# #

Creme do titiu direto na boquinha

2131 palavras | 10 |4.24
Por

Continuo alimentando minha sobrinha com minha porra na comida dela sem ela saber. Mas dessa vez também quis gozar direto na boquinha dela.

Em outro fim de semana minha irmã novamente quer me usar como babá, ela diz que vai viajar pra visitar a mãe dela, o que é mentira já que a mãe dela iria querer ver a neta. Mas eu já não discuto rsrs

Então ela vai se despedir da Carol, que está assistindo desenho na sala e comendo cereal. Se ela prestasse mais atenção na filha ela veria uma mancha enorme boiando no leite da tigela que não se mistura. Quando eu preparei o café da manhã da minha sobrinha linda eu coloquei o cereal, o leite e, obviamente, gozei 4 jatos grossos de porra que não fiz questão de misturar. Ficou minha irmã dizendo para sua filha se comportar, e a Carol comendo porra fresquinha olhando nos olhos da sua mamãe. Que cena deliciosa, tinha momentos que era nítido que a colher pegava mais porra do que leite. Minha irmã da um beijo na testa da Carol, e me pede desculpa pela décima vez nesse dia. E eu me esforçando para segurar o sorriso rsrs.

Sorte que ela não comentou do gosto com a mãe, a Carol já está acostumada com o sabor, eu faço ela comer meu sêmen mais de uma vez por dia, todo dia. Eu faço ela comer minha porra cada vez mais fresca recém ordenhado.
Uma vez dei a ela um sorvete de creme já todo gozado, então sentei no sofá próximo e me cobri por completo com um lençol e fiquei me masturbando vendo ela comendo aquele sorvente com cobertura de leite de macho. Cada colherada me dava mais tesão. Ao ponto de pegar a vasilha com o sorvete da mão dela, por em baixo do lençol e começar uma punheta frenética que uma pessoa mais velha veria que obviamente estou me masturbando, mas a Carol só achava engraçado sem entender que eu estava olhando nos olhos dela enquanto jorrava minha porra no sorvetinho dela pra ela comer. Eu segurava os gemidos mas na hora da gozada não dava para esconder a cara de prazer, apertava a cabeça até cair a última gota e entregava pra ela que comia como se nada tivesse acontecido. Fiz isso mais uma vez antes dela acabar de comer o sorvete. No final o pote ficou com mais cheiro de porra do que de sorvete.

Outra vez ela estava comendo um bolo de chocolate na cozinha, então eu pensei e rapidamente peguei uma venda para dormir. Beijei o rosto dela e coloquei a venda.

– Que isso?

– É uma brincadeira, não pode tirar de jeito nenhum, entendeu?

– Sim.

Eu só usava uma bermuda larga e quando tirei eu estava lá, completamente nu e de pau duro bem na frente da minha sobrinha. Começo a balançar meu pau bem na frente do seu rosto.

– Que cheiro é esse?

– Acho que sou eu amor, eu não tomei banho ainda. Eu estou fedendo?

– Não.

– Gosta do cheiro do titiu?
Dizia isso com uma mão na cabeça dela fazendo ela chegar perto do saco para sentir o cheiro do pau que tanto alimenta ela.

– Sim.

Que delícia é saber que minha sobrinha já gosta do cheiro de pica. Ouvir isso me fez bater uma punheta bem rápida na frente do rosto da minha princesa. Ela começa a lamber os lábios, óbvio que é por causa do chocolate, mas mesmo assim parece estar me provocando, querendo que eu encha essa boquinha de leite, e aí eu tive a ideia que ia fazer essa princesa ganhar jatada de leite de macho direto na boca.
Pensar nisso logo me fez querer gozar. Então eu me preparo para gozar no bolinho pra ela comer.

– Aahh que delícia. Deixei escapar na hora do tesão.

– O que?

– Nada amor.

Eu aponto meu pau pro bolo e meu corpo todo treme. Eu gozo bastante e cubro o pedaço de bolo com uma camada generosa de porra fresca. Eu visto minha bermuda com a rola meia dura ainda e tiro a venda da Carol. Ela olha o bolo e se espanta, mas não tinha o que fazer, todas as vezes eu tentava disfarçar minha porra na comida dela, ela só reconhecia pelo sabor. Mas agora não tinha como esconder aquele creme brando cobrindo todo o topo do bolo.

– Que isso?

– É o creme do titiu amor, come vai.

