# # #

A Surpresa da Irmã Caçula

3852 palavras | 28 |4.29
Por

Olá pessoal. Isso que vou contar agora aconteceu quando a Lara já estava no auge de seus 12 aninhos, linda como o quadro mais inspirado de um anjo. Nessa época eu já estava morando sozinha há alguns meses e as férias da minha mãe chegaram, então meu pai tirou uns dias pra viajar com ela, o que foi a desculpa perfeita pra jogar a Lara duas semanas na minha casa.
Não me entendam mal, meus pais adoram a Lara. Mas era muito nítido que eu e ela não ficávamos felizes longe uma da outra e toda oportunidade de reencontro era uma festa, então poder deixá-la 14 dias inteiros comigo seria um alívio tanto pra eles quanto pra ela e, é claro, pra mim.
Os primeiros dias foram deliciosos, transamos em praticamente todos os cantos da casa e qualquer chance de ficar de chamego era aproveitada, ou seja, nada de novo sob o sol, apenas Lara e Marina sendo totalmente melosas e taradas uma pela outra.
Mas então chegou o quinto dia e ao acordar eu nem imaginava que aquele ficaria marcado para sempre como um dos melhores dias de toda a minha vida.
Levantei, beijei a bochecha da minha irmã com cuidado pra não acordá-la já que ela estava de férias também e podia dormir até mais mais, e fui pro trabalho. Por volta das onze acabei meu serviço e fui pra casa já ansiosa pra ver meu amorzinho, mas fui surpreendida ao chegar.
Em um dos pilares da garagem tinha uma tira comprida de tecido macio e um bilhete colados com fita adesiva.
“Vá até a porta, coloque a venda e me espere.”
Já fiquei cheia de borboletas na barriga e com a curiosidade a mil, então tratei de fazer o que dizia no bilhete.
Logo ouvi a porta abrindo e senti minha irmã envolvendo minha cintura com os braços e me puxando pra um beijo doce e delicado, cheio de carinho.

– Oi, meu amor. Você tá tão cheirosa. – falei com um sorriso enorme, feliz por estar com ela e animada pra saber o que ela tinha planejado.

– Então já tá dando certo. Só o melhor pra minha maninha hoje. – eu podia sentir o sorriso na voz da Lara, mas também havia uma ponta de nervosismo que eu percebi por conhecê-la muito bem, isso me deixou ainda mais curiosa.

– O que você tá aprontando, hein lindinha? Já me sinto formigando de curiosidade. – perguntei enquanto sentia ela segurar minha mão e me puxar pra dentro com todo o cuidado pra não me deixar bater em nada estando de venda.

– Relaxa, maninha. Você vai gostar, eu juro. – ela tinha um tom alegre e confiante, mas acho que não sabe que eu ouvi quando ela sussurrou baixinho pra si mesma. – É o que eu espero.

Me deixei ser guiada até começar a sentir um cheiro muito bom e por fim a Lara parou, se afastou de mim e depois de alguns segundos me deu permissão pra tirar a venda dizendo “surpresaaaa”.
Meus olhos sequer sabiam onde focar, meu quarto estava lindo todo decorado. As cortinas haviam sido fechadas pra deixar a iluminação por conta de várias velas vermelhas espalhadas em cantos estratégicos pra o clima ficar romântico e ao mesmo tempo sensual, descobri que o cheiro era pelo chão e a cama estarem cheios de pétalas de rosas vermelhas e brancas que exalavam um perfume maravilhoso e flutuando até o teto havia dezenas de balões em formato de coração amarrados a fitas onduladas muito fofas.
Do lado do quarto oposto a cama estava uma mesa posta com minha comida favorita e a um metro da porta, onde eu estava parada de boca aberta, a Lara estava de pé segurando um buquê delicado de rosas cor de rosa clarinho (minhas favoritas) e um ursinho de pelúcia segurando um coraçãozinho escrito “Eu te amo”.
E foi essa visão que mais me deslumbrou aquele dia. Ela usava um hobby preto de tecido semi-transparente que deixava ver o conjunto de calcinha e sutiã pretos com detalhes em rendinha vermelha que estava por baixo, o cabelo arrumado em cachos volumosos e uma maquiagem bem leve, mas ainda assim perceptível. Meu coração parou por um segundo e então disparou, essa foi a imagem mais linda e sensual que eu já havia visto até ali e continuou sendo durante muito tempo.

