# #

Meu Pai Militar, fêmea dele e da Família toda, ele quis assim. – Parte 26.

1976 palavras | 4 |4.50
Por

E aquele experiente Guerreiro com sua sunga abaixada até abaixo das bolas segurando o membro grosso e enorme o direcionou pra minha boca já escancarada pra ele, o jato de sua urina era forte mas ele ia se segurando para não haver desperdício algum, como era de se esperar naquele forte Homem, o mijo era escuro, quase cor de ferrugem, o gosto muito salgado, muito azedo e quente, muito quente, eu sorvia aquela iguaria com gosto, sentindo o amargor e quentura passando por minha boca e desaguando por minha garganta abaixo, foi uma enorme quantidade de sais minerais me oferecida, de líquido nenhum precisaria mais naquele dia além do seu valioso Sêmen que viria em seguida, estava devidamente hidratado por muitas horas com o valioso líquido que estava armazenado em sua bexiga, justamente para este fim.
Quando acabou, lambi a cabeçona, dei muitos beijinhos nela e em seu membro todo, o forte olhar dele era de pura satisfação, segurou meu queixo dizendo, bom rapaz minha fêmea é, ser castrado será muito bom para ti, nunca serias um Homem, macho mesmo, macho nenhum nem com uma arma na cabeça engoliria com tanta satisfação a quantidade de urina com que te premiei agora, vi em seus olhinhos, o prazer que estava tendo ao honrar seu Senhor, espero que o sabor de meu esperma tb agrade seu paladar minha carne tenra, tirou a sunga, sentou-se confortavelmente de pernas abertas no sofá, eu de joelhos o segui, era hora do grande prêmio, sentir o sabor daquele Sêmen que tantos seres tinha feito e trazido pra enfeitar nosso mundo.
O saco volumoso pendia prã fora do sofá, comecei por ele enquanto seu enorme lagarto já bem duro, repousava esperando os carinhos que aquele jovem rapaz ia lhe dar, lambia aquelas bolas deliciosas, lambia o saco inteiro, sugava com fervor ouvindo os gemidos de prazer que meu Oitavo Macho estava sentindo, iria mamar com muito gosto aquele membro poderoso com aquele cheiro de rio e peixes livres que toda a poderosa genitália exalava, eu respirava com avidez, não queria desperdiçar aquele cheiro maravilhoso que me trazia entrando por minhas narinas, era estonteante o prêmio que eu estava recebendo, servir aquele Chefe de Tribo não tinha preço, ia cumprir minha missão perante Ele com todo o
Respeito e dedicação que o Grande Sr merecia, deixá-lo tão encantado quanto eu estava, completamente fascinado por seu Poder.
Chupava seu sacão todo, lambia as bolas, ora engolia uma, ora as duas juntas abraçando-as com minha quente língua, olhava pro maioral, ele com uma mão grossa em meus cabelos me olhava com uma satisfação que não tinha preço, o caçulinha dos Soto Aguilar ali ajoelhadinho, o honrando como merecia deixava meu Oitavo Macho louco, era tudo que ele queria na vida aquela altura, um rapaz com sabor de vitela e que sabia o valor da experiência que um Homem igual Ele possuía, estava sendo honrado como nunca tinha sido antes, puxou-me pelos cabelos pra cima, o grosso e grande membro agora ia degustar minha língua enquanto seus testículos dançavam em meu queixo, o Sêmen e seus espermatozóides loucos prá invadirem o obediente rapaz que ali estava.
