#

Quem não cola não sai da escola

1955 palavras | 5 |4.25
Por

Eu e um aluno muito do assanhado, muito esperto, e ainda virgem

Oi gente linda… todo professor ou professora como eu, que ministra aulas para pré-adolescentes ou adolescentes, certamente já passou por esse tipo de situação.

Este relato é completamente fake, mas poderia muito bem ter acontecido, bem vamos aos fatos….
Como todo relato que se preze…. Sexo é apenas sexo, mas o amor ah…o amor é phoda.

Era uma vez…. em um certo colégio onde se ministrava noções de sexologia…. no curso médio…
O ano letivo já havia começado e Juca Tsukune foi transferido para uma nova escola, o clube da Luluzinha e do Bolinha já estavam praticamente firmados e para fazer amizades entre alunos, para os novatos, ficava difícil.

A única pessoa com quem Tsukune estava se dando bem era MikaelaZani, sua professora de sexologia, ela tinha vinte e três anos, era jovem de cabelos pretos e olhos negros como uma noite sem luar.

Não havia completado um mês que Tsukune frequentava sua nova escola e, já haveria um teste marcado para o sábado.

Mikaela entregou os testes aos alunos. Tsukune começou imediatamente e foi o primeiro a terminar o teste.

Mikaeka ficou surpresa por ele ter terminado tão rapidamente.

– Tem certeza de que não quer passar revisão, Tsukune? Ela perguntou.

– Eu já fiz isso, não cometi nenhum erro.

– Isso é ótimo. Eu vou corrigir enquanto os outros terminam.

Tsukune já poderia ir embora, mas resolveu ficar para ver a nota.

Então, enquanto Mikaela corrigia a prova, rolava na classe o famoso “Quem não cola não sai da escola”

Tsukune não tinha amigos, mas pediram cola. Ora, Tsukune era um garoto tímido, porém, não era burro, ele sabia que não era a princesa Isabel e nem Gilmar Mendes, mas ele precisara libertar essa galera.

Tsukune fez cartas de alforrias e diversos habeas corpus (bilhetes) E foi libertando a galera.

De repente tudo ficou caótico. Mikaela repreendeu a turma e por punição só sairiam no tocar a sirene e por causa do quem não cola não sai da escola… Tsukune iria ficar mais tempo detido na escola.

Mas Tsukune nem se importou, ele estava feliz. Quando finalmente, a sirene tocou. Todos os alunos correram para a liberdade da prisão escolar, mas ele esperou.

Ele gostava de ficar o mais perto possível dela.

Ele foi até a mesa dela e encostou-se ao lado da mesa, ele sentiu o perfume e olhou para as pernas torneadas e o inevitável aconteceu, seu pênis endureceu em suas calças.

Ele parou a observação ao notar que ela havia desenhado um grande
círculo azul em volta, e devolveu o teste para ele, ele olhou para sua pontuação e sorriu.

Ele voltou para sua mesa para pegar sua mochila e virou-se e já estava quase pronto para se despedir ele se lembrou tarde demais que tinha uma enorme ereção apontada para frente, e pior, a professora estava olhando para ele e o flagrou de pau duro.

– Oh, me desculpe Tsukune falou enquanto movia as mãos sobre sua virilha para cobrir a protuberância.

– Está tudo bem. Eu vejo o jeito que você sempre olha para mim.

– Eu não pude evitar, você é muito cheirosa e muito bonita, falou Tsukune corando.

– Você não precisa se sentir envergonhado. Se você quiser falar comigo sobre como se sente e conte tudo, Tsukune concordou timidamente.

– Eu penso em você até quando estou na cama.

Mikaela sentiu a fenda da boceta umedecer com a conversa do jovem rapaz. Ela sentiu um forte desejo em ter uma conversa imoral com ele.

Ela levantou e olhou pela janela, o movimento de alunos em frente da escola era quase zero, então ela pediu que esperasse enquanto descia as escadas para falar com o porteiro.

Tenho que corrigir algumas provas, deixe uma cópia da chave do portão comigo e vá embora. – Mikaela falou numa voz convictamente autoritária.

