# #

Minha experiência minha irmã de sangue

1749 palavras | 3 |4.07
Por

A história que irei contar é 100% verdadeira. Não irei mencionar nossos nomes verdadeiros por motivos óbvios

Olá, essa é a primeira vez que divido essa história que nunca contei pra ninguém por motivos óbvios. Não sou muito bom descrevendo detalhes e muito menos escritor, mas a história à seguir é 100% real.
Sou filho de pais separados, mas meu pai me deixou pra ser criado pela minha vó desde muito novo, então cresci com ela, mas as vezes ia passar um tempo com ele.
Minha mãe morava em Brasília, com essa minha irmã mas nova e eu não costumava ter contato com nenhuma das duas, só havia visto minha irmã uma vez, quando eu era criancinha e ela, um bebê.
Até que depois de muitos anos minha mãe veio na minha cidade nos visitar e trouxe com ela a minha irmã já mocinha, ela devia ter uns 11 anos nessa época e eu, uns 14 ou 15, não lembro ao certo. Alí eu ainda não tinha pensamentos assim.
Nós então viajamos pra casa do meu pai. E depois de passarmos um tempo juntos meu pai insistiu muito pra que minha mãe deixasse minha irmã morar com ele. E assim aconteceu, minha mãe voltou pra Brasília e minha irmã ficou com meu pai.
Passando alguns anos, meu pai trouxe minha irmã pra passar um tempo comigo e com minha vó, assim ficamos só nós 3 em casa.
Eu e minha irmã tínhamos uma boa relação, bem carinhosa e ela sempre dizia que eu era lindo, obviamente ela também é, pois se parece muito comigo. Eu sou alto, branco do cabelo e olhos pretos herdados do nosso pai e minha irmã é branca dos cabelos e olhos castanhos, herdados da nossa mãe.
Nós sempre ficávamos juntos mexendo no computador e as vezes ela tinha costume de cochilar na minha cama enquanto eu usava o PC, até que numa dessas vezes eu olhei pra trás e a vi dormindo de bruços, usando uma saia e com as pernas abertas. Nossa foi uma visão incrível, eu não conseguia parar de olhar o volume da calcinha dela (Tô até excitado lembrando).
A partir dali passei a ver ela com outros olhos, daí em diante comecei a consumir conteúdo pornô com tema incesto, sempre me masturbava pensando nela, depois me achava um doente, mas não conseguia não sentir tesão por ela.
Certa vez eu ela estava tomando banho e eu estava indo ao banheiro sem saber que ela estava lá, ela saiu de repente com os peitos pra fora e meus olhos foram em cheio, eram lindos, bem redondinhos, durinhos e medianos com os mamilos pequenos.
Isso só me deixou mais obcecado, eu tinha que fazer algo, queria ter ao menos uma pequena experiência parecida com aquelas dos contos que eu lia, mesmo sabendo que geralmente é tudo ficção.
Então eu tive que começar agir… Geralmente, como nós tínhamos costumes de ficar juntos na internet jogando aqueles antigos joguinhos de flash, eu tive uma ideia de “acidentalmente” cair em um site de jogos hentai. A gente ficou rindo de tudo, mas continuamos no site. Eu tava muito excitado e nervoso, o semblante dela foi mudando pra um mais sério, e eu pensei que ela estava ficando incomodada com aquilo, então ela saiu do quarto. Depois não tocamos no assunto.
A partir desse dia ela passou a usar mais o computador sozinha, então um dia eu subi no meu guarda-roupas da minha vó que ficava no quarto ao lado e a espionei por cima da parede, ela estava jogando os joguinhos pornô. Eu fiquei bem animado sabendo que ela tinha se interessado por isso, então tomei coragem e fui lá de fininho, quando ela se deu conta eu já estava sentado do lado dela, muito nervoso, falei com a voz tremula pra ela continuar, mas ela ficou com muita vergonha, tapou o rosto com as mãos e saiu do quarto, nem preciso dizer que fiquei decepcionado rs. Até que em uma outra noite a gente estava mais à vontade na sala assistindo TV e eu peguei o notebook e propus à ela.

– Vamos assistir uns vídeos de sexo?

