# #

A putinha do negão maduro

2487 palavras | 5 |4.13

Olá pessoal, a história que vou contar foi real e desta forma vou usar nomes fictícios para proteger a minha privacidade e dos envolvidos.
Me chamo Marcos e moro na região metropolitana do Rio de Janeiro, tenho 39 anos, branco, 1,73 de altura e 77kg, cabelos e olhos castanhos, bundinha macia e redondinha muito discreto com um desejo sem igual de ser a putinha de um macho viril e maduro.
Numa noite de sábado daquelas bem entediadas em casa e com aquele tesão de conversar e encontrar um macho pra realizar minhas fantasias foi que encontrei o Rômulo.
No bate papo virtual que começamos a desenrolar logo me despertou o apetite daquele homem me possuir. Na descrição que ele me deu já fiquei bem molhadinho: negro, 55 anos, 1,78 altura, casado e dono de um pauzão de 23cm e assim muitas fantasias começaram a mexer loucamente minha cabeça.
Como o papo desenrolou muito bem, ganhamos confiança e trocamos whatsapp para marcarmos nosso primeiro encontro no domingo a tarde.
Naquela noite o tédio foi transformado em desejo e ansiedade e já me deitei na minha cama imaginando como lidaria com o Rômulo em cima de mim e como me entregaria para hospedar dentro de mim aquele pauzão negro na minha bundinha que a muito tempo não era possuída e desejada.
No dia seguinte acordei e fui me preparando para o encontro como a fêmea que se prepara para ser o prato a ser devorado por aquele negão: me depilei dando aquela caprichada na bundinha e no cuzinho e até nas minhas coxas passei o barbeador para elas ficarem bem lisinhas.
Chegado o horário da tarde saí para o encontro e chegando no local fiquei aguardando. Com meia hora de atraso recebo a mensagem do Rômulo que ele estava num calçadão e estava em frente a uma loja de sapatos a minha espera.
Como não conhecia a região fiquei desconfiado e com medo mas a vontade e o tesão de ser comido me deram coragem e fui ao local que ele tinha recomendado.
A alguns metros do local já pude identificar ele pela roupa e pela descrição que tinha me passado: estava com uma camisa branca e uma calça azul de moletom, que logo deu pra perceber o “tamanho da encrenca” que eu estava me metendo, ou melhor dizendo, seria metido…rsrsrs e de fato era um coroa maduro, negro, muito discreto.
E ali nos cumprimentamos e ao apertar a sua mão pude sentir aquelas mãos grossas e calejadas e já fui imaginando como seria a sensação deliciosa de ser acariciado por ele.
E assim pegamos o caminho a pé para o motel que ele tinha recomendado, pois segundo o Rômulo era muito barato e também com risco zero de encontrar alguém conhecido pois ficava num lugar bem afastado do centro comercial.
Nesta caminhada de meia hora fomos nos conhecendo num bate papo bem agradável, seu Rômulo me falou que trabalhava como dono de um ponto de açaí e que por ser casado era fundamental ser discreto, pois era pai e tinha muito medo de ser descoberto, pois apesar de gostar muito de mulher, desejava muito comer uma bundinha de alguém mais novo do que ele. De fato eu era perfeito prá ele.
Ao avistar a entrada do motel a poucos metros antes de chegar me bateu o medo novamente: o local tinha uma aparência horrível, com um entra e sai de gente suja e mal vestida, parecendo mendigos e falei com o Rômulo:
