# #

Os segredos do meu filhinho novinho

5495 palavras | 9 |4.80

Descobri que meu filho conversa com homens e me espiona quando estou no banho.

Me chamo Carlos, tenho 36 anos, casado e pai de um menino de 8 anos, o Gabriel, ou Biel como nós chamamos. Minha esposa e eu somos engenheiros civis, eu trabalho em uma empresa que presta serviços públicos para a prefeitura da minha cidade e ela em uma multinacional. Temos uma vida bem agitada quando a questão é trabalho. Por outro lado, a vida de casal tá mais fria do que o polo norte. Não temos tempo para nos curtir, sair, ear, viajar é uma coisa que não sabemos o que é faz muito tempo. Não temos relação com frequência, ela vive viajando a trabalho e eu, por inúmeras vezes, chego em casa já tarde da noite.

Numa certa quarta-feira, cheguei em casa já era quase meia noite, ela estava acorda me esperando, pensei logo que ia tirar o atraso, mas ela estava esperando para falar que precisaria viajar no dia seguinte, tiveram alguns problemas com uma obra que ela gerenciava, em outro estado, e a presença dela era indispensável. Fui tomar meu banho e quando sai ela já estava dormindo. No dia seguinte, pouco depois das 6 da manhã, o carro da empresa estava parando na porta de casa para buscá-la e levar pro aeroporto. Aproveitei e levantei, pra adiantar o café de Biel, que logo estaria de pé pra escola. Antes das 7 ele acordou e foi em direção a cozinha, onde eu estava terminando as coisas, já tinha preparado o lanche pra ele levar pra escola.

Biel: Bom dia, pai!

Eu: Oi meu amor, bom dia! Pode sentar que só vou colocar seu lanche na sanduicheira pra você comer quentinho.

Biel: Minha mãe já foi?

Eu: Já! Ela te falou?

Biel: Sim, me falou ontem quando chegou em casa.

Eu: Vão ser dois dias só nosso… O que você acha deu tentar sair mais cedo e a gente ir comer uma pizza ou ir ao cinema?

Biel: Eu quero!

Eu: Aqui seu misto quente … Então combinado, hoje quando chegar vamos sair.

Sentei com Biel para tomar um café junto com ele. Quando terminamos, ele foi escovar os dentes e mudar o uniforme, eu só entro no trabalho às 09:30 da manhã, então levaria ele pra escola e voltaria pra casa, pois a escola dele é bem perto da nossa casa, gasto menos de 20 minutos pra levar e voltar. Assim eu fiz.

Chegando em casa, fui ajeitar algumas coisas que eu precisava, quando escutei um telefone tocando mensagem, não era o meu, será que minha esposa tinha esquecido o dela? Fui ver e era o celular de Biel, ele tinha esquecido em cima da cama. Olhei a tela e tinha uma mensagem da mãe dele se despedindo e várias mensagens no telegram de um nome desconhecido e sem foto. Eu nem sabia que meu filho tinha telegram. Abri e fui verificar, era alguém perguntando como ele tinha ado a noite, se ele já estava na escola, que não via a hora de conhecer ele pessoalmente, e coisas assim. Fiquei muito preocupado e fui rolando as mensagens pra cima. Quando me deparei com fotos de um homem, que não aparecia a cabeça, mas estava pelado, fotos do pau duro, pau mole, vídeos do homem gozando. Aquilo foi me dando uma raiva, queria matar esse filho da puta que estava se mostrando pro meu filho. Fui subindo as mensagens e logo vi fotos do meu filho pelado. Mostrando a bundinha, abrindo o cuzinho, tinha um vídeo dele usando uma calcinha da mãe e um outro dele enfiando o dedo no cuzinho ainda apertado. E as coisas que estavam escritas na conversa eram loucuras. Meu filho falava que nunca tinha feito nada, mas que tinha vontade e que gostava de ver homem pelado A vontade que eu tive foi de quebrar aquele telefone. Me contive e tentei colocar a cabeça no lugar. Sai daquela conversa e fui ver as outras, ver o que era. A maioria eram de homens querendo comer meu filho e ele se mostrando pros homens.