– Uau. Lara, isso… Uau. – murmurei, literalmente não conseguindo achar mais palavras dentro da minha mente.

– Eu disse: só o melhor pra minha maninha hoje. – ela respondeu se aproximando e me oferecendo o buquê de rosas. – Sabe por quê?

– Por quê? – perguntei pegando as flores com as mãos trêmulas de emoção.

– Porque hoje quero expressar exatamente o que eu sinto por você. E o que eu sinto é o melhor e mais lindo sentimento que existe. – ela disse pegando minha mão com a mão livre e me olhando no fundo dos olhos. – Eu te amo, Marina. Te amo com cada pedacinho de mim.

– Eu também te amo, Lara. – disse baixinho, pois se aumentasse o tom minha voz falharia com o choro que começava a se formar.

– Sabe… Uns anos atrás você disse que não podia me namorar porque eu era muito nova pra entender a diferença de amor de irmã e amor de namorada. E eu não entendia mesmo, mas falei que ia esperar porque já naquela época eu já tinha certeza que o que mais queria era ser sua namorada. E, tipo, quanto mais o tempo foi passando e eu fui tomando noção das coisas, mais a minha certeza aumentava. Essa é a minha única certeza na vida: eu te queria ontem, te quero hoje e vou te querer amanhã e todos os amanhãs que vierem depois desse. Então, Marina (nome completo), me faz hoje a garota mais feliz do mundo? Namora comigo?

O meu sorriso radiante e totalmente apaixonado já havia respondido, mas mesmo assim fiz questão de dizer com todas as letras. – Claro que sim, meu amor! É tudo que eu mais quero. Eu te amo tanto que mal cabe em mim.

Nesse momento nós duas choramos e nos abraçamos meio atrapalhadas com as flores e o ursinho, mas sorrindo e rindo como duas bobas apaixonadas. A impressão que dava era que poderíamos explodir de felicidade a qualquer segundo. Então nos beijamos com gosto de lágrimas de alegria.
Ao fim do beijo dei um passo pra trás e olhei com mais atenção pro quanto a Lara estava linda.

– Dá uma voltinha pra eu ver esse espetáculo direitinho. – pedi, fazendo-a girar sob meu braço bem devagar.

– Ah, você gostou da vista? – ela perguntou com um sorriso provocante e confiança na voz.

– Gostei demais. – respondi mordendo o lábio dela e puxando suavemente antes de tomar aquela boca pra mim em mais um beijo.

E nem tinha como não gostar, a Lara sempre foi perfeita, mas naquela época estava ficando ainda mais pelo corpo estar se desenvolvendo. As coxas estavam mais grossas, a bunda estava maior e mais empinada (e naquele momento com uma calcinha muito sexy toda enfiada), sua cintura estava mais marcada como violão, mas a barriga continuava saliente com dobrinhas lindas, e os peitinhos mesmo que ainda fossem pequenos estavam crescendo e cada vez mais lindo e deliciosos, principalmente naquele sutiã.
Não resisti e em meio ao nosso beijo comecei a desatar com a mão livre o nó do tecido que prendia o hobby dela.

– Maninha. – ela tentava falar com as nossas bocas ainda unidas. – Maninha. A gente… Tem que… A comida… Vai esfriar…

– Oh, minha lindinha… – me afastei só o bastante pra olhá-la nos olhos. – O almoço parece apetitoso, mas nem de longe tanto quanto você. Será que hoje não pode ser a sobremesa primeiro e o almoço depois?

Ela inclinou a cabeça pra trás e riu, depois me encarou com um sorriso malicioso. – Você não presta, Marina. Mas na moral, eu tava torcendo pra você dizer isso.

