# # # #

Como fui traído e fui de hétero a gay com apenas 15 anos

2560 palavras | 11 |4.63
Por

Estava passeando com meus amigos em uma praia, até que dois estranhos surgiram e o pior aconteceu!

Primeiro me apresentando: Atualmente tenho 17 anos, mas na época tinha 15, 1.69, branquelo, cabelos pretos e olhos castanhos claro, um cabelo enroladinho e um corpo maravilhoso.

Eu estudava no 1° do Ensino Médio, e sempre vivia com meus dois amigos (André e João), nós éramos melhores amigos, sempre vivíamos juntos e saíamos para vários lugares todas as semanas. André era alto, tinha 1.87, 16 anos, branco, frequentava a academia, tinha cabelos pretos e enrolados assim como eu, e era bem esquentadinho. Já João era mais de boa, tinha 1.72, 15 anos, era negro e tinha um corpo sarado mesmo não indo à academia, apenas ajudando seu pai como ajudante de pedreiro.
Apesar de sermos héteros, já batemos punheta juntos, lembro que no dia, estávamos conversando sobre sexo, até que decidimos bater punheta, mas ficou por isso mesmo, nada demais. André tinha +/- 16cm de pau (não era tão grosso, mas também não era fino), João tinha 18 e era bem grosso, e eu, 14 (tamanho normal para minha idade da época).

Certo dia, nas nossas saídas de sempre, decidimos ir a uma praia, que tinha perto do local onde o pai de André trabalhava. Eu fiquei com receio, já que aquele lugar tinha a fama de ser um local onde os barra pesadas (normalmente traficantes e sequestradores) descansavam, mas acabei cedendo e assim combinamos de ir.
Fomos para a praia 3 da tarde, tínhamos combinado com nossos pais de que iríamos ficar até a noite e ir embora antes das 23:00. Até aí tudo bem, nos divertimos muito, zuamos e até compramos algumas coisas para comer e beber. Quando começou a escurecer, eu avisei a eles que os barra pesadas começariam a andar por aí, e que era pra tomar cuidado, eles riram de mim e falaram brincando que qualquer coisa era só nós três pegarmos eles na porrada. Eu ri de volta, e logo voltei a ficar tranquilo.
Estávamos indo em direção a um parquinho que ficava na beira da praia, para nós conversamos tranquilamente lá, até que ouço uma voz bem grave atrás nosso dizendo:
– Fica parado ou vai ser pior para vocês três.
Na hora comecei a suar frio. Meus amigos tentaram reagir mas na hora que viramos tinha uma arma apontada para a cabeça de João. Eram dois homens, um negro e mais alto que André, outro tinha minha altura mas musculoso, com uma barba assustadora.
Eles perguntaram de onde nós viemos e se estávamos sozinhos lá. André respondeu que morávamos a 20 minutos do local e que viemos com autorização dos nossos pais.
Eles pediram para entregarmos o que tínhamos: meu celular, a mochila do João, minha carteira e a câmera que o André usava para tirar as fotos dele.
Nós entregamos, e com a arma apontada na cabeça de João, eles pediram para acompanhar-los até um beco que tinha próximo ao parquinho, e assim fomos. No caminho, André tentou fazer algo contra o musculoso, mas o Negão que estava com a arma apontada na cabeça do João disse rapidamente que se tentássemos fazer algo, ele atirava.
O lugar estava vazio porque naquele horário, ninguém frequentava por medo. Nossas esperanças já tinham se esgotado, só restava esperar pelo que eles iriam fazer conosco.

