# #

Exibindo a filha bucetudinha 6 — O homem no parquinho

4036 palavras | 41 |4.80
Por

Um dos momentos mais felizes de uma criança é o momento da brincadeira e da diversão.

Brincar é aquilo que dá maior sentido à vida, na fase da infância de uma pessoa. Um dos momentos mais felizes de uma criança é o momento da brincadeira e da diversão, por isso eu valorizo a ideia de proporcionar toda a liberdade para que uma criança possa brincar, se divertir e ser feliz. Todos nós já fomos crianças e sabemos que é justamente quando brincamos que nós aprendemos. É quando aprendemos brincando que experimentamos o crescimento natural, e vivemos os momentos mais inesquecíveis da nossa vida.

✼ ✼ ✼ ✼ ✼ ✼ ✼ ✼ ✼ ✼ ✼ ✼ ✼ ✼ ✼
°°° °°°
°°° O HOMEM NO PARQUINHO °°°
°°° °°°
✼ ✼ ✼ ✼ ✼ ✼ ✼ ✼ ✼ ✼ ✼ ✼ ✼ ✼ ✼

Sou Maria Antônia, uma cabocla com sangue paraense mas com a alma do mundo inteiro. Com muito orgulho, me defino como uma “mulher do interior”, com meu jeito livre de ser, inconfundivelmente nortista, e com meus traços físicos exoticamente amazônicos. Eveline é o nome da minha linda caboclinha, que desde pequena ama brincar e se divertir. Não quero definir ela apenas como “menina do interior”, como a mim, mas enquanto for possível, vou oferecer a ela o que tem de melhor aqui na nossa realidade interiorana tranquila e divertida.

Na criação da minha filha, uma das coisas que mais valorizo é dar oportunidade para ela verdadeiramente ser criança, e viver essa fase com muita saúde e com toda liberdade que eu posso proporcionar a ela. É nessa fase que todos nós vivemos momentos inesquecíveis que inevitavelmente vão contribuir para a formação da nossa personalidade e do nosso caráter como pessoa. Meu lema é “amor e liberdade”. Tento colocar isso em prática todos dias, como princípio fundamental na educação da minha filha.

Minha felicidade é ver que minha princesinha é uma menina feliz e saudável, pois ela não perde uma única oportunidade de mergulhar de cabeça em uma gostosa brincadeira, seja sozinha, com suas bonecas e todos os seus brinquedos, como também com suas amiguinhas e amiguinhos. Minha filha tem muita facilidade para fazer amizade, basta deixar ela próxima de alguém, seja menina ou menino, às vezes até adulto, que rapidamente ela se entrosa e quando vou ver já estão brincando.

Eu não permito, pelo menos por enquanto, que minha filha tenha acesso à brincadeiras virtuais, em vídeo game, celular ou tablet, pois prefiro que ela brinque de verdade, no mundo real. Não me importo que ela se suje ou eventualmente até tenha alguns tombos, pois isso tudo faz parte do crescimento. Maravilhoso mesmo é ver o quanto uma brincadeira saudável deixa uma criança feliz. Dá para ver no semblante delas a felicidade estampada. E fico feliz que minha filha tem sido assim, amante de todo o universo lúdico e divertido, pois para ela tudo é brincadeira e motivo para alegria e gargalhadas.

✼ ✼ ✼ ✼ ✼ ✼ ✼ ✼ ✼ ✼ ✼

Não muito longe da minha casa, onde antes era um bosque abandonado, construíram uma pequena pracinha, hoje meio mal cuidada, mas com um diferencial, pois existe um pequeno parquinho bem no centro dela, onde os pais levam as crianças para brincar. Desde quando foi inaugurada a praça do parquinho, eu costumo levar minha filha até lá para ela brincar no escorregador, no balanço e na gangorra. Às vezes damos sorte e encontramos várias crianças ali, mas hoje em dia, geralmente, o movimento por lá é bem fraquinho e vão poucas crianças até lá brincar, mas mesmo assim a Eve ainda gosta bastante desse parquinho. O bom é que sempre tem uma ou outra pessoa sentada nos bancos da praça ali em volta do parquinho e minha filha interage bastante com as pessoas.