Uma das conversas era com um cara chamado Pai de Novinho. Fui ler e o cara falava que gostava que chamasse ele de papai, que ele dava mamadeira, perguntando se Biel já tinha feito alguma coisa comigo, se ele já tinha me visto pelado, se ele tinha vontade de mamar meu pau. E o que me deixou mais assustado foi que Biel respondia que sempre que podia, me espiava tomar banho, e tinha vontade de mamar em mim, mas que não tinha coragem de falar nada por medo deu brigar e bater nele. Aquilo foi a gota d’água pra mim. Fechei o aplicativo e sai do quarto dele em choque. Entrei no banho pra tentar ar a raiva e ir trabalhar. Quando estava saindo de casa, vi que nossa secretária e babá de Biel, já havia chegado. Ela fica com as responsabilidades da casa durante a manhã e à tarde, quando Biel chega da escola, toma conta dele até a mãe ou eu chegarmos.

Não conseguia me concentrar direito no trabalho, toda hora vinha aquelas mensagens na minha cabeça, as fotos de Biel e ele falando que me espiava tomar banho e queria mamar em mim. Não sei em que momento, mas eu acabei ficando de pau duro, lembrando de tudo que eu tinha visto e lido no celular dele. Repreendi esse pensamento e comecei a me focar em outra coisa, mas não me concentrava. Ficava pensando em como deveria agir, o que falar, não tinha certeza do que fazer.

Deu a hora de ir pra casa, e no caminho eu ficava pensando na minha reação. Quando cheguei em casa ele veio correndo e me deu um abraço já falando que estava esperando ansioso pra sair. A babá disse que ele falou nisso o dia todo. Falei pra ele ir tomar um banho, então, que eu também ia tomar um banho pra gente sair. A babá se despediu, pegou as coisas dela e foi embora, dando um até amanhã. Fui pro meu quarto, entrei na ducha fria e fiquei pensando no que fazer. Biel estava muito feliz com nosso eio, então preferi não falar nada naquele dia, ia tentar agir naturalmente. Sai do banho, coloquei uma roupa e ele já estava na sala sentado me esperando.

Eu: Tá pronto?

Biel: Tô, vamos?

Eu: Vamos. Já decidiu o que quer fazer? Pizza ou cinema?

Biel: Os dois!

Eu ri com o entusiasmo dele que foi o caminho todo conversando. Eu me pegava pensando em como era possível um garotinho daquele ser tão safado e falar tantas coisas como ele falava. Chegamos no shopping, ele escolheu um filme e eu fale pra gente ir ao banheiro antes do filme começar, porque se desse vontade no meio do filme, ia perder uma parte e assim esvaziava a bexiga pro refrigerante. Fomos ao banheiro, paramos no mictório, enquanto ele estava mijando, um cara parou do nosso lado e na mesma hora olhei pra cara de Biel, que estava tentando olhar de canto de olho o cara mijando. Acabamos e fomos comprar pipoca e refrigerante pra assistir ao filme.

Filme acabou e perguntei se ele estava com fome, me disse que sim, disse que queria pizza. Fomos pra praça de alimentação, escolhemos uma pizza e fomos comer. Eu olhava ele comendo, abrindo bem a boca pra engolir o pedaço de pizza, e ficava pensando que a boquinha dele era pequena, mesmo que ele quisesse não entraria uma pica com facilidade. Pelo menos a minha não. Não tenho um pau grande, mede 17 centímetros, mas a grossura do meu pau, nem a minha mão fecha em volta. Com certeza não entraria com facilidade. Foi aí que percebi que estava de pau duro e com as imagens que vi do meu filho no celular dele. Tirei algumas fotos e mandei pra mãe dele, pra distrair meus pensamentos.

Terminamos a pizza, e Biel me pediu pra brincar no parque que tinha no estacionamento do shopping, falei pra deixarmos que amanhã eu traria ele, já estava tarde e amanhã ainda seria sexta, tinha aula. Ele não brigou, concordou numa boa e voltamos pra casa.

Chegando em casa, falei pra ele tomar um banho pra tirar a poeira da rua pra dormir. Eu fui pro meu quarto tomar um banho também, estava muito calor. Fui no quarto dele colocar pra dormir e dar um beijo de boa noite.

Biel: Pai, posso dormir com você? Por favor, por favor!

Eu: Vamos!

