# #

O nascimento de um exibicionista mirim 11 – Final

2433 palavras | 9 |4.33
Por

Enzo, um garoto muito tímido de 12 anos, descobre os prazeres do voyerismo e do exibicionismo.

A Bianca me levou pro banheiro e pela primeira vez fechou a porta. Ainda não tinha coragem de olhar pra ela, só olhava pro chão. Vi meu short molhando e esperma escorrendo por minhas coxas.

A Bianca ligou o chuveiro e checou a temperatura da água. Depois se abaixou na minha frente e foi descendo meu short. Foi-se revelando um pinto mole e todo lambuzado em sua frente. Eu estava totalmente apático de vergonha, sem nenhuma reação. Ela percebeu minha completa falta de atitude e foi me encaminhando pra debaixo do chuveiro.

Eu sentia vergonha do que aconteceu e por estar pelado na frente dela. Queria que ela saísse e eu ficasse um instante sozinho. Mas nenhuma palavra saía da minha boca, não tinha força nem pra cobrir meu pinto com as mãos.

– Não precisa se preocupar, Enzo. Tudo isso é normal, isso já aconteceu com o outro menino que eu cuido de manhã.

Aquelas palavras me relaxaram um pouco. A Bianca pegou o sabonete e começou a me ensaboar, como se eu tivesse 5 anos. Lavou minha barriga e meus braços. Depois pediu pra eu levantá-los e lavou minhas axilas.

Depois foi descendo ensaboado minha virilha, lavando meu pinto e meu saco. Foi soltando frases pra tentar quebrar o gelo:

– Que legal que você já tem uns cabelinhos aqui hein, está virando homem! – disse sorrindo amigavelmente.

Em seguida ela pegou meu pinto e foi puxando a pele pra trás até a cabeça sair e começou a ensaboar.

– Quando isso acontece, a gente tem que lavar muito bem pra não ficar pegajoso e nem feder, né?

Mais uma vez não consegui responder.

Por fim, ela pegou o chuveirinho e começou a me enxaguar. Com a outra não ela ia passando no meu corpo pra acelerar a retirada do sabão. Mais uma vez ela pegava no meu pinto.

A Bianca desligou o chuveiro e disse:

– Esqueci de pegar a toalha, espere aqui na porta que eu já volto.

Como um garotinho obediente, assim o fiz. Fiquei no tapete do lado de fora do banheiro esperando minha babá voltar com a toalha. Nem me esforcei pra cobrir meu pinto com as mãos, já tinha perdido toda a minha dignidade. Fiquei ali parado, com as mãos ao lado do corpo e com o pinto à vista de quem passasse por ali, assim como qualquer menininho após o banho.

A Bianca volta trazendo uma toalha e uma peça de roupa embolada em suas mãos. Ela fica na minha frente e começa a me secar. Afasta as minhas pernas e seca bem meu saco e meu pinto.

– Enzo, como você sujou o short de hoje, trouxe só uma blusa pra você vestir. Quando começar a anoitecer e sua mãe estiver chegando, eu te dou o short do pijama.

– Mas vou ficar pelado até de noite? – consegui falar minhas primeiras palavras depois de tudo o que aconteceu.

– Vai ficar de blusa. O que não pode é você sujar dois shorts no mesmo dia.

– Posso por uma cueca, então?

– Não tem mais cueca limpa. Mas está tudo bem, só tem a Larissa e eu aqui e já estamos acostumadas a ver seu pintinho, não precisa ter vergonha.

A Bianca vestiu a blusa em mim. Ela cobria apenas uns 2 cm do meu pinto, mas ainda ficava uns 4 cm à mostra. Comecei a esticar a blusa pra baixo, mas a Bianca me xingou:

– Pare com isso, Enzo. Vai estragar a blusa.

Com tudo que aconteceu, o almoço atrasou bastante. Então a Bianca me pediu pra ajudá-la. Fui tirando as coisas da geladeira e sentia aquele ar gelando batendo no meu pinto. Era desconfortável, mas gostoso ao mesmo tempo. Porém aquela temperatura baixa fez meu pinto encolher. Agora só a pontinha dele apontava pra fora da camisa.

A Bianca chama a Larissa para almoçar. A garota chega na cozinha e começa a rir ao me ver sem short. A Bianca manda a menina parar e explica que meu short molhou e eu tive que tirar.

