# # # #

Naya – A Garotinha do Papai #2

2188 palavras | 5 |4.48
Por

Conta a história de Naya, uma adolescente viciada em sexo, narrada pelo seu pai voyeur. (Primeiros Sinais) #Teen #Incesto #Voyeur

Quando Naya completou 08 anos. Minha mãe veio falar comigo. Filho Naya já está bem grandinha, já está virando uma mocinha, então você tem que falar com ela que já é hora dela começar a tomar banho sozinha. Realmente desde novinha ela, quando ia tomar banho me chamava, ou chamava minha mãe. Falei: Mãe hoje se ela te chamar, você me chama, que vou ter uma conversa com ela a respeito disso. Está certo, respondeu minha mãe. Naya brincou a tarde toda na pracinha, com as amiguinhas, quando escureceu entrou no mercadinho, suja de terra, e eu chamei ela pra subir.
Filha tenho uma coisa pra te falar, vou aproveitar e te dizer agora na hora do banho. Certo. Disse ela. Foi ao quarto dela, pegou uma calcinha, um shortinho e uma camisetinha e entrou no banheiro. Eu já estava esperando ela lá. Fechei a porta, e ela já foi logo tirando toda a roupa, ficando peladinha na minha frente. Pronto! É sobre isso. Meninas da sua idade já tomam banhos sozinhas. Você já está uma mocinha, está na hora de começar a tomar seu banho sozinha também. Hoje vai ser o ultimo banho que vou te dar, tá certo? Ela reclamou. Queria parar de tomar banho com a vovó, mas com vc não. Rimos. Liguei o chuveiro e ela entrou debaixo d’agua, molhando todo o seu corpinho. Peguei a esponja, coloquei sabonete líquido, e comecei a ensaboar ela. Você já sabe fazer isso, é só lembrar todos os dias agora. Abri novamente o chuveiro, e ela entrou pra tirar a espuma. Agora vem a parte mais importante, lembre-se disso. Fazer sempre a higiene das suas partes intimas, sua pepekinha, e seu bumbunzinho. Coloquei o sabonete líquido nas pontas dos meus dedos e fiz espuma, passei na rachinha, fazendo um movimento para cima, e para baixo. Notei que ela ficava arrepiada. Depois peguei novamente o sabonete, e coloquei nos dedos, e fui até a bundinha. Afastei as pequenas nádegas dela, e comecei a passar os dedos subindo e descendo. Em seguida coloquei mais um pouco de sabonete na pontinha do dedo, e coloquei no buraquinho fazendo movimentos circulares. Ela deu um gemidinho. Eu já havia percebido antes que ela gostava de ser tocada. Virei ela de frente, e para minha surpresa, estava escorrendo uma babinha da bucetinha dela. Vi que mesmo sem malicia alguma, ela já sentia tesão. E isso seria um problema, por que em um povoado cheio de meninos, com os hormônios explodindo. Eu teria que ser um fiscal implacável. Ela se enxugou, vestiu as roupas, e me deu um beijo no rosto. Disse: Que pena que você não vai mais me dar banho pai. Eu sorrir, e apenas falei: Você já sabe, vai ter que se virar sozinha rsrs.
Nos seus 09 anos foi tudo tranquilo. Mas quando Naya completou 10 aconteceu duas mudanças importantes. A primeira foi que finalmente a nossa casa estava pronta, e nos mudamos pra lá. Naya ficou radiante, pois agora tinha dois quartos, um na casa da vó, e outro na nossa casa, bem do jeito que ela queria. Espaçoso, com tv, e até um pequeno closet. A outra mudança, foi no comportamento dela. Agora, já não gostava mais de brincar com as amiguinhas de antes. As brincadeiras agora era com os garotos. Tinha dois funcionários no mercadinho. O Moacir, de 17 anos, branquinho sarará, que era conferente, e o Jefinho, de 18, um negrinho, que arrumava mercadorias nas prateleiras. Ela ficava indo atrás deles, e eles pegavam no colo, beijavam o rosto, mas sempre com o maior respeito, porque sabiam que eu estava sempre por perto.
Outro Garoto que ela gostava de estar junto era o Francisco. Filho do Silvio, dono da padaria que ficava ao lado. Ele tinha 13 anos, e era muito tímido. Quando ia na padaria tomar um suco, eu perguntava se ele já tinha uma namoradinha na escola, e ele ficava todo vermelho, envergonhado, e sempre mudava de assunto. Naya vivia entre o mercadinho e a padaria. As vezes quando o Francisco ficava no caixa, ela ia lá e ficava conversando com ele.
