# # #

Histórias do Landinho: 3- Meu primeiro leitinho

1726 palavras | 4 |4.71
Por

Demonstrando que estava disposto a realizar seu desejo, dei uma leve mordida na sua rola, ainda sob o calção.

Estávamos em época de provas, último bimestre, e o Vavá estava com dificuldades em algumas das matérias. Como a mãe dele tinha arrumado um emprego, criamos um horário de estudos na sua casa, que seria todas as tardes. Era realmente para estudar, mas depois…
Nesta semana de estudo, o Vavá me pediu algo que ainda não tínhamos feito, pediu para eu chupar o pinto dele.
_Ah Vavá…eu tenho nojo…
_Ah vai…só um pouquinho, parece que é gostoso…
_Dá a impressão que eu vou beber mijo…
_Mas eu não vou mijar, ah vai Landinho…e se eu passar geléia? Vai ficar com outro gosto.
_Tá bom…tá bom…mas se tiver ruim a gente pára!
É…até que não era ruim, gostei de sentir o pinto dele entrando e saindo da minha boca.
Mais à vontade, lambuzei o pinto e o saco dele, e enfiei minha cara, passando a língua e lambendo tudo. Era gostoso vê-lo se contorcendo, quando eu passava a língua na cabeça do pau, que não parava de latejar. Depois, ele metia na minha bunda, daquele jeito que eu gostava.
Na sexta feira, começaríamos a estudar para a prova que seria na terça.
Cheguei da escola, fiz o que tinha que fazer, tomei um banho, e quando estava de saída, o Luciano chegou em casa.
_Caramba…não te vi a semana toda, não saiu para brincar. Disse ele.
_É…eu e o Vavá estamos estudando, a semana foi toda de prova, estou indo pra lá agora.
_Pôxa…não tem uns minutinhos para a gente conversar?
Não tive como segurar o riso, sabia que ele não tinha ido lá para conversar.
_Tá…tá…tá bom entra…
Quando me viu voltando para o fundo, minha vó falou:
_Ué…não ia estudar na casa do seu outro amigo?
_Eu ainda vou, vó…é que o Luciano está com um probleminha, e a gente vai tentar resolver.
Minha avó entrou para a casa dela, enquanto eu e o Luciano fomos para a minha.
Entramos, e o que menos fizemos foi conversar. Tirei minha roupa, me ajoelhei na cadeira, e o Luciano meteu a rola na minha bunda.
_Puta que pariu…tava com saudade disso, não some não. Disse ele.
_Depois das provas as coisas voltam ao normal, logo vem as férias, aí melhora. Falei.
Luciano meteu até cansar, eu não quis interromper, até porque estava gostoso. Cansado, ele sentou em outra cadeira. Dei lhe um suco, me ajoelhei à sua frente, e abocanhei a sua rola.
_Ei…nossa…que gostoso…ahhh…ahhh…nossa, quem te ensinou isso?
_Eu ví numa revista!
_Nossa.. ahhh….ahhh…é muito bom.
Me levantei um pouco, apoiando minhas mãos em suas coxas, e continuei mamando seu pinto, praticamente de quatro. Luciano aproveitou e enfiou o dedo no meu cú. Bastaram alguns minutos assim e nossos corpo se estremeceram. Que sensação gostosa!
Demos um tempo, até que o Luciano falou:
_Tá bom…valeu…não quero te atrasar.
Levei-o até o portão e corri para a casa do Vavá.
No caminho, vejo o Beto, e me derreto todo, tinha passado a semana batendo punheta pensando nele, em alguns momentos, até quando o Vavá me comia, eu ficava imaginando ele me comendo. Essa loucura começou porque vi um amiguinho dele mijando no banheiro da escola, e a partir daí fiquei imaginando o pinto do Beto. Que loucura.
Com um tremendo sorriso no rosto, eu puxo conversa:
_Oi Beto…o Vavá está em casa?
_Tá sim Landinho…aliás o que vocês estão aprontando? você foi em casa a semana toda! Disse ele com um sorrisinho malicioso no rosto.
_Nada…nada, a gente tá estudando para as provas. Respondi, de forma tímida.
_Tudo bem Landinho, tô brincando, vai lá ele está te esperando!
Beto foi para o lado do campinho, e eu para a casa dele.
_Caramba…você demorou! Disse Vavá.
_É tive que fazer umas coisas lá em casa, acabei me atrasando um pouco, mas vamos lá…que essa vai ser a prova mais difícil.
A matéria era nova, expressões numéricas, eu e o Vavá não estávamos entendendo a ordem de resolução, e estava difícil avançar, até que me pintou uma idéia.
_Vavá, conversa com o seu irmão, fala com o Beto, ele está na sétima série, e é bom em matemática, acho que ele pode nos ajudar.
Na segunda feira, durante a aula, o Vavá falou que o Beto tinha concordado em nos ajudar.
_Landinho, vê se não chega atrasado! Ah…é tem outra com ele por lá, não vai ter “brincadeira”.
_É eu sei…e pode deixar, eu não vou me atrasar.
Não estava muito certo com relação à “brincadeira”, com o Beto tão pertinho, eu tinha que bolar alguma coisa. Com relação à matéria eu já estava sossegado, na revisão da aula, naquela mesma segunda, eu passei a entender.
À tarde, eu e o Vavá estávamos sentados à mesa, enquanto o Beto ficava em pé, entre nós dois. Explicava para um, para outro, virava para cá, virava para lá, e numa dessas viradas, seu pinto encostou no meu braço. Na hora já imaginei besteira, e dei uma leve mexida. Isso aconteceu algumas vezes, e no começo, não pensei que ele tivesse percebido, até que senti seu pinto duro encostando em mim. Passamos a fazer isso de forma bem discreta, até que depois de uma pergunta minha, ele se inclinou e falou quase ao meu ouvido:
