# # # #

Perdi a virgindade pra um ladrão achando que era o cara do app

2253 palavras | 7 |4.73
Por

Achei que era uma pessoa, mas era outra!

Meu nome é Denis e hoje tenho 19 anos, mas vou contar uma coisa que aconteceu há uns 3 anos. Quando eu já estava 100% com a sexualidade aflorada, eu decidi que queria perder a virgindade. O problema é que eu não tinha amigos gays nem contatos, porque eu sempre fui mais discreto, então resolvi recorrer aos famosos apps de pegação.

No começo eu só conversava com os outros caras, mas eu nunca ia pra frente. E olha que eu conversava com todo mundo, sem restrição, muito inocente. Até o dia que eu conheci um rapaz chamado Renan. Ele disse que tinha 18 e o papo foi vingando. Ele achava que eu tinha a idade dele, mas depois de falar com tanta gente, era a primeira vez que o papo dava certo, então resolvi manter a mentira.

O Renan era muito simpático, mas não mandava foto de rosto. Ele dizia que era tímido, porém mandava foto da rola e da barriga. Pelo que vi do corpo dele, sabia só que ele era moreno.

A gente conversou durante quase 2 semanas, até que eu finalmente criei coragem e decidi que seria com o Renan que iria rolar pela primeira vez. A gente meio que tinha criado uma intimidade e ele adorava o fato de eu ser bem branquinho. Eu sabia que o que me dava mais tesão era me imaginando passivo, então eu adorava provocar ele, mandando foto do meu cuzinho, contando que ainda era virgem… ele tava doidinho, mas sempre foi fofo.

Falei pra ele que queria conhecê-lo pessoalmente, ele topou e marcamos pro dia seguinte. Ele disse que estaria de bermuda preta, camiseta azul e boné e marcamos de nos encontrar no primeiro andar de um estacionamento subterraneo desses 24 horas, numa segunda à noite. Como eu estudava à noite, iria fingir que ia pra aula pros meus pais não desconfiarem e encontraria ele.

Assim que eu cheguei, comecei a procurar por alguém com a descrição da roupa dele e vi um cara moreno de bermuda preta e camiseta azul, porém sem o boné. O cara tava tentando abrir a porta de um carro com dificuldade e eu cheguei devagarinho por trás e falei: “Finalmente, Renan! Te achei!”

O cara deu um pulo e se virou pra mim, com uma cara de assustado. Eu mal deixei ele responder e já abracei ele. Falei “Que bom finalmente te conhecer pessoalmente”. No começo ele pareceu meio hesitante, mas respondeu um “e aí” e correspondeu ao abraço.

Ele tava suando muito, parecia que tinha feito muito exercício e eu comentei sobre isso. Ele respondeu meio gaguejando e disfarçando: “é que eu tava correndo pra chegar aqui”. Aí eu perguntei se a gente podia ir pra casa dele, mas ele disse que não e perguntou se poderíamos ir pra minha.

Eu falei: “esqueceu que eu moro com meus pais? Eles tão lá agora! Aliás… preciso te contar uma coisa… eles acham que eu estou na aula agora”

Ele perguntou: “da faculdade?”

E eu respondi: “olha, eu vou entender se vc quiser ir embora, mas na verdade eu tô no colegial”

Ele deu uma afastada e ficou me olhando, meio que me encarando de cima a baixo…. Nessa hora eu percebi que ele tinha um rosto bonito, mas bem másculo e parecia mais velho do que os 18 anos que ele disse que tinha. Pensando naquele momento, eu daria pra ele uns 26 ou 27.

Aí eu disse: “mas espero que você não ligue…” e fui com a mão na mala dele. Senti que ele tava sem cueca e já comentei: “nossa, parece que mole é do mesmo tamanho dela dura, pelo que eu lembro”

Ele parecia assustado, como se estivesse tentando me reconhecer ou entender o que tava acontecendo. Me aproximei de novo dele e falei no ouvido: “Já imaginei tanto ela dentro de mim esses últimos dias…”

Nisso, ele pegou na minha bunda com muita força e respondeu: “Ah é? Então você é safadinho né… E como você sabia que eu era o Renan?”

Eu respondi: “Assim como você sabia que eu era o Denis quando me viu”… Esse foi meu erro.

Talvez se eu não tivesse falado meu nome, eu teria sacado mais rápido que era um pessoa totalmente desconhecida que tava na minha frente.

Então ele falou: “Eu sei, Denis… De longe eu ia te reconhecer”

Comentei que a voz dele era bem grave e que tava me dando tesão ouvir ele falar meu nome em voz alta.

Então eu cheguei perto dele e fui dar um beijo. Ele foi meio receoso no começo, mas correspondeu. Ele era bem bruto, meio mecânico até e na hora até achei que não tava com o melhor dos hálitos. Enfim, não foi o melhor beijo, mas eu insisti.