Em um dia de Domingo, pela manhã, eu estava no escritório do mercadinho, e a Naya entrou, me deu um beijo no rosto, e disse que iria na padaria vê o Francisco. Falei tudo bem. Passados uns 30 minutos, fui até a frente do mercadinho, e quando cheguei no passeio vi a Naya e o Francisco caminhando, já no fim da rua, e dobrando a esquina. Fui até a padaria, e perguntei pro Silvio pelo Francisco. Ele respondeu: Mandei ele ir até a casa da minha mãe, levar uns biscoitos que ela pediu. Achei estranho porque a Naya disse que ficaria só na padaria. Desci a rua, e fui atrás da minha filha.
Quando dobrei a esquina não vi mais os dois, mas sabia onde ficava a casa da mãe do Silvio, fui até lá. Perguntei pelo Francisco e ela me respondeu que ele tinha deixado os biscoitos, e já tinha saído. Mas ela estranhou porque ele saiu pelo portão dos fundos, que dava para uma rua quase deserta. Já fiquei bolado. Isso está estranho. O Francisco é todo tímido, não acredito que ele faria algo com a Naya. Pedir para sair pelo fundo também, e como era uma estrada de chão vi as marcas de sandália dos dois. Fui seguindo, e elas levavam até uma estradinha estreita que ia dar em um açude. Seguir as pegadas até lá, e comecei a ouvir as vozes dos dois. Cheguei sorrateiro, e em silêncio, para ver se eles faziam algo de errado.
Sair da estradinha, e entrei no meio do mato. Fui até uma encosta de pedras, fiquei lá agachado em cima de algumas pedras, e eles lá embaixo. Parece que foram para aquele lugar, porque as pedras os escondiam, de alguma pessoa que por ventura aparecesse. Levantei a cabeça, e vi que eles estavam de costas para as pedras. Fiquei observando e vi o Francisco pelado e com o pau ereto. Deveria ter uns 15 centímetros. Já a Naya estava vestida, e chamando ele pra ir embora. Mas, você não disse que queria vim? Então, tira sua roupa também. Falou o menino que eu achava que era o mais tímido do mundo. Não! Vamos embora Francisco, por favor. Disse a Naya. Fiquei aguardando pra ver até onde aquilo iria. Por um momento estava sendo voyeur da minha própria filha. Fiquei com tesão, mas com remorso ao mesmo tempo, afinal era minha filha de 10 anos. Francisco segurou o pau, e começou a se masturbar na frente dela. Percebi que ela estava meio impressionada, mas não esboçava nenhuma reação, só assistia ao espetáculo do Francisco. Depois de uns 5 minutos, ele gozou, o jato de esperma saiu forte, a cabeça do pau ficou toda melada, e o esperma saindo e caindo na agua. Ela continuava olhando, curiosa. Francisco vestiu as roupas, e falou: Vamos, outro dia a gente vem de novo.
Fiquei ali mais uns 15 minutos, para dar tempo deles se afastarem e chegarem até a padaria, ou o mercadinho. Cheguei em seguida, e quando passei na padaria a Naya estava lá, como se nada tivesse acontecido. Meio dia fechamos o mercadinho, e fui chamar a Naya para almoçarmos com minha mãe, e meu pai. Depois do almoço chamei ela pra ir para casa, que queria falar com ela. Do mercadinho para minha casa tinha só um deposito de estocagem de mercadorias, e um muro com um portão que dividia o terreno. A minha casa ficava com a frente para outra rua.
Chegamos, fechei o portão e subimos para o quarto dela. Sentei na cama, e pedir pra ela sentar também. O que foi pai? Perguntou ela. Você já mentiu pra mim alguma vez Naya? Perguntei. Oxe pai! Claro que não. Porque eu faria isso?
Vou te falar uma coisa, e quero que você me diga a verdade. Espero que seja mentira isso. Mas se você disser que é mentira, eu vou ter que trazer uma pessoa aqui para tirar essa história a limpo com você. Estava jogando um verde nela, e ela sem entender nada.
Fui direto! Um cliente do mercadinho, que tem uma casa perto do açude me disse agora há pouco, que viu você e o Francisco hoje de manhã lá, e o Francisco estava sem roupa mostrando o pau pra você, e se masturbando na sua frente. E verdade isso?
Naya ficou sem reação. Parecia que tinha visto um fantasma. Não disse nada, apenas abaixou a cabeça e começou a chorar.
Então é verdade. Falei. Porque você fez isso? Ela continuou sem falar nada, apenas deitou na cama e ficou chorando. Certo! Eu vou sair pra dar uma volta. Preciso esfriar a cabeça.
Sair e fui para um barzinho tomar umas cervejas pensando no que tinha acontecido. Acabei ficando até umas 19:00 hs. Paguei minha conta, e fui pra casa. Subir pro meu quarto, e vi que a Naya ainda estava na cama dela, do mesmo jeito que a deixei. Fui falar com ela. Alisei os cabelos loirinhos dela, e falei: Filha! Vc é a pessoa mais importante da minha vida. Eu daria a minha vida pra salvar a sua. Eu confio plenamente em você, e quero que você também confie em mim. Você tem apenas 10 anos, não tem idade suficiente pra está com um rapaz. Por mais que ele seja uma boa pessoa.
