# #

Passeando no shopping com minha cadelinha Lena (Conto 5)

6725 palavras | 1 |4.27
Por

Finalmente saímos da casa da fazenda e Lena desenvolve um lado exibicionista.

Este é o quinto conto sobre meu animalzinho de estimação chamado Lena. Para quem não leu os quatro primeiros, leia-os antes iniciar esse conto
Manhã novamente, decido que é hora de levar Lena para fazer compras. No momento, ela só tem as roupas que estava usando quando eu a sequestrei, para que ela pudesse usar algo novo para vestir, somente fora de casa, ou seja, ela fica bem nua quando está dentro. Além disso, eu quero comprar um monte de roupas íntimas sexy e excêntricas para ela. Então, depois do meu café da manhã (mais boquete seguido pelo café da manhã de Lena, porra, é claro), entramos no carro e nos dirigimos para a cidade. Nosso primeiro alvo é um grande shopping center de Campinas. Entramos, Lena abraçando meu braço e me chamando de ‘Mestre’, e vamos primeiro para uma loja de roupas. Se alguém olhasse para nós, provavelmente passaríamos por um casal, ou talvez membros da mesma família, sou mais velho que Lena, mas definitivamente não tenho cara de quem tem uma filha dessa idade, talvez um irmão mais velho ou um tio jovem com sua sobrinha. Ambos estão bem para mim.

Assim que entramos na loja, começamos a navegar.

“Querida, se você ver algo que você gosta, pegue. Mais tarde você pode experimentar, e se o Mestre gostar, o Mestre vai comprar para você”.

Lena grita alegremente, pulando para cima e para baixo e dizendo “obrigada Mestre”. Honestamente, parecia como uma garotinha em uma loja de doces. Lena seleciona alguns artigos, e eu seleciono uma dúzia ou mais que eu acho que vai ficar ótimo nela, de vestidos de verão de aparência inocente a peças curtas e sensuais que seriam perfeitas para uma noite de festa selvagem e sexo quente e excêntrico. Depois que terminamos nossas seleções, fomos para os vestiários. Os balneários desta loja não são um simples divisor com porta sanfonada, mas sim pequenos quartos standard com portas normais. Cada quarto tem cerca de 1 metro e meio quadrados, com um banco baixo, um espelho de parede em tamanho real e uma linha de cabides para as roupas. Olho para a esquerda e para a direita e, depois de garantir que ninguém está olhando e que não há câmeras, entro com Lena.

“Bem, menina, que tal fazer um desfile de moda para o Mestre”?

Penduro as roupas que estou segurando e me sento no banco, ansiosa para ver minha cadelinha experimentando roupas na minha frente.

“Claro, Mestre”, diz Lena com um sorriso, e rapidamente se despe de suas roupas, ficando apenas de calcinha, antes de começar a vestir lentamente a primeira roupa.

Sua primeira tentativa é um conjunto de verão; Calças curtas ligeiramente largas, combinadas com uma camisa V aberta, ambas brancas com padrão de rosas azul cobalto. O corte do V atinge o início do decote, dando um toque de sensualidade sem, no entanto, mostrar nada. Fica bem nela, sem ser espetacular, então relego para a lista de ‘talvez’. O segundo é um maiô branco com bolinhas pretas chegando aos joelhos, um cinto de couro marrom adornando sua cintura. Uma após a outra ela tenta suas escolhas, me dando uma ideia de seus gostos. Bosta pura. O tipo de roupas modestas e adequadas de merda que as mulheres religiosas tendem a usar nos últimos sessenta anos. Sim, de jeito nenhuma cadelinha minha vai usar isso.

“Querida, vamos experimentar os que eu selecionei”, eu digo, e pego uma das minhas escolhas do rack. Este é o mais conservador entre os que escolhi.

“Claro Mestre”.

Lena tira o último vestido de merda que ela experimentou e pega minha seleção da minha mão, um vestido de primavera de manga curta que chega logo abaixo dos joelhos, preso com uma corda fina da mesma cor na cintura e um decote redondo com uma faixa de denim preto adornado com pérolas. Ela se olha no espelho, virando de um lado para o outro, antes de dizer:

“Eu amei Mestre, parece tão bom”!

“Que tal me mostrar também, querida”?

Ela cora e se vira para olhar para mim,

“Desculpe Mestre. Como eu estou”?

Hm, nada mal, o corte acentua o peito sem torná-lo obsceno, e mostra claramente suas curvas sem ser muito óbvio. Juntamente com seus mamilos sem sutiã tentando fazer buracos no tecido, e seu sorriso inocente, cria um conjunto bastante agradável.

“Parece bom querida, agora vire-se e finja pegar algo que caiu aos seus pés.”