Seguimos pro meu quarto, ele se jogou na cama, eu fui pro meu lado e deitei. Ele me abraçou e ficou deitado no meu peito. Não demorou muito caiu no sono. Tirei ele no peito e coloquei no travesseiro. Olhei praquele garotinho dormindo e não parava de pensar em tudo que descobri. Naquela noite não consegui dormir direito.

O dia seguinte acordamos normalmente, foi pra escola e seguimos todo o cronograma que sempre fazíamos. No meio da tarde, minha esposa ligou e disse que não voltaria naquele dia, que o embargo da obra estava pior do que ela tinha imaginado, e ficaria lá até a semana seguinte, já que no final de semana nada acontecia.

Mais um dia finalizado, fui pra casa, dispensei a babá dando um bom final de semana e até segunda, já que final de semana eu não trabalhava. Fui até o quarto de Biel falar com ele, ele estava no computador jogando. Quando entrei, o celular dele não parava de tocar mensagem, mas estava com a tela virada pra baixo. Como ele estava de fone de ouvido, não devia estar escutando. Dei um beijo nele e sai em direção ao meu quarto. Tirei a roupa e fui pro banho, e não consegui pensar em outra coisa… Será que aquelas mensagens eram dos caras? Agora tudo me fazia pensar que sim. Estava de pau duro e querendo gozar, afinal já tinha quase duas semanas que não transava com minha esposa. Pensei em ligar pra alguma garota de programa, mas jamais traria ela pra nossa casa, e não tinha como sair e deixar Biel sozinho. A solução seria uma punheta, mas com a descoberta de que ele ficava me espionando no banho, não queria correr o risco. Preferi deixar pra quando ele fosse dormir. Tomei meu banho, mudei uma roupa e fui até o quarto dele, que ainda jogava. Tive que tocar nele pra ele perceber que eu estava ali.

Eu: Filho, você ainda quer ir no parque do shopping?

Biel: Quero!

Eu: Então termina aí, vai tomar um banho e mudar uma roupa pra gente ir. Quando acabar me chama no escritório, que vou separar alguns documentos que eu preciso pra levar na segunda.

Assim eu fiz. Estava no escritório separando os documentos e me atrapalhando com os pensamentos, abri a internet e fui pesquisar sobre o que estava acontecendo. Minha surpresa foi a quantidade de pessoas e coisas que eu achei, falando sobre ser normal, que isso acontecia, homens falando que nada melhor do que um molequinho pequeno pra satisfazer, meninos e meninas contando que começaram ainda na infância, links para vídeos. Cliquei para abrir um e de cara era um de um garotinho, que não tinha mais idade do que Biel, entre as pernas de um homem que estava deitado na cama, chupando o pau do cara, e o cara perguntando se estava bom, não percebi que na cama tinha mais outro cara, a ficha só caiu quando o cara que estava sendo chupado falou pro garoto ir chupar o pau do tio. O que ele prontamente fez, enquanto chupava o pau do tio, o cara pergunta se tava tão bom quando o do pai dele. Rolei pra baixo e confirmei, os caras eram irmãos e um deles era o pai verdadeiro do garoto. Aquilo me deixou maluco. Comecei a clicar nos links, teve um que me direcionou pra um telegram, mas não tinha conta. Criei um rápido e esse grupo era só de putaria com novinhos, vídeos, fotos, relatos, perdi total noção do que estava a minha volta, meu pau latejava na minha calça. Voltei pra realidade com a porta do escritório abrindo e Gabriel me dizendo que estava pronto. Como a mesa onde fica o computador fica de costa pra porta, não tinha como ele ver o que estava ali. Minimizei a página rapidamente e disse que já estava indo. Ele saiu, coloquei minha cabeça no lugar, na tentativa de amolecer meu pau que, se pudesse, rasgaria minha calça.

Fui pra sala e chamei Biel, pro parque. A noite foi ótima, ele brincou em vários brinquedos, correu, pulou, comeu muita besteira, doce, fez a festa. Pouco mais das 22 horas chamei ele pra ir embora, já estava ficando tarde. Ele tentou ficar mais, mas falei que em outro dia nós voltaríamos, o parque não ficaria ali só naquele final de semana.

