# # #

O mlk da minha sala viciado em cheiro de pau

1560 palavras | 3 |4.95
Por

Um lek da minha sala era viciado em cheiro de pau de novinho e me aproveitei disso.

Me chamo Marcos, na época tinha 14 anos, 1,74 de altura, 62 Kg, porte de novinho não muito sarado, pardo, hormônios a flor da pele e os feromônios em dia. Sempre gostei mesmo de mulher, mas nunca neguei nada com homem, desde que me satisfizesse. Eu era acostumado a ir umas 3x ao banheiro da escola, quase sempre só pra me mostrar e provocar os meninos da minha escola com a minha jeba que na época media 17cm, grossa com a cabeça vermelha e bem veiuda. Até então só uns moleques mais novos ficavam me observando no mictório e não conseguiam conter o tesão e a ereção, então pediam pra me mamar e eu deixava, mas isso é outra história. O conto em questão aconteceu no 9 ano, onde os caras estão pouco se ferrando pra matéria e vão pra escola farrear, comigo não era diferente. Eu costumava sentar no fundo perto dos escrotos da turma, que sempre zoavam os caras e eram babacas, mas eu não participava disso. Só entrava em assuntos mais de boa ou quando me perguntavam sobre meninas. Com isso, eles sempre me deixaram em paz. O contrário acontecia com o Pedro, que era um menino de cabelo cacheado, branquinho, olhos castanho claro, 1,60 mais ou menos de altura, pesava uns 50 quilos. Ele sempre foi na dele e eu nunca havia falado com ele, até esse dia. Os mlks então começaram a zoar todos e chegou a vez de Pedro, que estava adiantando as tarefas e esperando a professora chegar. Renan, que era um cara de porte atlético, fazia vários esportes e sempre ia de short de jogar bola sem cueca pra escola falou:
– Pedro, tenho certeza que você deve gostar de um pau bem melado, com essa carinha de santinha que ama abocanhar uma rola. – Falou Renan com voz de deboche e se aproximando do ombro de Pedro, que estava sentado. Nisso, chegaram mais dois amigos do grupo dos babacas e começaram a intimidar o garoto, pegando no peito dele e falando coisas ofensivas. Nessa hora eu entrei no meio, porque vi que Pedro quase chorava.
– Deixa o cara mano, ele não tem culpa de ser introvertido. – Falei sem pensar nas consequências.
– Ué mano, você agora defende as frutinhas? Não tô te reconhecendo. – Falou Renan se afastando com a pika que quase encostava no ombro do Pedro.
– Que isso lek, é que o cara tá quase chorando, considero vocês demais! – Falei mentindo, pra tentar aliviar a barra.
– Só porque vc é parça vou deixar ele em paz, mas só dessa vez.
– Tmj irmão, precisando tamo aí. – Falei aliviado com a situação.
Nisso, Pedro levanta e vai correndo pro banheiro e vou atrás. Mal sabia eu que aquele menino era na verdade uma putinha. Quando cheguei na porta, ele estava saindo. Trocamos olhares e ele abaixou a cabeça. Coloquei minha mão pesada que cobria toda a parte direita do rosto delicado do Pedro e perguntei:
– Você tá bem? Eles pegaram muito pesado dessa vez? – perguntei olhando para baixo com uma voz compreensiva.
– A verdade é que estou acostumado com isso, mas uma coisa me fez ficar desajeitado, mas por você ter sido tão legal comigo, posso te contar, mas estou com muita vergonha. – Falou Pedro olhando para o lado.
– Pode falar, eu guardo segredos.
– Quando o Renan chegou perto de mim, o pau dele exalou um cheiro tão bom que me embriagou. – na hora não acreditei no que ouvi e não contive a sobrancelha franzida. Ele continuou:
– Sei que pode parecer estranho, mas meu nariz é muito sensível para o cheiro de pica, ainda mais mal lavada, o que me deixa em transe e completamente submisso. – Fiquei em choque mas consenti com a cabeça compreendendo a situação. Ele falou mais, dessa vez abaixando a cabeça e ficando com as bochechas coradas.
– Quando tem Ed. Física eu sempre saio por último da sala. O motivo é que eu abro mochila por mochila procurando as roupas de baixo que os meninos trocaram para ir à quadra. É minha terapia da semana, o que me faz imaginar as rolas dos novinhos da nossa sala me abrindo todinho e me descabaçando de uma vez. – Nessa hora minha boca secou e meu pau subiu. Ele botou o volume e logo colocou um sorriso no rosto. Eu não conhecia a puta que morava dentro dele. Nessa hora a aula já deveria estar rolando, então o movimento ia ser baixo. Empurrei ele de leve pra dentro do banheiro e falei:
– Vem sentir o cheiro do meu direto da fonte pra experimentar. – Falei com o pau pulsando dentro da cueca. Ele mal ouviu e já foi entrando e me puxando pelo pau por cima da calça. Entramos em um box maior e a festa começou. Ele logo fechou a porta e já foi levantando minha blusa e cheirando meu abdômen, foi descendo e ficou cheirando próximo do cós da calça, daí desabotoou e revelou o volume da minha pica na cueca, então ele ficou cheirando por cima dela e com a outra mão ele abaixou a própria calça e começou a siriricar seu cu. Ele falou:
– Esse pau parece de um cavalo, não é muito avantajado pra nossa idade? Parece os dos filmes que eu costumo ver, mas nunca imaginei que fossem de verdade. Você vai fazer um filho em mim com essa piroca na minha bucetinha traseira? – Ele falou implorando com os olhos olhando pra cima. Não aguentei, desci e dei um beijo bem babado nele e falei:
– Vou torar esse cu seu pra você aprender a ser um cheira pica. – Falei empurrando ele pra trás e deixei de frango assado. Olhei bem o cu virgem dele e percebi que eu deixaria estrago nesse cu rosa com meu pau preto. Coloquei as pernas dele no meu ombro e comecei a chupar o cu dele, que gemia e finalmente falou:
– Tira a cueca e me deixa cheirar enquanto me come, por favor. – Ele falou gemendo e tremendo com minha língua no cu dele.
– Toma sua safada. Aproveita que tá bem suada de pau guardado. – tirei e entreguei pra ele que respirava bem fundo na minha cueca. Depois de uns 2 minutos ele falou:
– Quero sentir a fonte desse cheiro, me mostra por favor. – Deixei ele deitado e entre uma pessoa e outra que entrava no banheiro, levei minha pica peluda pra cara dele. Ele cheirou e não aguentou um minuto. Começou a limpar minha pica toda com a língua como se fosse a melhor coisa do mundo. Mesmo com barulho de gente no banheiro falei:
– A cachorra deve gostar mesmo de pica. Tá chupando a minha toda suada como se fosse sorvete. – Falei olhando pra ele lambendo meu pau e minhas bolas.
– Não tem nada melhor que isso. – interrompi a fala dele e coloquei a cabeça do pau no cuzinho dele, que pulsava, abria e fechava e respirava na minha jeba. Ele pegou minha cueca, apertou no nariz e falou:
– Me faz sua fêmea, me come pela primeira vez. – Não aguentei ver aquele mlk com o cu fechado e cheirando minha cueca. Melei a porta do rabo dele com meu pré-gozo e já soquei de uma vez. Ele gritou e arregalou o olho, tentou sair mas ele estava imprensado entre as paredes e a porta. Olhei o cu dele e estava arregaçado com meu pau deflorando ele. Nessa hora ele não aguentava um movimento da minha pica, que logo gritava e gemia de ardor. Segurei os braços dele com os meus, deitei dele e fiz a posição mamãe e papai. Nessa hora com o peso do meu corpo fiquei segurando ele e comecei o vai e vem devagar com o pau dele todo esfolado e arregaçado por um pau avantajado. Com o tempo ele foi aguentando, fizemos todas as posições possíveis, o sinal tocou e ele falou:
– Meu cavalo, vamos pra sala… goza logo no seu cuzinho e me faz assistir a aula com o cu cheio de porra. – ele falou com uma voz manhosa. Então falei:
– Vamos minha égua. Pra um cara tímido você é bem aberto no escondido. – olhei o rombo do cu da puta e aumentei o ritmo, socando o mais fundo possível com ele de 4 até que soltei jatos de porra quente dentro do cuzinho dele, que a cada um, ele apertava meu pau com o butao recém descabaçado. Deixei ele desse jeito, limpei meu pau e a entrada do cu dele com papel, vestimos as roupas e falei:
– Vai assistir aula com o cuzinho galado então? – Ele acenou que sim e fomos pra sala. Ele não parava de me olhar na aula e depois disso sempre que podia comia o cu dele e terminava de abrir.

⏩ O melhor site de desenhos animados pornô do 🇧🇷, HQs eróticas🔥

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,95 de 20 votos)

Por # # #
Comente e avalie para incentivar o autor

3 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder J ID:h5hn7tbd3

    Tesão

  • Responder Luiz ID:dlns5khrd

    Agora tem que contar aos outros colegas todos tem que comer esse viadinho

  • Responder [email protected] ID:7r03o5p0hj

    Muito bom