– Que lugar horrível é esse Rômulo? Que gente estranha entra e sai deste lugar? Puxa, vamos ver se encontramos outro lugar?
Então ele espondeu:
– Infelizmente motel agora só na Dutra bem distante daqui. Ou a gente entra ou marcamos pra outro dia.
Como tinha me preparado todinho para ele me devorar, tive que topar e entrar no motel.
Ele entrou primeiro e qdo chegou no quarto me mandou mensagem pelo whatsapp me passando o número do quarto.
Ao entrar no motel tão sujo e imundo fui percebendo que ali muitos iam para se drogar, as portas dos quartos com gente estavam abertas e só se via gente cheirando pó e fumando crack. Uma cena deplorável mas o desejo de me me entregar para o Rômulo era tão grande que eu tinha que vencer todos aqueles obstáculos que estavam diante de mim.
Chegando no quarto ele estava sem camisa e logo me perguntou:
– Vamos tomar banho?
– Claro, respondi com aquele olhar de muito desejo.
No banheiro comecei a tirar minha roupa de costas para ele e pude perceber o seu olhar para minha bundinha e de forma bem safadinha, perguntei:
– o que vc está olhando Rômulo?
– nada.. me respondeu com aquela risada bem sarcástica.
Quando me virei de frente para ele me deparei com aquele homem másculo maduro completamente nu com o corpo todo molhado debaixo do chuveiro com um tórax bem definido apesar da idade e de fato o safado não estava mentindo e até hoje tenho esta imagem na minha mente: o Rômulo super dotado com seu pauzão negro que ainda não estava completamente duro mas que chegava um pouco perto do seu joelho, escorrendo a água que caía do chuveiro.
Por alguns instantes fiquei paralisado por temer não aguentar aquela jeba misturado com o sentimento de desejo de ser devorado por aquele negão maduro.
O Rômulo percebendo minha falta de iniciativa, me chama:
– Vem Marcos, vem pra junto comigo aqui no chuveiro vem? A água está bem morna.
E assim fui tomar banho e ele me deu espaço para ficar debaixo do chuveiro. Me ensaboei e eu meio tímido, como uma fêmea que procura seu macho insinuando em ser devorada, fiquei de costas pra ele procurando encostar minha perna na dele pra que aquela jeba me tocasse de alguma forma e mesmo de costas consegui que o tronco daquele pauzão tocasse a banda da minha bundinha molhada e como estava ensaboada, aproveitei para escorregar aquela delícia grande e suculenta para o meio das bandas da minha bundinha e ali nossa timidez deu início a intimidade e o Rômulo percebendo que eu o desejava logo ali e que a cama podia esperar um pouco mais, ele me dá um abraço bem gostoso por detrás de mim beijando minha nuca e meus ouvidos com aquela boca carnuda quente.
Ali meu sangue subiu e comecei a gemer como uma fêmea no cio e fui empinando a minha bundinha branca lisinha naquele negão maduro safado que naquele momento tinha deixado sua mulher em casa numa tarde de domingo para estar naquele motel nojento e imundo com aquela putinha safada que eu tinha me transformado em seus braços.
Num encaixe perfeito, fui encaixando sorrateiramente aqueles 23cm entre as bandas da minha bunda prá aumentar o tesão daquela sarrada gostosa e fui percebendo que o tesão dele estava aumentando sentindo aquela jeba crescendo e inchando no meio das bandas da minha bundinha e o Rômulo não aguentando fala ao pé do meu ouvido com sua respiração ofegante de tanto prazer…