Isso meu rapazinho, mostre pq foste escolhido para ser fêmea falou-me Ele, eu abocanhei aquilo tudo, só metade cabia em minha boca, ia línguando tudo enquanto com a mão esquerda massageava seu belo saco, alisava suas bolas suavemente por baixo, o Leão agora rugia muito alto, o rosto estava mais jovem, os olhos reviravam, aquele sangue jovem estava sendo alimentado e ao mesmo tempo o alimentando com seu frescor da juventude também, não conseguiu se segurar mais e esporrou minha boca e minha cara com seu Sêmen maravilhoso, o gosto era salgado, cremoso, delicioso ao meu paladar, vais esperar teu Pai chegar assim minha carninha fresca, quero que ele veja minha marca em seu rostinho, quer a pedra, poderá ter, em troca me dará vc pelo menos quinze dias ao mês, hora dele saber que não se pode ter tudo na vida, tudo é uma troca, levantou-se, tava quase no horário de eu ir embora, queria ficar aqui hj com o Senhor lhe disse, eu sei minha prenda mas não é hora ainda, creio que só vamos nos ver agora na tua anulação, vista-se, vou esperar teu Pai pelado, pra ele saber o tamanho que teu presente tem, pode ter quarenta anos menos que Eu mas um instrumento igual o meu pra te oferecer, nunca terá.
No horario combinado exato meu Pai chegou, eu e o Sr Roman o esperávamos na entrada do trailer, ele totalmente nú, meu Pai tirou a camiseta, limpou meu rosto mostrando seu físico pro Sr Roman e agiu como se ele estivesse vestido, fomos embora, o Capitão já sabia o tamanho da coisa acho, o banco da Triton tava todo puxado prá trás pra mim poder sentar bem na beiradinha dele, acenou pro pessoal no riacho e partimos.
Em Vassouras, ele parou num daqueles postos com lanchonete, sabadão, tava cheio de moças e rapazes lá bebendo, pegou duas meia cervejas, uma lata de refri e seguimos viagem, do carro eu vi os olhares das moças pra Ele, meu Capitão não passava despercebido em lugar nenhum, os outros da Tribo acho que tb não, os Soto Aguilar modéstia à parte, eram tudo uns homão lindos de olhar.
Ele ia sério pela estrada, que foi Pai perguntei quando já estávamos entrando em Soropédica, nada caçulinha disse Ele mas acho que fiz merda, não devia ter te entregado prum sangue que não é dos nossos, delete este dia, ninguém deve saber disso ok, sim Sr respondi mas tb achava que ele tinha feito caca mesmo.
Chegamos na Chácara, Júnior e Raulzito como sempre jogando no celular, meu Pai nem tomou banho, mandou eu tomar e se jogou sobre mim depois, agora eu apago a sujeira que o velho deixou dentro de ti filho, vai doer mas perdoa teu Pai.
E o Capitão entrou em mim com fúria, eu mordia colchão, travesseiro e tudo pra não berrar, ele parecia não querer cobrir só o Sêmen de Dom Roman, queria apagar toda e qq lembrança que eu tivesse dele, seu Lagartão me rasgava a cada investida me parecia, não demorou muito prá semear seu Sêmen em mim, plantar sua semente e exterminar as deixadas por aquele belo Senhor.
Tomou banho e voltou, mandou eu ajoelhar, os conhecimentos eram via oral agora, ele tinha pressa, não queria prazer, queria ejacular, cobrir tudo o que meu Oitavo Macho tinha plantado em mim, mal terminou de me alimentar com aquele leite gostoso, fez o que ele só exigia de mim pela manhã, mijou fartamente em minha boca, tava salgadinho seu líquido mas não tinha aquele gosto de rio que Dom Roman tinha colocado dentro de mim.
Meu Pai e Primeiro Macho enfim ficou mais calmo, em breve era hora dele me entregar à Raulzito, que aos quinze anos ia sair do mundo das trepadas virtuais pra sentir o calor e o contato de sua primeira fêmea, seu priminho que lhe devia respeito e obediência por ser mais jovem que Ele.
Fiquei nú ajoelhadinho, meu Pai entrou no banheiro, ouvi o barulho da Jacuzzi se enchendo de água, depois duns cinco minutos ele me chamou com aquele corpão nu, vem Silvinha, hora de te preparar para meu sobrinho, primeira vez dele, merece um tratamento de primeira.
A banheira tava cheia de pedras e pó de pedra boiando nela, deitamos os dois lado a lado, essas pedras e esse pó vão te estreitar o burakinho em meia hora, ao mesmo tempo te deixar relaxado pra receber o primeiro Sêmen não desperdiçado de meu Sobrinho, honre-o como se tivesse honrando o Pai dele, esqueça as brincadeiras de criança, hj vc será a primeira fêmea dele e ele tanto quanto Eu, Júnior e o Avô de vcs, seu Senhor, o honre como seu Macho, é isso que ele será a partir de agora prá você, em caso de desobediência com certeza meu irmão já o instruiu e ele deve ter um belo cinto à postos pra lhe mostrar quem manda e quem obedece em nosso mundo cigano, sim meu Sr lhe respondi, o honrarei.