Por volta da metade de dois mil e dezenove, eu ia até lá com a Eveline com muita frequência, quase todas as tardes, pois logo depois da inauguração da praça tinha um movimento maior de crianças ali para ela brincar. Lembro que ela adorava ficar brincando por lá, até mesmo em horários que não tinha quase ninguém, lá ela sempre se divertia até brincando sozinha, pois um parquinho perto de casa era uma grande novidade. Era um momento de muita diversão para minha filha pois ela sempre adorou sair de dentro de casa. Até hoje ela adora brincadeiras de contato, de se sujar, de correr, de pular… Enfim, o parquinho era realmente um momento muito divertido para ela, principalmente quando ela se juntava com alguma outra criança lá, para brincarem.

Lembro que ela já tinha até os vestidinhos separados de ir brincar no parquinho, eram uns vestidinhos bem curtos e soltinhos, já meio meio surrados, já que ela, com certeza, iria se sujar lá. As calcinhas dela, nessa época, estavam todas muito pequenas e ficavam apertando muito, fazendo marquinha na cintura, então eu não gostava de vestir calcinha nela. Nesse tempo eu já estava até acostumando ela sem calcinha em casa, mas ainda saía com ela de calcinha, por exemplo, para igreja, mas no parquinho não dava certo, e a calcinha apertada até atrapalhava seus movimentos.

Logo nos primeiros dias que levei ela no parquinho, já desisti de colocar calcinha nela, então ela passou a ir sem nada por baixo, só de vestidinho, mas percebi que suas partes íntimas ficavam bastante machucadas do contato direto nos brinquedos. A buceta dela ficava bem vermelhinha e o cuzinho meio assadinho. Como minha filha usava só vestidinhos e sainhas, passei a usar nela uma calça legging cor de rosa que ela tinha há um tempo, por baixo do vestidinho, para proteger as suas partes íntimas desse contato direto com a superfície dos brinquedos do parquinho. A calça era pequena e bastante apertada mas funcionava bem para proteger minha princesinha.

✼ ✼ ✼ ✼ ✼ ✼ ✼ ✼ ✼ ✼ ✼

Numa dessas vezes, nessa época, eu estava lá olhando a Eve, enquanto ela brincava sozinha no escorregador do parquinho, no final de uma tarde bem bonita. Eu estava distraída admirando as gargalhadas da minha menina a cada escorregada. A praça estava tranquila pois não tinha praticamente ninguém por lá, apenas uma outra mãe com um menino pequeno, mas não demoraram muito tempo e foram logo embora. Ficamos só eu com a Eve no parquinho, e um homem desconhecido, com uma camisa de clube de futebol, sentado no banco da praça, ali próximo. Ele estava bem distraído olhando o celular e nem estava notando a nossa presença ali.

Em um certo momento a Eve desceu do escorregador fazendo uma caretinha de incômodo e aquele gesto, segurando na altura da bexiga, demonstrando que estava apertada para ir no banheiro. Ela nem precisava dizer, eu já sabia de longe. Ela veio correndo até onde eu estava e disse que queria fazer xixi, então foi um sufoco porque não tinha banheiro ali próximo. Eu tinha que levar ela em algum banheiro para ela fazer a sua necessidade fisiológica, mas percebi que ela estava muito apertada mesmo então eu tive que improvisar.

Falei, “filha, você vai ter que fazer xixi aqui mesmo tá?” Ela ficou meio sem jeito pois nunca tinha feito isso. Levei ela atrás de uma árvore que tinha na lateral do parquinho. “Aqui, filha. Faz aqui mesmo…” A árvore impedia de que alguém que passasse na rua visse a Eve, mas o problema é que aquele local ficava bem ao lado do banco, há alguns metros, na direção da visão do homem sentado no banco da praça. Bastaria ele olhar para o lado e certamente veria nós duas ali. Mas como o homem tava distraído convenci a Eveline a fazer xixi ali mesmo. “Vamos filha, faz logo xixi, ninguém tá vendo…”

Esta última frase convenceu a minha filha mas falei meio alto e o homem ouviu. Com certeza minhas palavras “ninguém tá vendo” chamaram a atenção do homem, e a curiosidade dele permitiu que ele começasse perceber meu inusitado diálogo com minha filha, então, subitamente, ele virou o rosto e olhou diretamente para onde nós estávamos. Eu fingi que não notei ele olhando, a Eve estava olhando para baixo e realmente nem percebeu. Num gesto rápido ela baixou a calça legging, bem de frente ao olhar atento daquele homem, deixando evidente que ela não usava calcinha, e mostrando escancaradamente a sua bucetinha volumosa para um estranho.