Lena obedece sem hesitar e se inclina na minha frente. Sua bunda redonda estica o tecido do vestido, o vale entre as nádegas claramente mostrado como se estivesse em baixo relevo. Eu bato levemente na bunda dela antes de dizer:

“Fica bem em você querida; nós vamos levá-la”.

Lena se levanta sorrindo antes de tirar o vestido e começar o próximo.

Este é um vestido de manga curta, fora do ombro, em azul meia-noite, que atinge apenas o meio da coxa.

Lena tenta, mas é óbvio que ela está um pouco envergonhada. Ha, depois de tudo que fizemos, ela tem vergonha de um vestido simples. Tenho que treiná-la mais.

“Mestre… esse vestido…”.

“Ficou lindo em você bichinho. Você está linda”.

“Sério? Mas, algo assim…”.

Eu me levanto e me movo atrás dela, meus braços circulando sua cintura, e olho para seus olhos refletidos no espelho.

“Você está linda, cadelinha, você é linda, e não há vergonha em mostrar seu corpo. Fico mais feliz quando vejo uma coisa bonita como você vestida”.

Lena olha meu reflexo no espelho antes de sorrir,

“Ok, então, eu vou usar isso para o Mestre”.

Minha cadelinha talvez estivesse com vergonha do próprio corpo, ela é linda e gostosa, tem peitões gigantes e um pouquinho de barriga, mas quem liga para o excesso de gostosura, para mim é um atrativo a mais que a deixa mais atraente. Assim ela se parece com uma garota normal e real, o que valorizo, do que com uma modelo cheia de plásticas dessas revistas de moda que parecem que podem desmontar se você encostar nelas.

Eu movo uma mão para segurar sua bochecha, e viro sua cabeça para um beijo. O que começa como um simples beijo torna-se um concurso de línguas, enquanto minha outra mão se move para cima e se infiltra na parte superior de seu vestido antes de descer sob o tecido e capturar um seio. Ficamos nisso por alguns minutos antes de eu quebrar o beijo, então eu a viro para me encarar e digo:

“Mestre ficou com tesão vendo você nesse vestido. Que tal eu sentar no banco e você ajudar o Mestre com esse problema”?

Ao dizer isso, sento-me no banco, minhas pernas abertas e sorrio para ela. Ela sorri de volta, antes de cair de joelhos na minha frente e começar a abrir o zíper da minha calça.

“Claro Mestre, não posso deixar você sair assim”. Heh, como se ela precisasse de um motivo para chupar meu pau.

Meu pau liberado fica ereto como se estivesse saudando minha cadelinha. Ela começa a massagear minhas bolas com uma mão, enquanto sua língua inicia uma caminhada árdua ao redor da base do meu pau, movendo-se em círculos ao redor do meu eixo, cada círculo um pouco mais alto, como se sua língua estivesse subindo uma escada em uma torre, até que finalmente chega ao topo, e sua boca se abre e me engole. A sensação mágica de sua boca quente, combinada com os pequenos giros de sua língua no meu membro, mais a sucção de seus lábios, me fazem quase ultrapassar o limite. Eu alcanço minhas mãos dentro do vestido, pego os dois seios e começo a aperta-los, enquanto desfruto do boquete glorioso que minha nova cadelinha está me dando. Levo menos de cinco minutos para chegar ao limite. Quando estou pronto para descarregar dentro de sua boquinha, eu sussurro para ela,

“Querida, é melhor você se certificar de deixar tudo em sua boca, sem engolir até eu mandar, se derramar no vestido será embaraçoso quando formos ao caixa pagar”.

Lena levanta os olhos para me olhar e pisca duas vezes. Isso é tudo o que ela pode fazer, já que meu pau está completamente enterrado em sua garganta, impedindo-a de assentir. Ela acelera o ritmo, até que, além dos meus limites, eu agarro sua cabeça e começo a transar com ela. O único som que você pode ouvir no camarim, é o som esmagador de Lena engasgando no meu pau enquanto eu continuo fodendo sua boca boceta, até que finalmente eu explodo, minha mangueira carnuda enviando fluxos de esperma em sua garganta. Lena faz o possível para engolir tudo, mas a quantidade é muito grande, então ela coloca as mãos sob o queixo para pegar qualquer transbordamento. Depois que eu termino de ejacular, eu retiro meu membro de sua boca, e ela lambe o sêmen derramado de suas mãos, então ela verifica o vestido e, finalmente, olha para mim mostrando a boca cheia de porra.

“Limpe o mestre, mas sem engolir a porra, deixe tudo na sua boca até eu mandar você engolir”!

Dizendo isso, ela começa uma felação de limpeza, lambendo e roçando seus lábios em meu membro até que todo o esperma desapareça, antes de beijá-lo na glande suavemente e colocá-lo novamente em minhas calças.

“Boa menina, agora vamos pagar e experimentar outras lojas”.