Depois do almoço, fomos pra sala assistir TV. A Larissa deitou no sofá menor e eu deitei no maior. Ao deitar a camisa subia, ficando até a minha cintura. Eu puxava ela pra baixo, mas toda hora ela subia. Como a Bianca estava arrumando a cozinha e a Larissa estava concentrada na TV, relaxei e deixei meu pinto pra fora.

Alguns minutos depois, a Bianca chega na sala e senta no sofá que eu estou, perto dos meus pés. Imediatamente puxo a blusa pra me cobrir e fico segurando. Também dobrei as pernas, pra Bianca poder sentar sem ficar apertada no canto do sofá.

Ela carinhosamente pega meus pés e coloca em seu colo, para que eu possa ficar confortável. Mas me vê esticando a blusa.

– Enzo, você vai estragar essa camisa! – disse tirando minhas mãos e levantando minha blusa deixando-a na altura da minha cintura.

Meu pinto agora estava completamente exposto. Pelo menos estava mole e limpo. A Bianca assistia a tvT, Mas toda hora olhava pra mim. Embora eu até sentisse um pouco de prazer dela me ver assim, eu estava muito desconfortável. Então disse:

– Me bateu um sono agora depois do almoço. Vou pro quarto dormir um pouco.

– Está bem – disse Bianca.

Deitei me cobrindo com um lençol. Estava calor, mas pelo menos ganhei privacidade. Depois de um tempo, acabei dormindo.

***

– Enzo, Enzo, acorde.

Abro os olhos, era a Bianca me acordando.

– Tem mais de uma hora que você está dormindo, acorde agora senão você não vai ter sono à noite.

– Está bem – respondi espreguiçando e abaixando o lençol até minha barriga.

A Bianca notou minha camisa um pouco molhada de suor.

– Nossa Enzo, você está suando. Que ideia é essa de cobrir com um calor desse – disse arrancando meu lençol.

Mais uma vez, estava com o pinto de fora na frente dela.

– Senta. Vamos tirar essa blusa.

Sentei na cama e ela já foi puxando minha blusa pra cima, me deixando totalmente pelado. Ela passou a mão na minha testa e no meu peito e disse:

– Você está com o corpo quente, se não refrescar, pode até da febre. Deita aí que eu já volto.

Sem saber o que fazer, obedeci.

A Bianca volta com uma toalha de rosto molhada e começa a passar no meu corpo.

– Isso é pra temperatura do seu corpo baixar.

Ela passava o pano úmido na minha barriga, e depois foi descendo pras pernas.

– Está refrescando?

– Sim.

Ela pegou no meu pinto e disse brincando:

– E esse piruzinho, deixa eu ver se está quente também?! – disse rindo.

Fiquei vermelho de vergonha. Mas meu pinto gostou, logo já ficou duro.

– Nossa Enzo, só de brincar com ele, olha como ficou. Acho que ele está querendo outra massagem hein – disse sorrindo novamente.

Eu arregalei os olhos. Senti meu coração disparar, num misto de vergonha e euforia.

– Posso dar um beijinho nele pra ver se ele volta a dormir?

Assustei com a pergunta dela. Tentei dizer não, mas minha boca não se mexia, então fiz que sim com a cabeça.

A Bianca então aproximou o rosto do meu pinto e deu um beijo na pontinha.

Meu pinto deu um pulo.

– Olha Enzo, acho que ela gostou.

A Bianca deu outro beijo, agora um pouco mais demorado. E disse brincando:

– Parece um pirulito!

Então abriu a boca e sugou o meu pinto até ele desaparecer dentro da boca dela. Então começou a mamar nele, sentia sua língua empurrando ele contra o céu da sua boca, e seus lábios o puxava pra cima e pra baixo.

Meu corpo se arrepiou todinho. Abri mais minhas pernas e estiquei meus braços para fora da cama. Fechei meus olhos e contorcia minha cabeça pra trás de tanto prazer.

A Bianca tira meu pinto da boca e diz:

– Esse pirulito é de quê? Deixa eu ver – então com as pontas dos dedos ela puxa a pele do meu pinto pra baixo deixando a cabeça completamente vermelha pra fora – Olha! É de morango!

Então começa a lamber a cabeça do meu pau, me fazendo sentir choques por todo o meu corpo, de tanto prazer.

– Enzo, você até que é um menino bem gostosinho! Agora eu que estou suando de calor.

A Bianca levantou da cama, chegou na porta e disse pra Larissa:

– Vou gravar um vídeo com o Enzo pro meu trabalho, não entre aqui agora, está bem?

