# # #

O início da minha vida sexual (Pt. 1 & 2)

1474 palavras | 3 |4.57
Por

Esse conto não tem finalidade de incentivar nada, apenas retratar o que se passava na minha mente a partir dos 8 anos de idade, quando lembro de ter começado a olhar para o corpo masculino de forma diferente.

Eu era uma criança bonita, branquinho e magro, cabelo lisinho mas cortado bem baixo por preferência dos meus pais, sorrisão sempre largo e brincalhão. Nessa época frequentava um clube em que fazia natação e ao lado da piscina infantil sempre reparava o movimento da piscina maior, em que os adolescentes de mais de 16 anos treinavam. O corpo masculino me despertava curiosidade, interesse, eu não conseguia olhar para uma menina com os seios em seu auge de crescimento e curvas do corpo ganhando forma, do mesmo jeito que olhava pra o volume na sunga do corpo masculino. No entanto, eu tinha apenas 8 anos e não tinha malícia, não desejava nada e nem muito menos sabia o que isso significava na minha mente. Aos 9 anos as coisas começaram a tomar forma, e eu comecei a sentir essa atração aumentar gradativamente conforme via os galãs nas novelas, os meninos mais velhos na escola, os adultos na piscina. Tive minha primeira ereção consciente, descobri que meu pintinho minúsculo ficava duro e tocar nele assim me dava uma sensação de prazer, mas isso também me assustou. Nos primeiros dias eu não fazia nada além de roçar o controle da TV por cima da bermuda, depois passei a dar pequenos tapinhas pra entender em qual parte do meu pintinho eu sentia mais prazer. Conforme esse meu instinto em busca de descobrir o que era o tesão progredia, no banho eu comecei a perceber que o toque na região anal, no meu cuzinho que aos 9 anos ainda nem sonhava em ter um fio sequer de pelo e era rosadinho, também me dava uma sensação diferente e intensificava ainda mais o que eu sentia com meu pintinho duro. Comecei a partir daí a pressionar o meu buraquinho sem nenhuma pretensão ou sem ao menos ter visto alguma pornografia que me induzisse a isso. Tudo por instinto! Aos 10 anos eu ainda não tinha computador em casa e sempre gastava qualquer dinheiro que ganhava jogando videogame nas locadoras, que começavam a compartilhar espaços com os computadores no formato Lan House. Um dia eu decidi que não gastaria com videogame e pedi tempo em uma das cabines de computador. Me sentei, respirei fundo e pesquisei no Google “homens pelados”. E isso me fez tremer da cabeça aos pés, eu tinha consciência de que era errado mas aquela adrenalina toda fazia meu pintinho ficar muito mais duro. Me esbaldei nas fotos que apareciam e minha mente começou a desejar os homens diferente de como acontecia antes de eu ter essa imagem de um pau enorme permeando meus pensamentos. Passei a andar na rua desejando que algum tarado me pegasse, me puxasse pra dentro de alguma casa e me mostrasse o pau duro, mas isso nunca aconteceu e era um delírio até então. Nos meses seguintes descobri os vídeos pornôs gays e héteros também, os sites de bate papo onde eu comecei a entrar e conversar com todo tipo de gente. Alguns não se importavam com minha idade e mesmo assim queriam marcar encontros, que eu nunca aceitei. Com todo esse estímulo martelando minha mente de criança, todo o toque no meu corpo se tornou um prazer inimaginável. Meu dedo no cuzinho extremamente apertado já procurava abrir caminho pra entrar assim como via nos vídeos os paus enormes entrando em caras musculosos. Meus dedinhos estimulavam meu pintinho duro assim como via os caras batendo punheta. Essa curiosidade e começo de toda a malícia resultaram em uma putaria que me aconteceu ainda com essa idade. (Continua no próximo conto).