Após sair do provador a atendente pergunta a Lena se ela queria mais alguma coisa, eu olho para meu bichinho e digo

“Seja educada e responda a moça”

Lena me olha com olhos suplicantes e finalmente permito que o meu animal de estimação engula sua refeição favorita e responda a atendente. Ela engole tudo com um audível “glurp” e passa a língua nos lábios antes de responder a moça que nos olhava com uma sobrancelha arqueada.

“T-tudo bem, já peguei tudo o que eu queria”.

Saímos da loja e Lena me diz que meu esperma ficou mais agridoce e frutado, mas nunca confie em um masoquista para dizer a verdade sobre o esperma, ela pode ter imaginado.

No final, compramos cerca de 20 roupas diferentes.

Próxima parada: lingerie

Saímos da loja com duas dúzias de sacolas e decidimos voltar para o carro para deixá-las antes de continuar nossa expedição de compras. Depois de fazer isso, voltamos para dentro e começamos a procurar até encontrar nosso próximo alvo. Uma loja de lingerie. Passamos por alguns maiores até agora, mas decidi pelo menor por algumas razões simples; menos clientes, menos funcionários, geralmente mais fácil de pagar para sair de um aperto.

Entramos e começamos a navegar. A esta hora, apenas algumas mulheres estão fazendo compras, e enquanto eu recebo alguns olhares desagradáveis, mas no final elas decidem me ignorar. Junto com Lena, percorremos um mar de calcinhas e sutiãs, escolhendo isso e aquilo à medida que avançamos. As escolhas de Lena no início são todas as roupas íntimas simples de uma cor, sem rendas ou enfeites, até que eu a agarro e a levo para um canto e explico a ela,

“Querida, hoje não estamos escolhendo roupas íntimas para você simplesmente usar, estamos escolhendo roupas íntimas que deixarão o Mestre feliz em ver você usar, então significa que aquela calcinha não é boa para você”.

Lena pondera minhas palavras por alguns segundos, antes de sorrir,

“Ok Mestre, eu entendi”.

Recomeçamos nossa jornada na selva de rendas, desta vez a Lena é mais ousada em suas escolhas, porém, para cada peça de lingerie que ela escolhe, eu escolho 5 excêntricas. Depois de vinte minutos, nossas seleções estão feitas e estamos prontos para ir para o vestiário. Para minha decepção, o chamado vestiário é uma simples cabine dividida com uma porta tipo saloon. Algumas mulheres já estão por lá para experimentar a mercadoria. Isso não é bom para mim, pois o vestiário fica à vista do resto da loja e a porta não cobre cabeças e pés. Felizmente eu já considerei minhas opções antes de entrar e notei uma porta atrás do caixa. Eu me movi para falar com a caixa, trazendo Lena junto comigo. Quando ela me vê, ela ostenta uma expressão duvidosa, no entanto, ao perceber a quantidade de mercadorias que eu e Lena estamos segurando em nossas mãos,

“Olá, eu estava esperando que você pudesse nos ajudar”, eu digo enquanto sorrio educadamente.

“Claro, senhor, como posso ajudá-lo”?

“Você vê, minha namorada gostou muito da lingerie que ela encontrou em sua loja, então provavelmente compraremos a maior parte. Claro, ela gostaria de experimentar primeiro. No entanto, não apenas o vestiário está lotado, mas minha namorada é bastante tímida”. Ao ouvir minhas palavras, Lena abaixa um pouco a cabeça e meio que se esconde atrás de mim. Bom bichinho, vou te acariciar muito mais tarde.

Continuando, deslizo uma nota de cem sobre a mesa,

“Eu estava pensando, você poderia nos emprestar um espaço privado, talvez um escritório, por um tempinho”, meu sorriso sincero nunca sai do meu rosto.

O caixa olha para mim, olha para o dinheiro, depois olha para Lena, antes de olhar para mim novamente,

“Bem, é contra a nossa política, mas se for para ajudar um cliente tímido, acho que posso te emprestar um espaço. Deixe-me levá-la até lá”. A última parte foi destinada a Lena, mas não há nenhuma maneira de eu ser parado aqui.

“Na verdade, eu preferiria acompanhar minha namorada, como eu disse, ela é tímida com estranhos”. Mais uma nota escorrega na mesa.

“Claro, posso me afastar um pouco e você mesmo pode perguntar a ela. Eu entendo como tudo isso soa, afinal”.

Minhas palavras parecem fazer o truque. Ela olha para nós mais uma vez, antes de suspirar e embolsar o dinheiro.

“Desde que ela não se importe, não é da minha conta. Venha comigo”. Assim, pelo preço de duzentos reais, conseguimos um vestiário privado. Bem, na verdade é um depósito com um sofá, uma mesa e um espelho de tamanho normal, espremido em um canto vazio; a porta não tranca, no entanto, a caixa prometeu que ela manterá o resto dos funcionários fora até que terminemos.