Chegando em casa, falei pra ele ir direto pro banho. Ele relutou falando que não queria tomar banho.

Eu: Vai pro banho sim, rapazinho. Você está todo suado de tanto brincar.

Biel: Mas pai…

Eu: Nada de “mas pai”, vamos logo.

Coloquei minhas mãos nos ombros dele e fui conduzindo até seu quarto. Assim que entramos, ele foi logo tirando a roupa e ficando peladinho na minha frente. Era normal ver meu filho pelado, mas depois de tudo que tinha descoberto no celular dele, reparei de uma forma diferente. Ele ligou o chuveiro e eu fui catar as roupas que ele havia tirado e estavam no chão. Me virei e vi seu celular em cima da mesa do computador, instintivamente abri e fui direto no telegram, várias mensagens. Um dos caras tinha mandado um vídeo dizendo que lembrou dele no banho, e no vídeo o cara gozava no chuveiro falando o nome do meu filho. Algo surreal começou a pulsar dentro de mim, perecia que tinha perdido a noção das coisas. Coloquei o celular na mesinha, onde estava e fui em direção ao banheiro. Olhei meu filho peladinho, debaixo do chuveiro, aquela bundinha pequena, um pauzinho até grande pra idade dele.

Biel: Que foi, pai?

Eu: Acho que vou entrar e tomar banho com você de uma vez, aproveitar que o chuveiro tá ligado. Posso?

Biel: Pode, vem!

Tirei minha roupa e estava com o pau meia bomba, reparei que Biel não tirava os olhos. Entrei no chuveiro, me molhei e meu filho com aquele olhar de iração.

Eu: Olha essas costas cheia de sujeira, vira aqui que vou ar a bucha.

Comecei a ar a bucha nas costas dele e meu desejo foi fazendo eu descer minha mão até chegar na sua bundinha. ei a bucha por cima, peguei o sabonete, ei a mão e comecei a ar entre suas nádegas, chegando até seu cuzinho. Com a pontinha do dedo, circulei ao redor, massageando. Biel fechou os olhinhos e soltou um gemido bem tímido. Olhei e vi que seu piruzinho estava duro, com a outra mão, comecei a mexer, segurava seu saquinho, ava o dedo pela cabecinha, ia fazendo movimentos de punheta, enquanto com a outra eu massageava seu cuzinho. Biel olhou pra minha cara, sem acreditar que aquilo estivesse acontecendo, mas ele sabia o que era. Seus olhinhos reviravam e ele soltava gemidos involuntários. Inclinei um pouco meu corpo e dei um selinho nele. Biel se apoiou no meu corpo e eu fui dando beijinho no seu pescoço, rosto, sem parar de massagear seu cuzinho e bater uma punhetinha pra ele. Não demorou muito até ele acelerar a respiração e se tremer todo. Se aninhou em meu peito e eu fiquei dando beijinhos.

Eu: Deixa o pai terminar de tomar banho.

Ele encostou na parede e eu fui terminar. Meu pau estava muito duro, um tesão fora do normal. Lavei bem meu pau e Biel não tirava os olhos. Desliguei o chuveiro, me sequei e estava secando Biel.

Eu: Quer dormir comigo hoje de novo?

Biel: Quero.

Eu: Então vamos!

Peguei ele no colo, suas perninhas envolveram minha cintura e suas mãos seguravam firme o meu pescoço. Fui em direção ao meu quarto, dava selinho nele, que retribuía. Seu cuzinho estava na reta do meu pau e ficava roçando na cabeça.

Eu: Te amo, filho!

Biel: Também te amo, pai!

Eu: Quer brincar um pouco comigo?

Biel: Quero! De que?

Sentei ele na minha cama e fiquei de pé na frente dele, como pau bem perto do seu rosto.

Eu: Faz um carinho no pai.

Peguei a mãozinha dele e coloquei no meu pau, fazendo movimentos de punheta. Ele ficava olhando pra mim e pro meu pau enquanto punhetava com as duas mãozinhas. Os olhinhos dele brilhavam.

Eu: Quer chupar? – Ele apenas balançou a cabeça que sim. – Então chupa! Só cuidado com os dentes pra não machucar o pai.