_É isso aí…você já está entendendo as coisas…
Arrepiei até o último fio de cabelo.
_Vavá… vai lá…pega um suquinho prá gente. Disse Beto.
Enquanto o irmão dele foi à cozinha, Beto me puxou pela cabeça, e enfiou seu saco na minha cara.
_Olha como você me deixou seu viadinho…vai ter que dar um jeito nisso. Disse ele bem baixinho.
Demonstrando que estava disposto a realizar seu desejo, dei uma leve mordida na sua rola, ainda sob o calção.
Após esse primeiro contato, fiquei eufórico, cheio de tesão, falante, e disposto a não sair dali, antes de sentir aquela rola.
Vavá voltou com o suco, bebemos, depois fizemos uma rápida revisão.
_Caramba mano…você explica melhor que o professor, entendi tudo.
É…eu concordei, e também elogiei bastante, mas agora, eu estava precisando aprender uma outra lição.
_Vamos jogar videogame? Sugeriu Beto.
Concordamos e subimos para o quarto deles.
_Enquanto vocês começam, eu vou tomar um banho. Disse Vavá.
Vavá nem tinha entrado no banheiro e o Beto falou:
_Acho que você quer brincar de outra coisa né?
Quando perguntou isso, ele já colocou a rola para fora, e eu dei um sorriso. A rola era linda, roliça, mais grossinha e mais compridinha que a dos meus amiguinhos, era mais bonita do que eu esperava, minha boca ficou salivando.
Beto tirou o calção e deitou de costas na cama.
_Vem aqui….dá uma chupadinha. Disse ele.
Me aproximei, me sentei do lado, e passei a brincar com a sua rola, punhetando, acariciando e passando a língua na cabeça do pau. Beto se remexia todo na cama. Na hora que eu engoli a rola, ele passou a gemer mais alto. Estávamos tão entretidos que nem percebemos a presença do Vavá.
_Caralho Landinho…você falou que não ia rolar nada hoje!
_Ah seus sacanas então não era só estudo né? Disse Beto.
_Vai Landinho vira, vou querer participar também!
Enquanto me virava, sem tirar o pau da boca, Vavá foi tirando meu calção. Fiquei de joelhos na cama, e ele meteu na minha bunda. Mesmo metendo, Vavá ainda resmungava, porque não tinha sido avisado.
_Para de choramingar Vavá. Disse Beto.
Agora, só ouvia gemidos, enquanto degustava aquela bela rola.
_Ahhh.. ahhh…ahhh…é Landinho acho que está na hora de você tomar leitinho. Disse Beto.
_Hummmm? Perguntei com a boca cheia.
Beto segurou minha cabeça contra o pinto dele e repetiu:
_Tá na hora de você tomar leitinho..ahhh…ahhhh…ahhhh.
Ainda tentava entender, quando senti um jato quente na minha boca, na hora pensei que o Beto estivesse mijando, e tentei sair, mas ele segurou forte minha cabeça.
_Calma…calma….é o seu leitinho, toma tudinho…vai toma..
Recebi mais alguns jatos, e percebi que não era mijo, parecia mais pegajoso, meio amargo. Na hora não achei gostoso, mas a quantidade de líquido que recebi na foi tão grande que acabei engolindo quase tudo, só uma parte escorreu pelo saco dele.
_Nossa, você bebeu a porra dele. Disse Vavá.
Só aí passei a entender o que tinha acontecido.
Vavá meteu mais um pouco e cansou. Beto voltou a me oferecer o pinto, que não estava muito mole. Bastou uma chupadinha para ficar em ponto de bala novamente.
Beto tirou o pau da minha boca, e se posicionou atrás de mim. Quando aquela cabecinha encostou no meu buraquinho aberto pela rola do irmão dele, delirei de tesão, e fui à loucura quando ela me invadiu. Beto enfiou tudo de uma vez e já foi bombando sem parar, e bem acelerado. Me sentia nas nuvens, me sentia todo aberto, gemia sem parar a cada socada que ele me dava.
Vavá se aproxima e pede para eu chupar o pau dele.
As bolinhas do Beto batiam na minha bunda, me causando calafrios. Estava tudo muito gostoso, melhor do que eu imaginava, poderia ficar ali por mais tempo, mas Beto não aguentou.
_Ahh.. seu viadinho…vou encher seu buraquinho…ahhh…
E ele encheu mesmo, foram vários jatos, meu cuzinho não suportou e ficou escorrendo. Exausto, Beto caiu na cama. Continuei chupando o Vavá, que queria meter na minha bunda novamente.
_Acho melhor parar…a mãe já está para chegar. Disse Beto.
Resolvemos parar, e continuar no outro dia, o que acabou acontecendo.
O pau do Beto era muito gostoso, pena que ele não participava em todas as vezes que eu aparecia lá na casa deles, mesmo assim ele me comeu bastante.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,71 de 28 votos)

Por # # #
Comente e avalie para incentivar o autor

4 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder Dilsinho ID:1er1jo2ab7ot

    No inicio de minha adolescência, eu dava o cuzinho para dois irmãos gêmeos de 12 anos, Até as piquinhas eram do mesmo tamanho, deveriam ter uns 12 cm e eram muito gostosas. Enquanto um me enrabava, eu chupava o outro! Que saudades.

    • Landinho ID:1dj1r9qtvh54

      Kkkk..que bom…que lembrou disso…

  • Responder Luiz ID:3v6otnnr6ic

    tem sempre que outras opções o viadinho nao pode ficar som 2 machos

    • Landinho ID:1dj1r9qtvh54

      Kkkkkkk