# # # #

Sarah ataca novamente 2

2086 palavras | 4 |3.17
Por

Olá seu taradinha e taradinha, venho contar mais uma da Sarah, dessa vez dou a vez ao pais dela Cesar, ele quem vai contar mais uma história dela.

Olá seu taradinha e taradinha, venho contar mais uma da Sarah, dessa vez dou a vez ao pais dela Cesar, ele quem vai contar mais uma história dela, boa leitura, e divirtam-se…

Olá galera eu sou Cesar, já contei histórias aqui tbm, e hoje vou contar mais uma da Sarah que aconteceu recentemente, bom chegou ano eleitoral, tenho um parente aqui na cidade que tem vida política, esse ano ele se candidatou e estava fazendo um tipo de comício, foi em uma comunidade carente, via lá casas de madeira, barracos, eles tinham acabado de se apropriar do local, eu sempre fico longe mesmo, só observando, nesse dia a Sarah estava comigo, já tinha dito pra ela não se afastar de mim, mais como toda criança é logo arrumou uns amiguinhos pra brincar, estávamos num tipo de associação, vi minha filha brincar com uma menininha, não me importei, estava vendo ela de longe, terminando o comício, eu estava me preparando pra ir, vou até a Sarah e a chamo pra irmos embora.
Eu – Sarah se despede de sua amiguinha e vamos embora.
Sarah – ah pai vamos ficar só mais um pouquinho por favor .
Eu- Sarah vamos ficar fazendo o que aqui? Não tem nada, não conheço ninguém, vamos embora…
A garota começou a chorar, pois não queria que a Sarah fosse embora, foi aí que a Sarah fala.
Sarah- pai deixa ela ir comigo?, ela passa o dia lá em casa comigo,por favor.
Eu- Sarah tá maluca nem conheço ela, vc conheceu ela hoje, fora que a mãe dela não vai deixar, tá maluca?
Menina – tio a minha mãe deixa, eu levo o senhor lá tio pra falar com ela, eu moro naquela casa ali ó.
Era uma casa pra ela, pra mim um barraco de madeira, coberto com uma lona preta, acho que pra impedir o frio de entrar. Olho pra elas a contra gosto, mais porque não fazer uma vontade da Sarah né?
Eu – tá bom vamos ver então.
Eu estava achando que a mãe dela não iria deixar,por isso fui sem problemas, ela entrou no barraco e saiu com mãe, a mãe maltrapilha, roupas bem gastas, nariz avermelhado, a.pele descascando, típico de quem usa drogas.
Eu- boa tarde, eu sou pai da Sarah estava no comício aqui mais cedo,.como vai?
Mãe – oi eu sou Ivone, que o senhor quer?
Eu- minha filha e a sua estavam brincando esse tempo todo, precisamos ir embora, mais elas pediram pra eu levar sua filha com agente pra passar o dia, claro se a senhora permitir, eu vim exatamente pra pedir sua permissão. Mas também entendo perfeitamente se a senho…ela me interrompe ante de terminar a frase
Mãe – tá tá tá bom leva ela, é bom que ela me dá um pouco de sossego, se vc aguentar ela pode levar…
Eu- mais a senhora nem sabe onde moro.
Mãe – já desistiu? Não veio pedir pra levar ela ? Eu não já deixei? Agora vai encher outro vai.
Virou as costas e entrou pro barraco, eu sem jeito digo então vamos né. Entramos no carro e começamos a puchar conversa com ela.
Eu- então nem sei seu nome,.qual seu nome mocinha?
Menina- meu nome é Eduarda, mesmo nome da minha vó.
Eu- a sim e quantos aninho vc tem Eduarda?
Eduarda – 8 anos, fiz aniversário a pouco tempo.
Sarah- parabéns então, vamos comprar um bolo pra vc tá.
Eu- mais nem sabemos que dia que foi Sarah.
Sarah – que que têm?, Vamos comprar assim mesmo,.um de chocolate bem gostoso pra ela.
Eu- então tá bom, mais vou deixar vcs duas em casa primeiro,. chegando em casa as duas vão direto pro banho entendido?
As duas ao mesmo tempo responde simmm