Ela não disse nada, mas também não saiu do meu lado. Então lá estava a gente no sofá da sala assistindo pornografia juntos, eu tava muito excitado com aquilo porque senti que era um baita avanço. Então num surto de coragem eu puxei minha irmã e a beijei. Ela não fazia muita ideia de como fazer aquilo e não deixava eu passar a mão nela. Paramos de nos beijar e ficou só nisso mesmo.
A partir desse dia ela ficou mais à vontade comigo, e até às vezes perguntava algumas coisas sobre sexo, se era bom, por exemplo. Descobri então que ela estava de paquera com um garoto vizinho nosso. Então paramos de ter contatos desse tipo. Até que numa certa tarde eu estava lá usando meu PC (como sempre), meu pai estava lá na cozinha com minha vó e minha irmã teve a ideia de pedir pro meu pai pra namorar com o garoto vizinho, meu pai disse pra ela chamar ele lá em casa e ela chamou.
Só vi o guri passando correndo e meu pai correndo atrás dele kkkk, não entendi nada, mas não parei o que eu estava fazendo.
Então meu pai levou minha irmã pra casa dele, eu fiquei puto porque aquilo atrapalhava muito meus planos com minha irmã, mas não podia fazer nada.
E assim ficou por anos, até que uma vez eu tive a iniciativa de ir passar um tempo morando com meu pai e minha irmã, não exatamente por causa do plano, mas porque queria dar um tempo da minha cidade. Pois bem, meu pai vivia viajando por trabalhava de professor na cidade vizinha então eu ficava sozinho com minha irmã, só que até então eu não estava com planos, mas depois de um mês lá eu já estava louco pois não conhecia ninguém na cidade então fiquei esse tempo sem transar. Até que meu tesão pela minha irmã reviveu e eu decidi que colocaria meu plano em prática.
Eu já estava bem mais desenvolvido, com uns 19 anos, agora tinha músculos e era minha vez de colocar tesão nela. Ficava andando pela casa num shortinho daqueles de jogar bola e sem cueca e deitava no sofá com as pernas abertas, as vezes minha irmã deitava comigo na rede mas não acontecia nada.
Dias se passaram assim, até que um dia pela tarde estávamos lá sozinhos em casa como sempre, até que minha irmã diz.

– Nossa! eu tô com tanta dor de cabeça.
– É abstinência.
Eu disse em tom de brincadeira.
ela perguntou – O que é isso?
– Muito tempo sem fazer sexo.
Eu respondi.

Ela não disse nada, só ficou calada e pensativa com o olhar distante. Passando uns minutos eu tava lá assistindo e ela chega de toalha.

– Vamos tomar banho?

Eu fiquei em choque, disse apenas “vamo”. Ela foi pro banheiro, e demorando um pouquinho eu fui atrás. Ela estava debaixo do chuveiro, tinha deixado a porta aberta e estava só de calcinha com os peitos de fora. Só tirei meu short e entrei debaixo do chuveiro com ela de cueca. Ficamos nos passando sabonete e eu alisava os peitos lindos dela. Ela puxou meu pau pra fora, estava pedrado de tão duro, parecia que ia explodir. Ela começou ensaboar ele e ficou admirando e passando a mão. Eu tentei baixar a calcinha dela, mas ela não deixava. Só ficou ali alisando meu pau em baixo do chuveiro. Depois de um tempo assim ela desligou o chuveiro e foi pro quarto dela e eu fui logo atrás. Não contei história, só abri a toalha dela e joguei em cima da cama e comecei chupar aquela bucetinha lisinha, rosada e linda dos lábios pequenos, perfeita! Ela já louca de tesão me puxava pra cima dela sem camisinha mesmo e eu fiquei relutante porque era novo e tinha medo que acontecesse uma merda rs. Mas depois dela puxar tanto meu pau em direção àquela buceta maravilhosa eu não aguentei, meti meu pau duro como uma tora de madeira maciça bem devagar naquela bucetinha tão apertada que teve dificuldade pra entrar. Nossa eu tava louco de tanto tesão e ela dizendo “vai mais rápido” seguido de “ai ai tá doendo” e cruzou as pernas em volta de mim gemendo muito gostoso, nossa! eu tive que parar e colocar uma camisinha porque tava muito perto de gozar dentro dela. Ela não queria camisinha, mas depois aceitou. Coloquei e continuamos, gozei tanto que pensei que ia morrer depois de tanto tempo acumulando tanta porra.
A partir daquele dia passamos a transar em várias oportunidades, e jeitos mais variados, ela passou a me chupar, passava a língua no corpo inteiro do meu pau e tinha tanto jeito e paixão, meu pau só entrava a cabeça na boca dela, ela chupava passando a língua ao mesmo tempo, nossa! eu fiz bem em apresentar o mundo pornô pra ela rs.
Eu voltei pra casa da minha vó e passamos um tempo sem nos ver, mas quando ela ia lá visitar a gente transava escondidos e ela sempre me perguntava se transava bem e eu adorava responder que era maravilhoso.
Até que num certo dia ela saiu da casa da minha vó escondida pra ir pra casa daquele vizinho, minha vó e tia descobriram, mas não ligaram, só que ela demorou tanto voltar que elas tiveram que ir atrás, mas minha irmã não quis mais voltar pra casa porque meu pai era um merda que tratava ela mal e praticamente à fazia de prisioneira. Isso deu uma confusão tão grande que meu pai quase foi preso. Hoje ela ainda vive com esse vizinho, e tem duas filhas. Só eu da minha família ainda falo com ela pois sempre fui neutro nessa história toda. Nunca mais tocamos naquele assunto, mas sempre que bate uma vontade de me masturbar eu quase sempre penso nas transas que tive com minha irmã.

⏩ O melhor site de desenhos animados pornô do 🇧🇷, HQs eróticas🔥

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,07 de 15 votos)

Por # #
Comente e avalie para incentivar o autor

3 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder Nollan Mello ID:7xcdwnbfij

    Boa história. Também já comi minhas irmãs quando era adolescente.

  • Responder Carlo ID:7r03uwp2m3

    Muito bom, já transei com a minha irmã chama no telegram @jrs221

    • Leticia ID:3vi1x15aoic

      Conta ai como foi