Depois que ela sai, eu fecho a porta e então vou até o sofá e me sento.

“Ok cadelinha, hora de impressionar o Mestre”.

Lena perde as roupas e começa a experimentar as lingeries uma a uma. A cada mudança, meu pau sobe mais um centímetro, até que ela experimenta um conjunto especial escolhido por mim, um conjunto preto quase transparente, enfeitado com renda. A parte mais sexy é que existem fendas verticais posicionadas estrategicamente sobre os mamilos e uma fenda semelhante exatamente em cima da vagina. A parte de trás de sua calcinha é uma corda simples que desaparece entre suas bochechas.

Incapaz de suportar, eu me levanto, afrouxo minhas calças e cueca de uma só vez, então a agarro e sento novamente arrastando-a comigo, de costas para o meu peito, meu pau aninhado entre suas nádegas. Minhas mãos sobem, uma, para seu rosto, para girá-la para um beijo, a outra para seu sutiã, onde meus dedos se infiltram na fenda do tecido para beliscar seu mamilo. Eu paro o beijo por um segundo e digo a ela para mover sua bunda, antes de mergulhar com minha língua em sua boca quente novamente. Lena obedece alegremente, e começa a moer sua bunda na minha ereção, que agora atingiu um novo patamar.

Finalmente, seguindo um sussurro meu em seu ouvido, Lena levanta um pouco a bunda e estende as mãos para trás. Uma mão vai para mover a fenda de sua calcinha para o lado, enquanto a outra, guia meu pau até sua bucetinha. Ela começa a esfregar meu pau em seus lábios gordos, sucos já fluindo de sua vagina e encharcando meu pau, até que esteja totalmente revestido. Então ela move a corda separando suas bochechas para o lado, e traz meu pau para seu cu. Ela esfrega a cabeça em volta do buraco enquanto geme, e então ela se abaixa um pouco, até que metade da minha glande está dentro de sua bunda, antes de finalmente cair todo o caminho, acolhendo meu pau em suas entranhas até a raiz.

“Hnnnng… Mestre… eu queria isso o dia todo… por favor Mestre, use minha bunda…”.

Para seus comentários lascivos, eu respondo,

“Cadelinha, mexa-se no pau do Mestre. Mostre ao Mestre o quanto você gosta”.

Lena geme um ‘sim, Mestre’, e começa a se mover para cima e para baixo o mais profundo e rápido que pode.

Eu gosto da sensação de perigo idiota adolescente. Não importa quantas vezes façamos isso, é incrível a sensação em meu pau e o quanto isso consegue me apertar. Pouco a pouco sinto a resistência contra a minha cabeça diminuir, como se seu cólon estivesse se endireitando para acomodar meu comprimento, até que estou tão profundamente dentro dela que sinto pena de não poder encaixar minhas bolas lá também. Após mais de meia hora Lena está exausta dos movimentos e parou, seu corpo caiu em cima do meu, então eu digo:

“Boa menina, cadela, você tentou o seu melhor, então Mestre vai recompensá-la”.

Eu agarro seus quadris com as duas mãos e começo a empurrar para cima com força, fazendo com que meu pau perfure até o fundo de sua bunda, antes de deslizar quase completamente para fora de seu esfíncter, apenas para o próximo impulso para pregá-lo novamente dentro dela todo o caminho. Eu grunhi enquanto me movo, e Lena geme e grita “Mestre… Mestre…”. Finalmente, minhas bolas não aguentam mais e começam a encher a bunda dela com meu esperma enquanto eu grito,

“Mestre está gozando, querida. Goza com o Mestre”.

O corpo de Lena se arqueia em espasmos, e enquanto grita, “Mestre. Lena está gozando… Lena está gozando!”, atinge o clímax e encharca o sofá em seus sucos. Ficamos assim por um minuto para recuperar o fôlego, antes de Lena se levantar, fazendo com que meu pau agora semi-flácido saltasse de sua bunda, e se ajoelhar na minha frente para limpar meu pau com a boca com amor…

Ficamos lá por duas horas, experimentando a lingerie e nos divertindo, antes de irmos ao caixa para pagar nossas escolhas. Nossa pequena viagem para comprar lingerie me custou pouco mais de dois mil reais, incluindo os duzentos que dei ao caixa no começo e os duzentos extras que dei a ela enquanto saía para a limpeza do sofá. Totalmente valeu a pena.

Voltamos mais uma vez para o carro para deixar nossas sacolas de compras. Ao chegar lá uma ideia surge em minha mente.

“Querida, que tal Mestre escolher uma roupa para você usar, e depois vamos comer alguma coisa e talvez assistir a um filme”?

“Sério, Mestre”, grita Lena com alegria.

“Obrigado, Mestre! Escolha algo legal para a Lena”!