Daquela distância ele viu perfeitamente quando ela se agaixou meio arreganhadinha e levantando a barra do vestido, foi soltando o jatinho fino de mijo na grama. Ela, olhando o próprio mijo jorrando no chão, se exibia, sem perceber, ao olhar vidrado daquele homem. Sua mijadinha durou alguns longos segundos, afinal ela estava com a bexiga bem cheia. Tenho certeza que de lá o homem podia ouvir muito nitidamente o chiadinho do xixi saindo forte da uretra da minha bebezinha, molhando o chão com sua urina quase transparente.

O homem ficou paralisado com aquela cena. Ele nem conseguiu disfarçar sua admiração pela bucetinha da minha princesinha urinando. De boca aberta e queixo caído ele presenciou aquele rápido espetáculo de uma bucetinha infantil arreganhadinha, mijando no chão de uma pracinha. Desengonçada, minha menina respingou xixi por toda a calça legging, deixando ela úmida de xixi. Ainda sob o olhar do homem, logo que ela terminou de mijar, puxei a calça pelos pezinhos da Eveline, deixando ela desprevenida, só de vestidinho, sem nada por baixo cobrindo sua buceta carnuda.

Sem a calça não dava mais para ela brincar no escorregador, tive que procurar um lugar para sentar e comprar alguma guloseima para minha filha. “Quer alguma coisa, filha?” Perguntei segurando em sua mãozinha. “Quelo, quelo, quelo…” respondeu ela toda dengosa. O banco mais próximo de onde nós estávamos era justamente o banco onde o homem estava sentado, então fui conduzindo a Eve, caminhando até o tal banco. De longe o homem já nos olhava sorrindo como se quisesse nos recepcionar no banco. Quando chegamos perto ele foi muito gentil, e já foi puxando assunto. Eu nem sabia o nome daquele homem e ele parecia que nos conhecia, e ficou um bom tempo elogiando minha princesinha dizendo que ela era muito linda, e ela se derreteu toda, com aquele jeitinho dengoso que só ela sabe fazer.

Por uns poucos minutos permanecemos de pé, conversando com o homem. Como os bancos da praça são grandes e cabem, tranquilamente, três pessoas, me aproximei do banco com a calça mijada da Eve na mão e perguntei se não haveria problema eu me sentar ali também com minha filha. Ele, sorrindo, prontamente disse que não tinha problema. Comecei uma descontraída conversa com esse homem que, disfarçadamente, olhava para a minha filha tentando flagrar a sua bucetinha pelada por baixo do vestidinho. O homem era muito educado, gentil e simpático. Ficamos conversando por alguns minutos até que minha filha me cutucou pedindo algo para comer ou beber.

Perguntei ao homem se tinha algum lugar ali perto para comprar alguma coisa para minha filha, ele me indicou uma casa do outro lado da rua, um pouco longe da pracinha, onde tinha uma placa dizendo “VENDE-SE CHOPP E SORVETE”. Quem conhece a nossa região sabe que é muito comum no interior ter essas casas que vendem chopp. Para quem não sabe “chopp”, para nós do Pará é o mesmo que “geladinho” ou “sacolé”, em outras regiões. Minha filha deu uns pulinhos de alegria dizendo “oba! quelo chopp, mãe…” e seu vestidinho subia mostrando, agora de pertinho, a bucetinha para aquele homem gentil.

Eu me levantei e disse que ia até lá comprar um chopp para a Eveline, então ele me deu uma nota de vinte reais e pediu gentilmente que eu trouxesse um sorvete de copinho para ele. Eu mandei a Eveline sentar no balanço ali perto e pedi que ele ficasse reparando ela enquanto eu iria até na dita casa comprar o chopp e o sorvete. Não tinha perigo nenhum porque de lá mesmo dava para eu ver de longe o movimento da pracinha e do parquinho. O balanço ficava bem de frente para o banco e enquanto eu ia saindo a Eveline já estava se balançando toda abertinha mostrando a bucetinha sem nenhuma vergonha.

Quando eu cheguei na tal casa do chopp, olhei ao longe a Eveline no balanço e o homem olhando diretamente para sua bucetinha arreganhada. Percebi que ele gesticulava algo, conversando de longe com a minha filha, que nessa momento deu uma paradinha para ouvir. Depois só vi ela se balançar bem forte levantado agora as duas pernas acima da cabeça, permitindo que o homem visse sua bucetinha por um outro ângulo, por baixo. Dava para ver que ela encostava as coxas e levantava bastante as perninhas, o que, com certeza, fazia a sua bucetinha carnuda ficar bem comprimida e saliente.