– Nossaaaa que delíciaaaa vc é caralhoooo!!!!

E eu sussurrando respondo:

– Tá gostosa minha bundinha tá?

– Tá uma delíciaaaaaa…que gostosa é a carne macia da sua bundinha caralhoooo!!! Quer ser minha putinha, sua vadiaaaa?

– Aaaahhhh… quer saber? Eu não quero ser, eu já sou!!!! Seu pauzão está quase estourando entre as bandas da minha bundinha macho gostosooooo!

– Está sentindo o tamanho e a grossura dele delíciaaaa? Tá vendo que posso estourar vc sua shafadaaaa???

No meio daquela safadeza que estava rolando debaixo do chuveiro fui percebendo que em meio ao tesão o Rômulo estava preocupado de fato de me machucar, pois o pau dele já era grande sem estar duro e daquele jeito eu eu deixei a jeba dele grande e inchada, era um tamanho e espessura surreal.

O tesão era tão grande que queria me entregar para ele debaixo do chuveiro, mas para dar uma posição mais confortável para dar pra ele, chamei ele para a cama.

Nos secamos e jogamos as toalhas no chão do quarto, deitamos na cama num 69 e comecei a chupar aquela jeba enquanto ele se acabava num beijo grego na minha bundinha.

A jeba do Rômulo tinha uma cabeçona maior do que o tronco e ali comecei a chupar fazendo daquela cabeçona minha chupeta deliciosa.

A espessura do pau era tão grande que facilmente dois poderiam chupar cada lateral daquela rolona suculenta mas me senti tão realizado naquele momento mesmo num quarto imundo pq tinha tudo o que eu queria e desejava: aquele pauzão preto todinho para mim.

Enquanto eu o chupava, o Rômulo ia preparando seu prato principal, amaciando a carne para ser devorada pelo seu dono. Podia sentir aquela boca quente e lábios carnudos passeando em toda a superfície da minha bundinha, sendo mordiscada a cada instante em que ele dava uma estocada com seus dedos grossos e molhados tentando alargar meu cuzinho apertado. A pele da minha bundinha ficou toda marcada e avermelhada.

Naquele 69 era um cuidando do outro, onde eu estava preparando meu futuro hóspede, lubrificando ele e o conhecendo com minha boca e minhas mãos por fora para lidar com ele no momento em que ele estivesse dentro de mim e o Rômulo como um cozinheiro paciente, amaciando e preparando o seu prato que em breve ficará pronto para ser degustado.

Chupei e me acabei de tanto chupar até minha boca ficar toda dolorida e como o pau do Rômulo estava tão duro como uma pedra, grande e inchado e meu cuzinho já estava bem relaxado e molhado pela boca quente do Rômulo, o prato que era eu estava pronto para a mesa.

Saí de cima do Rômulo, peguei um travesseiro que estava sob a cama e me deitei de bruços sobre o travesseiro na altura da minha cintura para empinar a bundinha e o cuzinho num ângulo mais confortável.

Não precisei dizer nada. Como um marido que entende o tempo e o modo de chegar junto de sua mulher o Rômulo se preparou para aquilo que a gente tanto desejou: era a hora do gel e camisinha.

Deitado com a cabeça virada para o lado contrário do Rômulo, pude perceber o toque de seus joelhos no lado externo de minhas coxas que estavam depiladas e logo em seguida sinto suas mãos calejadas enxarcadas de gel passando dentro das bandas da minha bundinha, deixando elas todas meladas.

Depois disso, fui sentindo o peso daquele negão maduro e cheio de desejo pesando sobre mim e seu pauzão deslizando sorrateiramente entre as bandas da minha bunda e comecei a sentir as estocadas batendo a porta do meu cuzinho.

Ele foi empurrando, encontrando jeito. O pau dele tinha uma cabeçona maior do que o tronco e meu cuzinho estava muito apertadinho pois fazia tempo que não dava. Foi ficando meio tenso e ai foi quando ele encontrou uma posição perfeita para o encaixe e pude perceber que aquele momento era a hora da penetração e num breve momento de dor senti que aquela cabeçona passou e pedi para deixar a cabeça do pau dele parada ali, dentro de mim alargando todo o meu cuzinho para o resto do corpo daquela delícia passar, como também diminuir a dor.
Em meio minuto depois aquele pauzão estava se deslizando pela primeira vez para dentro de mim e fui sentindo aquela cabeçona deslizando dentro do meu canal. Aquela cabeçona estava inchada de tanto tesão e eu sabia praticamente aonde ela estava dentro de mim.
Aquele início de momento de dor se transformou num momento delicioso pois a jeba daquele negão me enchia todo por dentro, eu sentia ela ocupando todos os meus espaços e depois que ele encaixou tudo o vai e vem começou e meu hóspede estava bem a vontade fazendo a festa dentro de mim. Que delícia!!!
Na respiração ofegante do Rômulo no meu cangote eu percebia que o negão me comia com gosto e vontade, saciando sua fome de prazer:

– Que delícia de cuzinhooooo!!! De tão apertadinho seu cuzinho está mordendo meu pau todinho lá dentro sua vadiaaaaa!!!!