Ela voltou para sala e por segurança trancou a porta e caminhou até o aluno.

Tsukune se sentia excitado. Ele até afastou as mãos de sua virilha para que ela visse.

– Então rapazinho, quer dizer que no seu quarto você se masturba pensando em mim?

Tsukune achou que tinha ido longe demais, portanto, Mikaela usou uma linguagem mais explícita.

– Você me imagina que eu chupo seu pau e você fode minha boceta e cuzinho, é isso?

Ela havia engrossou a voz e exigiu que ele falasse tudo.

– Sim, eu imagino tudo, até mesmo punhetas.

Tsukune ficou muito surpreso que estivesse tido isso para ela, mas Mikaela estava tão excitada quanto ele.

Ela se ajoelhou e abriu a braguilha da calça de Tsukune e a puxou um pouco a calça e a cueca e o inevitável aconteceu.

O pau do rapaz apareceu em toda a sua glória. Mikaela segurou levemente, e o punhetou.

– Ufa, ufa – disse ela – Você tem um pau grande pra sua idade.

– Você não me precisa dizer que é grande. Eu poderia até acreditar em você.

– Então você não acredita em mim?

Então vamos resolver essa questão de uma vez por todas. Mikaela iria na base da matemática um pau ereto de um aluno.

Ela caminhou de volta para sua mesa e pediu para Tsukune se aproximar, ele caminhou e viu que ela segurava uma régua de madeira, ela se agachou e masturbou um pouco ao mesmo tempo que lhe dizia que era sua obrigação como professora deixar o pau bem endurecido para poder medir com precisão.

– Olhe para isso. Ela disse – São quinze centímetros, o comprimento de um homem adulto, e você nem terminou de crescer. Então o que acha de brincarmos de professora gostosinha que leva uma pica grossa de aluno?

Mikaela estava tão excitada por segurar o pau de um aluno que seus pensamentos em nenhum momento lhe diziam que isso era errado, portanto, ela puxou a saia a calcinha, deixando exposta a racha vaginal. Tsukune tinha quase dezessete anos, mas essa foi a primeira vez que ele viu uma buceta.

– Você quer seu pau virgem aqui dentro? Tsukune respondeu com acenos de cabeça.

– Então venha até aqui para prova a buceta, vem cá, seu garoto grande.
Tsukune se aproximou até encostar o pênis contra as coxas dela.

Mikaela lhe deu um beijo nos lábios. Suas línguas se entrelaçaram e circularam em torno da boca um do outro em uma pressa frenética.

Mikaela usou uma mão direita para guiar o pênis até a abertura da buceta.

– Você deve empurrar para dentro de mim agora. – Disse ela sem quebrar o beijo.

Os lábios vaginais se esticaram para caber a cabeça invasora. Tsukune estava admirado com a sensação em ter a cabeça do pênis dentro de algo tão apertado e quente.

Tsukune olhou para baixo apenas para ver a cabeça do pênis lustroso e brilhante. Ele simplesmente manteve essa posição para absorver a visão inesquecível.

– Porque você não mete tudo? Será que eu abrir as pernas pra um veadinho? Tsukune, você é meu aluno veadinho?

Tsukune ficou chocado pelo súbito xingamento da professora, ele resolveu meter a cabeça como se fosse uma cabeça de bigorna e passou a martelar na boceta molhada da professora que soltava gemidos altos.

– Uau, seu pau é grande mesmo, veja como arreganhou minha buceta.

Porque você me chamou de veado? – Disse o preocupado Tsukune.

– Sim baby, você é macho, então aproveite e transforme sua fantasia em realidade, fode a vontade a bocetuda da sua professorinha.

Mikaela podia sentir sua boceta enrijecer em torno do pênis. Ela o puxava para meter mais forte e mais fundo.

– Eu vou gozar, eu não aguento mais.

– Então vai garoto grande, bombeie goze meu menino grande que a buceta da professora quer isso.

– Eu vou gozar, eu não posso me segurar mais.