Ela não hesita muito e já pega a colher e começa a comer aquele bolo todo gozado. Tinha momento que caia gozo pelo canto da boca, então ela limpava com a ponta do dedo e depois lambia. Eu ficava sentado lá vendo ela comer o bolo e ficava apertando meu pau por debaixo da mesa. Quando ela acabou ela começou a lamber o prato, que estava mais sujo com minha porra do que com chocolate.
Decidi então dar uma surpresa pra ela, levantei com meu pau completamente duro e apontado pra ela. Ela de frente pra mim, eu me aproximei, e a cabeça do meu pau coberta pela bermuda que estava encharcada de pregozo ficou a um centímetro dos seus lábios, eu queria que ela sentisse o cheiro do macho que alimentava ela durante mais de um mês, queria ver se pelo cheiro ela ia perceber que o creme que ela acabou de comer saiu do meu pau que estava pingando bem na frente dela.
Ela ficou olhando pra mim e pro meu pau alternadamente. A gente ficou em silencio com o meu pau ali apontado pro seu rostinho. Ela respirava fundo, talvez pelo susto, mas pelo menos o cheiro da minha rola já devia está empreguinado dentro do narizinho dela.

– Você pode ir, eu vou lavar a louça.

Ela olhou pra mim por uns 5 segundos então ela tentou sair. Mas o canto da sua boca sem querer bateu em cheio com a cabeça do meu pau. Por um momento um fio de gozo foi do meu pau para sua boca. Ela para e vira pra mim de novo e fica me olhando.

– Vai lá ver tv.

– Tá bom. Um “Tá bom” bem normal, do nada era como se não tivesse acontecido tudo.

Mas a ideia de gozar na boquinha dela me deixa com muito tesão, então no sábado que a mãe dela vai viajar fingindo que vai pra casa da avó da Carol, eu preparo tudo. De noite eu chamo a Carol e digo a ela que vamos jogar um jogo de adivinhar o gosto que se ela ganhar eu peço qualquer lanche que ela quiser.

– PIZZA?

– Qualquer um.

– Vamos!

Então eu tiro do bolso da minha bermuda a venda de antes, a postura dela muda um pouco, ela não parece com medo mas fica bem tímida.
Eu coloco a venda nela.

– Não pode tirar de forma alguma, entendeu?

– Sim!

Logo em seguida eu tiro a bermuda e fico completamente nu ali. E sem cerimônias pego na sua nuca com uma mão e coloco meu pau duro em seu rosto, com o meu saco meio peludo encostando no seu queixo. Ela da uma risada sem entender, mas ver um rostinho angelical com um pauzão preto se esfregando é muito lindo. Então um a um eu coloco os doces em sua boca e ela vai adivinhando, enquanto isso eu fico me masturbando perto do seu rosto, eu vou ficando mais excitado e melo a cabeça do meu pau de cobertura de chocolate.

– Esse tem que lamber.

Ela vai lambendo a cabeça do meu pau devagar.

– Tenta lamber o máximo. O que é?

– Chocolate. Ela fala de uma forma bem tímida.

– Certo, agora o próximo tem que ficar com a boca bem aberta e a língua de fora. Abre!

Que visão linda, aquele rostinho de anjo pronto pra levar gozada na boca. Eu não aguento e bato com a cabeça da rola na língua dela. Eu pego no cabelo dela, tento não machucar mas estou com muito tesão, que bom que ela não é do tipo escandalosa. Começo a me masturbar apontado para sua boquinha.

– Ahhh que delícia, vai beber tudo que o titiu vai por na sua boquinha? Ein? Vou encher bem gostoso essa boca linda. Aaahhh tô gozando, vou encher essa boquinha de porra aaahhh.

Nessa hora eu não estava me segurando, falava tudo e já gemia alto.

– Isso, isso, toma na boquinha aaaahhhh.

Então eu dou a gozada mais deliciosa da minha vida naquela boquinha, a porra simplesmente não parava de jorrar do meu pau. Mirei o máximo na boquinha mas ainda melou o narizinho e as bochechas. A porra era branquinha e encheu bem a boquinha dela.

– Pode engolir bebê. Então, é o que? Eu falava bem ofegante.

– É o creme do titiu. Ela falava mas quase não saia a voz.

– Estava gostoso?

– Tava sim.

Kkkkk provavelmente é mentira, mas ela só quer agradar, é uma boa menina.

