# #

Cu-i-dando do sobrinho de uma amiga

1643 palavras | 4 |4.48
Por

Eu fui ajudar uma grande amiga que teve de viajar e me deixou tomando conta do sobrinho. Terminei O CU DANDO a ele.

SAMARA é uma grande amiga minha e eu mesmo me ofereci para ajudá-la com um pequeno problema: um sobrinho que mora em Minas Gerais dela veio passar uma semana na casa dela, chegando na segunda-feira e voltando no domingo. O problema é que ela teria de viajar no sábado e não teria como fazer, então eu me ofereci para “tomar conta do sobrinho”, o que não seria nada demais na normalidade.

É que PEDRO tem 15 anos, é desenrolado, sabe se virar sozinho e acorda tarde, então o meu trabalho seria levá-lo ao shopping no sábado à tarde, ele iria almoçar, cinema, paquerar e coisas assim, me restando apenas levá-lo de volta para a casa e, no domingo, cobrar a arrumação da mala e garantir que ele não se atrasaria para o voo à noite.

Eu conheci PEDRO durante a semana, eu, ele e SAMARA fomos a um restaurante japonês jantar. A conversa fluiu bem e só achei PEDRO muito metido a experiente, sem ser chato, é bom que se diga.

Cheguei por volta das 11 da manhã no sábado, estava com a chave do apartamento e sou conhecido no prédio. Entrei e fui logo acordar PEDRO, que dormia ainda de sono pesado. Ele estava apenas de calção de moletom e o pau estava duraço. Chega deu tesão, mas preferi ir para a sala, liguei a TV e esperaria até 13h, pois estava passando um jogo de futebol inglês. Não deu meia hora, PEDRO acorda, sai do quarto ainda com o pau bambo e vem falar comigo:

– E aí, RAMON, tudo tranquilo?
– Tudo, mineiro preguiçoso. Vai se arrumar, tomar um banho, que hoje é sábado e você tem de aproveitar
– Tô doido para aproveitar mesmo, respondeu pegando no pau e coçando
– Vai logo, PEDRO, perde tempo não
– Tô com preguiça, mal acordei ainda (e continua pegando no saco)
– Abre o chuveiro e pronto, desperta logo
– Quer me dar banho, tio? (disse rindo e fazendo gestos como se estivesse passando sabonete nas axilas, o que só fazia mostrar que o pau estava mais duro e balançando no calção)
– Tá com tanta preguiça assim, “bebêzinho”?
– ah ah ah, não com desse jeito (e apontou o pau duro sob o calção)
– E o que eu tenho a ver com isso?
– Já que você está olhando tanto, a gente resolvia os problemas logo

O pau dele ficou duro de vez, o calção chega levantava

– E aí, vou tomar banho sozinho?
– Vai, eu disse

PEDRO riu, entrou no quarto e foi tomar banho. Meu pau estava duro, tive de me controlar, a safadeza me dominava mas o medo de minha amiga saber de algo ganhava, até porque PEDRO era um adolescente.

Quando o chuveiro parou, PEDRO grita, me pedindo por favor que eu levasse a toalha em cima da cama que ele esqueceu.

– Porra, PEDRO, que desleixo, disse eu

Peguei a toalha e entrei no banheiro, jogando-a em cima do box. Só que PEDRO estava de pau duro, meio que se masturbando e falou que iria demorar um pouco porque sozinho ele demorava mais no banho. O cacete dele ao vivo, tamanho médio, cabeçudo, com os pentelhos bem aparados, PEDRO era bem branco mas estava queimado do sol, destacando a marca do calção de praia… bom, não deu para aguentar. Fixei os olhos no cacete dele.

– Gostou, RAMON?
– É bonito
– Por que não vem tomar banho então?
– Já tomei…
– Que tal me enxugar?

Falou isso e veio, jogando a toalha para mim. Pronto, acabou meu medo. Comecei a enxugá-lo, dizendo coisas como “se isso sair daqui você vai ver”, “se SAMARA sonhar que isso ocorreu”, “PQP, eu me meto em cada bronca”…

Verdade é que mal o enxuguei e já estava com ele na cama, ele deitado e eu chupando aquele cacete cabeçudo e cheirando a sabonete, o pau bem limpinho mesmo. Ele apertava minha cabeça, me fazendo até engasgar, não tanto pelo tamanho do pau, mas pela forma com que ele me segurava. PEDRO ainda dizia “que sabia que iria me comer”, “não sei por que mas desconfiei desde o jantar”, “que eu ia dar o cuzinho a ele”, etc.

Como ele estava mandando na situação – e eu estava adorando – a minha tesão cresceu demais. Testei o que ele queria e fui alisando até chegar no rabo dele, que não se negou:

– Não enfie nada, mas pode chupar a vontade. Adoro linguada no cu. Chupa, minha putinha

E eu levantei as pernas dele e dei uma chupada naquele cu. Só que nem demorei muito, pois ele me puxou para o lado, me deitou de bruços e veio para me comer.

– Calma, PEDRO, devagar senão não entra
– Vai logo que eu tô quase gozando, vai

Seu pau estava todo babado, dei uma cuspida monstra na mão e molhei meu cu. E PEDRO veio. O cacete era normal para a idade, só que tinha uma cabeçona. Não relaxei o suficiente. Sem perder tempo, entrei no banheiro, enchi a mão de creme rinse, passei no rabo e voltei. Mas fiquei de quatro, com a bunda empinada. PEDRO veio e, ao sentir que a cabeça entrou, enfiou de vez. Ardeu demais e pulei para a cama. Meu pau chega baixou da dor.