Sorri de volta e tirei o tecido que prendia o hobby, deixando-o cair no chão. Então coloquei as flores e o ursinho na minha cômoda e segurei a Lara pela cintura, voltando a beijá-la enquanto seguíamos para a cama.
Ela me empurrou, fazendo com que eu caísse deitada no lençol cheio de pétalas de rosa, e sem perder tempo sentou no meu quadril e se inclinou pra unir nossas bocas outra vez enquanto desabotoava minha camisa social até o umbigo, mas não a deixei no controle por muito tempo, girei meu corpo, fazendo-a ficar por baixo e desci os beijos pro pescoço dela ao mesmo tempo em que agarrava aquelas coxas macias com vontade. Cada pedacinho daquele corpo me fazia queimar de tesão.
Afastei levemente nossos corpos apenas o bastante pra deslizar a mão pela barriga sexy dela, descendo até invadir a calcinha. A atração entre nós é tão mútua que ela já estava molhadinha só com nossos amassos, foi fácil deslizar dois dedos pra dentro dela enquanto massageava o clitóris suavemente com o polegar.
Ela começou a gemer deliciosamente. A voz dela estava mesclando entre sair da infância e entrar na adolescência, então vez ou outra acabava falhando um pouco. Não sei bem explicar o porque, mas de algum jeito eu achava isso muito sensual e cada gemidinho, cada pedido por mais me deixava mais e mais excitada.
Fui descendo mais os beijos e puxei o sutiã pra baixo com a mão livre, logo minha boca foi de encontro ao biquinhos duros dos peitos da minha irmãzinha e os gemidos dela ficaram mais altos ao mesmo tempo em que ela apertava meu cabelo e afundava as unhas no meu braço. A sensação foi nova e diferente, eu e a Lara sempre tomamos muito cuidado com unhas, dentes e chupões pela questão das marcas que eram um perigo pro nosso segredo, e ali ela estava de fato cravando as unhas em mim. Mesmo tendo sido muito gostoso sentir isso, pois parecia que o tesão da minha irmãzinha estava no ápice, eu me sentia na obrigação de dizer pra ela tomar cuidado.

– Larinha… Meu amor… – tentei falar, mas ela me interrompeu.

– Maninha, não para. – gemeu me apertando ainda mais contra si.

Não resisti e continuei ignorando meu medo de marcas. Chupava os peitinhos dela com muito tesão e mantinha o ritmo que meus dedos entravam e saíam da bucetinha quente e molhada. Não demorou muito pra ela gozar gostoso nos meus dedos, gemendo meu nome.
Deixei ela se recuperando um pouco e fui buscar uma agua pra ela, mas parece que essa menina estava com mais sede da minha boca porque assim que voltei pro quarto a Lara já me atacou me beijando com um fogo que não sei nem explicar.
A garrafa ficou fazendo companhia pras flores e o ursinho na cômoda enquanto minha irmã me tomava pra si.
Depois de devorar minha boca até me deixar fôlego, ela me virou de costas, segurou meu cabelo com uma mão deixando meu pescoço livre pra explorar com a língua e os dentes, e com outra mão explorou meu corpo pelo decote que tinha formado na camisa social, arranhando de leve minha barriga e subindo em direção a um dos meus peitos, que ela massageou com vontade por cima do sutiã.
Andamos devagar de volta pra cama e a Lara me empurrou outra vez, mas agora de frente pra que eu ficasse com a parte superior do corpo deitada e as pernas pra fora da cama, com a bunda empinada pra ela.
Logo senti minha saia sendo puxada pra cima e minha calcinha pra baixo até os tornozelos.

– Te ver assim me enche de tesão, sabia? – ela disse acariciando da minha bunda até as coxas e separando minhas pernas delicadamente. – Ainda mais estando toda molhadinha assim.