Nós dois entramos na parte de trás do carro, onde vasculho as malas até que finalmente escolho um “French Maid Dresslette”(dê um google) preto.

Que a cobre de cima do peito até acima do joelho, com alças finas e debrum branco no peito, segura com laço preto na cintura. Saltos pretos, uma gargantilha de veludo no pescoço, uma boina preta levemente inclinada na cabeça e meias pretas transparentes até a coxa. Para lingerie, optei por uma t-back preta de renda transparente com padrão de flores cobrindo as áreas íntimas. Finalmente, decido sem sutiã.

Lena se despe imediatamente e começa a se vestir com a minha escolha de roupa, mas não consegue ir muito longe. Depois de vestir a calcinha e as meias, não consigo me segurar eu viro Lena e a empurro na parede do carro.

“Coloque a mão na parede querida e ponha a bunda pra fora, Mestre quer brincar de novo”.

Lena atende alegremente e balança sua bunda sedutoramente enquanto vira a cabeça para sorrir para mim. Eu me aproximo dela e acaricio sua bunda, antes de dar um tapa nas duas bochechas ao mesmo tempo.

“Ai! Mestre… de novo Mestre… Lena era uma menina má, por favor, castigue a Lena”.

Eu agarro suas nádegas e começo a amassá-las,

“Já que Lena era uma menina má, talvez Mestre não devesse tocá-la e devíamos ir para casa em vez disso”.

“Mestre… você é mau!” sua cara de beicinho é adorável.

“Bem, é verdade que você é uma menina má, mas você também me agradou muito hoje, então só desta vez, vou puni-la do jeito que você gosta”. Enquanto Lena sorri alegremente para mim, eu belisco e torço suas nádegas com força, fazendo-a gritar.

“Eeek, sim Mestre, obrigado. Obrigado por punir Lena. Lena é uma menina má que precisa ser punida. Por favor, puna Lena com seu pênis Mestre”.

Excitado por sua provocação sexy, eu esfrego sua boceta com minha mão. O tecido da calcinha está completamente encharcado. Não demorou muito, uh? Não faz mais de dois minutos desde que ela os usou. Eu movo sua calcinha para o lado e começo a acariciá-la levemente e provocando seu clitóris, enquanto minha outra mão continua batendo em sua bunda empinada.

“Aahmmm, Mestre é o melhor. Por favor, me castigue mais Mestre. Hnnng…”.

Suas vozes começam a subir em decibéis, isso não vai dar certo, eu não preciso que alguém nos ouça e chame a polícia. Eu paro de provocá-la e pego a calcinha simples que ela estava usando até agora, completamente encharcada em seus sucos e meu esperma; perfeito.

Eu os desfaço em uma bola e os empurro em sua boca.

“Por mais que eu goste de ouvir você gemer e gritar, cadelinha, estamos em um estacionamento por onde passa muita gente, então, por enquanto, apenas chupe essa calcinha suculenta enquanto o Mestre te castiga”.

Lena acena com a cabeça, balançando a cabeça para cima e para baixo, alegria refletida em seus olhos. Essa garota, ela é tão pervertida! Que adorável. Volto aos meus deveres e continuo acariciando-a e batendo em sua bunda por alguns minutos, antes de mover meu pau para seu cu e penetrar sua parte mais profunda de uma só vez. Lena inclina a cabeça para trás e solta um uivo abafado, antes de descansar a cabeça em seus braços e fechar os olhos, apreciando a sensação do meu pau arrebatando seu cu. Eu empurrei como se estivesse possuído, uma mão batendo em sua bunda, a outra acariciando a sensação sedosa de sua meia. No meu limite, eu tiro meu pau de sua bunda, a viro e a faço ajoelhar.

“Mestre quer foder suas tetas querida”.

Assim que eu digo isso, Lena empurra seu peito para frente e envolve o eixo em seus seios macios e sedosos, suas mãos nas laterais empurrando os dois montes de prazer juntos, e começa a movê-los para cima e para baixo em torno do meu pau. Estendo minha mão e tiro a calcinha de sua boca,

“Não há mais necessidade disso, menina, tampe sua boca com o pau do Mestre”.

“Sim Mestre, auhmmm…”.

A cabeça do meu pau é imediatamente envolvida por sua boca quente, sua língua girando, enquanto ela começa a balançar a cabeça para cima e para baixo. Minhas bolas sinalizam que o fim está próximo, então eu agarro sua cabeça e a empurro o mais baixo possível, forçando meu pau a escorregar de seus seios e perfurar sua garganta até minhas bolas atingirem seu queixo. Eu começo a mover meus quadris freneticamente, enquanto sons de sucção e engasgos são ouvidos da boca de Lena, enquanto lágrimas escorrem por suas bochechas. Tudo fica em branco, enquanto atiro uma carga enorme na garganta da minha cadelinha. Ela começa a engolir, mas ainda não terminei, quando sinto que metade da carga acabou, tiro meu pau de sua boca e borrifo seu rosto e seios até meus testículos secarem. Lena lambe alegremente meu esperma de seu rosto e seios, sua mão ajudando a recolhê-lo de onde sua língua não pode alcançar.