Chegamos em casa elas correram pro banheiro fazendo a maior algazarra, quando elas saíram a Sarah disse que a roupa dela tava bem suja e iria emprestar umas dela, mais que iriam ficar grandes nela, até por conta da diferença de idade delas, Sarah com 11 anos e Eduarda com 8 recém completados, disse que iria comprar o bolo, e que elas se comportassem, as deixei no quarto delas e sai, era umas 14:20 da tarde, passei no mercado e lá tinha parte de roupas, comprei umas peças pra garotinha, demorei por conta de ter ido no centro pra comprar as coisas, e a pista estava interditada por conta de obras, um trânsito infernal, liguei pra Sarah e disse que iria demorar, pra.elas se comportar a Sarah disse que eu poderia ficar tranquilo, e perguntou quanto eu demoraria, eu respondi que era base de umas uma hora e meia pra chegar, que o trânsito estava realmente pesado, desliguei o telefone e segui tranquilo, cheguei em casa antes do previsto, como logo eu levaria a Eduarda de volta, nem abri a garagem, entrei e ouvi barulho no andar de cima, como se fosse choro, deixei as coisas na mesa e subi, quando eu cheguei no andar de cima, vi que era do meu quarto, e fui ver, quando eu olhei quase tive um treco, vi Eduarda algemada na grade da janela, completamente nua, a Sarah estava nua tbm, com um cinto do jazz e batia nela como se estivesse dando um corretivo em Eduarda
Sarah- então vc não quer obedecer, eu sou sua mãe, vc tem que obedecer, quando eu falar pra vc fazer uma coisa e pra fazer e pronto.
Eduarda- desculpa Sarah me solta tá doendo,por favor.
Fiquei olhando hipnotizado tudo aquilo, e pensando onde iria dar essa brincadeira, Sarah dava uma cintada, e mais uma e mais uma eu olhando contei pelo menos umas 11 cintadas, Sarah soltou ela da grade e prendeu ela de novo só algemada, mandou ela subir na cama, enquanto ela subia levou outra cintada, a menina já estava berrando de chorar, quando eu entro no quarto e digo.
Eu – o que tá acontecendo aqui Sarah ?
Sarah- pai, vc não tava no trânsito?
Eu – ainda bem que não demorei né filha? Vc tá maluca de fazer ela gritar desse jeito?
Sarah – desculpa pai,.não é o que o senhor tá pensando.
Eduarda – tio me solta por favooooorrr, fala Eduarda aos berros, Fui na gaveta do lado da cama e tirei uma mordaça, pus na Eduarda e disse pra Sarah
Eu- agora vc pode fazer o que quiser, que ela não vai fazer barulho, o barulho que ela fizer não sai do quarto.
Sarah- o senhor não tá bravo?
Eu- claro que não filha, vou tomar banho podem ficar brincando aí tá bom.
Sai e fui tomar banho no quarto da Sarah, no corredor escutei mais duas cintadas, tomei meu banho com o pau durasso, bati uma mais não adiantou, pensei comigo, pq não brincar com elas? Fui pro meu quarto e vejo a menina deitada pernas abertas e a Sarah chupando a bucetinha dela, olhei e a menina era até que lindinha, negrinha, cabelos cacheados, magrinha, bundinha redondinha, sem muito atributo por conta da idade, fiquei na porta olhando, a Sarah subia mordiscando ela montou encima dela e começou a apertar a garganta dela com uma mão e batia com a outra, os estalos dos tapas me ecitava ainda mais, me aproximo e pergunto
Eu- então tá se divertindo filha ?
Sarah- tô pai, ela é fraquinha, da pra brincar com ela bastante
Eu- eu tava vendo vc brincar com ela, solta um pouco a garganta dela pra ela poder respirar um pouquinho e depois vc aperta denovo filha
Sarah- eu faço que nem vcs fazem comigo pai, olha só.
Ela apertava e eu via a menina esbugalhar os olhos, dava uns tapinha nela e soltava.
Eu- olha filha é assim oh, quando eu apertei o pescocinho da Eduarda eu me arrepiei todo, queria ouvir a agonia dela, tirei a mordaça e perguntei se eu podia brincar tbm, a Sarah logo disse que sim, eu soltei a Eduarda e a sara continuou, eu fui pro meio das perninhas dela e comecei a chupar aquela bucetinha novinha, hora eu chupava hora eu mordiscava , enquanto Sarah apertava a garganta dela eu enfiava dois dedos na menina, ela tentava gritar mais quando a Sarah soltava não deixava ela gritar, tirei meu shorts, o pau babando apontei na bucetinha da Eduarda, a Sarah dizia
Sarah- vai pai mostra pra ela como é bom, põe com tudo pai vai.