Não tive como responder com palavras, pois logo ela começou a me chupar e tudo que saiu da minha boca foram gemidos.
Senti a língua quente passeando por toda a minha buceta e depois subindo mais até alcançar meu cuzinho. Santa língua que essa garota sabe usar com maestria, meu tesão só crescia mais a cada segundo. Até que ela parou de lamber e ficou dando alguns beijinho por toda a minha bunda.
Então ouvi o som de um tubo de lubrificante sendo aberto. A Lara sempre deixa um por perto quando sabe que vai usar, então virei a cabeça pra olhá-la por cima do ombro e sorrimos safadas uma pra outra.
Me empinei ainda mais e estremeci de leve ao sentir o geladinho dos dedos dela cobertos de lubrificante tocando a portinha do meu cuzinho, fazendo-o piscar. Em seguida ela começou a empurrar dois dedos pra dentro com todo o cuidado e delicadeza do mundo. Apertei o lençol e gemi baixinho, me acostumando com o volume dentro de mim.
Assim que os dedos entraram por completo, a Lara esperou um instante e em seguida passou a mexer devagarinho em um vai e vem dentro de mim. Todo meu corpo parecia vibrar em prazer e olhar por cima do ombro tornava essas sensações ainda mais intensas porque a Lara também parecia sentir prazer quanto mais o meu corpo reagia aos seus toques.
Quando eu estava quase no ápice, ela inclinou o corpo sobre o meu, agarrou meu cabelo com a mão livre e disse bem pertinho do meu ouvido.

– Isso, geme pra mim, minha gostosa. Mostra que esse cuzinho ama meus dedos.

A voz dela me deixou completamente arrepiada, o meu tesão estava em chamas e aquela voz foi como gasolina, depois de ouvir isso foi questão de segundos pro meu corpo explodir de prazer e claro que junto com meu gozo veio o nome dela saindo entre gemidos da minha boca.
Fiquei quase sem forças por um instante, só tive o bastante pra pedir um pouco de agua.
Mas claro, com uma garota linda e gostosa bem ali ao meu dispor, só me dei o tempo de beber a agua e retomar o fôlego e eu já estava de volta ao ataque.
Quando ela estava colocando a garrafa de volta em cima da cômoda, eu fui até ela e a beijei pressionando aquele lindo corpo contra a cômoda. Daquela vez o controle do beijo era totalmente meu e eu a dominava de tal forma que não dava qualquer chance de que ela tentasse me dominar.
Enfiei minhas mãos por dentro do hobby semi transparente e arranhei as costas da minha irmãzinha com suavidade ao mesmo tempo em que descia beijando o queixo dela, trançando um caminho até o pescoço.

– Marina… – ela chamou com uma voz aveludada e meio tímida.

Me afastei um segundo e olhei nos olhos dela. – O que foi, minha lindinha?

– Me marca. – ela pediu ainda tímida, mas como sempre muito determinada.

– Sabe que eu não posso, amor. – falei enquanto acariciava suavemente aquele rostinho lindo.

– O papai e a mamãe só voltam daqui mais de uma semana e não tem mais ninguém pra quem eu deva satisfação, só você. – ela argumentou e me deu um selinho. – Hoje é um dia tão especial. Você, a mulher mais importante da minha vida, finalmente virou a minha namorada. Só dessa vez eu quero carregar uma lembrança, uma marca física em mim. Me marca, Marina. Por favor.

– Ai ai. O que esses olhões castanhos não me convenceriam a fazer? – respondi depois de um suspiro.

Ela deu um sorriso tão fofo e genuíno que não daria pra me arrepender de fazer o que ela queria nem que desse problemas depois, desde que a fizesse feliz.
Beijei a boca dela com todo o amor do mundo e em seguida tracei o mesmo caminho de beijos pelo queixo, mas dessa vez quando cheguei ao pescoço suguei a pele macia e ouvi minha irmãzinha suspirar. Me afastei um instante pra olhar e foi lindo, havia algo muito satisfatório em ver minha marca ali e pensar que agora ela era a minha namorada.
Sorrimos uma pra outra e continuei a beijar o pescoço dela, deixando mais duas marcas ali e arranhando as costas dela mais forte que o de costume, fazendo-a agarrar meu corpo com força e gemer bem gostoso pertinho do meu ouvido. Eu sorri mais e senti meu próprio tesão escorrer pelas coxas.
Logo comecei a descer mais, dessa vez seguindo caminho até a buceta mais deliciosa do mundo inteiro, deixando marcas nos peitos e nas dobrinhas da barriga também antes de chegar lá.
Me ajoelhei diante dela e olhei pra cima, ela estava tão sexy com aquele conjunto que cheguei a salivar só olhando, então coloquei uma das pernas dela sobre meu ombro e afastei a calcinha pro lado, deixando acesso livre pra minha boca.
Em tantos anos eu já havia decorado cada ponto fraco da Lara e sabia chupá-la como ninguém, minha língua passeava por aquela buceta sabendo exatamente onde e como tocar pra levá-la ao ápice do prazer. E os gemidos dela ecoando pelo meu quarto eram tão excitantes quanto aquele gosto na minha boca e quanto a maciez da coxa dela na minha mão quando eu a segurava pra lhe dar apoio e quanto o cheiro de sexo ficando cada vez mais forte e quanto a visão que eu tinha delae olhando de cima pra baixo.
Aquela garota me atiçava em todos os sentidos e foi um imenso prazer fazê-la gozar na minha boca enquanto gemia alto chamando meu nome outra vez.
Pra não me estender demais, só saibam que levou algumas horas até estarmos deitadas na cama nuas nos recuperando do que uma fez a outra sentir em mais intensidade do que eu posso descrever.