Enfiei as mãos por baixo da camiseta dele e senti que ele era muito muito mais definido pessoalmente do que nas fotos, e também tinha um pouco mais de pelos entrando no short e comentei: “Nossa, as fotos que você mandou era antigas? Olha esse tanquinho marcado!”

Ele disse que eram e perguntou se eu queria ver melhor. Eu disse que sim e ele me puxou mais pro fundo do estacionamento. Embaixo da rampa que subia pra saída, tinha uma portinha de ferro tipo um almoxarifado. Ele tentou abrir e tava trancada. Aí num impulso ele empurrou e arrombou a porta. Eu levei um susto pq fez um barulhão, mas ele falou pra eu ficar tranquilo porque essa hora ele sabia que não tinha guarda ali.

Estranhei ele saber isso, mas confiava 100% no “Renan”, então entrei na salinha e ele fechou a porta.

Assim que entramos, ele foi me empurrando de joelhos no chão. O lugar era meio sujo, mas o tesão tava gritando e aceitei que minha primeira vez seria ali mesmo.

Puxei a bermuda dele e o pau já tava quase duro. Tinha um cheiro forte de suor, mas não era nojento nem fedido. Acho que a melhor palavra pra descrever é que era um cheiro “intenso”. Tipo quando você se goza num ambiente fechado e fica aquele cheiro de sexo no ar. O pau dele tinha esse cheiro.

Assim que ele pulou pra fora da bermuda, parecia muito muito maior do que nas fotos e eu comentei: “porra, Renan, que pau é esse! é muito maior pessoalmente! não sei se eu vou aguentar tudo isso não…”

Ele disse: “você é um putinho safado, Denis, certeza que aguenta”

Ouvir ele falar meu nome me deixava de pernas bambas, e eu caí de boca naquele pau. Ele produzia muito pré-gozo, o que deixava um sabor salgado. Era a primeira vez que eu chupava um pau e não sabia se tava bom, se tava ruim… Ele tava super ofegante e segurava minha cabeça, meio que guiando.

Então ele ergueu a camiseta e passou por trás da cabeça. Nossa, ele tinha um corpo perfeito. Ver aquele cara que tinha sido super simpático comigo nas últimas duas semanas, com aquele corpo escultural suado e aquele pauzasso delicioso pingando na minha boca era uma perdição. Eu só conseguia pensar que eu tirei a sorte grande.

Então eu falei: “faz aquilo lá que você disse que ia fazer, pra eu ver como é”

Ele perguntou o que era e eu respondi meio que com vergonha: “com a língua”. Eu tava com a calça abaixada até o meio da coxa, de joelhos, e quando fui levantar e colocou um pé no meio das minhas pernas segurando minha calça e me pegou por baixo dos braços, me puxando pra cima e tirando toda minha calça e cueca. Fiquei só de camiseta, pelado da citura pra baixo.

Ele chutou minha calça pro lado, me virou e me guiou pra eu ficar de quatro, mas eu caí de jolho e doeu, porque o chão era meio de cimento. Só que quando ele começou a passar o rosto perto da entrada, eu já nem sentia mais nada.

Eu nunca tinha transado antes, então não sabia se tinha feito a higiene direito, porque tudo que eu sabia era de tutorial do youtube de canais gays. Mas pelo visto, acho que tava tudo bem, porque assim que ele viu meu cuzinho ele falou: “puta que pariu, hein garoto. que rabo é esse” e começou a lamber. Eu não conseguia nem falar de tanto tesão, até que ele começou a enfiar a lingua aos pouquinhos. Foi mto estranho, porque eu nunca tinha feito isso. A sensação era uma loucura.

Eu tava me contorcendo já, até que ele falou: “ei branquinho, meu pau tá latejando já querendo essa bunda”.

Achei engraçado ele me chamar assim, foi a primeira vez. Mas eu gostei na hora. Respondi: “ele é todo seu hoje” e peguei uma camisinha na carteira que tava no chão e dei pra ele.

Ele pegou e me disse: “você é um safado, deve adorar levar pica”, ouvi ele abrindo o pacotinho e logo em seguida ele começou a enfiar o pau em mim.

Eu respondi meio falando alto, mas sem gritar: “vai com calma, Renan, olha o tamanho do seu pau. você sabe que é minha primeira vez”

Ele disse que duvidava, porque eu era safado demais. Senti a cuspida dele escorrendo até a entrada e ele foi forçando. Eu dizia que tava doendo, mas não adiantava de nada. Parecia que aquela tora tava me rasgando. A gente tinha conversado varias vezes sobre eu ser virgem e ele dizia que ia fazer com cuidado e com carinho, mas ele parecia um animal enlouquecido de tesão. Até que eu senti o corpo dele encostar totalmente na minha bunda e nas minhas costas. O pau dele tava totalmente dentro de mim. Nessa hora ele finalmente parou e eu olhei pra trás.