Biel enfiou a cabeça do meu pau na boca, sem jeito, não cabia direito. Ele fazia um esforço pra abocanhar tudo. Fui conduzindo a mamada, ava o pau nos lábios dele, falava pra ele colocar a linguinha pra fora, depois de um tempo que ele estava assim, até batia com o pau no rostinho dele. Me deitei na cama e coloquei ele entre minhas pernas. Relaxei e deixei ele fazer o trabalho. Era disso que eu estava precisando, de alguém mamando meu pau bem gostoso. E era isso que eu descobri que meu filho queria fazer. Com o tempo, Biel já tinha pegado o jeito. Apesar de não consegui engolir mais do que a cabeça, mas estava uma delícia.

Eu: Tá gostando, Biel?

Biel: Tô!

Eu: O pai também tá gostando muito…Continua, vai!

Ele voltou a se concentrar na mamada e eu relaxei novamente. Não sei quanto tempo ficamos ali. Puxei ele pra cima, deitado sobre meu corpo, comecei a beijar sua boquinha. Tirei ele de cima de mim, deitei ele de bruços e fiquei por cima. Fui beijando seu rosto, pescoço, fui descendo pelas costas até chegar na bundinha. Quando abri e vi aquele cuzinho pequeno e rosinha na minha frente, cai de boca como se fosse sugar a alma dele pelo cu. Chupava, mordia a bunda, dava tapa. E Biel gemia descontroladamente. Coloquei ele de barriga pra cima e comecei a fazer carinho do seu saquinho e piruzinho, que estava duro. Coloquei na boca e chupei aquele pauzinho enquanto, com o dedo, massageava seu cuzinho.

Novamente coloquei ele de bruços e fui pra cima, encostando o pau na bundinha. Eu ia machucar o moleque, não era isso que eu queria, mas pelo tamanho e desejo, poderia acontecer.

Eu: O pai vai brincar um pouquinho com o pau dele no seu cuzinho. Prometo que não vou te machucar.

Biel: Tá bom!

Fui até o meu banheiro, peguei o gel lubrificante com anestésico que tinha comprado pra usar com minha esposa, mas quase não usamos. Voltei e Biel estava na mesma posição, de bundinha pra cima e empinada. ei o lubrificante no meu pau e no seu cuzinho. Coloquei a cabeça nem na entrada e me deitei sobre ele, sem colocar o peso em cima. ei meus braços por baixo do seu corpo, abraçando e segurando. Tentei empurrar e ele retraiu o corpo.

Eu: Calma, filho, é assim no começo depois você se acostuma.

Biel: Doeu um pouco.

Eu: O pai vai com calma, mas você tem que relaxar.

Fiquei dando beijinho nele, enquanto mexia meu quadril. Biel foi se soltando e ficando mais relaxado. Foi nesse momento que empurrei mais uma vez e a cabeça entrou. Instintivamente ele deu um puxão com o corpo, mas como eu estava com meus braços por baixo dele, não saiu.

Biel: Para pai! Tá doendo!

Eu: Calma, relaxa, respira! Já vai ar… Vamos ficar aqui quietinho, sem se mexer que vai parar.

Voltei a dar beijo no rosto dele, fazer carinho na sua cabeça. Ele foi se acalmando, até se acostumar com a cabeça que tinha entrado. Novamente empurrei mais um pouco, fiz o mesmo processo, só que dessa vez fiquei mexendo meu quadril. Não consegui colocar pau todo, entrou até a metade.

Fiquei um tempo assim até começar a socar. Biel dava gemidos tímidos.

Eu: Que delícia é você meu filho… To muito orgulhoso, tá se comportando muito bem. To gostando de ver.

Biel deu um sorriso e eu beijei sua boca.

Eu: Vou acelerar mais um pouco, tá?

Biel: Tá bom!

Comecei a acelerar aos poucos.

Biel: Ai, pai!

Eu: O que foi? Tá machucando?

Biel: Um pouco!

Eu: Então relaxa que a. Respira fundo e faz força com o cuzinho que fica melhor.

Senti o cuzinho de Biel fazendo força, e meu pau se acomodando melhor dentro dele.

Eu: Isso, filho…assim mesmo!