– Eu… Ainda tenho mais uma coisa pra você. – a Lara disse quando finalmente recuperou o fôlego.

– Mais? – perguntei arregalando os olhos e me sentando na cama. – Como você fez tudo isso?

– Ah, foi só… Muito tempo gasto e MUITOS meses juntando mesada. – ela disse rindo e se levantando pra pegar algo na mochila perto da mesa com nosso almoço já muito frio. – A parte mais difícil foi fazer tudo sozinha porque se pedisse ajuda pra alguma amiga teria que mostrar fotos da garota ou no mínimo dizer quem era.

– É, seria complicado de explicar. – comentei também rindo, mas de um jeito triste porque eu queria poder gritar esse amor pro mundo, mas disfarcei. – Ei. É por isso que vc nunca tem dinheiro?

– Nunca tinha. – ela corrigiu, me olhando enquanto tateava procurando algo nos bolsos da mochila. – Não tem outro evento tão grandioso assim daqui pra frente já que não planejo pedir nenhuma outra mulher extremamente gostosa em namoro pelos próximos meses.

– Acho bom. – brinquei fazendo-a rir.

Logo ela voltou pra cama e sentou do meu lado segurando uma caixinha de madeira nas mãos, então me olhou com o sorriso mais tímido e fofo do mundo e entregou pra mim.
Assim que abri fiquei encantada com os dois colares que estavam lá dentro. Ambos pequenos e discretos, um sol e uma lua banhados em ouro.

– Sei que não podemos usar alianças normais por motivos óbvios, mas eu queria algo que pudesse simbolizar o nosso amor. – ela começou a explicar, tirando primeiro o colar de lua e entregando na minha mão. – Esse é o meu. Uma lua pra simbolizar aquela noite que tudo isso começou quando eu era criança e já era meio que apaixonada por você mesmo sem entender direito, espero que tenha certeza disso.

– Eu tenho. Hoje mais do que nunca eu tenho. – respondi sorrindo toda boba e colocando o colar no pescoço marcado dela. – E o outro?

– O sol simboliza hoje, o dia que vai marcar as nossas vidas pra sempre, o dia em que você mais me fez feliz e se tornou minha namorada. – ela disse com a voz ficando mais emotiva a cada palavra, no fim pegando o colar de sol e colocando no meu pescoço (também marcado) com lágrimas brilhando naqueles olhões castanhos.

– Esse é o melhor dia da minha vida. Eu amo você. – eu disse também emocionada, beijando-a e misturando o gosto das nossas lágrimas de alegria, só parando quando meu estômago roncou alto demais pra ignorar, nos fazendo rir. – Ok, acho que realmente a gente devia almoçar agora.

– Vai lá tomar um banhinho rápido e eu esquento a comida. – ela disse me dando um selinho antes de levantar.

– E você não vai querer tomar banho com a sua namorada? – perguntei levantando também e agarrando-a pela cintura pra devolver o selinho.

– Adoraria, mas se eu for vou querer passar sabonete em você, passando sabonete em você vou querer te foder de novo e a gente precisa mesmo comer. – ela respondeu se soltando de mim e dando uma piscadela. – Desculpa, hormônios na adolescência é foda.