Chegando no beco, tinha uma porta que levava a uma casa suja, que estava quase toda quebrada e parecia abandonada. Nos forçaram a entrar, e lá tinha mais dois homens: um que parecia ter uns 18 anos e outro que era alto e magrelo (ele tinha uma tatuagem bem no rosto, e era cego em um dos olhos).
Quando vi aqueles homens, me assustei mais ainda, eu estava com muito medo, assim como meus amigos estavam.
Depois que entramos na casa, o Negão disse com uma expressão muito assustadora:
– Essas são nossas 3 presas de hoje, vamos arrombar cada um deles.
Assim que eles terminaram a frase, André gritou muito estressado:
– Tá louco tio? Não sou Gay não, sai com esse papo pra lá irmão. Logo João acrescentou:
– É parça, tá tirando? Nos roubaram, nos forçaram a entrar nessa casa caindo aos pedaços e agora querem nos comer? Sai dessa maluco.
O musculoso começou a nos xingar e a dizer que éramos as putinhas deles, que passamos lá mesmo sabendo que era o local deles e agora íamos servir eles até ficarem satisfeitos.
O negão logo jogou João no chão e disse pra tirar a roupa, os outros dois que estavam na casa vieram e forçaram eu e André a fazer o mesmo.
André tirou a roupa primeiro, e depois foi minha vez. Mas assim que tirei minha roupa, os estranhos olharam pra mim e pude perceber um volume na calça do negão.
Meu corpo era bonito, parecia de uma mocinha, minha bundinha era grande e empinada, e para meu azar, tinha me depilado um dia antes (me depilava por higiene, e não porque queria algo).
O musculoso olhou para o negão, entendendo o que queria dizer, o Negão logo parou de apontar a arma para o João e apontou para mim, dizendo:
– Parece que hoje é o dia de sorte de vocês, não nos interessamos pelo corpo de vocês, mas o amiguinho de vocês tem uma bela bundinha. Vamos fazer uma proposta. Não iremos fazer nada com vocês dois, mas para isso, vocês terão que comer o amiguinho de vocês, e eu vou gravar tudo.
Eu olhei assustado para o negão, e disse:
– Não adianta, eles não são gays, não iriam fazer isso comigo.
Quando terminei de falar, André disse:
– Nós dois admiramos seu corpo por muito tempo, sou hétero mas não sou idiota de perder um cuzinho igual esse seu.
Quando ouvi isso, comecei a chorar, meus melhores amigos queriam me comer e agora vou ser jantado para o bem deles! Eu não acreditava, estava muito chocado, até que o musculoso disse para eles andarem logo porque queria me comer também.
O magrelo que estava na casa e o cara de 18 se levantaram e vieram me segurar. Eu me debati, estava assustado, chorando, meus amigos que eu conhecia desde os 5 anos de idade estavam prestes a me comer.

Todos já estavam pelados e de pau duro, eu, chorando, o negão com a câmera do André na mão filmando, e o musculoso dizendo para o João ser o primeiro, já que tinha o pau maior que o do André.
O magrelo me levantou, eu cansado de me debater e tentar fugir, só aceitei. Não tinha o que eu fazer, me sentia traído e com um sentimento de tristeza no peito, além de todo o medo e pavor.

João veio com aquele pau duro na minha direção. O negão, filmando, ordenou para que começasse enfiando tudo direto no meu cu. E assim ele fez. Eu estava prendendo o cu, inocente de que adiantaria alguma coisa, João forçou seu pau e eu senti só uma rasgada dentro de mim. De longe foi a maior dor que já senti. Eu queria morrer. Ele começou o vai e vem e disse para o André que estava sangrando, e que eu era muito bom.
Ele permaneceu indo e voltando por uns 5 minutos. Eu tinha perdido a noção do tempo, os 5 minutos pareceu um século. Até que ele gozou em mim, dando um grito de prazer.
Eu já estava sem força, todo dolorido, minha cabeça parecia que ia explodir, eu não tinha sentido nem um pingo de tesão, só dor.
Quando pensei que tinha acabado, André veio, João logo tirou o pau do meu cu e começou a enfiar na minha boca, a mandado do negão. Os dois que estavam me segurando me soltaram, percebendo que já não conseguia me mover. Então começaram a punhetar em cima do meu corpo deitado, enquanto João e André me fodiam.
O pau de André não era tão destruidor como o de João, doía, mas não tanto como o de João (acho que talvez seja por eu já estar arrombado)
Cheguei a desmaiar de dor e de chorar, mas acordava logo depois. Era uma sensação muito ruim, eu não aguentava mais, parecia que tudo estava desabando e eu iria morrer, até que todos gozaram e me largaram.

Já sem lágrimas pra chorar, quase enlouquecendo, ouço o Negão falar bem baixinho:
– Gostaram? seu amiguinho é uma delícia né?
João e André responderam
– É mesmo, aquele viadinho é o único que nunca transou entre nós, mesmo ele falando ser hétero, para nós nunca passou de uma puta que queria pau.