“Que cadelinha boa você é. Essas meias ficam muito bonitas em você, bichinho”. Eu acaricio sua cabeça enquanto ela continua lambendo meu esperma como uma cadelinha faria com uma tigela de leite.

Depois de me dar uma bela felação de limpeza, nos vestimos novamente e saímos do carro.

“Obrigada por me punir Mestre”, ela diz alegremente.

Sorrio satisfeita enquanto ela abraça meu braço e vamos jantar.

Jantamos cedo em um restaurante estilo australiano que fica na parte de fora do shopping. O novo vestido de Lena trouxe todo o seu charme e beleza, fazendo todos os homens virarem a cabeça com a nossa passagem. Conseguimos uma mesa perto da janela e nos divertimos muito; Meu adorável bichinho de estimação encantador, uma bela vista, boa comida e os olhares de todos voltados para nós; bem, nela, na verdade.

Saindo do restaurante, decido que quero estragar um pouco mais a Lena, então a arrasto para os banheiros masculinos do shopping. Certificando-me de que ninguém está dentro, eu a empurro para dentro da cabine e tranco a porta, antes de apoiá-la na parede da divisão e começar a beijá-la. Lena responde à minha paixão e abraça meu pescoço enquanto nossas línguas se entrelaçam; minhas mãos percorrem todo o seu corpo, acariciando, beliscando e tateando. Eu levanto a bainha de sua saia e coloco minhas mãos abaixo dela, uma acariciando e amassando sua bunda, a outra viajando sobre suas coxas e barriga. O movimento da minha mão provoca pequenos gemidos de sua boca, abafados pela minha cobrindo a dela, enquanto deslizo minha mão de sua barriga para sentir a sensação suave de sua calcinha, movendo-se ainda mais para baixo, até meus dedos tocarem seu clitóris através dos tecidos.

Sua calcinha já está encharcada, uma pequena mão corre do meu pescoço para a minha virilha e começa a esfregar meu pau através da minha calça, mas eu a paro e movo sua mão para o meu pescoço novamente. Não tenho intenção de gozar novamente nos banheiros, pois pretendo me divertir mais durante o filme. Minha mão retoma suas atividades em cima de sua calcinha, até que finalmente desliza sob o elástico e entra em contato direto com sua pele, fazendo Lena estremecer.

Eu fiz a Lena depilar seus púbis ontem, e a sensação de suavidade é ótima; minha mão continua acariciando a área raspada um pouco, antes de abaixar um pouco mais e alcançar o capuz de seu clitóris. Uau, minha cadelinha já está com tesão, pois o botão que é o clitóris dela já está duro e exposto; Eu a giro habilmente com meus dedos, fazendo com que os gemidos de Lena aumentem de volume, antes de mover meus dedos para sua fenda e invadir a quente umidade que é sua vagina com meus dedos. Seus gemidos aumentam em vão crescendo quando eu começo a foder sua buceta com dois dedos; meus dedos deslizam para dentro e para fora de sua vagina suavemente, até as falanges intermediárias; Eu acelero meu ritmo, enquanto ao mesmo tempo a mão amassando sua bunda se move para seu cu,

Sendo empurrada em ambos os buracos pelas minhas mãos, Lena treme e estremece, enquanto seus gemidos agora são audíveis nos banheiros, embora abafados pela minha boca. Eu removo minha mão de sua bunda por um momento e abaixo a parte superior de seu vestido revelando seu peito convidativo, e minha boca segue avidamente, para começar a chupar seus mamilos. Lena leva a mão à boca para esconder um pouco seu som lascivo enquanto eu a empurro cada vez mais perto do orgasmo, até que com um grito de “Mestre”, ela tem espasmos e fica mole, enquanto a mão que serve sua buceta fica encharcada até o pulso. Tendo perdido todas as suas forças, ela me abraça e coloca a cabeça no meu ombro, esperando que suas pernas recuperem alguma sensação. Ficamos assim por alguns minutos, então ela levanta a cabeça e me beija,

“Obrigado, Mestre, você é o melhor”.

Nós arrumamos suas roupas e saímos dos banheiros, ignorando o olhar lascivo do homem usando o mictório. Sim, depois do que você ouviu, boa sorte com isso, tente não pintar o teto de amarelo, eu saio sorrindo.

Hora de ir ao cinema!

O filme exibido é uma comédia romântica, nada de especial, mas Lena está muito animada. Parece que ela não vai ao cinema com muita frequência. Depois de pegar nossos ingressos, entramos e dou uma olhada ao redor, cerca de vinte pessoas no cinema, a maioria casais, espaçadas umas das outras. Perfeito.