De repente, quando eu estava passando o dinheiro para a “mulher do chopp”, vi de relance que a Eveline estava de pé em frente ao homem. Vi quando ela mesma levantou a parte da frente do vestido com as duas mãos, rindo e mostrando orgulhosa, sua bucetinha para aquele homem. Ela olhava para a própria buceta nua enquanto o homem olhava vidrado e falava algo que não era possível eu escutar. Na hora que eu pedi o sorvete de copinho, olhei rapidamente e vi ela virando de costas e levantando, discretamente, o vestido atrás, mostrando a bundinha.

Ela virou de frente e agora gesticulava apontando cada parte do seu corpo, como quem estivesse mostrando detalhadamente uma obra de arte, e em uns momentos ela até desfilava toda faceira. O homem falava algo para ela que eu não conseguia ouvir mas pela linguagem corporal dava para ver que ela estava adorando ouvir, deveria ser elogios, pois ela ama ser elogiada, tanto que ela pulou no pescoço do homem e deu um abraço carinhoso nele, e enquanto uma mão do homem a abraçava pelas costas, a outra mão já foi por baixo do vestidinho apalpando a bundinha redondinha da minha filha.

Nisso, eu já ia voltando e ele largou, rapidamente, a minha filha que correu novamente para o balanço e voltou a se embalar toda arreganhadinha. Eu cheguei e dei o sorvete e o troco do homem e fui entregar o chopp da Eve que nem saiu do balanço. Ficou ali mesmo sentadinha, chupando eroticamente o chopp, enquanto eu conversava com o homem no banco. Ele nem tinha aberto o sorvete e a Eveline, gulosa, já tava na metade do chopp dela. Ela chupava com tanta vontade que deixou cair o lencinho de papel no chão, então logo a mãozinha dela tava congelando no gelo do seu chopp de cupuaçu.

Quando a Eveline sentiu os dedinhos congelando, naturalmente, ele pegou a barra do vestido e enrolou no seu chopp, levantando totalmente o vestido, deixando a bucetinha toda exposta e arreganhada no balanço, enquanto o homem nem disfarçava, e olhava diretamente para a bucetinha da minha filha enquanto falava normalmente comigo. Notei que ele ficou um pouco frustrado porque ela acabou rapidamente o chopp e soltou a barra do vestido, escondendo novamente a bucetinha. Só agora ele abriu o sorvete, e começou a tomá-lo.

Enquanto isso a Eveline já estava se balançando novamente, sem nenhuma vergonha, levantando bastante as perninhas, e mostrando por baixo a bucetinha e o cuzinho em cada balançada. Nisso ela percebeu que o homem tomava o sorvete e veio até onde nós estávamos. “Mãe, eu quelo sovêti tabém”. Eu não podia negar pois ela estava vendo o homem com sorvete e também queria. Antes que eu levantasse o homem pegou o mesmo troco do seu sorvete e me deu, dizendo que eu comprasse tudo de sorvete para minha filha. Eu aceitei, agradeci, peguei o dinheiro, e pedi que ele olhasse ela mais um pouquinho e me dirigi até o local onde vendia o sorvete.

Mal eu saí e eu vi que ela já correu para o colo do homem para que ele pudesse dar um pouquinho do sorvete para ela. Ele dava, carinhosamente, na boquinha dela como se ela fosse sua filha. Quando cheguei lá, enquanto a mulher estava me atendendo, vi que ela continuava no colo dele, e ela mesma já segurava o copinho do sorvete e já se apossava do sorvete do homem. Ela sorria bastante, e notei que ele tinha colocado uma mão por baixo do vestidinho bem na direção da bucetinha da minha filha e fazia movimentos suaves, e com a outra mão ele acariciava rostinho da minha bebê. Era uma cena linda. Quem visse ia pensar que era pai e filha.

Enquanto eu esperava, com o dedo da mão direita o homem melava no sorvete e dava na boquinha na minha filha que chupava o dedo do homem, sugando todo o sorvete. Algumas vezes eu tive a impressão que ele estava melando de sorvete com a outra mão a bucetinha dela também. Só sei que ela estava se divertindo, eu conheço bem a cara da Eve e aquele sorrisinho sapeca quando tá gostando de alguma coisa. Vi que a brincadeira estava boa, e não quis atrapalhar, então puxei uma conversa aleatória com a mulher pois eu queria dar mais tempo para minha filha se divertir com seu novo amiguinho. Sorte que a mulher era dessas que gosta de conversar.