Parte 2

Como contei anteriormente, aos 10 anos de idade eu estava no auge da minha curiosidade por homens e pelo corpo masculino, ia às lan houses pesquisar por homens nus e sentia meu pinto pequenino ficar durinho feito uma pedra, mesmo sem saber ainda como se batia punheta. Fazia natação em um clube e sempre reparava os rapazes mais velhos de sunga com volumes marcando e sonhava um dia poder ver o que guardavam dentro. Um certo dia cheguei ao clube e já percebi a presença de um novato. Ele aparentava ter 15 anos, era branquinho e magro, corpo normal pra idade, barriga peludinha, suvaco com pelos aparados, pernas e coxas igualmente peludinhas. Reparei em cada detalhe do corpo dele mas o que mais me chamou atenção foi o volume. De todos os meninos que faziam natação ele parecia ser o que guardava o maior pinto na sunga. Embora tenha ficado com isso na cabeça, segui normalmente durante toda a aula e por coincidência sai da piscina 5 minutos antes do fim do horário e curiosamente ele saiu da outra piscina, me seguindo em direção ao vestiário. Entrei com minha pequena mochila e comecei a tirar meus objetos e roupas, fui até os chuveiros que eram totalmente abertos sem divisórias e comecei a me lavar para tirar o cloro, mas sem tirar a sunga. O novato, por sua vez, veio até o chuveiro ao meu lado e sem nenhum pudor tirou a sunga, exibindo um pau grande o suficiente pra me assustar. Tamanho igual eu só tinha visto nos vídeos da internet… deveria ter uns 15 a 16cm, que pra mim que nunca tinha visto um pessoalmente e tão perto, era fascinante.

Não conseguia disfarçar o olhar e ele não esperou muito pra perguntar:
– Tá olhando por que? Respondi rapidamente:
– Por nada, ué…. Demorei um pouco e falei novamente:
– É que achei grande, nunca tinha visto assim. Quando terminei de falar isso percebi o pau dele inchando até ficar totalmente duro. Ele continuava o banho passando a mão no corpo todo até que quando eu ia saindo de perto, completamente envergonhado e nervoso, ele me chama.
– Tu quer pegar pra ver como é? Eu volto e balanço a cabeça que sim. Ele rapidamente pega na minha mão e a leva pra cima do pau, segura meu corpo pelas costas e aproxima do dele, como quem dá um abraço apertado. Desce as mãos até minha bundinha lisinha e procura abrir com os dedos apenas o suficiente pra encostar o dedo do meio na portinha do meu cuzinho rosinha.
– (sussurra no meu ouvido) Encosta na parede.
Sinto o pau quente e pulsando encostar na minha bundinha toda molhada, até que ele fala sussurrando mais uma vez no meu ouvido: – Sexta vou sair da aula 10 minutos antes, se quiser brincar mais disso voce sai depois de mim.

Chegou a sexta e eu estava nervoso, não sabia o que ia acontecer e me achava um estranho por fazer coisas consideradas erradas mas ainda assim decidi que faria o combinado. Faltando exatamente 10 minutos pra o fim da aula, vi ele saindo da outra piscina e eu no mesmo instante saí da piscina infantil. Quando entrei no vestiário, com as pernas trêmulas e o coração disparado, caminhei até a parte dos chuveiros e me deparei com ele já nu, de pau duro. Soltei minha mochila em um cantinho e me aproximei dele, ele já me puxando pra juntinho do corpo dele, colocando a mão por dentro da minha sunga, apalpando meu pinto, meu saquinho e em seguida o que mais queria, o meu cuzinho. Me tirou de debaixo do chuveiro e se abaixou, ficou com a cara na minha bunda, abriu ela e deu uma cuspida. Passou o dedo e depois deu uma lambida, soltou um gemido silencioso, só com a respiração. Tentei olhar pra trás e vi ele de cócoras com o pau duro babando a ponto de pingar, ele ficou de pé e encostou a cabeça do pau na portinha e começou a forçar, me fazendo empinar a bundinha naturalmente. Mesmo percebendo que eu estava gostando, colocou a mão na minha boca pra que nenhum mínimo gemido fosse suficiente pra alguém fora do vestiário ouvir.

Forçou, forçou até a cabeça daquele cacete entrar toda, me rasgando pela primeira vez, literalmente tirando meu cabacinho. Reclamei de dor e muito carinhoso ele já tirou e me fez um carinho, rapidamente antes que todos chegassem. Falou no meu ouvido:

– Doeu? Doeu mas tu gostou né? Vou saber se gostou se semana que vem tu me encontrar aqui na mesma hora.

(Continua)

⏩ O melhor site de desenhos animados pornô do 🇧🇷, HQs eróticas🔥

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,57 de 21 votos)

Por # # #
Comente e avalie para incentivar o autor

3 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder Cdzinha ID:ona0os9d9i

    Que delícia de conto. Comecei a sentir interesse por macho bem novinho tbm, com 6 anos mamei um primo poucos anos mais velho e cheirava as cuecas dos meus tios, sentava no colo pra sentir o volume deles, até cheguei a me esfregar no meu padrasto enquanto ele me colocava pra dormir. Infelizmente nunca tive a sorte de ser iniciado de verdade nessa época.

  • Responder Chama no tel Mil2mil2000 ID:ona2xs920j

    Continua

  • Responder Bob ID:xlorigzk

    👏👏👏👏👏👏