– Porra, PEDRO, que estragar tudo? Que dor da porra, ardeu demais
– Foi mal, é a tesão que tá grande (disse em tom de riso e medo de eu desistir)

Esperei um pouco, botei ainda mais creme e disse a ele que viesse devagar. E aí a cabeça entrou, ele foi devagar e em pouco tempo PEDRO já estava bombando no meu rabo. Ficou uma delícia, sentia a cabeça do pau dele bem mesmo. Só que ele rapidamente avisou o gozo e encheu meu cu de leite. Para um boy daquela idade, achei que foi muito. PEDRO gozou e ficou dando tapas na minha bunda, me chamando de putinho, de putinha, de rapariga, de que ele era o dono do meu cu. Saí com cuidado para não melar o lençol (caiu um pouco da porra dele mesmo assim) e fui para o banheiro sentar no vaso e mijar o leite dele pelo cu.

Meu pau estava duro e PEDRO entrou no banheiro enquanto eu estava no vaso.

– Vai querer gozar, RAMON?
– Se você me ajudar…

Então ele veio com a pica melada e enfiou na minha boca, ficou comendo minha boca enquanto eu batia uma punheta. Poderia ter gozado assim logo, no entanto percebi que o pau de PEDRO estava ficando duro de novo e preferi me segurar até que o cacete cabeçudo dele ficasse duro de novo. Chupava o cacete dele, ele se virava, eu enfiava a língua no rabo dele, lambia a bunda e o rego dele, ele se virava e, quando vi que já dava, me levantei, me apoiei na pia e PEDRO veio me comer de novo. Passei um pouco de creme ainda. O pau dele deslizou e ficou mais gostoso do que na primeira. Quando PEDRO gozou de novo, pedi para ele tentar ficar dentro e me masturbei e gozei litros sentindo meu machinho com o cacete ainda dentro de mim e sua virilha encostada na minha bunda.

Limpei o banheiro e o lençol, tomamos banho e fomos para o shopping, onde ficamos até 20h. Comprei umas roupas para ele, brincamos muito na casa de jogos e máquinas eletrônicas, jantamos e voltamos para o apartamento de SAMARA.

Mais uma trepada antes de eu sair (eu queria dormir lá, fiquei com medo por conta da vizinhança). Detalhe é que a trepada da noite já foi com beijos, 69, PEDRO bem mais tranquilo, a gente curtindo as preliminares. Disse a ele que ia chegar cedo no domingo.

Tomei algumas cervejas antes de dormir. Estava ainda no clima, meu cu ardia, mas o vazio pedia mais pica.

Não era 9 da manhã do domingo quando entrei no apartamento de SAMARA, bem devagar, acordei PEDRO fazendo um boquete nele. Ele se assustou até entender o que estava ocorrendo e começou a rir. Ali mesmo, tirei a roupa, passei o gel que tinha levado e montei no cacete dele até ele gozar. Tínhamos conversado sobre “chuva dourada” e fui para o box, virar a boca para ele meter mijo em mim. Nem liguei que estava todo perfumado. Levei uma mijada na boca e na cara, com PEDRO adorando a situação de dominante ali.

Tomamos banho juntos, arrumei praticamente toda as coisas dele e fomos almoçar num restaurante bem legal. Era por volta das 14h quando voltamos para o apartamento e fomos tirar um cochilo. Deitamos nus e agarrados. Ao acordar, trepamos muito mesmo, variando posições e PEDRO ainda gozou mais duas vezes.

Chegamos no aeroporto no horário, nos despedimos, ele embarcou e só falamos via zap até agora. Estou me programando para viajar para Minas Gerais, quem sabe?

Na segunda-feira à noite, SAMARA foi lá em casa pegar a cópia da chave do apartamento dela, me levou um baita presente (uma camisa muito chique), agradeceu demais, disse que PEDRO tinha me adorado e que eu tinha quebrado um galho e tanto.

Meu cu sentindo saudades da cabeçuda de PEDRO agradeceu a chance e, olha a safadeza, quando eu e SAMARA nos despedimos rolou um mini-clima, que foi cortado por ela ao dizer que “vai terminar estragando nossa amizade”. Concordei com ela, até porque estava cansado de tanta trepada no final de semana.

⏩ O melhor site de desenhos animados pornô do 🇧🇷, HQs eróticas🔥

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,48 de 29 votos)

Por # #
Comente e avalie para incentivar o autor

4 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder Frederico ID:h5hqammm3

    Pena que ele não mora aí
    Quero muito dá pra um novinho safado
    Virar a namoradinha dele pra ele gozar toda vez que dê vontade e também me dá mais tudo no sigilo kkk tenho 22 anos namoro mulher mais sou bi versátil
    Pauzudo de 23cm babão e grosso e o cuzinho apertado e quentinho e rosinha

  • Responder Kai ID:g3jwlfzrc

    Poha que delícia de conto queria ter a sorte do Pedro

  • Responder Boy ID:7btet8649k

    Delícia de cinto.

  • Responder J ID:h5hn7tbd3

    Tesão