, começou a falar que ia me dar de graça sempre que eu quisesse, se eu ajudasse, ver a situação dela me lembrou dos tempos que eu tinha passado dificuldade e eu acabei amolecendo, falei que ia ajudar ela. Ela agradeceu muito e ficou aliviada, mandei o dinheiro que ela estava precisando e marquei de encontrar ela mais tarde. Marquei de encontrar ela um pouco mais tarde, já dava pra ver a barriga dela um pouco protuberante.
Depois disso, nossa relação seguiu normal, eu ajudava ela sempre que podia, já que o dinheiro que eu gastava não fazia tanta diferença em relação ao salário que eu tinha, me sentia meio idiota de estar bancando a gravidez de uma puta que nem tinha engravidado de mim, mas eu gostava dela e decidi continuar ajudando. Lentamente fui desenvolvendo um fetiche por grávidas muito forte, comecei a ver muito pornô com grávidas, gestantes gostosas fazendo todo o tipo de coisa, desenvolvi um tesão absurdo por lactação, não via a hora da Kelly começar a produzir leite pra eu poder mamar nela quando eu quisesse. Não demorou para a barriga dela crescer e seus peitos incharem, meu tesão por gravidinha explodia e naquele nível eu já comia ela quando eu queria e do jeito que eu queria, inclusive gozando dentro sem camisinha, algo que eu fiquei viciado em fazer, quase sempre eu leitava dentro, preenchendo ela com minha porra.
Ficamos um tempo felizes desse jeito, eu pagava o que ela precisava e ela me dava a hora que eu queria, porém conforme a gravidez avançava, ela voltava a ficar preocupada, por enquanto estava ganhando dinheiro, por estar grávida, cobrava mais caro nos programas, dando pra fetichistas em gravidez, porém já previa que as coisas iriam ficar bem difíceis quando a criança nascesse e eu não poderia ficar sustentando ela pro resto da vida. Fazia os exames normalmente até descobrir o sexo do bebê: menina. Lentamente uma ideia estranha crescia na mente e eu ponderava se valia a pena investir naquilo.
Um dia nós estávamos na minha casa, deitados na cama depois de transar, ela já estava no estágio final na gravidez, quase no fim do sétimo mês, sua barriga estava enorme, seus peitos grandes, inchados e deliciosos. Eu mamava naqueles peitos, bebendo seu leite de pau duro e acariciando sua barriga mesmo já tendo gozado, ela mexia no celular em silêncio.
Começamos a conversar e eu parei de mamar, Kelly falava como estava preocupada com o futuro incerto e com as dificuldades que ela ia passar. Eu escutava tentando consolar ela, mas ela estava nervosa e logo começou a chorar, eu consolei ela, até ela acalmar e parar de chorar, eu tinha muito dó dela, mas ao mesmo tempo achava extremamente excitante a dependência que ela tinha de mim e o fato de eu poder ter sexo a hora que eu quisesse. Ela dormiu abraçada comigo e eu resolvi deixar ela descansar. Os dias passavam e ela estava cada dia mais nervosa com os problemas, enquanto em mim crescia a vontade de propôr minha ideia pra ela, até que um dia eu tomei coragem e chamei ela pra conversar, estávamos em minha casa e sentamos na sala, eu respirei fundo e falei
“Kelly, você sabe que eu gosto muito de você, mas não posso ficar te bancando por muito tempo… Eu tenho minha vida e você é puta, não posso assumir sua filha”
Ela me olhou assustada, já com os olhos cheios de lágrimas com medo de eu parar de dar dinheiro pra ela
“Olha… Eu sei, tô tentando me reerguer” ela falou com a voz trêmula “assim que eu me estabilizar, vou arrumar um emprego normal e continuar com os programas só pra complementar a renda, só que grávida, eu não vou conseguir arrumar nada por enquanto…”
Ela me olhou com carinha de pena, eu gostava dela, tinha um pouco de pena daquela situação
“Por favor” ela implorou com voz de choro “eu só preciso de ajuda por mais um tempo, tô fazendo tudo que eu posso pra te agradar e pra pagar pela ajuda que você tá me dando… Eu dou pra você de graça quando eu me reestabelecer, só não me abandona agora…”
“Para, Kelly, não faz assim… É claro que eu não vou te abandonar agora” eu falei
“Desculpa” ela estava chorando “é que eu tô tão sozinha, não tenho pra onde ir, nem ninguém pra me ajudar, tô muito preocupada com como as coisas vão ser daqui pra frente… Não sei como eu vou continuar sendo garota de programa com uma filha pra criar”