Reparei que o sorvete do copinho que a Eve segurava acabou, mas ele continuava botando aquele dedo enorme na boquinha da minha filha, que chupava, como uma descontraída brincadeira. A outra mão continuava bolinando as partes íntimas da Eveline que só olhava para baixo na direção da própria bucetinha e aproveitava o momento sorrindo bastante. Eu continuava conversando com a mulher que vendia chopp, sem tirar os olhos dos movimentos da minha princesinha com aquele estranho no banco da pracinha.

De repente minha filha desceu do colo do homem que conversava algo com ela. De longe tive a impressão que, disfarçadamente, ele abriu o zíper da bermuda jeans, mas não vi o pau do homem, pois a sua camisa de time um pouco frouxa, cobria seu órgão genital. Com certeza deveria ser muito grande o pênis daquele homem, porque eu vi um volume enorme se formando por dentro da sua camisa do Paysandu. Ele sentou a minha filha de frente, arreganhadinha sobre suas coxas e ela, curiosa, tentava levantar a camisa para ver o pau gigante do seu amigo.

Ele estava meio preocupado de alguém ver. Ele olhava para os lados enquanto mantinha minha filha arreganhada em suas coxas, mas mantinha uma certa distância entre a bucetinha da minha bebê e seu corpo. A Eveline tentava ver o pau, ele acabou cedendo e mostrando, e ela abriu a boca admirada, e já foi manuseando a piroca, enquanto ele tentava colocar os braços em volta para ninguém ver. Era excitante ver ela ao ar livre, em plena pracinha, correndo o risco de alguém ver ela pegando na piroca de um homem numa praça pública. Imagino que a adrenalina dele foi a um milhão e isso permitia que ele corresse aquele risco tão grande. Minha filha só sorria, mas no rosto do homem, mesmo de longe, dava para ver o tesão enorme, parecia que ele estava prestes a gozar, com as mãozinhas curiosas da minha bebê.

Numa reação súbita minha filha se jogou em cima do homem em um abraço caloroso. Ele não esperava isso. Nesse momento eu peguei os sorvetes e segui calmamente em direção aos dois. Quando aquele homem sentiu a bucetinha da minha menina roçando por cima da sua pica ereta, ele não resistiu. Vi bem quando ele pegou ela por trás, por baixo do vestido, puxou forte a menina conta seu corpo, apertando com as duas mãos o bumbum dela. Quando ele levantou a cabeça, erguendo o pescoço para trás, forçando o quadril contra o corpinho da minha filha, tive certeza que ele estava gozando, roçando a piroca nas partes íntimas da minha menininha.

Acho que ele não planejava isso. Logo depois da gozada ele ficou muito desconcertado. Quando ele percebeu que eu já me aproximava, tirou rapidamente a minha filha de cima dele e, tentando disfarçar, guardou o pau todo melado dentro da calça. Minha filha também ficou desconfiada e só me olhou com um sorriso sapeca enquanto eu chegava. Olhei e vi que havia esperma por toda parte, levantei o vestido dela e tinha porra na coxa dela, na barriga, até nos pés, e principalmente por cima da bucetinha dela. Na parte interna do vestido tava muito melecado da gala que tinha acabado de sair do pau daquele homem, e o cheiro de sexo era bem forte.

Olhei o homem que estava sem reação e não me encarava e vi realmente seu zíper aberto e a bermuda, na frente, toda melada de porra. “Nossa, filha, você tomou todo o sorvete do moço hein!” falei tentando quebrar o gelo. Ela só sorriu e falou, “é que tava munto gotoso, mami…” eu olhei para ela e tive que fingir que não tinha visto nada, “vocês fizeram uma festa de sorvete, né, olha, tá toda meladinha de sorvete, e ainda melou o moço todo, menina, agora tem que pedir desculpas pra ele, dona Eveline”. Ela ficou séria por um momento e eu continuei: “não pode desperdiçar sorvete, filha, pode lamber tudo…” e fui passando o dedo no meladinho da sua bucetinha e dava na sua boca e ela chupava e sugava toda a porra fresquinha do homem.