Ela me abraçou e chorou no meu colo dizendo que me amava, e que eu era a pessoa mais importante da vida dela também. Eu perguntei a ela se foi ela, ou o Francisco que tinha inventado de ir para o açude. Ela confirmou que foi ele. Me confidenciou que aquela coceirinha na pepeka estava aumentando, e tinha vontade de ver um menino pelado. Um dia foi na padaria e o Francisco estava sozinho, e vendo um vídeo pornô no celular, e acabou mostrando a ela, que disse que nunca tinha visto homem pelado. Ele disse que mostraria o pau dele, e chamou ela pra ir na casa da avó dele, e depois passar no açude.
Eu disse: Tá vendo como é importante dizer sempre a verdade. Eu não estou aqui para brigar com você. Estou aqui para conversar e saber que se passa nessa cabecinha. Você é mulher, logico que vai ter desejos. Mas tem que ser tudo no seu tempo. Meninas na sua idade não fazem sexo. Podem se masturbar, como já falamos, mas ficar pelada na frente de um menino não. Eu vou te dar um presente. Vou comprar um notebook, e vou escolher uns vídeos de sacanagem e baixar pra você ficar vendo. Você vai poder assistir todo dia aqui em seu quarto. Obrigado pai! Eu te amo. Disse ela, enxugando as lagrimas.
Só que tem uma condição! Qual? Perguntou curiosa. Você só vai ter contatos com meninos quando estivermos juntos. Não vai ficar de conversa com seus coleguinhas homens na escola, e principalmente com o Francisco. Tudo bem? Essa é a condição. Aceito pai. Você vai comprar que dia meu notebook? Amanhã! Dei um beijo nela, fui tomar banho, e dormir.
No outro dia pela manhã Naya foi pra escola, e eu fui até a cidade comprar seu Notebook. Meio dia, já estava de volta, e encontrei ela toda ansiosa. Fomos para casa, abrir a caixa pra ela vê seu presente. Deixei ela lá toda eufórica mexendo no Notebook, e disse que a noite eu baixaria os vídeos, e ensinaria ela a usar.
Naya passou a tarde em casa estudando, e a noite quando cheguei ela já foi logo me cobrando pelos seus vídeos. Peguei o notebook e entrei no site xvideos. Abrir minha conta e comecei a procurar vídeos de meninas adolescentes se masturbando. Baixei uns 15 vídeos curtos, e chamei ela para mostrar como entrar na pasta secreta que eu tinha criado. Deixei ela na cama dela, abrindo o primeiro vídeo, e sair para que ela tivesse privacidade. Fiquei no meu pequeno escritório fazendo algumas planilhas, e umas 23:00 hs subir pra dormir. Apaguei as luzes dos cômodos de baixo, e subir pro meu quarto. Passei pelo quarto da Naya, e abrir a porta pra dar boa noite a ela e notei que ela já estava dormindo. O notebook estava fechado em cima da escrivaninha. Percebi que ela tinha pegado no sono sem apagar a luz, e que seu lençol estava todo torto. Fui ajeitar e percebi que ela estava nua. Dormiu com a mão em cima da bucetinha. Ela tinha se masturbado vendo os vídeos. Ajeitei ela, e coloquei o lençol direito. Peguei na sua mão e vi que os dedos estavam viscosos. Ela tinha gozado.

⏩ O melhor site de desenhos animados pornô do 🇧🇷, HQs eróticas🔥

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,48 de 44 votos)

Por # # # #
Comente e avalie para incentivar o autor

5 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder Rafaella ID:funxvfyv3

    E assim vai nascendo uma mulher.
    Obrigadinha pelo seu relato.

  • Responder Pai Carinhoso ID:1dai13f3hi

    Adorei o conto, espero continuações.
    Eu também tenho um relacionamento diferente com a minha pequena. E estou em busca de quem também tem, para trocar uma conversa, fantasiar, trocar fotos, entre outras coisas. Quem também tem esse tipo de relação com uma pequena, me chama @paicarinhoso Obs.: troco o @ de tempos em tempos, então se não conseguir me chamar, deixa o seu, ou pedi aí em um comentário que eu deixarei o novo.
    E por favor, apenas quem realmente tem, para que seja uma troca legal de ideias sobre.

    • papaiperv ID:831c7wrhrc

      esse é seu tele?

    • Renata ID:7n7gm6spv4

      qual é o @ no telegram?

  • Responder Dasilva ID:1dai5li499

    Muito bom conto, boa narrativa e com intuito de instruir, adorei e aguardo continuação, bon exemplo!
    Parabéns.