Eu não acreditava, minha filha tava crescendo, que orgulhoso que eu tava, e tava me ajudando a estuprar uma garotinha, comecei a penetrar, aos poucos, queria ouvir os grunhidos dela enquanto a sara tapava a boca dela, a lágrima decia e eu me deleitava com tudo aquilo, quando empurrei e só faltava
Uns cinco centímetros pra entrar todo, ela começou a pular e se debater, percebi que ela só aguentava até ali, comecei um vai e vem e a Sarah olhava e sorria, e eu louco com tudo aquilo comecei a acelerar as estocadas fiquei bem uns 20 minutos estocando ela, e a Sarah segurando ela, quando eu disse que ia gozar, subi e empurrei na boca da Eduarda,.mais preciso na garganta e gozei que nem um cavalo,chingando ela,
Eu- sua putinha.filha da puta, gostosa do caralho, enquanto ela tentava tussir sei lá, os olhos esbugalhadaços, gozo saindo pelo nariz, canto da boca, a Sarah disse
Sarah – pai não tira não, pera aí, pegou a cinta e deu mais umas 5 cintadas com ela virada de barriga pra cima, bateu uma na barriga dela que ficou o vergão da cintada, Eduarda chorava muito,
Sarah- nossa me deu uma fome agora
Eu- comprei bolo pra vcs
Sarah- acho que ela não vai querer comer agora
Eu- vamos deixa ela descansar e depois voltamos pra ver como ela está
Pus de volta a mordaça e descemos quando estávamos comendo ela desce sem roupa com a mordaça e algemas, eu digo a ela
Eu- vc quer comer? E ela acena com a cabeça dizendo sim
Eu- tá bom vou te soltar, comemos e vc vai pro banho que tenho que te levar pra casa, comemos o bolo, e mandei ela pro chuveiro, mandei a Sarah levar as roupas nova dela, no banheiro que eu iria fazer uma cesta básica pra ela, a Sarah não voltava é quando eu escuto um grito abafado no banheiro, eu entro e me deparo com a Sarah enfiando o cabo do pente de madeira na bucetinha dela, a Sarah disse,
Sarah- pai me ajuda aqui, ela ta gritando.
Eu já de pau duro só botei pra fora e enfiei na garganta dela e disse
Eu-pode fazer agora filha ela não vai gritar mais. A Sarah enfio o pente todo e começou a foder ela, eu ao mesmo tempo fodia a garganta dela, ficamos assim por mais uns 30 minutos, eu fodia sua garganta enquanto a Sarah fodia a bucetinha dela e beliscava ela, quando eu disse que ia gozar gozei que até me assuste ela vomitou o banheiro todo, eu soltei ela, a Sarah a pegou pelos cabelos e derrubou ela no chão em cima do vômito e esfregava o rosto dela muntada nas costas dela , terminamos o banho a pus no carro, enquanto eu dirigia a Sarah beijava ela na boca puchava o cabelo dela, dava tapas no rostinho dela,eu só olhando no retrovisor, a levei, quando ela chegou abraçou a mãe e começou a chorar, a mãe perguntou
Mãe- que houve menina ?
Eu- ela não queria vir embora, mais tá tarde, vou te dar uma cesta básica, e um dinheiro pra.senhora e sua filha, dei a cesta e mais duzentos reais pra ela, entrei no carro com a Sarah, parei numa rua escura e soquei o pau na garganta da Sarah, fodia por uns 20 minutos e gozei, nunca mais vimos ela denovo. A Sarah e eu fomos o caminho todo calados e só tocamos no assunto qua do estamos sozinhos, aí como é bom ser pai de uma mini devassa.

⏩ O melhor site de desenhos animados pornô do 🇧🇷, HQs eróticas🔥

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 3,17 de 6 votos)

Por # # # #
Comente e avalie para incentivar o autor

4 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder Alex 1 ID:on90ornzri

    Dois sádicos familiares pai e filha, e vai o que destino quem sabe nas andanças da vida ela cresce ler esse conto se reconhece no prezer deu aos dois de modo anormal poir assim dizer sagaz voraz e puramente sadomasoquista.

  • Responder Beftg ID:g3ja3f6ib

    É façam scat! Mijem e caguem uns nos outros

    • Rebecca 185 ID:8kqv8oskv4

      Delícia, meu telegram:@ reebeca 185

  • Responder Bert ID:g3ja3f6ib

    Ei façam scat! Mijem e caguem nas bocas