A Bianca fechou a porta do quarto, olhou pra mim e tirou a blusa dela. Ela usava um top de algodão, rosa claro. Eu pude ver os contornos perfeitamente dos seus peitos, e no centro os bicos bem pontuados.

Ela então desabotoou sua calça jeans, revelando as rendas brancas da sua calcinha. E foi abaixando a calça sem nenhum pudor. Sua calcinha de algodão branca estava exposta. Notei uma pequena umidade na área onde fica a perereca. Não sabia porque estava molhada, mas não importava. Eu estava no paraíso.

E para meu delírio, ela colocou os dedos no elástico da calcinha e foi abaixando. Meu coração disparou ao ver aquela perereca. Era branca, com dois lados bem carnudos e um pouco de cabelo preto e liso no meio dos lábios e na testinha da sua perereca.

Meu pinto começou a pular sozinho, estava tão duro que a cabeça apontava pra fora da pelinha que o cobria.

A Bianca então veio andando na minha direção, subiu na cama e veio engatinhando sobre meu corpo. Parou quando sua perereca estava na altura do meu pinto. Então ela pegou no meu pau e foi direcionando até ele entrar na sua perereca.

Fiquei surpreso ao sentir como uma perereca era quente e molhada. Meu pinto entrou escorregando com facilidade. A Bianca então comprimiu as pernas, deixando sua perereca bem apertadinha no meu pau e começou a fazer movimento de vai e vem. Era maravilhoso. Então também comecei a socar lá dentro. Até que senti os jatos saírem de mim. Então era isso que é sexo!

Meu coração estava disparado. Não queria que acabasse. Continuei empurrando minha virilha pra dentro do corpo da Bianca, mas depois que tinha gozado, meu tinha tinha amolecido e acabou saindo de dentro dela. Eu também estava me sentindo cansado e acabei deitando do lado da Bianca.

Ficamos deitados por uns dois minutos, então ela disse:

– Isso foi muito bom, mas não conte nada pra ninguém viu? Senão eu mostro seu vídeo pelado pra todo mundo.

– Pode deixar.

– Aí Enzo, agora foi você que me lambuzou – disse brincando – Agora você terá que me limpar.

– Como?

– Pegue a minha calcinha e limpa a minha perereca.

Não estava acreditando que ela tinha me pedido pra fazer isso, meu pinto começou a levantar só de imaginar. Peguei sua calcinha, sentei na cama ao lado da sua cintura e vi aquela perereca maravilhosa, mas com meu esperma escorrendo. Então comecei a passar a calcinha por seus lábios.

A Bianca afastou uma perna da outra, então vi sua perereca se abrindo, revelando um branquinho aberto e uma linguinha saindo mais em cima. Eu estava até ficando sem ar. Então comecei a passar a calcinha lá dentro. Aproveitei e deixei um dedo de fora do tecido pra poder sentir o corpo da Bianca.

A Bianca também parecia ter começado a respirar mais fundo, e começou a movimentar sua virilha sutilmente pra cima e pra baixo. Acho que ela também estava gozando. Comecei a esfregar a perereca dela mais rápido, e ela foi ficando mais ofegante. A perereca dela começou a ficar úmida de novo. Mesmo assim continuou esfregando. Até que ela soltou um gemido mais forte e relaxou. Acho que ela conseguiu.

– Enzo, precisamos de um banho – disse a Bianca vestindo a calça e a blusa, mas sem por a calcinha, que estava toda melada – pode vir comigo, você também precisa de um banho.

Saímos do quarto e fomos para o banheiro. Eu fui pelado e com o pinto duro igual pedra. A Larissa viu, mas já estava acostumada, não comentou nada.

No banheiro, a Bianca fechou a porta e foi tirando a calça e a blusa. E pra minha surpresa, tirou o top também, pela primeira vez vi aqueles peitos maravilhosos. Mesmo sem sutiã, eles continuavam empezinhos. Meu pinto estava latejando.

A Bianca entrou embaixo do chuveiro. Eu fiquei só observando a água percorrendo todo seu corpo, contornando seus peito, passando pelo umbigo e seguindo o fluxo entre os lábios da perereca. Meu meu pinto parecia uma flecha apontando pra garota.

– Eh Enzo, você está adorando me ver assim né.

Fiz que sim com a cabeça e sorri constrangido.

– Então me ajude a me ensaboar igual eu te ajudei mais cedo.