Acelerei mais um pouco as socadas e Biel aumentou os gemidos. A sua cara tava entregando como ele estava gostando daquilo. E não posso negar que estava uma delícia sentir o cuzinho do meu filho envolvendo meu pau. Biel fechou os olhos e só gemia. Ali eu aproveitei também.

Eu: Tá gostando, filho?

Biel: To!

Tirei meus braços debaixo do corpo dele, apoiei na cama e subi meu corpo, olhei pra baixo e pude ver seu cuzinho arreganhado e bem vermelho, com a metade do meu pau dentro. Tirei o pau, e vi o buraco que tinha feito. Ele virou o rosto me olhando.

Biel: Acabou?

Eu: Não, meu amor! Levanta um pouco!

Puxei seu corpinho e coloquei um travesseiro em baixo, deitei ele novamente deixando sua bundinha bem empinada. Coloquei mais um pouco de lubrificante e coloquei o pau de novo. Ele gemeu, mas dessa vez era um gemido de prazer e não de dor, como da primeira vez que enfiei.

Abri sua bundinha pra ver melhor e tive que me segurar pra não gozar com a visão do seu cuzinho engolindo meu pau. Voltei a socar. Lembrei das coisas que tinha visto no celular dele, e parece que subiu uma mistura de raiva com prazer, juntamente com o tesão e tempo que estava sem transar.

Eu: Tá gostando de ganhar pica no cuzinho?

Biel: To!

Eu: Era isso que você queria, né, putinha.

Ele não me respondeu, então eu acelerei mais um pouco e tentei empurrar mais fundo.

Biel: Ai, pai, devagar!

Eu: Devagar o caralho, sei que você gosta de pau de macho. Se você gosta de ver macho, tem que aguentar também!

Coloquei uma mão no pescoço de Biel e soquei com vontade, meu pau tinha uma resistência pra entrar mais, e acho que isso me deixava mais maluco ainda. Olhei pra ele e vi sua cara de assustado e ele me solta bem baixinho.

Biel: Devagar, pai! Tá machucando!

Por um instante esqueci que ali era meu filho. Voltei ao meu consciente normal e parei. Me inclinei sobre ele dando beijinhos.

Eu: Me desculpa, filho! Foi sem querer. É que o pai tá gostando muito de ficar aqui com você e você tem um cuzinho delicioso… Vem cá!

Sai de cima dele e deitei na cama. Vi que meu pau tava com um pouco de sangue. Biel também viu e se assustou.

Eu: Não precisa se assustar, é que é sua primeira vez e acontece isso mesmo. Senta aqui que assim você controla e não te machuca.

Fui guiando ele pra sentar e conforme entrava, parecia que estava empalando o moleque, aquilo me deu um tesão do caralho.

Eu: Que filho mais gostoso que eu tenho. Rebola no pau do pai, vai! – Comecei a conduzir ele mexendo a bunda. – Isso, que delícia! Continua!

Comecei a ar a mão no seu corpinho, fazendo carinho, segurei seu piruzinho e fui fazendo a mesma coisa como na hora do banho. A carinha dele mudou a expressão quando comecei, mas não conseguia mexer melhor do seu piruzinho, pois ele estava sentado.

Eu: Faz assim…Agora quica!

Ele começou a quicar e eu comecei a mexer melhor no seu piruzinho, massageava o saquinho, depois subia batendo uma punheta pra ele. A expressão de prazer voltou. Me segurei pra não gozar, vendo o jeito que ele estava. Ficamos assim um tempinho.

Biel: Ai, pai, tá fazendo igual àquela hora no banho.

Eu: E tá gostoso?

Biel: Tá!

Eu: Então continua, vai!

Biel: Ai pai! Ai, pai!

Eu: Isso! Continua meu amor!

Em pouco tempo Biel começou a se tremer todo, seus olhinhos reviravam e ele soltou um grito misturado com gemido, a coisa mais gostosa de ouvir. Levantei meu corpo, sem tirar ele de cima e abracei. Seu coração estava acelerado e sua respiração ofegante. Fiquei um pouco ali parado e quando ele se acalmou eu deitei de novo.

Eu: Filho, continua quicando igual antes pra mim.

Ele voltou a quicar.

Eu: Isso! Agora pede pro pai te dar leitinho, pede.

Biel: Pai, me dá leitinho!

Eu: Fala que você quer leite no cuzinho!