Ficamos ali relaxados, meu Pai me dando suas instruções, depois disse-me, não viaje naquele mundo de ciganos semi nômades que te apresentei hj, prum rapaz da sua idade pode ser tentadora essa vida pelo mundo, nem se encante pelos sorrisos de Benito e seu bisavô Dom Ramon e de todos os outros, já mataram os próprios parentes de sangue, Dom Roman até dois irmãos já mandou pro andar de cima, tão há décadas em guerra aquela gigante tribo, por isso tem tantos descendentes todos eles, sabem que precisam de soldados pra lutarem, vagam por nosso Brasil de ponta a ponta, agora tão em paz, na primeira morte que houver, a guerra recomeça, já te disse e repito filhote, tudo em nosso mundo é poder, não se iluda por nada que tenha ouvido lá naquele trailer, contei à Ele dos quinze dias que Dom Roman ia querer em troca da pedra, meu Capitão disse rindo, experto o velho hen, te dou quinze dias pra Ele e nunca mais te vejo, do Oiapoque ao Chuí ele tem tribos alinhadas com Ele, depois que te transformar num Dantas irá preferir te matar do que te devolver pros Soto Aguilar, nós temos o poder, eles não, ter você como propriedade deles é um triunfo que espalharão pelos quatro cantos, subjugamos um Soto Aguilar, é propriedade nossa agora, gritarão pelo País afora, entendeu minha esposinha, entendi meu Esposo, respondi, vamos sair pro quarto, hora de te preparar prá seu Homem, quero meu irmão e ele como aliados meus, encante-o.
No quarto meu Pai escolheu um vestido prá mim no guarda roupa, Silvia Aurélia já tinha ganho bem uns dez do Clã, escolheu um azul piscina bem justinho e curto, só ia até meus joelhos, espargiu colônia feminina sobre meu corpo todo, vesti o vestido, a calcinha escolhida por ele tb era preta coberta de lantejoulas douradas nas bordas, me vesti, ele colocou presa em meus cabelos uma borboleta azul brilhante, no meu pescoço pôs uma tiara preta de couro, eu estava pronta e curiosa pra ver meu companheiro de infância agora virando um Homem que ia ser meu nono Macho, tá linda minha Silvinha, vamos, Raulzito deve estar ansioso no quarto te aguardando.
Estava mesmo, mal ouviu nossos passos, veio até a porta, era lindo feito pintura aquele rapaz definido, moreno clarinho com os cabelos, sobrancelha e cílios pretos como carvão, cobrindo seu corpo parcialmente estava um robe preto de seda e uma cueca apertada de lycra branca, no meio dela se via um belo pacote redondo, Raulzito prá sua idade mostrava que era um Soto Aguilar, tinha nada de pequeno prá oferecer à primeira fêmea dele não, mas tá linda nossa Silvinha disse ao meu Pai, obrigado Tio, me estendeu as mãos e me puxou prá dentro, agora era um mundo novo prá Ele e prá mim também, eu nem imaginava o que poderia acontecer naquela noite e manhã em que eu seria todo dele, obedecê-lo em todo e qq desejo e vontades que tivesse.

⏩ O melhor site de desenhos animados pornô do 🇧🇷, HQs eróticas🔥

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,50 de 12 votos)

Por # #
Comente e avalie para incentivar o autor

4 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder Rober ID:gqbbsdv9c

    quero mais relatos com o irmão, deve ser uma delicia dar pro irmãozinho todo dia

    • Aurelius ID:19p2lvrzj

      Em breve. Abraços.

  • Responder luiz ID:dlns5khrd

    Estou curioso para saber como vai ser essa noite, Rauzito vai encantar Sandra tambem? mao demora senao eu fico ancioso demais

    • Aurelius ID:19p2lvrzj

      Postei hj. Abração.