Meu coração estava batendo a todo vapor. Tudo parecia um sonho. Peguei o sabão e fui direto nos peitos dela. Massageava-os com o sabão. Como eram macios e gostosos. Estava com tanta tesão que meu pinto chegava a doer. Ele pulava tanto que estava sentindo que ia gozar mesmo sem por a mão.
Deu um passo pra trás e vi meu pinto espirrando um jato que foi nas pernas da Bianca.

– Nossa Enzo, de novo? – disse sorrindo – deixa eu te ajudar.

Ela então começou a massagear meu pinto. Poucos segundos depois saíram mais jatos na não dela.

Eu era o menino mais feliz do mundo.

Fim

***

Obrigada por terem acompanhado até aqui.

Por favor, comentem o que gostaram e o que posso fazer melhor para os próximos contos.

Eu conclui a minha versão desse conto. Mas se alguém quiser acrescentar novos capítulos, fiquem à vontade.

⏩ O melhor site de desenhos animados pornô do 🇧🇷, HQs eróticas🔥

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,33 de 12 votos)

Por # #
Comente e avalie para incentivar o autor

9 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder Amei senti falta do diári ID:81ritu0k0c

    Amei senti falta do diário

  • Responder Anonimo ID:dcszgtcdz

    Quando teremos outros contos

  • Responder Seila ID:s487k4xz

    O conto “férias na casa da vovó” também está sem continuação e eu acho que ele merece ser continuado. Em relação ao conto eu concordo com o Adriano e também acho que poderia ter acontecido algo com a mãe já que no último conto teve a parte da mãe mas ficou apenas nisso, também acho que daria para incluir a tia

  • Responder Anounymous 5678 ID:4adeun2y49b

    Continua o conto “Tia esqueci a mala”. E faça comtos na visão feminina.

  • Responder Adriano chiq ID:6oehqex8rc

    Concordo com o ada, o conto foi mt bom, uma das melhores series do site, em minha opnião poderiam continuar em alguns capítulos com a iniciação da Larissa, um pouco mais de voyeur com a Larissa, mais algo do diário, e no final, a iniciação de sua prima, talvez penetração.

    Eu tambem estou com uma ideia de conto, mas ele é de uma maneira que foge um pouco de sua caracteristica, a algun anos, aconteceu algo parecido cmg, eu tinha 12 anos, minha prima veio morar cmg por uns meses, ela e seus dois filhos, perdí completamente minha privacidade, mas percebí que eles tbm n tinham, sempre via minha prima(7 anos) tomar banho no muro de casa(quintal), trocando de roupa na sala, assim como o irmão dela(8 anos) que dava para perceber q não usa cueca, gostava de dormir nu. Um dia fui ficar sozinho com eles em casa, fui tomar banho e deixei eles na sala, quando estava voltando para lá, percebi que estava muito quieto, fui devagar para ver o que estavam aprontando e pelo incrível que pareça, sexo, dei uma bronca nos doi, fiqiei procupado por causa da virgindade da garota, pois a mãe as vezes batia nos filhos, ela poderia descobrir, então examinei sua ppk e ainda tinha o himen, o pinto do garpto é mt pequeno e mal encostava no himen, então, como eu já tinha malicia, me aproveitei e fiz basrante oral e anal com a garota, ñ com o garoto pois ñ sou gay. Além disso eu presenciei muitas vezes eles fazendo sexo e fiquei sabendo de sua iniciação após espiarem uma relação entre zeus pais.

    Não escreverei por motovos como falta de tempo, escrita errada e, como o “ada” comentou em um de meus contos, não sou bom escritor, embora ele tenha sido o unico a dizer isso…

    Se vc quiser, pode fazer algo relacionado.

    • ada ID:mt96amrm1

      Pelo seu comentário, usando algumas palavras certas , com alguma concordância verbal, pontuação, etc.
      Acho que você melhorou muito.

  • Responder ada ID:mt96amrm1

    Achei falta da cartas encontradas pelo Enzo , que apareceram no inicio.
    Poderia ter um adendo ou nova serie com o Enzo e a Bianca lendo as cartas e fazendo algo.
    No geral , uma das melhores séries do site.
    Com certeza absoluta deverias continuar .
    O site precisa da visão feminina de contos eróticos.

  • Responder Seila ID:s487k4xz

    O final foi decepcionante, esperava que tivesse mais coisas depois do último conto. Mas está longe de ser ruim, obrigado pelo conto e espero outras histórias

    • Teteu ID:8d5gaq0fib

      Ela fez o final bem as pressas, quebrou o clima.