Biel: Quero leite no cuzinho, pai!

Eu: Isso! Vou te encher de leitinho, meu amor! Você quer?

Biel: Quero!

Eu: Então continua que eu vou gozar, vai! Assim… AAAAAAAAAAAAAA QUE DELÍCIA! CARALHO! TOMA LEITINHO DENTRO DESSE CUZINHO, PORRA!

Parecia que ia enfartar, meu coração acelerou. E meu filho ali sentado em mim, me olhando e sem se mexer. Olhei pra ele e dei um sorriso, que ele retribuiu.

Eu: Nossa, que delícia! Você me deixou muito feliz!

Biel: Eu também to feliz, pai!

Sorri de novo, tirei ele de cima do meu pau e deitei sobre minha barriga. Ele se aninhou e fiquei fazendo carinho.

Eu: Gostou de brincar com o pai?

Biel: Gostei muito!

Eu: Te machuquei?

Biel: Doeu quando entrou e depois que você foi rápido, mas depois ou!

Eu: Desculpa da hora que fui rápido. E dói pra entrar só nas primeiras vezes, depois você acostuma. Vamos no banheiro limpar?

Coloquei ele no chão, fomos pro banheiro, falei pra ele sentar no vaso e fazer força pra tirar enquanto eu entrava no chuveiro pra lavar. Quando ele acabou chamei pra se lavar. Peguei o sabonete e fui ando no corpinho dele.

Eu: Abre a bundinha pro pai ver como ficou.

Ele abriu a bunda com as duas mãos e tava feito o estrago. O cú do moleque inchado e muito vermelho. ei sabonete, ele retraiu um pouco o corpo e disse que ardeu. Falei com ele que estava sensível, mas tinha que limpar, e continuei esfregando. Terminamos o banho, nos secamos e fomos pra cama. Deitamos pelados, do jeito que estávamos, ele se aninhou no meu corpo e dormiu rapidamente. Estava visivelmente cansado. E eu ali com os pensamentos do que tinha acabado de acontecer. Junto com meu filho dormindo pelado na minha cama e ainda sentindo o gosto do cuzinho dele na minha boca. Demorei um pouco, mas dormi, afinal estava relaxado demais.

Na manhã seguinte quando acordei, Biel ainda estava dormindo. Fui no banheiro, mijei, escovei os dentes. Tinha que fazer o café dele, mas não queria sair da cama. Fui deitar de novo e assim que deitei ele acordou.

Eu: Bom dia meu amorzinho! – Dei um beijinho na testa dele. – Dormiu bem?

Biel: Bom dia, pai! Dormi sim.

Eu: Que bom! Tá se sentindo bem?

Biel: To!

Eu: Filho, preciso conversar com você sobre algumas coisas.

Biel: Eu sei que não pode contar, pai!

Eu: Isso também. Mas o que eu quero falar é sobre algumas coisas que vi no seu celular no dia que você esqueceu ele em casa.

Biel: O que você viu?

Eu: Vi que você conversa com homens, que você manda foto sua, que eles te mandam fotos dele. Sei que você está na fase da descoberta, curiosidade, mas o que você está fazendo é muito perigoso. Mesmo que seja uma coisa que você queira fazer. Mandar fotos assim é muito perigoso.

Biel: Desculpa, pai! Eu não vou fazer de novo.

Eu: Filho, o pai não está brigando, só estou conversando. Você não sabe quem são os caras, você não sabe se eles querem fazer alguma maldade com você. Não pode ser assim, me entende? E tem sua mãe, imagina se ela pega e vê essas coisas no seu celular, além de apanhar, vai ficar de castigo e sem celular.

Biel: Entendi!

Eu: Então toma cuidado! Agora outra coisa… Que história é essa de você ficar me espiando tomar banho, hein?

Fiz cócegas nele e ri, ele riu também e começou a me falar. Eu via que ele estava com vergonha.

Eu: Não precisa ficar com vergonha! A partir de agora, quando estiver só nós dois, você pode fazer o que quiser comigo. E olha só como eu fiquei…

Levantei o edredom e mostrei meu pau duro, ri e comecei a beijar ele. Coloquei ele em cima do meu corpo e fui fazendo carinho e beijando aquela boquinha.