O homem só observava, não acreditando na forma que eu agia diante da situação. “Pode se limpar com a calça legging da Eve, moço”, eu falei enquanto oferecia a calça mijada da minha bebê. Ele pegou, e limpou a bermuda suja de esperma, depois me devolveu a calça agora melada de mijo misturado com a sua gala grossa de macho. Depois disso ele percebeu que não teria nenhum problema para ele, e a tensão passou, e enquanto a Eve tomava os sorvetes ao lado, conversamos por alguns minutos como se nada tivesse acontecido, e nem toquei no assunto dele abusando da minha filha em plena praça.

Antes de irmos embora a Eveline ainda sentou no colo do moço, deu um abraço e um beijinho em seu rosto, e ele retribuiu o beijo. Aquele homem ficou ali na praça, ao lado do parquinho preferido da minha filha, todo gozado e, com certeza, extasiado e satisfeito. E eu, inevitavelmente, saí dali com a buceta toda molhada pelo tesão enorme que aquela situação me provocou. A Eveline voltava para casa toda radiante, feliz e meladinha da gala deliciosa do seu amigo. Uma mão segurava minha mão e a outra segurava sua calça legging mijada e melada do gozo grudento do homem no parquinho.

✼ ✼ ✼ ✼ ✼ ✼ ✼ ✼ ✼ ✼ ✼

Leitores, comentem bastante que eu posso continuar contando as aventuras de Eveline e sua bucetinha infantil carnuda e apetitosa.

Qual vocês escolhem para a próxima?

1. ✼ ✼ ✼ ✼ ✼ ✼ ✼ ✼ ✼ ✼ ✼

2. O professor de educação física.

3. O primo adolescente.

4. O tio Carlos.

5. ✼ ✼ ✼ ✼ ✼ ✼ ✼ ✼ ✼ ✼ ✼

6. O vizinho do lado.

7. Eveline na piscina com as amigas.

8. Eveline na praia.

9. Banho só de calcinha no igarapé.

10. ✼ ✼ ✼ ✼ ✼ ✼ ✼ ✼ ✼ ✼ ✼

11. ✼ ✼ ✼ ✼ ✼ ✼ ✼ ✼ ✼ ✼ ✼

12. Eveline com sua priminha Sofia.

13. ✼ ✼ ✼ ✼ ✼ ✼ ✼ ✼ ✼ ✼ ✼

14. O Fábio, bêbado, confessou que acha nossa filha gostosa.

15. O professor particular de matemática.

✼ ✼ ✼ ✼ ✼ ✼ ✼ ✼ ✼ ✼
♡ ♡ ♡ ♡ ♡ ♡ ♡ ♡ ♡ ♡
♡ ♡ ♡ ♡ ♡ ♡ ♡ ♡ ♡ ♡
✼ ✼ ✼ ✼ ✼ ✼ ✼ ✼ ✼ ✼

Comentem bastante sobre as experiências de vocês.

Muitos beijos aos pedófilos e pedófilas!
Amo vocês!

✼ ✼ ✼ ✼ ✼ ✼ ✼ ✼ ✼ ✼
♡ ♡ ♡ ♡ ♡ ♡ ♡ ♡ ♡ ♡
♡ ♡ ♡ ♡ ♡ ♡ ♡ ♡ ♡ ♡
✼ ✼ ✼ ✼ ✼ ✼ ✼ ✼ ✼ ✼

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,80 de 35 votos)

Por # #
Comente e avalie para incentivar o autor

41 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder Gaucho doido eu adorei su ID:1d657ap8ptz1

    Eu adotei se foce eu enfiava o pau ali mesmo todinho na Evi ate na mae

  • Responder MA BE ID:gsuoftfij

    Gostaria de ler os contos de exibindo a filha bucetudinha.
    Eveline e o tio Carlos
    Eveline e o vizinho do lado,
    Pois até agora não consegui acessar estes dois contos.

  • Responder MA BE ID:gsuoftfij

    Mãe da filha bucetudinha,porque vc não demorou mais tempo conversando com a mulher,assim sua filha bucetudinha teria gozado na pica do homem do porquinho e ficado com a bucetinha toda molecada com o propio mel e com a porra do homem.
    Talvez ele teria quebrado o cabacinho dela ,pois ela quer perder o cabacinho logo .fala pro pai dela fazer o cabacinho dela logo antes que um estranho faz .
    Ou então da o cabacinho dela para um padre fazer e esfolar a bucetinha dela e lambuzar de porra o útero dela ,ela vai amar olhando a porra escorrendo da bucetinha.