Eu esfregava a cabeça da rola no rostinho melado dela pra limpar e mandar ela lamber, mas as lambidas eram tão gostosas que não deu outra, eu já estava pronto de novo.
Coloquei ela sentada no chão com a nuca no sofá, me posicionei na frente dela com os dois joelhos no sofá e a cabeça dela entre minhas pernas. Apontei minha rola pra boca dela e comecei de novo a punhetar.

– Posso encher a sua boquinha de creme? Posso?

-…

– Ein amor?

– Pode.

Nessas horas ela é tão obediente.

– Então abre a boquinha pro titiu gozar dentro.

Tadinha, ela nem sabe o que é gozar. Mas ela abriu um pouco e pós só a pontinha da língua pra fora. Mas essa visão já foi o suficiente pra me dar uma arrepio e começar a gozar. Eu coloquei na ponta da minha rola da boca dela pra dessa vez não desperdiçar. Deixei minha porra entrar e para cada jato de leite ela engolia, parecia que ela estava mesmo mamando para se alimentar.
Então eu coloquei as duas mãos na cabeça dela pra ela ter certeza que o que está nos seus lábios injetando leite quente direto na sua boca não é um recipiente. Desafiar a cabecinha dela a entender que talvez aquele negócio duro no meio das pernas do titiu que ela ficou cara a cara da outra vez seja o que está dando de mamar pra ela agora, lembrar do cheiro da última vez.

Eu visto a minha bermuda e tiro a venda dela. Eu estava pronto pra provocar ela ainda.

– Eu ganhei, né? Vai comprar pizza, né? Eu quero de chocolate e daquela de um monte de queijo.

-4 queijos?

– Isso, vai comprar, né?

Aquilo me pegou de surpresa kkkk ela tinha sugado todas as minhas energias, mas quando eu tirei a máscara dela, parecia que ela não estava ofegante um minuto atrás.
Eu sentei no sofá e ela sentou meio deitada em mim esperando eu fazer o pedido. Eu estava exausto.

– Qual desses é o creme do titiu? Perguntou apontando pros doces.

– Ele tá guardado.

Ela parecia sem jeito do nada.

As pizza chegaram e pela primeira vez em mais de mês eu não gozei em algo que dei pra ela comer. A gente só comeu, que eu não tinha energia pra nada.
Mas isso só até a manhã seguinte que quando ela desceu pra cozinha ela me viu de costas fazendo movimentos com o braço. Tinha acabado de gozar em uma fatia de pizza de chocolate que sobrou. Quando ela se aproximou, eu de uma forma nada discreta guardei meu pau na bermuda. Então eu ofereci a pizza toda gozada com o pau quase duro apontado pra ela. Ela sentou na mesa e comeu comigo ali com o pau na cara dela. Quando ela chegou na metade eu simplesmente tampei os olhos dela com uma mão mandei ela segurar a pizza e gozei de novo com a pizza na mão dela. Quando ela abriu os olhos eu pedi pra ela morder exatamente no lugar que eu tinha acabado de gozar.
O único comentário dela foi:
– Minha boca ainda estava pinicando quando eu acordei.

⏩ O melhor site de desenhos animados pornô do 🇧🇷, HQs eróticas🔥

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,24 de 41 votos)

Por # #
Comente e avalie para incentivar o autor

10 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder Fernanda ID:1dai0968rc

    Preciso de um titiu assim!

    • Ricardo titiu ID:3vi1x15620j

      Posso te alimentar Fernanda!
      Telegrama Flávio junior

  • Responder Pedagogo ID:bemlevnxib

    Me sentia no paraíso quando minha irmã pedia pra cuidar das duas filhas dela, já sabia que quando ela me pedia ajuda geralmente era pra passar praticamente o dia todo, já que provavelmente ela estava sem dinheiro pra pagar uma babá. Mal sabe ela que eu era recompensado da melhor, todo suco, Danone e mingau que elas tomavam tinha o que creme do titio aqui.

  • Responder Zik ID:gsudra8r9

    Estou s espera do próximo conto muito bom

  • Responder Zik ID:gsudra8r9

    Faz mais contos desse

  • Responder lugaidvandroy ID:2x0gwlybqri

    tá indo bem

  • Responder MayRS ID:gsus5nxia

    Preciso de um padrasto assim pra alimentar a minha…

    • NegaoTarado ID:1wlykv9z

      Posso ser to em busca de uma familia para cuidar bem

  • Responder Was ID:gsv4r1oi9

    Não para de contar

  • Responder Jr ID:1wlykv9z

    Que bela educacao ela ta recebendo tem que ser assim mesmo delicia de conto