Fiquei ainda mais destruído. Aquelas palavras eram como facadas em meu peito.

O negão parou de filmar, todos se afastaram de mim e ficaram conversando atrás de onde eu estava. Eu ouvia a conversa, eles falavam que adoraram nós três, e que podia deixar a câmera com o André, mas só se passasse o vídeo para eles. Claro que o André concordou.

Depois de um tempo, todos eles voltaram, assim que chegaram o Magrelo já disse:
– Agora é nossa vez, vamos aproveitar, um novinho desses só aparece uma vez na vida.
Olhei para o lado, André e João estavam fumando, eles nunca usaram nada ilícito, mas estavam usando aquela vez.
O negão me disse que os meus amigos estavam descansando, e que agora era vez deles aproveitarem meu corpo.
Depois de +/- 2 minutos, vendaram meus olhos, e o negão disse:
– Um branquelo como você deve virar puta e escravo, assim como fizeram com nós antigamente.
Também disse que não gostava do meu olho, por isso tampou meus olhos.
Sem dizer nada, só sinto imediatamente uma dor imensa dentro de mim. O negão (o mais dotado entre eles, parecia que tinha um pau o tamanho de um braço) enfiou a piroca dele no meu cu com tudo, perdi até o ar. Já sabia o que estava por vir.
Depois de muito tempo de vai e vem, o negão gozou. Minha dor que diminuiu com o tempo começou a virar tesão. Meu pau ficou duro, o cara de 18 anos disse que eu estava gostando, o negão logo depois disse:
– Eu sabia! Com um corpo desses igual menininha, era certeza de que eu era puta. Disse também que nasci para servir machos, e que era para agradecer-lo por me fazer despertar esse meu desejo.
Senti uma mão me punhetando, não sei de quem era, mas estava muito bom. O musculoso estava me fudendo, o negão com o pau melado de esperma estava enfiando dentro da minha garganta. Eu estava gostando muito, e comecei a achar que eu realmente era puta.

Eu estava sendo sufocado com a piroca do negão na minha garganta, fudido por um pau mediano, vendado, indefeso e dominado, com uma mão misteriosa me punhetando. Aquilo estava muito bom. Eu fui o primeiro a gozar, depois o musculoso e em seguida o Negão. Meu tesão estava a mil. Eu não sentia dor nenhuma, só prazer.

Depois foram as vezes do cara de 18 e do Magrelo, todos gozaram no meu cu. Minha virgindade já tinha se perdido. Eu gozei mais uma vez com o pau do magrelo dentro de mim, gemi muito, aquilo tudo tinha sido maravilhoso.
Depois de descasandos, João e André me saborearam.
Eu já não via mais os dois como melhores amigos, e sim como namorados. Mesmo traído, eu comecei a gostar de verdade deles.

Até que então, me liberaram de uma vez. Todos estavam maravilhados com meu corpo. Tiraram minhas vendas e assim o negão disse para os dois:
– Assim como prometemos, não fizemos nada a vocês em troca do vídeo, mas suas coisas (tirando a câmera) ainda irão ficar com nós, já que nada é de graça. Vocês até fumaram minha maconha.
Meus amigos concordaram e pediram obrigado, pegaram nossas roupas e fomos embora.
Eu sem forças para andar, fui carregado pelos dois pra fora daquela casa. Era umas 22:00, tínhamos que voltar para casa. Nós fomos até um ponto de ônibus, estava um silêncio, acho que eles tinham noção do que fizeram comigo.
Até que João quebrou o silêncio dizendo:
– Desculpa cara, era você ou nós três. Falamos aquelas coisas para os caras não voltarem atrás, não foi de verdade.
Eu sorri, ainda gostava deles, mas de outra forma.
Eles olharam com uma cara estranha, então eu disse
– Tá tudo bem, eu gostei, no começo parecia que ia morrer, mas agora já estou melhor.
Então eles sorriram e o André falou dando risada
– kkkk, o João disse que falou brincando, mas eu não estava brincando não.
E eu dei risada.

