# #

Didi meu viadinho de 11 anos -Parte 2

1201 palavras | 3 |4.28
Por

Didi quer ser menina e eu o vou ajudar, adoro meu viadinho.

Como já contei, conheci Didi por um amigo o Juca, viciado em bundinha de menino.
Meti em Didi a primeira vez em meu carro, o achei diferente dos outros, mais meigo com jeitinhos de menina, aguentou no cuzinho gemendo baixinho, com o pauzinho duro de tesão e foi isso que me levou a o querer para dar mais uma boa foda naquele cuzinho delicioso.
Juca me disse que, era quase meu vizinho e parava sempre num jardim bem pertinho de minha casa, não demorou a encontrar Didi sentado num banco a brincar com seu celular, quando me viu ficou meio surpreso, fez não me conhecer e quando falei em Juca ele ficou bem vermelhinho e assustado.
Calma lindo, eu não vou te fazer mal, só quero repetir.
Como soube que eu morava por aqui?
Voltei a falar em Juca e disse que éramos quase vizinhos.
O menino estava bem nervoso e assustado lhe prometi pagar bem e seria nosso segredo.
Nesse dia ele recusou, dizendo que ia pensar.
Não forcei a barra e sempre que regressava do trabalho passava pelo jardim, ele me olhava disfarçadamente até que passado algum tempo veio ter comigo, meio nervoso falou que alinhava.
Amanhã ?
Ele olhou para mim depois em volta como que receando que alguém ouvisse e respondeu: Tá … te espero na entrada do jardim a que horas ?
Esta hora pode ser?
Ele olhou o celular e falou: Tá…agora vou indo.
Na hora marcada lá estava me esperando, ao passar junto dele falei: Me siga, meu carro está na outra rua.
Me seguiu até meu carro quando comecei a dirigir, me perguntou: Onde vamos?
Minha casa, pode ser?
Sua casa? Repetiu ele abrindo os olhos de espanto.
Não fica longe você me parece ser um menino de confiança e estamos mais sossegados, que diz?
Nunca fui em casa, sua voz era meiga quase de menina e fazia jeitinhos de menina quando falava.
Pode confiar… somos vizinhos né ?
Notei que estava nervoso e rematei, não precisa estar nervoso, ninguém vai reparar em você, subimos no ascensor é rapidinho.
Se você diz.
É.
Tudo correu bem, o tempo não era muito e o levei para meu quarto de visitas, sentei na cama e pedi que tirasse a roupa.
Amei seu jeito delicado de se despir, arrumando a roupinha sobre uma cadeira, se virou para mim com as mãos a tapar o pinto.
Mostra seu pinto.
Ele tirou as mãos, tem um pinto bem pequeno.
Tem um pintinho, falei eu sorrindo.
É, e olhando seu pauzinho, falou : gostava mais ter uma xerequinha.
Verdade?
Sim falou ele.
Me despi com ele olhando, deitei-me na cama e chamei-o.
Vem.. deita aqui.
Se deitou e puxei-o para cima de mim, começando a acariciar seu corpinho.
Delicioso seu corpinho de menina, segredei em seu ouvido enquanto minhas mãos percorriam suas costas até segurar a bundinha durinha e redonda.
Sua bundinha faz inveja a muita menina.
Brigado viu, respondeu ele com aquela vozinha melada que fez endurecer meu pau até doer.
Começou a beijar meu pescoço, chupou meus mamilos e foi descendo até tocar a cabeça da vara começou me fazendo uma mamada deliciosa, apertava os lábios em volta da vara e fazia a boca subir e descer ao mesmo tempo que sugava, era uma loucura como ele chupava e eu estava estoirando de tesão, não aguentei mais e esporrei na boquinha dele.
Deixou ficar a boca até encher de porra depois tirou lhe dei um lenço, cuspiu e limpou a boca, voltou a se deitar a meu lado soltando um suspirinho.
Delicia, você ama mamar uma vara sua safadinha, falei eu.
Ele olhou para mim e sorriu falando : Verdade, gosto mesmo de chupar.
Continuei falando para o deixar mais relaxado e disse :Tem jeitinho de menina mesmo.
Ele suspirou e falou em tom bem meloso : Eu quero ser menina, não me sinto menino sabe.