  • Responder Leandro de Lima Vidal ID:41ighk9uhrc

    Sinto muito tesão lendo suas estórias com sua bucetudinha linda ❤️💋💋

  • Responder @Dinaldo7 ID:2qln3dk0c

    tem de exibir mesmo. sou tarado por exibicionismos. quando os pais exibem suas filhas, ou a propria si mostra.

  • Responder Rafael ID:1d5tziyizzjx

    Adorei seus contos , parabéns e eu gostaria de ler os capítulos 3 , 7 , 12 e 15

  • Responder Coroa ID:phk7ow7puly

    Delicia

  • Responder Jorge Bueno ID:1elflw2d6qcm

    cada leitura uma punheta continua sim, adoro

  • Responder Ivandro skype ID:831i4imk0a

    Muito bom, sou de Belém do Pará já aventurei a minha assim RS , entra em contato.

  • Responder VOVOP3D9 ID:40vpli0n49b

    Já vou ler pela terceira vez e pretendo gozar de novo delicioso esses relatos o autor está de parabéns

  • Responder Geal ID:funszdpv0

    Oi mae de buc
    Sei como voce se sente quando saiu com a minha noto os homens olhanda pra ela desejando o corpo dela e isso e bem excitante mesmo

    @Geal433

  • Responder Pai incesto ceara ID:w72br3b8

    Número 14

  • Responder Armando ID:bf9d3cgb0j

    Mãe de Buc…,

    Seus textos são todos deliciosos! Então, qualquer sugestão dessas elencadas seria muito interessante.

    Mas entre tudo que li, de seus maravilhosos Contos/Relatos, há um texto INSUPERÁVEL ATÉ AGORA: DE SUA BABY BUCETUDA BRINCANDO COM O PAPAI…. LINDO, INSPIRADO, INSPIRADOR, INTELIGENTE, TUDO DOSADO COM PERFEIÇÃO: MALÍCIA/INOCÊNCIA, DESCOBERTAS/EXPERIÊNCIA, PATERNIDADE/TESÃO DE MACHO. E o que achei mais interessante: mesmo com as restrições de edição (faixa etária) conseguir que fosse publicado por esse inestimável Site.
    Então A SEQUÊNCIA DESTA PARTE, para mim, não é apenas algo que penso ser interessante. Considero algo NECESSÁRIO para minha vida paralela de fantasias… Quem sabe, na sequência, não acabaria se recordando de alguma travessura ou algum gesto paternal de carinho (que para tarados inescrupulosos seria visto como algo indevido, inadequado entre pai e filha e entre adultos e bucetudinhas tão pré… tão precoces) tipo mais banhos, lactação com ajuda do pai, bitocas na pepeka… Isso entre 2015 e 2017 se revestiria de um grau muito elevado de Fantasias Eróticas.

    Mas só um devaneio… O que você publicar, só temos a agradecer…. Mas…. seria MARAVILHOSO alguma coisa assim…. Sobretudo 2015/17…

    Obrigado!

    Armando.

    • Incestuosa ID:469co67z6ia

      Delícia de idéia, Armando

  • Responder Hirinho ID:830zqz2b0i

    tantas ideias,mas tanta preguiça de tentar criar um conto rs kk

  • Responder Vomitei ID:2ql0dfy8l

    Que nojo, me deu ânsia de vomito ler esse conto.

    Um pedófilo se passando por mamãe, credo … que nojeira.

  • Responder Mãe de bucetudinha ID:n0vjdmv9d

    Amores, eu estou querendo publicar um textinho aqui, sobre as crianças daqui da minha região amazônica, o que vocês acham da ideia?

    • Bobinho ID:8ef6vikhrj

      Acho que seria uma maravilha! Pública, por favor!

    • Marisa ID:830xmr68rc

      Deve ter muitas historias “interessantes” com elas. Deves publicar sim

    • Billie ID:on92speqrk

      Delicia , gozei muito lendo e relendo o conto.

    • Padrasto ID:muiwbihrk

      Boa noite!
      Por favor publique, aí deve acontecer muita coisa boa envolvendo as novinhas 😉😉 Padrasto 😉

    • AFMB ID:1asmdhh16ia

      Ótimo tópico falar….eu voto a favor de publicação bjsss 😘

    • Ivandro skype ID:831i4imk0a

      Da nossa amazônia

    • Marco Aurélio ID:1dsumbd2cbz4

      O que elas tem?