O Ônibus chegou, o motorista perguntou se estava tudo bem e eles responderam que eu tinha bebido muito, por sorte, João tinha 10 conto no bolso, pagou nossa passagem até chegarmos na casa do João (que era a mais próxima)
João disse para nós descermos, já que ele tinha dito para nossos pais que iríamos dormir na casa dele.
Assim descemos do ônibus. Não tinha ninguém na casa de João, então tomamos banho juntos e fomos dormir.
Assim que acordamos, meu pai tinha vido me buscar e o André pegou carona conosco, nos despedimos de João, e logo depois chegou a vez de André.
Meu pai me perguntou se eu tinha gostad do passeio e eu disse que adorei. Mal sabia ele da aventura que passamos.

Depois daquele dia, ficamos mais próximos, claro que dei mais vezes para os dois (posso contar em possíveis contos futuros), nossa amizade continua até hoje, porém João começou a namorar e André foi viajar para o exterior.

Desde aquele dia me considero gay, apesar de nunca ter me assumido. Fico pensando e me perguntando se o que eu fiz era certo, ser estuprado, gostar e ainda perdoar os dois além de começar a me considerar puta.
Já bati várias punhetas lembrando daquele dia e até pedi o vídeo para o André. Mesmo assim, fico com uma sensação de culpa em meus peitos, pensando se eu era uma pessoa ruim e desprezível ou se estava certo em ter perdoado os dois e virar gay.

Esse conto é 100% real, detalhei ao máximo o ocorrido, depois de ver vários contos tomei coragem de contar a vocês essa experiência, e pergunto: o que eu fiz foi certo?

⏩ O melhor site de desenhos animados pornô do 🇧🇷, HQs eróticas🔥

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,63 de 35 votos)

Por # # # #
Comente e avalie para incentivar o autor

11 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder HH ID:gsus5q20i

    Você nunca será branco.

    • ,,, ID:1daiadje8i

      Depois do ”m*t*d*r de v*ad*s” que vive aparecendo aqui vc é o segundo mais insuportável pqp

  • Responder DomMk ID:4adeq532d9j

    Seja uma boa puta e me chame no Telegram.

    @Mk_Safad0

  • Responder Sabrina ID:830y1xsc42

    100% real ai menti kkk mas vc devia ter voltado la no beco do marginal negão e ter pedido mais rola ja que gostou tanto e ele adorou te fuder. só não entendi oque ele não gostou nos teus olhos?

    • Anônimo15 ID:5h60l9s8

      Explicando mais detalhadamente:
      Eu moro em uma cidade não muito rica, que beira a praia. Eu sou de uma família de classe média+, e normalmente, quem eram dessa mesma classe tinha a cor de pele mais branca, olhos mais claros e uma forma de falar diferente.
      Já os barra-pesadas, eram mais escuros, tinham bastante preconceito conosco sei lá o porque, deve ter algo na história da minha cidade mas nunca fui atrás de informações sobre isso e também nunca fui de julgar ninguém.
      Espero que tenha entendido 😉
      Obs: desculpa se não pareceu 100% real, tentei detalhar o máximo possível, talvez tenha ficado ilógico… É meu primeiro conto aqui, peço perdão pelos erros.
      Abraços!

  • Responder Curioso ID:8d5vcepxic

    Eu não teria perdoado os dois nem a pau. Eles são uns filhas da puta do caralho.
    Sai dea e nunca .as queria ver na minha frente. História de que ou você ou bastidor. Só tu tomou no cu. E ainda me vingança deles depois, hora se não.
    Isso não é amigo nem aqui é nem na China!!!

    • Anônimo15 ID:5h60l9s8

      Entendo seu ponto de vista… realmente não achei certo o que fiz, mas meu espírito de não querer perder meus amigos antigos falou mais alto.
      Abraços!

  • Responder Bryan ID:yazotm9c

    Tem algum meio de contato?

    • Anônimo15 ID:5h60l9s8

      Tenho sim. Por questões de segurança, poderia me passar seu e-mail ou telegram escrito com números em extenso?
      Abraço!

  • Responder Safadao ID:yazotm9c

    Conto maravilhoso

    • Anônimo15 ID:5h60l9s8

      Obrigado!! Essa foi uma parte da minha vida que vim contar a vocês.
      Agradeço o apoio pois nesses anos me estressei muito com isso :). Se quiser conto outras vezes em que dei para André e João.
      Abraços!