Ela desabafava e eu escutava em silêncio, até que tomei coragem e falei
“Olha, eu sei que as coisas estão difíceis pra você, mas eu tenho uma proposta, um acordo…”
Ela parou de chorar e me olhou curiosa
“É o seguinte… Não sei direito como falar disso… Mas vamo lá, eu não posso assumir sua filha e entrar num relacionamento com você, mas posso te mandar uma grana mensal pra você cuidar da menina, não consigo mandar dinheiro pra você sustentar as duas sem trabalhar nem nada, mas posso mandar todo mês o suficiente para você criar ela”
Ela me olhou desconfiada e disse
“Por que você faria isso? O que você quer em troca? Eu? Eu posso te dar de graça quando você quiser se você me mandar esse dinheiro”
“Não, Kelly” eu falei “você eu pago bem mais barato pra comer do que eu gastaria pra sustentar essa menina”
Ela me olhou confusa sem entender
“O que você quer em troca, então?”
“Ela” eu falei
“Como assim? Explica melhor” Kelly perguntou sem entender
“Quero ela, sua filha” eu falei decidido “é o seguinte… Todo mês eu vou te mandar a quantia certa para você cuidar dela, todo o dinheiro que você precisar, pra comida, roupa, boa escola e quando ela entrar na adolescência, quero poder usar ela, tirar a virgindade e poder usar ela quando eu quiser.. Eu acho que é um pacto justo…”
“Você só pode estar de brincadeira né, seu filho da puta” ela respondeu brava
“Não” eu falei “é sério, é uma boa oportunidade de você dar uma boa criação pra ela, sem precisar ser preocupar em se sacrificar por dinheiro, sem contar que eu não vou fazer nada antes da hora, obviamente… Só quando o corpo dela estiver desenvolvido e preparado”
“Você é um doente, seu verme filho da puta” ela gritou brava “isso é doentio, é nojento, você quer sustentar a menina, só pra poder comer ela quando ela virar adolescente?” Ela ficou um tempo gritando e me xingando falando um monte de coisa
Eu nem precisei responder, ela levantou pegou a bolsa e saiu apressada, eu fui atrás dela preocupado e falei
“Espera, Kelly, eu só tô tentando ajudar”
Ela foi saindo na rua e gritou
“Eu não quero sua ajuda, vai tomar no cú”
Deixei ela ir e fiquei em casa, os dias se passaram e ela tinha sumido, fiquei morrendo de medo de ela chamar a polícia ou chamar alguém pra ir atrás de mim, mas nada, ela desapareceu. Tentei ligar pra ela, mas ela não atendia e eu pensei que tinha perdido ela pra sempre. Já tinha me conformado com a ideia, tinha gasto uma boa grana com aquela gravidez, mas tinha comido ela bem gostoso durante todos aqueles meses de gestação. Quando eu achei que tinha perdido ela, um dia a noite eu estava em casa, tinha resolvido dar um tempo das GPs até que meu telefone toca, surpreendentemente era ela… Peguei o telefone e atendi nervoso
“Alô”
“Alô” ela respondeu seca e nervosa “olha… A gente precisa conversar…”
“Kelly, eu não quero problema, me deixa em paz… Foi bom enquanto durou, eu te ajudei esses meses, vamos ficar do jeito que tá e esquecer essa história, ok? Boa sorte pra você” eu respondi firme e decidido, já ia desligar o telefone quando ela falou
“Não, por favor, espera…”
“O que é?” Eu perguntei nervoso, minhas mãos suavam ansioso
“Eu topo…” Ela falou seca
“Topa o quê?” Eu perguntei
“Você sabe do que eu tô falando” ela respondeu
Meu coração batia forte, minha boca tava seca, eu não sabia o que fazer, estava em choque
“Alô? Tá aí?”
“S-sim” eu gaguejei “olha… Você tá na sua casa? Vou passar aí te buscar”
“Ok” ela respondeu
Me arrumei rápido, peguei meu carro e voei pra casa dela, cheguei lá e eu ainda estava com medo de ser uma emboscada, mas não, parei o carro, buzinei e ela saiu, estava com um vestido preto curto e decotado, mostrando as pernas com sua grande barriga, mesmo grávida se vestia igual puta.
Ela entrou no carro em silêncio e eu fui dirigindo em silêncio
“Olha só… Me desculpa por ter gritado aquele dia” ela cortou o silêncio “foi por impulso eu falei sem pensar”
“Relaxa” eu falei “mas e aí, o que te fez mudar de ideia?”
“Tô realmente passando um perrengue no fim da gravidez desde que você parou de me ajudar, quase sendo despejada por causa de aluguel do lugar onde eu moro, fui despedida do puteiro onde eu atendia e não tô pegando programa nenhum pra fazer esses dias” ela falou cansada
