# # # #

Quando eu abusei um amigo mais novo que eu?

662 palavras | 1 |4.00
Por

Essa História se passa em 2019, nesse época, eu tinha mais ou menos 15 anos. E esse conto é putaria pura.

Aqui é o Davi corrêa, sou moreno, tenho 1,81 de altura, na época tinha 1,72 por aí, sou magro só que sou meio másculo. Na história a seguir, temos o Guilherme que na época tinha 10/hoje em dia tem uns 14 anos(Ele é branco,olhos pretos,e era até fortinho para as crianças da idade dele),era meu vizinho, morávamos numa cidade pequena, então ele confiava em mim, pois brincávamos de outras brincadeiras de criança.
Era uma Sexta-feira do mês de janeiro de 2019 (férias) e eu tava sozinho em casa vendo os pornozinho gay e hétero de lei, o Guilherme (meu vizinho),tava brincando com alguns coleguinhas de rua. Só que chegou a hora do almoço e os coleguinhas dele deixaram o Gui sozinho na rua, o Gui bateu lá em casa pedindo água, eu atendi.
Na malícia chamei ele pra jogar videogame comigo, como já havíamos jogado antes, ele aceitou. A gente começou a jogar, e ele tava sem camisa, e eu comecei a ficar excitado tava com aqueles shorts de malha fina e sem cueca. Ele ficou olhando pro meu pau,
eu perguntei:
-Gui, cê já bate punheta?
Ele responde:
(Gui)-Eu já, é aquilo de ficar fazendo massagem no pau né?
(Eu)- Isso mesmo, o seu depois que cê termina, fica saindo leite?
(Gui)- Não.
Eu dou a ideia da gente bater um pro outro, e ele aceita.
-(Eu): Você quer ver pornô, enquanto a gente fica se masturbando?
-(Gui): Eu QUERO.

Eu coloco o pornô, e a gente começa a bater um pro outro(a pica dele era branquinha parecia um picolé de morango, nessa época eu já tinha uns 16 cm de pau, meu pau é moreno,liso e grande). Eu pergunto se ele não quer provar meu leite.
(Eu): Gui, chupa meu pau, pra você provar meu leite, senão eu vou contar pra todo mundo, que você ainda mija na cama à noite, e que é um viadinho medroso.
(Gui): Tá bom, por favor não conta pra ninguém.

Eu pego a cabeça dele, e começo a meter a minha pica lá, e começo a gozar na boca dele. Depois eu pego um pouco de doces pra ele se aliviar.

No dia seguinte, no sábado, eu ameaço ele, dizendo que a família dele vai acabar com ele, se ele contar pra alguém e que eu quero que ele deixe eu meter meu pau no cu dele.
(Gui): Por favor, faz isso não, meu cuzinho vai arder e vai doer.
(Eu): Vai não, eu vou colocar lubrificante, e vai ficar só entre nós dois.

Algumas semanas se passam, e o Gui tava me evitando. Até que num domingo, ele tava brincando de esconde-esconde, e tava tendo uma festa entre várias famílias da rua, incluindo a minha família e a dele, e ele entra lá em casa pra se esconder, achando que eu não estava lá.
Eu tranco as portas e digo:
(Eu): Eu te peguei!
(Gui): Por favor, não!!!

Eu passo lubrificante no meu pau, cuspo no cu dele também só pra ser mais fácil de entrar, começo a meter dele, e coloco minha outra mão em sua boca pra ninguém não escutar. Ele começa chorando de dor, até começar a gemer de prazer.
O cuzinho dele, era branquinho meio rosado, e eu meti gostoso naquele safado. Ele me mamou depois.

Depois de algum tempo, o safado comia todas as meninas e meninos, e implorava pra eu enfiar minha pica naquele cuzinho dele que aguentava uma vara, nas outras vezes. A gente ficava imitando as posições do porno gay, e tals.

Enfim, essa é a história.
Pra quem quiser saber a do meu primo abusador, do meu tio que comia cu quando queria, é só avisar.

Meu telegram: @MagicalDC

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,00 de 37 votos)

Por # # # #
Comente e avalie para incentivar o autor

1 comentário

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder Alucard ID:juyfjd9vxnv

    Conto chatão