# # # # #

Meu padrasto favorito 2

1530 palavras | 8 |4.96
Por

Leo um garoto de 16 anos descobre que seu padrasto não é só o homem da vida de sua mãe, deixando ser cadelizado por Rodrigo, seu padrasto safado.

Pessoal leiam a parte 1 para poder entender está continuação. Espero que gostem!
.
.
.
Entro na cozinha meio eufórico e minha mãe me pergunta se está tudo bem
— Tá sim mãe, só estou cansado e com fome
Ao sentar na mesa pra jantar, percebo que meu cuzinho está todo machucado, consequências de ser virgem e tomar ferro de uma pica muito grossa, aquele homem tinha me rasgado mesmo me fudendo com calma e por pouco tempo, começo a cair na realidade daquilo que acabara de acontecer na piscina, por mais gostoso que Rodrigo fosse, ele ainda é o homem da minha mãe, não podia deixar que aquilo se repetisse.
Ele é o último a chegar na mesa, estava de sunga assim como eu, senta ao lado de minha mãe que está em minha frente e da um beijo no rosto dela e olha pra mim logo em seguida, seu olhar parecia mais sóbrio, porém durante o jantar não parava de fazer contato visual, o que me deixa muito desconfortável, como o mais rápido possível e vou para o quarto dormir dando boa noite para todos no recinto, vejo a beliche onde estavam hospedados meus primos, e minha cama e deito-me só depois de colocar uma cueca, cubro meu corpo e a cabeça e fico rodando repetidas vezes aquele dia em minha mente, como estava cansado com o dia caio no sono bem rápido.
Dizem que o inconsciente revela aquilo que mais queremos esconder em formato de sonho né, pois bem naquela noite sonhei com Rodrigo, me beijando, mas um beijo quente de desejo, por mais que aquilo fosse errado e que minha mãe estivesse envolvida, parecia um beijo tão apaixonado e inocente, porém acordo com ouço eu em meu sonho dizendo “te amo” para Rodrigo.
Quando acordo, já era madrugada e sinto um movimento estranho na minha cama, parecia que alguém estiva subindo em minha cama e esse alguém se deita atrás de mim enquanto sua mão tampa minha boca. Tento me afastar mas ele junta seu corpo ao meu pela cintura muito rápido e forte que dou até uma gemidinha abafada.
— Sabe o que eu mais gosto de fazer com as minhas putinha, bebê? Tentar engravidar elas pelo cu, pergunta pra sua mãe. – uma boca diz bem próximo da minha orelha em um tom bem rouco.
Assim puxa minha cueca bem forte pro lado, rasgando ela, e começa a me dedar com um dedo grade e grosso, dou uma gemida e ele solta minha boca e aperta meu pescoço.
— Rodrigo para por favor, isso é errado!
— Errado? Você acha mesmo isso errado? – ele começa a fungar no meu pescoço dando beijinhos e me arrepiando todo
— Você é meu padrasto – falo enquanto tento me soltar daquele grande braço – minha mãe te chama de homem da vida dela, você não se sente mal fazendo isso com ela? – falo manhoso quase virando o olho.
— fazendo o quê com ela? só estou cuidando do filhinho dela antes que alguém cuide, me fala, se era virgem antes de eu te comer lá na piscina, não era, meu bebezinho? – escutar ele me falar que me comeu e assim deu um tesão, mas ainda tinha noção que aquilo era muito errado
— era, você me machucou sabia?
— Ah carinha, me desculpa, mas imaginei mesmo que ainda era virgem, prefiro tirar o lacre de uma vez e te transformar na minha putinha, do que ficar te enrolando igual faço com a sua mamãe.
Ele enfia mais um dedo em mim e vira meu rosto na sua direção.
— Você é meu agora, ou melhor, minha! – da uma risadinha seguida de uma lambida no meu rosto, tento me debater, mas ele é muito mais forte que eu – vai fazer o que eu quiser quando eu quiser e vai aprender a me respeitar, começando por nunca me deixar sem te dar leite quando eu quiser te dar leite, igual você fez lá na piscina hoje.
— Meu tio ia ver a gente, não dava para WWwaaaahhhnnn – ele enfia mais um dedo no meu rabinho machucado
— Eu sei quando dá e quando não dá, Você não sabe de nada a partir de agora, não passa de uma puta, um veadinho, meu depósito de porra.
Ele me tratando daquele jeito me dava raiva, mas ao mesmo tempo me fazia querer se possuído por aquele homem. Quando ele enfia o terceiro dedo abro minha boca para gemer, mas ele me beija, um beijo quente cheio de língua assim como o do sonho, ele tenta colocar toda a língua dele na minha boca, e fazendo chupar ela enquanto fica tirando e colocando seu dedo do meu cu, tento fugir o que faz ele aumentar a intensidade do dedo, era impossível não dormir. Fico sem ar com seu beijo e quando ele para digo
— Para por favor, vou pegar a gente
— Quem beber, o corno do seu tio e os filhos são na sala assistindo filme, vão dormir por lá, e sua mãe já tomou o remédio junto com muita pica, vai acordar não, Você é todinha meu.
— o que você quer Rodrigo, me solta por favor
— quero terminar aquilo que você começou na piscina sua puta, sente aqui, o pau do papai tá cheio de porra te esperando
Ele leva minha mão até seu pau, percebo que ele já estava pelado e que o pau dele estava muito duro.
— eu não quero ser sua puta, por favor vai embora
— não é o que o seu olhar me diz, e tá sempre procurando meu pau, com essa carinha buscando um papai. Tô aqui bebê, vamos ver se você não quer mesmo.
Ele solta meu pescoço e desce para os pés da cama, pega o travesseiro e coloca embaixo na minha barriga deixando a minha bunda bem arrebitada para ele, meu cuzinho tava bem mas já ardendo, nem pensar que mergulha com sua boca nele, metendo na língua grossa e áspera. Nunca tinha sentido aquela sensação na minha vida, e colocar e tirar a sua língua e fazendo virar os olhos, seja muito grande cresce em mim, tanto que pego sua cabeça e força direção de meu corpo, ele se afasta cospe meu corpo dá um tapão na minha bunda, voltando a me lamber, começa a babar em mim e sinto sua saliva escorrendo até no saco, quando ele para começa a me dedar de novo e volta para cima já percebendo que estava entregue as suas mãos, ele puxa meu cabelo com sua outra mão e beija minha boca
— Não quer ser minha putinha? Quer que eu pare, eu paro
— Não por favor – sai da minha boca sem que eu pudesse impedir
— Vai ser só minha?
— Vou Rodrigo
— Vou te comer quando é onde eu quiser
— tá bom
— Então pede, pede puta!
— fode
— Pede direito porra, “me fode papai” – ele sussurrou na minha orelha
— me fode papai, OOoaaawwnn!! – ele meteu seu pau todinho no meu cuzinho já aberto e melado, senti seu pau no meu interior, cada centímetro que entrava e saia.
Sua mão começou a procurar minha boca, entrava e saia, seu pau me rasgava enquanto ele jogava seu corpo inteiro em cima de mim, estava dominado como uma cadela no cio me fazendo gozar sem tocar no meu próprio pau. Vendo que eu estava curtindo ele começou a ficar mais bruto
— Aperta o pau do papai, aperta!
Comecei a apertar e ele começou a gemer muito grosso, urrava baixinho na minha orelha enquanto começava a me dar fortes estocadas, tirava o pau inteiro de mim e socava de novo. Tentei aguentar, a dor me dominou e comecei a chorar
— Para por favor, vai mais de vagar, Rodrigo – implorei a ele
— Rodrigo não bebe, me chama de papai vai – me dando mais uma estocada
— Ainn, para papai
Ele não parou, só aumentou o ritmo, minha perna ficou até mole, ele percebendo segurou minha cintura dizendo na minha orelha
— Ah eu vou gozar pra você putinha – aumentando o ritmo – encher esse teu cu de leite, vou te engravidar sua gostosa
Nisso ele me sarra muito forte, sinto seu pau muito fundo e seus pelinhos do abdômen roçando na minha costa, sinto-me encher de um líquido quente que é tanto que escorre até minhas pernas, ele me dá um selinho e me coloca de ladinho na cama sem tirar seu pau de dentro de mim
Adormeço exausto
.
.
.
Pessoal essa foi a parte 2 espero que gostem, deixem nos comentários sugestões para continuação, como devo prosseguir está história? Queria envolver algum fetiche legal e estou em dúvida se Leozinho deve ou não ser a putinha exclusiva de Rodrigo