Eu: Chupa meu pau, igual ontem!

Biel: A gente vai fazer de novo?

Eu: Agora não, mais tarde a gente faz de novo! Agora só quero que você chupe meu pau porque quero gozar na sua boquinha, dessa vez!

Biel desceu e colocou meu pau na boca, com a mesma dificuldade da noite anterior, mas agora ele sabia o que fazer.

Eu: Caralho, que boquinha gostosa! Chupa bem gostoso, vai!

Ele se esforçava pra e agradar. Eu ia ensinando…falava pra ele chupar meu saco, ensinei ele a bater punheta pra mim enquanto tava com a cabeça do meu pau na boca. E ele aprendia rapidamente, era uma putinha mesmo. Eu o elogiava e incentivava. Ele ficava todo orgulhoso quando eu falava que estava uma delícia, ou que ele estava aprendendo direito. Realmente não sei quanto tempo ficamos ali, perdemos a noção do tempo. Estava muito bom e eu queria aproveitar ao máximo. Segurei no cabelo dele e puxei pra cima, virando o rosto dele pra mim.

Eu: Vou gozar na sua boquinha, tá!

Biel: Tá bom!

Eu: Então abre a boquinha e coloca a língua pra fora.

Comecei a bater uma punheta e ele de boca aberta me olhando e olhando pro meu pau.

Eu: To quase gozando! Quando for gozar, vou colocar sua boca e você não tira. E tenta engolir.

Menos de um minuto depois eu puxei a cabeça dele pro meu pau e segurei com as duas mãos pra não correr o risco dele sair.

Eu: AAAAAAAAA CARALHO! TOMA O LEITINHO DO PAI! QUE DELÍCIA DE BOQUINHA!

Olhei pra baixo e ele estava com a boca cheia. Desengatei a boca dele do meu pau e vi que estava com os olhinhos cheio d’água.

Eu: Deixa eu ver, abre a boquinha! – Biel abriu e estava cheia de porra. – Tenta engolir.

Ele tentou e dei ânsia, falei pra ele se acalmar, respirar e tentar ir tudo de uma vez. Quando ele fez isso, conseguiu e abriu a boca pra eu ver.

Eu: Assim você me mata… Vou querer te dar leitinho na boca direto.

Biel riu e eu puxei ele pra cima, dando um beijo na sua boca. Quando estávamos mais calmos, falei pra gente levantar, agitar as coisas, falei que a gente ia almoçar na rua pra ear um pouco e poderíamos ir no parque do shopping novamente. Ele ficou todo animado.

Durante a tarde enquanto ele estava brincando, ficava imaginando como um cuzinho e uma biquinha pequena daquelas, conseguiu aguentar pica e tomar leite. Claro que me bateu um arrependimento logo após eu comer meu filho, mas ao mesmo tempo eu pensava que se não fosse eu, seria alguns dos outros caras que ele conversava pelo telefone. Que bom que fui eu que fiz com carinho.

⏩ O melhor site de desenhos animados pornô do 🇧🇷, HQs eróticas🔥

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,80 de 30 votos)

# #
Comente e avalie para incentivar o autor

9 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder @Leosilveira2 ID:8kqyapw20k

    Que delicia

  • Responder Fael1120 ID:gp1f1mu8j

    Que delícia de conto, continue quando puder

  • Responder safado ID:830y32cv9k

    conto longo demais e chato

  • Responder @andcaem ID:8kqtl2bkhi

    Nossa, até que em fim um conto que vale a pena ler. Estava difícil ver o melhor site de contos publicando aquelas coisas horrorosas. Uma história com começo, meio e que sabe um fim. Com bom enredo. Não pare de descrever!

  • Responder 1 ID:on90enbv9j

    Qual nome do gel lubrificante com anestésico?

  • Responder Ca ID:fi07cbmm4

    Ótimo conto, gostei bastante
    Continue por favor

  • Responder MG85 ID:8efbxs96i9

    Conto maravilhoso! Continue.

  • Responder Thiagoctba ID:4adeq532hrb

    Esse conto foi publicado ontem…

    • Admirador de novinho ID:8cio32ct0j

      Eles perderam os contos do site e estão publicando novamente. Tem um aviso na página inicial do site.