– Eu autorizo, goze meu menino grande que minha buceta carnuda espera por isso.

– Oh, professora, eu não aguento mais, eu estou gozando!

– Então me dê para mim tudo que você tem. Não gaste sua energia falando, você deve se concentrar em estuprar minha buceta.

O gozo de Mikaela começaram a lubrificar ainda mais o pênis. Foi um ótimo lubrificante natural. Isso serviu para mais incentivos da parte dela.

-É sua vez. Goza meu menino grande, e será nosso segredo que sou vadia.

Tsukune não estava preparado pra tanta atividade verbal – imoral, mas o efeito foi alucinante, o pênis pulsou atirando jatos de porra cremosa, enchendo a buceta de sua professora ainda mais e mais.

Então, ele soltou um suspiro ainda com o pênis dentro dela. A professora o afastou delicadamente para que saísse de dentro dela.

Quando o pau escapuliu, houve uma substância cremosa vazando da buceta, rolando pelas coxas e mais incrível, ela recolheu com os dedos e lambeu.

– Hummm, isso é gostoso, vamos fazer mais? E olhe seu pau, ainda está duro e grosso como o de um cavalo no cio, eu poderia fazer mais se você quiser.

Tsukune por ser jovem e viril estava ainda de pau em riste, por isso ele logo aceitou com acenos de cabeça.

– Agora deixa eu sentir o gosto de porra e vou de mostrar como uma mulher fogosa ama chupa um pau grosso.

Em seguida Mikaela se ajoelhou e pôs a língua para fora, ela deslizou os carnudos lábios de baixo para cima saboreando resíduos de porra, indo até engolir a glande.

Ela ansiava por isso. Dois dias atrás, seu marido a havia negado do prazer. Agora ela podia se satisfazer.

As bochechas de Mikaela inflaram quando engoliu o pênis. Sua habilidade fez o aluno sentir o hálito quente e agradável circulando ao redor do membro.

Ela fez uma garganta profunda e só parou para sugar a cabeça do pênis como se fosse um canudo.

Tsukune não estava preparado a suavidade da delicada sucção, ele sabia que a erupção viria. Ele deu um alerta, pensando que a professora tiraria a boca.

– Tire, tire que eu vou gozar – Ele tentou puxar os quadris.

Mas invés de recuar, ela o segurou pela cintura e pressionou os lábios ao redor do pênis, Mikaela apreciou o líquido agridoce molhando sua língua e dentes.

Depois de cinco ou seis ejaculações, ela fez o pênis deslizar suavemente de sua boca, restou resí¬duos entre os lábios, ela deixou lá enquanto fintava os olhos atentos do jovem aluno.

– Então me diga, sua professora sabe chupar uma pica?

Ela esfregou seus lábios e engoliu o resto de porra. As ações verbais desde o início pertenciam a Mikaela e não seria diferente agora.

Tsukune apenas balançou a cabeça. Ela levantou e dobrou o dorso sobra a mesa.

– Você tem um pênis gostoso. Então venha aqui e foda novamente minha buceta com esse pau gigante.

Obrigada por terem tido a paciência de lerem até aqui esse conto, logo estarei postando a segunda parte

Quem gostar e quiser trocar ideias sobre as aventuras no colégio…, e algo mais, meu E-mail .é … [email protected]

⏩ O melhor site de desenhos animados pornô do 🇧🇷, HQs eróticas🔥

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,25 de 20 votos)

Por #
Comente e avalie para incentivar o autor

5 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder @FlorianoDosSantos ID:8317aphfid

    Mika gosta de caralho grande 😁 ne BB?

  • Responder Mazino ID:g625lj6ij

    Boa história, já passei por algumas coisas,,,

  • Responder Mestre2021 ID:8d5gapwqrk

    Delicia de conto continue

    • mikaela ID:8eez5vj742

      Boa noite enviei hoje cedo a parte final do relato, espero que goste!!! e.. obrigada pelo elogio

  • Responder Hirinho ID:830zqz2b0i

    picante rsrs boa mika