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,96 de 25 votos)

Por # # # # #
Comente e avalie para incentivar o autor

8 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder CAUE ID:8d5za5moii

    Eu sou a putinha do meu padrasto a 15 anos, hoje tenho 29 e sou a putinha mais feliz que existe…

  • Responder Caio ID:8eez7keqrj

    Sim deve ser a putinha dele ,exclusiva ,só dele,mamar até gozar na boca,comer com força até o Léo chorar na pica dele

  • Responder Jack ID:yb1dkoib

    Continua o conto muito bom

  • Responder Joao ID:gstyekb98

    Coloca ele para mamar ,até gozar na boca

  • Responder Preto ID:5h7066ij

    Parabéns pelo conto !
    Acho que eles transarem escondido , juntos aos outros parentes é muito gostoso . o Rodrigo podia transar com ele , ao lado da mãe , seria muito sexy , sem ela notar.

  • Responder Sla ID:1daicwpzrd

    Vira putinha exclusiva dele,faz ele te amarrar e te comer no ar livre, dps fazer beber o mijo dele

  • Responder Daniel Coimbra ID:gsuz4pxib

    Continua vc é ótimo.

  • Responder Luiz ID:dlns5khrd

    Olha nao adianta vc ficar teimando contrar o seu corpo vc gosta de Rodrigo, obedeça ele e de quando ele quiser deixa ele te engravidar vc pelo cuzinho acho que vc deveria etr dado na frente do seu tio pode ser mais um na sua rede depois vem os amigos deles