# # #

Assim foi minha a iniciação

1469 palavras | 13 |4.67
Por

Ainda brinquei mais um pouco, e senti o pinto dando umas estremecidas. Não sabia o que estava acontecendo, e segundos depois, recebi um jato no rosto.

Filho de mãe solteira, morava na casa dos meus avós, dormia em um dos quarto, com a minha mãe. Na casa, também morava meu tio Paulo, ele tinha 23 anos, moreno, alto e forte.
Minha avó, costureira, passava o dia trabalhando nos fundos da casa. Meu tio trabalhava à noite. Já meu avô e minha mãe trabalhavam durante o dia.
Bem…meu nome é Vagner, sou moreno claro, e vou contar algumas histórinhas, da minha iniciação. Espero que gostem.
Na época, eu estava com 8 anos, não era muito de brincar na rua, gostava de brincar na casa do Márcio, meu vizinho, ele tinha 10 anos e era negro.
A mãe do Márcio trabalhava na casa de uma senhora, em frente à casa dele. Já os irmãos mais velhos e o pai, também passavam o dia fora, trabalhando numa fábrica do bairro, a mesma que meu tio trabalhava à noite. Assim, ficávamos brincando sozinhos no fundo da casa deles.
Eu não me lembro direito de como tudo começou, mas o Márcio que era bem sacana, gostava e sempre falava putarias, acabou me introduzindo a este universo, me mostrando fotos de mulheres peladas.
Márcio me ensinou a bater punheta, e passávamos a tarde nos masturbando. Gostava de ver o pinto dele, pretinho, e bem maior que o meu. Tempos depois, passamos a brincar peladinhos, enquanto curtíamos as fotos que ele mostrava.
Inevitavelmente, a coisa foi evoluindo, e um dia, ele pegou meu pinto, e começou a punhetar, depois pediu para eu fazer o mesmo com ele. Me acabei pegando seu pinto.
A partir daí, passamos a nos explorar. Passadas de mão e encoxadas, viraram rotina.
Adorava o pinto dele roçando meu reguinho, Márcio tinha comentado, que essa brincadeira tinha que ser segredo, senão, seríamos chamados de viadinhos.
Mais íntimos na brincadeira, certo dia, Márcio abriu minha bundinha, encostou o pinto no meu buraquinho, e ficou cutucando, como se estivesse metendo, mas o pinto só ficou na portinha, não entrou. Instintivamente, passei a me masturbar, era muito gostoso, fiquei com o corpo molinho.
Nossas brincadeiras não chegaram a passar disso, a senhora para a qual a mãe do Márcio trabalhava, morreu, e não tinha mais como a gente brincar, devido a presença dela pela casa. Mais alguns meses e eles se mudaram do bairro.
Márcio tinha me apavorado tanto com a história de ser chamado de viadinho, que eu fiquei com medo de chamar algum menino para brincarmos daquele jeito.
O tempo passou, e um certo dia, assim que cheguei da escola, minha avó estava lavando roupas, e pediu para eu buscar a roupa de serviço do meu tio no quarto dele.
Entrei no quarto, e meu tio estava roncando. Ele estava sem camisa, coberto por um lençol, e parecia estar nú.
Curioso, fui verificar, levantei o lencol, e fiquei estarrecido quando vi o tamanho da rola dele, que estava mole, virada de lado.
Ainda admirava, quando minha avó gritou para eu levar logo a roupa.
Aproveitei que minha avó deixou a roupa na máquina e voltou para a costura, e fui lá no quarto do meu tio. Levantei o lençol, e não resisti, mexi na rola dele. Apesar de grande e grossa, era macia, mas também era bem pesada.
Enquanto mexia, ela foi ficando dura, e eu ficando excitado, só que meu tio acordou, e quando me viu mexendo na rola dele, começou a brigar comigo.
Assustado, e sem reação, comecei a chorar e corri para o encontro da minha avó.
Quando meu tio chegou, já trocado, minha avó brigou com ele.
_Mas mãe…ele estava mexendo nas coisas… no meu quarto…
_Eu que pedi para ele pegar suas roupas para lavar, ele disse que só voltou lá para arrumar uma outra roupa que tinha derrubado.
Meu tio me fuzilou com os olhos, mas me pediu desculpas, e pediu para eu entrar, disse que queria falar comigo.
Entrei, e ele me deu um sermão, disse que menino não podia fazer aquilo, que aquilo era coisa de viado….
_Mas eu sou viado tio! Comentei, o interrompendo.
_Ah…tá…então você é viado! Você nem sabe o que está falando, é só uma criança mimada que está crescendo sem limites!
_Sei sim…eu brincava com o Márcio, gostava de pegar o pinto dele.
Meu tio ficou me olhando, não parecendo acreditar no que eu dizia.
_Você deixou ele enfiar o pinto na sua bunda?
_Não….mas ele enfiou no meu reguinho, e eu gostei! Falei todo marrudinho.
_Tá bom…tá bom “viadinho” quando sua mãe chegar eu vou falar com ela, acho que ela vai adorar conhecer essa sua história com o vizinho…
Ele falou em tom de ameaça, e na hora eu mudei de cor, bateu um medo danado, gaguejei e pedi para ele não contar para a minha mãe.
_Tudo bem “Sr Viadinho”…por enquanto eu não vou falar, então, tira essa idéia da sua cabecinha, e toma vergonha na cara….
Baixei minha bola, e fui para a sala assistir TV.
Mais tarde, meu tio me trouxe um potinho de pipoca, e ficou assitindo desenho comigo.
Quando minha mãe chegou do serviço, olhei agoniado para o meu tio, que percebendo meu desespero, acabou sorrindo. Eles conversaram coisas do dia a dia, depois ele se arrumou e foi trabalhar. Aliviado, dormi tranquilo aquela noite.
Os dias seguintes foram terríveis, eu chegava da escola, e ouvia meu tio roncando, ficava doidinho para ir lá no quarto dele. Queria ver de novo, queria mexer, apalpar, brincar com a rola dele novamente, mas o medo me dominava.
Quando ficava comigo na sala, não tocávamos mais naquele assunto, mas vira e mexe, ele me perguntava se eu não ia mais brincar na rua. Eu apenas dizia que não tinha vontade.
Mais alguns dias agoniantes, e as coisas começaram a mudar, cheguei da escola, e fui direto tomar meu banho. Terminava de me ensaboar, quando meu tio entra no banheiro, completamente pelado. Normalmente eu não fechava a porta, só tinha eu acordado em casa, e minha avó nos fundos.
_Caramba Vaguinho….tô super apertado, se incomoda se eu der uma mijada?
_Tudo bem tio.
A água caia na minha cabeça, e meus olhos focavam o pinto dele, duro, mijando, bem ali do meu lado.
_Vai sair para a rua hoje? Me perguntou.
_Não tio…vou ficar em casa.
_Ainda não dormi nada, fui comprar uns tecidos para a sua avó, tô super cansado, não deixa a tv muito alta tá? Disse ele, balançando a rola, que continuava dura.
_Tá bom tio….
Meu tio voltou para o quarto, e eu terminei meu banho.
Da sala, dava para ouvir o ronco do meu tio. Me deu um comichão danado, criei coragem e fui lá.
Pelo lençol levantado, dava para perceber que o pau estava duro.
Tirei o lençol, e fiquei apertando o pau, bem de leve. Como ele continuava roncando, passei a punhetar bem devagar. De vez em quando, brincava com suas bolas pentelhudas.
Enquanto brincava com o pinto, ficava olhando aquela boquinha abrindo e fechando na cabeça do pinto. Nunca tinha reparado, e achei bonitinha. Aproximei, e dei um beijinho.
Ainda brinquei mais um pouco, e senti o pinto dando umas estremecidas. Não sabia o que estava acontecendo, e segundos depois, recebi um jato no rosto. Me assustei, larguei o pinto, me afastei, e fiquei vendo aquela boquinha cuspindo um líquido esbranquiçado.
Não entendi o que tinha acontecido, e não sabia o que fazer para limpar a barriga do meu tio, que tinha ficado toda melada. Pensei em ir ao banheiro limpar meu rosto, mas quando o negócio escorreu pela minha boca, achei o amarguinho gostoso. Não sei o que deu na minha cabeça, mas resolvi lamber meu tio, e limpá-lo.
Quando terminei de limpá-lo, peguei seu pinto mole, e passei a língua na cabeça, para limpar o pouco que ainda escorria.
Com cara de moleque que tinha aprontado algo, fiquei na sala, assistindo, com um medo danado do meu tio ter percebido algo. Porém, mais tarde, ele chegou na sala, e conversamos normalmente.
Mais encorajado, uns dois dias depois, repeti a brincadeira, só que dessa vez, quando percebi o pinto estremecendo, abri bem a boca, e enfiei a cabeça da rola. Recebi todo aquele líquido, não deixei escapar nada.
Por semanas, essa foi a minha principal brincadeira, até que um dia…..