– aaaaaiiiiii Rômulooooo… Vc é muito gostosooooo, estou sentindo a cabeçona inchada de seu pauzão num vai e vem gostoso dentro de mimmmmm

Depois de tantas estocadas eu estava bem arrombado e aí mudamos de posição: fiquei de 4 como uma cadela no cio e
empinei bem a bundinha prá cima com as pernas bem abertas na ponta da cama para o Rômulo meter.

Ele veio e veio com vontade. Como meu cuzinho estava bem largo só encostou o pau e penetrou bem gostoso. Naquela hora senti que meu cuzinho estava uma cuceta: macio e delicioso para nós dois .

Me pegou pelas ancas e meteu sem dó eu só gemia me satisfazendo com aquele pauzao entrando e saindo de dentro de mim e com seu saco batendo na minha bundinha toda empinadinha e me sentia saciado por estar saciando a fome de desejo do meu macho:

– me come gostoso seu negão safado!!! Fode sua puta com gosto!!!!

Ele não falava nada, só respirava ofegante buscando energia prá fuder mais e mais meu cuzinho.

Quando eu estava a ponto de gozar eu senti aquele jato forte enchendo a camisinha do Rômulo dentro de mim e foi aí que eu pedi para que ele gozasse aquele leite quente de tesão em cima da minha bundinha empinada e assim senti aquele leite quente e suculento de prazer escorrendo entre minha bundinha e coxas. Foi aí que não aguentei e gozei também.

Depois de uns cinco minutos exaustos na cama fomos tomar um banho e no chuveiro ainda rolou uns amassos. Nos vestimos e saímos do motel.

Jamais podia imaginar que naquele lugar tão imundo pude me satisfazer e me sentir realizado com um macho que só imaginava em minha mente.

Depois desde primeiro encontro ficamos conversando e fomos conhecendo nossos fetiches e desejos e aí já sabem né? Rolou outros encontros que vou contar no próximo conto.

Um abraço a todos e deixem seus comentários

⏩ O melhor site de desenhos animados pornô do 🇧🇷, HQs eróticas🔥

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,13 de 15 votos)

# #
Comente e avalie para incentivar o autor

5 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder Meu nome é J.D. ID:83100tbiql

    Né veado,em vez de ir atrás de mulher,você se envereda pelo submundo obscuro e doentio da veadagem,não é mesmo?Que absurdo,desonrar teu gênero dessa forma,indo atrás duma maricona depravada igual ou pior que você!Cuidado veado,estou por toda parte onde há veadagem e veado pra combater,meu nome é John Deere,Matador de Veados!

  • Responder Guto ID:8kqv5bdv9i

    Negão é muito gostoso tenho um amigo que sempre vamos pro mato pra ele usar meu cuzinho ninguém sabe que curto só ele eu tenho 20 anos e ele 22 ele tem um pau preto da cabeça vermelha e muito babão e 21cm tem cerca de 4 anos que ficamos as vezes até 4 vezes na semana ele é viciado em chupar meu cu e meu pau ele também sempre deixa eu chupar o cuzinho dele as vezes até deixa eu meter ano que vem vamos mudar de cidade e vamos morar juntos com a desculpa de fazer faculdade então vamos transar toda HR vou ser a esposa dele andar com o cu cheio de leite

  • Responder luiz ID:dlns5khrd

    Que delicia de conto é sempre bom quando agente da para um negao picudo

    • Tony ID:fuor968rc

      Rola preta é bom demais

  • Responder Paizao ID:s484pb0i

    Delciiaaaaa que tesao de puta adoro uma vadiazinha assim que adora um coroa paizão conta seus fetiches e fantasias @ carxavier