Escolho dois assentos no centro da fileira vazia do meio; o casal mais próximo está quatro fileiras atrás e uma dúzia de assentos ao lado. Bom, muito espaço para nós jogarmos sem sermos pegos.

As luzes se apagam e o filme começa. Não dou atenção à tela, pois nunca me interessei pelo filme para começar. Minha mão começa a percorrer as pernas de Lena, que se abrem para me receber. Eu brinco um pouco com sua coxa, antes de sussurrar em seu ouvido,

“Lena querida, Mestre está com tesão. Ajoelhe na minha frente baby”.

Lena corre para fazer o que ela manda e se aninha entre minhas pernas, então abre o zíper da minha calça e tira meu pau ereto. A pequena brincadeira no banheiro me deixou duro como aço, exatamente como eu esperava. Eu já gozei muito hoje, então duvido que isso seja uma rapidinha.

Lena começa a lamber meu pau com sua pequena língua, suas mãos acariciando minha cintura e apertando suavemente meu saco, antes de colocar a boca em cima do meu pau, e com um movimento rápido para baixo, todo o meu pau é engolido dentro de sua garganta. Ela leva tudo até a base, então sem mover a cabeça ela começa a chupar e lamber como se fosse a coisa mais saborosa que já entrou em sua boca. A sensação é ótima, mas não sinto muita pressão, já que descarrego sabe Deus quantas vezes hoje. Depois de um minuto ou mais, minha cadelinha começa a balançar a cabeça para cima e para baixo, meu pau viajando em sua boca da ponta à raiz. Eu relaxo, apreciando tanto a sensação quanto a visão de sua cabeça, adornada por uma boina, balançando no meu pau.

Eu a deixei continuar por alguns minutos, antes de bater em seu ombro. Lena olha para mim e, com meu gesto, deixa meu pau sair da prisão molhada de seus lábios. Eu a agarro e a faço sentar no meu colo de lado, meu pau emergindo entre suas coxas, em seguida, abaixo a parte superior de seu vestido e começo a chupar seus seios. Minhas mãos percorrem sua parte inferior do corpo, antes de levantar a parte de trás de sua saia. Com movimentos seguros eu movo sua calcinha para o lado, expondo suas nádegas para minha mão amassar, então eu coloco minha mão sob sua bunda e levanto seu corpo um pouco, e a movo para que seu cu fique diretamente acima do meu pau esperando. Eu a abaixo lentamente, uma mão controlando sua descida, a outra guiando meu pau, enquanto seu cu lentamente atinge a ponta da minha glande.

Eu controlo o instinto de forçar, eu não quero que ela grite no cinema, então eu lentamente a abaixo no meu pau, empalando-a pouco a pouco. Enquanto faço isso, olho para o rosto dela e a vejo mordendo os lábios para conter a vontade de gemer, então me movo para beijá-la, mais uma vez usando minha boca para silenciá-la. Ela me abraça alegremente, e sua língua invade a minha avidamente, iniciando um jogo de perseguição. Meu pau está agora todo dentro dela, então eu uso a bunda sob sua bunda para levantá-la e abaixá-la suavemente. Com cada movimento, um terço do meu pau desliza para dentro e para fora de suas entranhas; minha outra mão vai para seu peito e começa a amassar suas bolsas de leite divertidas e girando seus mamilos. No meu comando sussurrado, uma das mãos de Lena se move do meu pescoço para sua boceta, enquanto ela começa a brincar consigo mesma. Não há pressa em nossos movimentos, o filme tem mais de duas horas de duração,

Lena levanta as pernas e as coloca no assento ao lado, seu movimento fazendo meu pau cavar mais fundo em sua bunda, a sensação ainda mais apertada do que antes. Continuo subindo e descendo por um bom tempo, até que recebo uma ligação urgente de minhas bolas dizendo que estão prontas. Eu removo minha mão de seu peito e passo abaixo de seus joelhos antes de puxá-los para mim, enquanto a mão que guiou o movimento debaixo de sua bunda se move atrás de suas costas. Meus braços se encontram na minha frente, deixando Lena dobrada com os joelhos no peito, abraçada pelos meus braços. Ainda a abraçando, faço com que seu corpo se mova para cima e para baixo no meu pau. A posição garante a penetração profunda e eu ainda acelero enquanto ainda a beijo para abafar seus sons. Eu começo a empurrar seu cu, minha cintura se movendo em vez de seu corpo, minha barriga batendo nas laterais de seu corpo, até que finalmente com um grunhido, o conteúdo das minhas bolas explode para fora, inundando suas entranhas com meu amor branco e cremoso. Continuo algumas vezes, até sentir que não resta uma gota de sêmen em meu corpo, antes de abaixar as pernas e abraçá-la.