  • Responder Anonimo ID:dcszgtuhi

    Caramba vei, sempre escrevo esse comentário mas sempre apagam…. Já escrevi três vezes nesse conto, mas dps some…

    Eu quero o 2, 7, 8, 9, 12 Ou 15.

  • Responder Livia ID:2cq8b7y0v0

    Delicia, quero fazer isso com minha filha de 8!

    • Nilramos ID:8d5i4j86ia

      Acho muito justo, vc ensinar sua filha a sentir e a dar prazer, ser cúmplice de sua filha e ensinar a ela brincadeiras libidinosas deve aumentar a intimidade entre vcs, espero que dê tudo certo

    • pauludo ID:gqbv6t9zk

      legal Livia, ja fiz isso com uma menininha com a mae olhando e te garanto que vc vai sentir um prazer imenso. comigo foi no parquinho do condominio. era segunda enão tinha ninguem a menina sentou no chao na minha frente e ficou com as pernas abertas e como a calcinha era folgada aparecia a bucetinha dela toda tinha a idade da sua e a mae viu e inventou que a menina tinha mijado na calcinha e levantou o vestidinho delsa e baixou a calcinha bem devagar saboreando aquele momento de ver um homem ja de pau duro olhando a sua menina começamos a conversar e a menina veio e sentou no meu colo. como a mae sabia abri o ziper e botei o pau pra fora e sntei ela ela ela olhou pra mae e sorriu e falou que era gostoso chamei a mae para um lugar mais reservado e sentei ela de novo com o dedo ja alizando seu cuzinho gozei bastante nela no que a mae limpou com a calcinha e perguntou se eu queria de lembrança foi maravilhoso de vez em quando a gente se encontra

    • Papai ID:mplt6dnzzbd

      Delícia com essa idade ela vai gozar muito.e se vicia.quere todas as vezes.ja tive experiência com mais novinha mas nem uma é igual a outra.isso posso garantir.se ela gosta do que tá fazendo e querer mais por livre escolha.tudo bem.nao pode forçar ou machucar elas.tem que ser aos poucos e com carinho.adoraria fazer isso com tua filha.

  • Responder Kaneky ID:7r03umq49b

    Mãe da Shaira vc me conhece sou o kaneky preciso falar com vc

  • Responder Blackthingz ID:xgmcvvv2

    Número 2. Quem quiser trocar idéia chama
    Blackthingz

  • Responder Vanbrek ID:funszdpv0

    Nossa que conto delicioso, me chama no tele: @vanbrek09

  • Responder LeitorCNN ID:8ef6vikfij

    Oi, Antonia. Que idade tinha a Eve em 2019. Acho que tinha só uns VI aninhos, né? 😋😋

  • Responder DANIEL ID:h5hr26vk8

    PARABÉNS muito mais MUITO bom

  • Responder Mãe de bucetudinha ID:n0vjdmv9d

    Oi, meus amores! Só pra deixar claro, essa Mamãe da Shaira não sou eu. Ok? Mas os contos dela da saga da Shaira são bons mesmo, eu já li. De qualquer forma, obrigada pelo comentário, Mãe da Shaira. Saudades. Beijos 💋

    • Livia ID:2cq8b7y0v0

      Tbm sinto sdds dela!❤️

  • Responder Filha incestuosa ID:6stvzenrzk

    Amei amei amei, muito bom me deixou muito excitada.
    2/3/4/8/914/15 qualquer um desses. Vocês são maravilhosas beijos e cheiro pra vocês

  • Responder Filha incestuosa ID:6stvzenrzk

    Fica tranquila, vai no seu tempo. Sabemos que vc tem responsabilidades como mãe e esposa e dona de casa.

  • Responder Mãe de bucetudinha ID:83100tbiql

    Olá amores,depois de eu ter escrito a saga da Shaira nos contos da Mamãe da Shaira,este de Mamãe de bucetudinha estão realmente me tomando tempo,então já peço desculpas se eu demorar pra postar

    • Mãe de bucetudinha ID:n0vjdmv9d

      Ué! 🤷
      Se é você que tá escrevendo, então como é o nome da minha bisavó materna? KKKKK

    • Mãe de bucetudinha ID:83100tbiql

      Simples,falsa Mãe de bucetudinha,o nome da minha bisavó materna era Maria do Rêgo Sarah Pinto.
      Gostou,vadia??