Ele tava de olho fechado, como se tivesse concentrado, falando sozinho. Eu perguntei se tava tudo bem e ele disse que meu rabo era muito apertado e ele tava tentando se controlar, mas que não sabia se ia conseguir. Nessa hora, mesmo com toda a dor eu me senti realizado, porque tava deixando ele com tesão e comecei a mexer meu corpo pros lados bem devagarinho. Ele me segurou forte e disse: “para cara, eu preciso aproveitar esse rabinho mais um pouco”.

Nossa, eu sentia o pau dele pulsando dentro de mim. Então quando ele foi começar a tirar pra fazer o vai e vem, involuntariamente eu comecei a apertar o pau dele com meu cuzinho fazendo muita força, porque era grosso demais. Eu não conseguia controlar e ele também não conseguiu. Ele me segurou com muita força nessa hora que até doeu e de repente o pau dele foi pulsando cada vez mais até que ele começou a gozar muito. Assim que senti a primeira jatada forte batendo dentro de mim eu falei: “puta que pariu Renan, tira, acho que a camisinha estourou”

Mas ele puxou minha cintura contra o pau dele com força e disse que não tinha estourado não, só que era pequena e apontou pra camisinha jogada no chão… Ele tinha aberto mas não nem tinha tentado colocar, tava novinha. E eu só fui sentindo ele gozando muito muito mesmo dentro de mim.

Eu tava muito bravo e meio chateado e só pensava na bronca que eu ia dar nele depois. A gozada dele lubrificou o que faltava e o pau dele saiu fácil de dentro de mim. Eu olhei na hora pra ver se não tinha sangrado, porque doeu demais, mas parecia tudo bem.

Nisso, ele começou a ficar meio agitado, subiu a bermuda sem nem se limpar, baixou de volta a camiseta e foi indo em direção à porta. Eu perguntei se tava tudo bem, mas ele falou que precisava ir embora e saiu. Só disse: “Valeu, Diego”.

Tava meio escuro na salinha e eu demorei um tempo pra desvirar as pernas da minha calça e me vestir. Até que percebi que não achava minha carteira. Achei que ele tivesse pego por engano na pressa e eu pegaria quando a gente se visse novamente.

Tive que voltar a pé pra casa, já que não tinha dinheiro nem cartão pro ônibus e fui meio mancando. Eu tava ultra dolorido e sentia meu cu cheio de porra e só queria chegar em casa e tomar um banho.

No chuveiro, eu fui me lavar e escorreu muita porra de dentro de mim. Me lavei bem e fui pro quarto descansar. Peguei o celular e tinha uma mensagem do Renan no Grind. Achei que seria algo sobre a carteira, mas a mensagem era:

“Poxa, que pena que não deu certo. Fiquei te esperando e você não apareceu. Não sei se você ficou com medo, então tô mandando uma foto como voto de confiança. Espero que dê certo na proxima vez”.

Era outra pessoa completamente diferente do cara que eu encontrei. Até hoje não faço ideia de quem tirou minha virgindade. Só seique ele roubou minha carteira, era pelo menos 10 anos mais velho que eu e provavelmente tava tentando roubar algum carro do estacionamento.

⏩ O melhor site de desenhos animados pornô do 🇧🇷, HQs eróticas🔥

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,73 de 30 votos)

Por # # # #
Comente e avalie para incentivar o autor

7 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder Novin [email protected] ID:469c1o7zfib

    Queria mto ser usado assim
    tele @tayneko

  • Responder HH ID:gsus5qb0a

    Viado mentiroso, como ele saberia seu nome?
    Você nunca será branco, cor de cocô.

    • Gaizin ID:1daicwpxij

      Eu ri kkkkkkkk ele falou o nome pro cara e ainda escreveu no conto que foi o erro dele ter falado o próprio nome, tu que é sem noção e não leu direito.

      “Eu respondi: “Assim como você sabia que eu era o Denis quando me viu”… Esse foi meu erro.

      Talvez se eu não tivesse falado meu nome, eu teria sacado mais rápido que era um pessoa totalmente desconhecida que tava na minha frente.”

  • Responder luiz ID:dlns5khrd

    Essas coisas ja acontecem com os viadinhos eu ja perdi um carro por sorte estava no seguro

  • Responder Pacupeva ID:wc3o4y8i

    Já passei por situação semelhante.kkkkkk

  • Responder Escritor mistério ID:5vaq00tfi9

    Eheh… Mas gostou não gostou?

  • Responder @eumaiknunes ID:8ef6vikt0c

    Se fudeu gostoso né