Eu sorri, caramba tinha razão ele era bem diferente.
Te posso ajudar se quiser, falei eu.
Como assim ?
Posso ajudar você em seu desejo, quem sabe um dia você se torna mesmo menina.
O puxei para mim, se enroscou em meu corpo, acariciei suas costas até minha mão descer e tocar sua bundinha meti bem no meio e cucutei o cuzinho, ele soltou um gemidinho e senti ele estremecer.
Tem tesão nesse cuzinho como eu nunca vi, falei eu rodando meu dedo na entradinha.
Depois de esporrar precisava de um tempinho para recuperar e continuei falando com ele.
Me disse que vivia com sua mãe, desde menininho que gostava de roupa de menina, sua mãe não gostava muito deste seu jeito mas se estava habituando, na escola quase não tinha amigos, era bom estudante e fazia isto por gostar e ganhar algum dinheiro.
Continuei o acariciando, ele se encostava todo a mim e sem que eu esperasse me beijou nos lábios.
Porque fez isso ?
Tou gostando de estar consigo, respondeu ele.
Meu pau já estava bem duro, cucutei seu cuzinho e com voz baixa falei: Quero sua bundinha.
É sua, respondeu.
Me custou levantar, mas tive de pegar o cremezinho para lubrificar aquele rabinho, assim que me viu com o creme, se virou e colocou de quatro, pegou um travesseiro e colocou embaixo da sua barriguinha empinando o bumbum para mim.
Lambuzei meu dedo e comecei a passar ao redor da portinha do seu cuzinho.
Tá gostoso? perguntei.
Sim ele respondeu gemendo mais alto, e empinando mais a bundinha e segurando as bandas expondo bem o cuzinho.
Me posicionei e devagarzinho fui colocando a pontinha dentro dele. Ele gemia, era um gemido de prazer foi abrindo as pernas e eu pude sentir que ele foi relaxando, deixando minha vara entrar em seu rabo.
Fui metendo e tirando, em um ritmo lento e contínuo, ele gemia cada vez mais alto.
Rebola pra mim, putinha deliciosa pedi enquanto socava em seu rabinho, ele imediatamente empurrava o seu corpo para trás, e rebolava gemendo de prazer.
Então fui diminuindo a velocidade e parei. Meti as mãos em sua cintura e fui descendo até segurar seu pinto que estava durinho e apertei, gritou e pressionou o seu corpo contra o meu, fazendo que minha a pica fosse escorregando mais e mais para o fundo daquele cuzinho gostoso.
Comecei a socar mais forte, e apertava de quando seu pinto fazendo-o gritar e estremecer.
Vou gozar, acelerei mais os movimentos e esporrei sentindo as contrações do rabinho dele ao receber golfadas de porra quente.
Tirei o pau e ele deixou-se cair, gemendo baixinho.
Acariciei seu corpo, como que agradecendo o prazer que me tinha dado meter naquele rabinho guloso.
Pouco depois o encaminhei para o banheiro, fui eu que lavei seu rabinho e seu pintinho que começou a subir com o contato de minha mão, não resisti e o beijei.
Seu pintinho parece um grelinho de menina.
Ele riu com a comparação.
Lhe dei uma boa prendinha e perguntei se gostara.
Amei…
Vamos estar mais vezes ?
Simmmm, respondeu eu com os olhos brilhantes de contente.

⏩ O melhor site de desenhos animados pornô do 🇧🇷, HQs eróticas🔥

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,28 de 18 votos)

Por # #
Comente e avalie para incentivar o autor

3 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder Geek Perv BSB ID:5ri8pch209

    Tesão. SOu de BSB, meu tele: guikrueguer

  • Responder Nelson ID:3c793cycoib

    Não tenho desejo por criança mas para quem tem só acho que deveria cuidar com muito carinho e sem dor nesse caso percebe-se claramente que ele já nasceu menina num corpo de menino e deve ser respeitado e não maltratado.

  • Responder Tesudo ID:5v8qyx141

    viadinho novinho é delícia, cuzinho apertado que precisa de muita vara.