“Relaxa, minha gostosa, vai ficar tudo bem, eu vou cuidar de você. Você fez a escolha certa, sua filha vai ter uma boa criação, vai ter tudo do bom e eu melhor e me hora certa eu também vou ter o que eu quero” eu falei
Chegamos em minha casa, nós descemos e sentamos para acertar todos os detalhes
“Seguinte” eu falei “vai funcionar da seguinte forma, eu não quero me envolver na criação da menina, quero o mínimo de contato possível com ela. Quando ela chegar na adolescência e tiver a primeira menstruação, você vai me avisar e aí eu vou tomar as rédeas, pode ficar tranquila que ela vai continuar morando com você, mas eu vou poder usar ela quando eu quiser e fazer o que eu quiser com ela, ok?”
“Ok…” Ela respondeu com a voz trêmula “mas antes dela entrar na puberdade e desenvolver o corpo você não vai fazer nada com ela” ela acrescentou decidida
“Claro” eu respondi “só quando ela virar uma ninfetinha, antes disso não… Mas eu quero ela virgem, depois que ela menstruar pela primeira vez, eu vou decidir quando eu vou usá-la, até lá você vai manter ela virgem, bem lacradinha, certo?”
“Certo” ela concordou suspirando “é melhor isso do que nada, pelo menos eu confio em você, não estou vendendo minha filha pra qualquer um”
Começamos a discutir os termos e os valores e falávamos cada vez mais soltos, com mais naturalidade, nos acostumando com a ideia, eu lentamente ia ficando excitado. Quando terminamos de discutir tudo, fizemos um pouco em silêncio refletindo sobre o acordo.
“Posso perguntar uma coisa?” Ela falou
“Claro…o que quiser” eu respondi
“Da onde veio essa ideia? Tipo… Eu tô satisfeita com o nosso acordo, mas fiquei pensando, vai demorar bastante até chegar a época que você vai poder ter sua parte do acordo, será que vale realmente a pena gastar tanto dinheiro para esperar tanto tempo?” Ela perguntou com sinceridade
“Claro que sim” eu respondi de imediato “você tá brincando? Quando chegar a hora eu vou ter uns quarenta anos, que cara de quarenta anos não queria ter uma ninfetinha adolescente de escrava sexual particular para foder quando quiser?”
Ela riu e falando
“Filho da puta…” Rimos juntos
Eu desci a mão até sua barriga grande e dura acariciando ela devagar
“Ela vai ser a minha putinha… Igual a mãe… Eu vou contar os dias para chegar o dia em que eu vou poder desfrutar da minha menininha”
Kelly sorriu percebendo minha ereção, começamos a nos beijar, eu acariciava sua barriga e seus peitos. Ela desceu a mão e apertou meu pau com força. Comecemos a nos beijar com mais força, meu tesão estava impossível de aguentar, então levantei, abri o zíper da calça e saquei a rola pra fora, um estranhou tipo de tesão sádico tomou conta de mim, um tesão pela dominação, agora eu ia controlar e supervisionar a vida da Kelly e da filha, agora que ela tinha vendido a filha tão facilmente, eu já não tinha tanta dó, era mais um tesão intenso, uma vontade forte de foder ela forte.
Comecei a punhetar perto do rosto dela devagar, não demorou pra ela agarrar meu pau e começar a punhetar devagar, abocanhou a rola grande e grossa e começou a mamar, eu gemi e segurei em seu cabelo, senti sua boquinha quente acelerando a chupada, até que forcei sua cabeça contra o meu corpo, meu pau penetrou em sua garganta e ela engasgou, segurei sua cabeça contra o meu corpo por alguns segundos e soltei, ela cuspiu meu pau todo babado ofegante e aliviada.
“Que jeito de celebrar nossos meninos, hein?” Eu falei
Ela riu e mostrou os peitos, continuava me punhetando enquanto massageava seus peitos, deixando gotas do seu leite materno escorrerem pela glande da minha rola.
Ela fez uma espanhola por alguns minutos, masturbando meu pau com seus peitos grandes, até que eu resolvi comer ela no papai e mamãe mesmo, deitei ela na minha cama, abri suas pernas. Meti a rola e comecei a foder forte, ela gemia alto e eu seguia socando enquanto acariciava sua barriga e mamava seus peitos. Não demorou para eu gozar, enterrando o pau lá no fundo da sua xaninha e urrando de prazer. Lembro de me deixar cair e descansar ofegante sobre ela, até que levantei e tirei meu pau bem devagar da sua bucetinha, sentindo ele saindo daquela cavidade deliciosa com um rastro de esperma quente e grosso escorrendo. Bati com meu pau em sua barriga esfregando a rola empapada de mel de xana naqueles barriga grande e deliciosa …

