# # #

Meu amigo pediu para ver minha bunda, deixei, acabei tomando no cu… Parte 2

1314 palavras | 4 |4.57
Por

Meu amigo tinha duvidas de matemática, mas na verdade ele queria mesmo era me comer….

Continuação….
Cheguei em casa com o cu ardendo, tomei banho e passei um hidratante. No outro dia, fui a escola e tentei me esconder um pouco do Paulão. Meu cu ainda ardia, e eu não sabia o que fazer.
No final das aulas ele me encontrou e perguntou se eu iria lá na casa dele.
Desconversei e disse que teria que sair com minha mãe. Passei a tarde em casa. Aí veio o fim de semana e estava livre do Paulão.
Na segunda feira , eu já estava melhor , depois de passar hidrante 2 ou 3 vezes por dia. Encontrei o Paulão no recreio e ele me perguntou novamente se eu iria lá. Respondi que talvez eu pudesse ir. Marcamos as 14 horas.
Almocei correndo, tomei banho e pouco antes das 14h estava batendo na casa dele.
Entrei na casa dele e fomos direto para o quarto. Sentei direto na cadeira da escrivaninha para tentar me desvencilhar das mãos dele.
Peguei os cadernos que estavam em cima da escrivaninha e comecei a mostrar os exercícios para ele. Ele foi se chegando encostou seu pau no meu ombro e ficou apontando para o caderno , eu tentando explicar e ele tentando roçar seu pau no meu ombro. Do nada ele tirou o pau para fora do calção e balançando ele na altura do rosto , perguntou:
—–Tem uma equação para isso ?
—–Deixa de besteira e presta atenção no exercício. Respondi , tentando desviar o olhar.
Seu pau já estava bem duro, fiquei impressionado com o tamanho. Nunca tinha visto um assim tão grande. E na outra vez ele meteu por trás, nem cheguei a ver o tamanho. Paulão , era um moreno forte, devia ter uns 13 ou 14 anos, era repetente , não medi seu pau, mas era bem grande, principalmente para mim que era 2 anos mais novo e tinha um pauzinho bem menor.
Ele me bateu o pau na escrivaninha, e não tive como não olhar.
—–Dá uma chupatinha aqui no meu pau…..
—–Para com isso. Respondi sem tirar os olhos do pau dele.
—–Só uma vai….
—- Isso nem cabe na minha boca.
—- Então lambe….
—-Nem sei fazer isso. Respondi timidamente.
—–Vem cá. Disse ele puxando minha cabeça em direção ao seu pau.
Fui ao encontro do seu pau, e comecei a lamber a cabeça.
——Isso ,que nem sorvete, vai lambendo e depois engole…..
Fui indo devagar, lambendo ,lambendo, Abri a boca e tentei engolir um pouco. Ele aproveitou e deu uma socada do pau dele para dentro da minha boca. Me engasguei. Tirei o pau e tossi um pouco.
—– Tu não sabe mesmo… Vem cá, deita aqui na cama , que isso tu sabe…..
Levantei e me deitei na cama de barriga para baixo. Ele puxou me short.
——Que bundinha linda. Bem branquinha, parece bundinha de menina.
Abriu as bandas da minha bunda e meteu a cara. Lambeu meu cuzinho . Que sensação boa. Nunca tinham lambido minha bumba. Adorei.
Ele sentou nas minha coxas , abriu as bandas da bunda de deu uma cuspida no meu cu. Pincelou seu pau pelo meu rego e cutucou meu cuzinho com a cabeça enorme do seu pau.
Tentou me penetrar, mas quando entrou a cabeça, deu um gritinho.
—–Ai, aí esta doendo. Tu vai me rasgar de novo…
—–Calma viadinho, já vai passar.
Tirou a cabeça e deu outra cuspida. Meteu de novo a cabeça e foi socando devagar. A dor continuava , mas era menor, fui me acostumando e quando me dei conta ele já repousava todo o seu peso sob minha bundinha. Quando chegou nesse ponto. Parou e deixou o pau latejar lá dentro.
A dor foi passando, e comecei a gemer.
Ele começou um vai vem, bem devagar. Eu só gemia. Nãos ei quanto tempo ficou assim, mas lembro que era bom e eu gostava.
—–Tá gostando viadinho ?
E só respondia :
—-Ahhha , ahhha… . E gemia.
Então ele passou a bombear com força. Quase tirava o pau todo e socava com força. Parecia que o pau dele batia lá no fundo da minha barriga. Reclamei da dor, mas ele nem ouvia.
—–toma viado, toma. e isso que tu quer, neh….