Lena está exausta, pois chegou ao clímax junto comigo, então ficamos assim, com ela no colo, e percebo que duas se foram e o filme está no final.

Na saída vemos o estrago feito em seu vestido preto, ele agora está todo com manchas brancas da minha porra, principalmente na área donde estão os peitos deliciosos e quase saltando para fora do meu animalzinho de estimação.

Saímos do cinema direto na praça de alimentação do shopping e agora meu bichinho atrai mais a atenção das pessoas com seu vestido manchado, seu corpo delicioso com os bicos dos peitos sem sutiã apontando como um farol aos lados das manchas brancas e a bagunça que está seu cabelo que mesmo a boina não disfarça.

Toda essa atenção parece excitar ainda mais a minha cadelinha que está com uma respiração pesada de excitação. Além de masoquista meu bichinho de estimação tem tendências a ser uma exibicionista. É como acertar na loteria duas vezes com o mesmo bilhete, tenho que explorar isso com certeza. Saímos do shopping depois de muita gente virar o pescoço ao passarmos do lado e fomos de volta ao nosso ninho de amor.

Os dias passam, felizmente passados fodendo como coelhinhos com tesão. Meu pequeno animal de estimação é insaciável, seja por sexo ou por punição. Sou forçado a mudar suas punições para abstinência, caso contrário ela ficaria fora de controle em busca de outra chicotada. Assim que declarei chicotadas como recompensa, e nada de sexo como punição, sua atitude mudou imediatamente, tornando-se mais uma vez meu bichinho fofo.

Hoje é o dia em que acaba minhas férias e o álibi de Lena. Honestamente, essa merda de celular está me dando nos nervos, mas no momento não posso me dar ao luxo de jogar tudo por água a baixo. Nesses dias todos usei o celular de Lena como se fosse ela, falando com a mãe e irmã dela, mas nosso tempo no paraíso acabou.

“…Mestre”?

Fecho os olhos e consigo controlar um pouco meu temperamento, depois os abro novamente e olho para Lena.

“Mestre não está bravo com você bichinho, não tenha medo”. Eu acaricio sua cabeça suavemente e Lena relaxa, suas preocupações desaparecendo. Uma fome sombria apareceu em meu coração, devo exorcizá-la, não posso permitir que meu pensamento seja influenciado por nada. Uma ideia surge em minha mente.

“Cadelinha, Mestre tem alguns problemas de raiva para resolver, que tal você ajudar o Mestre”?

Lena sorri feliz,

“Sim Mestre! Diga a Lena, como a Lena pode te ajudar”?

“Vamos para o porão, já faz um tempo desde a última vez que eu te puni com força”.

Seu sorriso se torna ainda maior enquanto ela grita alegremente,

“Sério Mestre? Lena te ama muito”!

Nós nos movemos para o porão, Lena pulando e pulando na minha frente. É tão fácil fazê-la feliz…

Depois de algumas horas punindo Lena, com um remo e chicotes, me sinto definitivamente melhor.

Estou na cama, relaxando, com Lena dormindo com a cabeça no meu peito com uma expressão de contentamento. Deixei meus olhos se demorarem em sua bunda, suas pobres nádegas dobrando de tamanho em relação ao normal, e vermelho brilhante. Suspiro e volto aos meus pensamentos.

Por enquanto, porém, vamos colocar os problemas em segundo plano. Meu alvo no momento é Lena. Prometi a Lena que comeria sua boceta na sua casa, para ser honesto, mal vejo a hora.

Certo, primeiro, devo acostumar a família de Lena com a minha presença. Lena já está totalmente treinada, então não há mais motivos para ficar aqui. Posso deixá-la em uma rodoviária na próxima cidade e fazê-la voltar hoje sozinha. Então, eu chego em casa um pouco mais tarde de carro.

Finalmente em casa eu adormeço, onde sonho com uma dúzia de garotas em roupas minúsculas pulando ao meu redor me chamando de MestreEstou aceitando candidatas para serem meus bichinhos de estimação, escravas ou “babygirl”. Recebo cordialmente quem quiser somente conversar ou enviar sua crítica ou sugestão. Mandem e-mail. [email protected] Obrigado! Ultimamente estou recebendo muitos fakes querendo ser meus bichinhos, honestamente você não precisa se parecer com uma influencer do Instagram para que eu goste de você, eu lhe aceito do jeito que você é contanto que seja honesta. Não tenho tempo a perder com fakes.

Criei um face Nome = Kraushiam Dom (Senhor K) podem me add
https://www.facebook.com/profile.php?id=100082079274758

Senhor K.

⏩ O melhor site de desenhos animados pornô do 🇧🇷, HQs eróticas🔥

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,27 de 11 votos)

Por # #
Comente e avalie para incentivar o autor

1 comentário

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder Juh ID:830xoq549i

    Amei, queria ser exibida assim