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,23 de 26 votos)

Por # # # #
Comente e avalie para incentivar o autor

14 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder Marizinha ID:on904iq49a

    alguém pra ver eu brincando com meu vibrador

    • Amo inc3st0 ID:8d5gapdt0k

      Eu quero

  • Responder @MouraOl36 ID:1cqmcvx9ubfc

    Só acho que demorou muito. Devia ter usado a putinha antes.

  • Responder @MouraOl36 ID:1cqmcvx9ubfc

    Só acho que devia ter usado a putinha desde de o início, pra que esperar tanto?

  • Responder maxhodom1 ID:gnruj2dv2

    Muito bom esse conto

  • Responder Machoincestuoso ID:sjewprw8

    Melzinho para putinhas submissas. Quem quer?
    😈

  • Responder Magno ID:1e4qi7z73d1r

    Continue mano que tesão

    • Jaqueline ID:e5ybbhufpax

      Eu quero

  • Responder Daddy dom ID:81rngw2hri

    Meu sonho 💞

  • Responder @SimSaki ID:1cl9y4ok3bj3

    História muito bem contada, gostei muito!!! Mulheres que gostam tbm pode chamar no teleg @SimSaki, (apenas mulheres)

  • Responder skype: ric.silva2014 ID:1d9wjwu57tu3

    Delícia de conto, novinhas de Brasília que quiserem ter uma experiência como essa, só enviar mensagem para o professor no skype.

    • Mimi ID:7r03ucg49j

      Um fdp desgramado

    • Aroldo ID:1da9t3aak703

      Pegue uma de Brasília também a mãe dela que quiz me dá ela pra comer

  • Responder Slakkkkk ID:gsuofvzra

    Uauu posta mais eu amei