Rimos, mas eu sabia que ela estava falando sério, então cada uma foi pra um lado.

Ps: vocês que me leem sabem não sou muito de dar diquinhas, mas aproveitando que o assunto estava presente nesse conto tenho uma dica hoje. Se vc for transar com uma mulher e ela estiver de lingerie, não tire e nunca JAMAIS rasgue. É uma composição sensual e apenas afastar pro lado vai manter essa atmosfera linda e erótica por mais tempo, só vantagens. Além de que provavelmente foi cara, então rasgar não é legal a não ser que ela peça/deixe.

Último continho da Lara pré-teen, um dos meus favoritos. Espero que tenham gostado e que continuem torcendo pelo casal #Larina pq ainda tem mais, só aguardem.

⏩ O melhor site de desenhos animados pornô do 🇧🇷, HQs eróticas🔥

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,29 de 17 votos)

Por # # #
Comente e avalie para incentivar o autor

28 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder jorge ID:8eezcclhr9

    Meus Deus , isso nem parece ser verdade , muito lindo , como vocês são feitas uma para a outra , não encontro palavras pra dizer , a única coisa que posso falar e que sempre estou torcendo por vocês , muito amor envolvendo esse relacionamento , espero que nada venha interferir nessa união , porque esse nosso mundo esta cada dia sendo dominado pelo preconceito e ódio , isso e muito preocupante , mas onde a amor verdadeiro Deus se faz presente , peço para que Deus proteja vocês , porque que você saiu de casa ? Não é muito difícil pra você ficar longe da sua namorada ?

    • A Irmã Mais Velha ID:beml65tfi9

      Obrigada pelo carinho, também espero que esse amor seja pra sempre e nada interfira.
      Bom, me mudei pq as circunstâncias eram boas pra isso: eu já era adulta, tinha emprego fixo, economias e a casa foi vendida pra mim com um preço ótimo, era uma chance imperdível de negócio pq o antigo dono é um amigo da família. Tudo indicava que era hora de abrir minhas asas e voar pra fora do ninho.
      Mas não vou negar, foi bem difícil acostumar sem a Lara. Inclusive nunca acostumei, puxei ela pra morar comigo assim que foi possível.

  • Responder mario ID:g3ipy92zi

    oi…adorei sem conto..podemos [email protected]

    • A Irmã Mais Velha ID:beml65tfi9

      Se quiser conversar comigo é pelo twitter peua187

  • Responder mikaela ID:8eez5vj742

    PARA VOCE GATINHA BANDIDA

    “Eu quero ser a última menina que você beijou, a última menina que dormiu do seu lado e a que te faz sorrir. Não quero te completar, e sim te complementar, até que a gente possa estar plenamente satisfeita com a vida.
    Quero estar do seu lado em todas as merdas que você vai passar na vida, assim como nos melhores momentos também.
    Quero te fazer ver o quanto podemos ser e o que somos. Quero que você viva a sua vida da melhor forma possível, que nada te pare e que você vença cada obstáculo. Adoraria que fosse comigo, mas se não for, quero te apresentar esse caminho pela simples questão de eu querer te ver feliz.
    Quero te ver feliz, radiante, sorrindo e sendo livre do seu próprio jeito. Quero tudo que envolva você, apenas pelo fato de ter você e mais ninguém.
    De tanto te querer, não te considero um “plus”, você não me excede, mas me complementa. Por tudo isso, cedo o que for possível, me flexibilizo, me esforço para ver teu sorriso, sou sua parceira pra tudo e se você me perguntar o porquê, é de tanto (te) querer…”

    [email protected]

    • A Irmã Mais Velha ID:beml65tfi9

      Belo texto

  • Responder Nathalia (NATY) ID:830xy01pv1

    Que delícia , menina Marina , só mesmo quem sabe curtir o amor de outra menina, sabe que esse sentimento está em outra dimensão . Pena que o meu durou menos que eu sonhava , que era pra ser pra sempre . Mas o amor sempre vale a pena , mesmo que não dure o tempo desejado , principalmente se esse amor for por uma menina que seja cumplice dos seus desejos ,como você descreve sua maninha . Saudades da minha Clarinha !!! Cadê você , meu eterno amor ??? Boa sorte pra vocês , sejam felizes, e que vocês consigam viver esse amor em toda sua plenitude , sem a amarras dos tabús e preconceitos . Beijos.