—–Tâ doendo. Chega. Tira logo. Respondi me queixando da dor.
—–Empina essa bunda. Faz força para cima. Que a dor passa.
A dor era tanta que obedeci. Empinei o máximo que conseguia a bunda. Mas quando ele socava, acabava caindo de novo na cama. Repitamos isso algumas vezes e em seguida ele anuncio que iria gozar.
—–Vou gozar, vou gozar. Vou encher essa bunda de leite…..
Com movimentos rápidos e com força gozou. Caiu sobre meu corpo e senti todo seu peso sobre mim. Ficamos alguns minutos assim. Ate amolecer seu pau.
Ele se levantou e eu aproveitei para ir ao banheiro. Estava demolido.
Sentei no vaso, enquanto ele lavava o pau na pia. Ele lavou um pouquinho e indo em minha direção, balançou o pau e disse:
—-termina de limpar.
Não tinha o que fazer. Abri a boca e ele colocou seu pau meia bomba dentro dela. Assim mais mole consegui engolir um pedaço daquele pau.
Ele começou a fuder minha boca, como se fosse um cu.
Logo aquele pau foi crescendo e quase já não cabia na boca. Fiquei só com cabeça, senti um gosto estranho, adocicado. Era restinho de porra da gozada .
Quando ficou bem duro, ele ,me pegou pela mão e me levou para o quarto. Mandou eu me ajoelhar ao lado da cama. Obedeci. Me forcou a colocar o peito sobre a cama , deixando minha bundinha arrebitada.
Se ajoelhou atrás de mim e cutucou seu pau de baixo para cima no meu cuzinho. Senti uma ponta dura querendo arregaçar minhas pregas. Mas não entrou.
Ele cuspiu na mão e passou no meu reguinho. Cutucou novamente o pau e a cabeça entrou rasgando meu cuzinho. Não conseguia me desvencilhar e o pau foi entrando e rasgando as ultimas pregas.
Pedi para ele parar. Mas ele não me ouvia. Metia de baixo para cima e o pau ia entrando cada vez mais fundo. Ele ficou entre as minhas pernas, metendo com força. não tinha por onde eu escapar. Ele me agarrava pela cintura e socava com força . Quanto mais eu reclamava da dor , mais ele metia. Me segurava com os braços para eu não ir para frente. Socava, socava….
Desta vez demorou mais para gozar. Eu pedia para ele terminar de uma vez.
—-Calma, calma…deixa eu arrombar mais um pouco esse cuzinho.
—-Mas tá doendo.
Ele pensava que eu estava gemendo, mas é que cada vez que que ele batia lá no fundo. Eu soltava um gemido, mas era de dor, não de prazer.
Não sei quanto tempo durou, mas quando gozou foi um alivio. Tirou o pau e esfregou ele em toda a minha bunda. Não conseguia nem me mexer. Fiquei assim um pouco , até começar a sentir um fiozinho escorregar pelas minhas coxas.
Coloquei meu short assim mesmo. Fui embora correndo. Me lavei em casa e novamente peguei os hidrantes da minha irmã e passei no cuzinho vermelho.
Fiquei pensando na dor o resto do dia . Na hora de dormir estava melhor. Bati uma boa punheta pensando no Paulão me enrabando.
Passaram alguns dias e ele me procurou de novo na escola.
—–Pode ir lá em casa hoje ? Tenho mais um problemas que eu quero que tu me ajude.
—–Tá bom, se der eu vou. Respondi me fazendo de desinteressado.
Na verdade eu já estava com coceirinha no cuzinho e estava na acabando na punheta todos dias pensando naquele pau enorme no meu rabinho.
Continua……..

⏩ O melhor site de desenhos animados pornô do 🇧🇷, HQs eróticas🔥

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,57 de 14 votos)

Por # # #
Comente e avalie para incentivar o autor

4 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder Escritor mistério ID:5vaq00tfi9

    Provou, gostou e agora não passaras sem dar o cu a qualquer homem que te queira comer. Disfruta.

  • Responder luiz ID:dlns5khrd

    A iniciação dos viadinhos sao sempre igual e o resultado tambem, terminamos gostando de rola, so falta Paulao contar para os colegas

  • Responder admirador ID:40vom29km9i

    nada melhor que um bom estupro pra viciar um viadinho na rola

    • Fã do Bourne ID:8d5vce96ic

      Concordo com você, Admirador!