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,67 de 69 votos)

Por # # #
Comente e avalie para incentivar o autor

13 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder Luiz ID:3v6otnnr6ic

    Muito bom seu conto tomou muito leite de macho tomara que ele bote no seu cu

    • Vaguinhosp ID:1ewg3n3foq6m

      Obrigado.

  • Responder Santos Lynch ID:1e9grn2zoqow

    Continua

  • Responder GuriMacho ID:19j86u1k4g97

    Bezerrinho tbm, adoro

    • Vaguinhosp ID:1ewg3n3foq6m

      Valeu GuriMacho

  • Responder Nenê ID:8k4je3h49a

    Caralho continua

    • Vaguinhosp ID:1ewg3n3foq6m

      Em breve…

  • Responder Pai ID:1cs3js5qzdhy

    Já fiz assim e estava fingindo que dormia

    • Vaguinhosp ID:1ewg3n3foq6m

      É….meu tio também estava…em breve no próximo conto.

  • Responder adoro gordinhos ID:1dvvunbeptwu

    caramba continua

    • Vaguinhosp ID:1ewg3n3foq6m

      Em breve…já enviei.

  • Responder Marcos ID:1d008uav4gnj

    Coloquei a pica do negao no cu e agora estou viciado em rola quero vários homens me comendo

  • Responder PatoCNN ID:8314wn3xic

    Top! Me chama no tele pra trocar algo PatoCNN