    • A Irmã Mais Velha ID:beml65tfi9

      Se vc quiser conversar ou desabafar sobre isso, pode falar comigo no twitter.
      Peua187

    • Nathalia (NATY) ID:830xy01pv1

      Valeu amiga , qualquer hora a gente tem uma boa conversa , quando eu leio um conto gostoso como o seu , me dá muita saudade da minha Clarinha , aí eu perco o controle e as vezes até exagero nos comentários , em contos alheios como o seu , é que essas histórias gostosas como a que você narra , são idênticas as que se passaram comigo , me desculpe. Conte mais pra gente . É uma delícia reviver tudo isso , mesmo que seja através de contos. Beijos .

    • A Irmã Mais Velha ID:beml65tfi9

      Não precisa pedir desculpa, pode falar a vontade. Não quis passar um tom de repreensão, pelo contrário, só ofereço um ombro amigo.

    • Nathalia (NATY) ID:830xy01pv1

      Amiga Marina , eu não recebi seu comentário como repreenssão , mas sim como incentivo pra me abrir com você sobre o assunto em questão .Eu te pedi desculpas foi por ter usado o seu belo conto e colocado no meu comentário , minhas frustrações por não ter conseguido levar em frente meu amor pela pessoa que eu realmente amei . Obrigada pela sua compreensão . Beijos.

  • Responder Anônimo ID:5pbapku3k0d

    excelente conto

    • A Irmã Mais Velha ID:beml65tfi9

      Obrigada

  • Responder O ze ID:1v7f4n40

    Muito bom como sempre, estou torcendo pra vcs desde o princípio.

    • A Irmã Mais Velha ID:beml65tfi9

      Não sei se é bom eu já ter soltado o spoiler que o casal fica junto no final pra todo mundo que torce ou se acabei com a emoção kkkkkkkkk
      De qualquer forma, obrigada pelo carinho

    • Manuela ID:gsv46s7qk

      A gente sabe que você é homem. Mesmo assim, vale a pena ler

  • Responder Pedófilo de bh ID:h5hwlkd9j

    Uuuuu , pedófila

    • A Irmã Mais Velha ID:beml65tfi9

      Não mais pedófila praticando kkkkkk
      Minha única criança já cresceu, é quase uma mulher agora

  • Responder Raaaaaafaaael ID:mujpabk09

    A melhor pessoa para escrever contos daqui é você Marina parabéns escreve bem demais ,eu que muitas vezes entro aqui só pra procurar nova história sua postada ,quando não tem eu saiu ,você é uma ótima escritora e foi uma atitude linda da sua irmã/namorada fez , Felicidades sempre ao Casal Deus Abençoe 💕

    • A Irmã Mais Velha ID:beml65tfi9

      Uau, fico super honrada com isso. To longe de ser uma profissional, só tento passar tudo com os detalhes e as emoções que essas lembranças merecem. É muito gratificante receber tanto carinho assim.
      Obrigada. De verdade.

  • Responder Eduardo ID:8d5un2y49j

    como sempre impecável

    • A Irmã Mais Velha ID:beml65tfi9

      Feliz que vc gostou depois daquele estresse de eu perder o conto duas vezes

  • Responder Adrianno Poesia ID:gp1c6otzk

    Legal; bem escrito e detalhado.

    • A Irmã Mais Velha ID:beml65tfi9

      Grata. Faço o melhor que posso

  • Responder @Provedorcnn ID:gsuumkj8l

    ótimo conto, quem curtir assim ou mais nova deixa o @ do telegram
    meu: @Provedorcnn

    • A Irmã Mais Velha ID:beml65tfi9

      Obrigada

    • Magnum ID:ghfyqxu44

      Não estou te achando no TL

    • Carlos ID:830zlmjm99

      Nao existe esse telegran. Esse mesmo?