# #

Eu e Beto, me fazendo de cabritinha de novo, mééééé.

2852 palavras | 10 |3.87
Por

Beto acordou antes de mim, quando tirou o pernão e soltou minha cintura acordei tb, bom dia Nego eu disse, bom dia bebê, dormiu bem, perguntei, quem dorme bem com mulher do lado e piroca dura sem poder fazer nada falou Ele, dormi foi com raiva safado, não gostasse tanto de tu, tinha te mostrado hj que é bom prá tosse, alisou minha cabeça, tu tem que pensar no lado do teu Beto mais bebê, sou sadio, num trepo com mais ninguém, pensa nisso caraio, gosto todo dia lek, se eu gostasse de coisa à força tu tinha se lascado hj, nunca te machuco quase pow, tu tem motivo pra me recusar não, pôs minha mão no saco dele, tão cheinhas com teu leite, hj quero desculpa de cansaço não, se vir com papinho de frescura vou te comer na marra, tou brincando não, vai lá fazer nosso cuscuz menino malvado e vai comer também, quero com ovo e bacon o meu.
Levantei, fui cuidar das coisas, não gostava de deixar Beto chateado nunca mas não entendia pq ele queria todo santo dia o danado.
Tava acabando o cuscuz e tomando meu copo de café, Claudionor veio na porta e me entregou dez envelopes daqueles ‘par avion’, bom dia lek bom me disse, já peguei logo dez, guarda ae, dei uma caneca de café à ele, já já sai o cuscuz eu disse, vou pro banho respondeu ele, aguarde que volto, Beto prá variar dormindo né, não, tá acordado deitado respondi, folgado da porra completou ele e saiu.
Tava fritando ovos e bacon, Luciano levantou, Beto também, sentaram prá comer, Claudionor veio e sentou tb, aproveita e senta pra comer com a gente lek falou Beto, vou tomar mais café só, depois como, tou sem fome, respondi, senta e come agora, pelo menos um pouquinho continuou Ele, depois tu cai nos afazeres e esquece de comer, comer sem apetite é ruim eu falei, com a boca arrebentada é pior ainda, come completou Ele, caraio Beto, dá um tempo pro garoto Luciano disse, problema é esse, ando dando tempo demais, nessa idade eu não levava tapinha mais não, meu pai metia era ripa e caibro nas minhas costas, tu devia dar motivo né santinho falou Claudionor entrando na conversa, até Beto riu, verdade, trabalhava igual escravo mas aprontava todas tb, mas esse lek é foda, se não por cabresto fica igual gente que conheço, só come porcarias, eu fiquei comendo devagar quieto, queria confusão não.
Assunto mudou, Beto falou que ia pegar a chiboquinha da oficina pra buscar as madeiras logo cedo pra mesa, vou junto disse Claudionor, meu trampo tá suave lá hj, vou tb falou Luciano, vou ver a gostosona do Caixa lá.
Beto levantou, tirou meu garfo da mão, girou meu ombro igual só ele sabia fazer, todo mundo ouviu o estalinho, tava doendo e tu quieto né teimoso disse Ele, conheço tua cara bebê, adianta me tentar esconder nada não, tem que ver isso no lek falou Claudionor, deve incomodar pra caraio, tu nunca acha tempo, se quiser tiro uma folga e levo ele lá na Luiza Macuco, tem médico de tudo lá, é ortopedista o nome pra isso Beto falou, depois nós conversa.
Foi todo mundo trabalhar, eu fui cuidar da vida, tava meio chateado, coloquei o disco da Deusa prá me animar, fui pôr água com açúcar e banana lá nas árvores pros passarinhos, olhei pra casinha sem ninguém na lateral e pensei, que fim teve o tal loirinho que ninguém fala nada, eu tava sempre curioso mas não tinha coragem de perguntar pra ninguém.
Chegou hora do almoço, ninguém apareceu pra comer, tb não comi, sem apetite nenhum tava, liguei a tv, fiquei deitado no tapete assistindo desenhos.
Já era umas três hs quando ouvi o barulho da chiboquinha parando em frente, levantei, abri a porta da frente, eles já tavam entrando pela lateral carregando um monte de madeiras, fui lá pro fundo, esquenta os rango lek me disse Beto, tamos tudo morto de fome, acomodaram as tábuas no alpendre e entraram prá comer, pelas panelas cheinhas já vi que tu não comeu né safado me disse o chato, como um pouco agora respondi, comi salada cozida que Beto adorava e um tikinho de arroz, foda tu mlk falou o chato, tá em idade de crescimento pow, tem que comer pratão cheio, tem uns comprimidos que abre a fome falou Luciano, vou comprar pra ele, nada de remédio disse Beto, é safadeza dele, tivesse quatro sonho gigante na mesa e um litrão de garapa, ele comia é tudo, hum falou Claudionor, até eu que sou mais bobo comia.
Antes de voltarem pra Oficina Beto me chamou no quarto, tá brabo comigo né bebê, tou não respondi, tá sim, conheço minha cria, liga muito pro que falo não, sou bixo do mato lek, criado em terra de cangaceiro, depois rua, cadeia, sei falar as coisas direito não mas te gosto que tu sabe, perdoa as besteiras que falei cedinho, te pego na marra nunca não, falo merda depois me arrependo, beijou minha testa depois riu dizendo, agora se tu deixar e quiser, invado teu terreiro hj a noite e danço um xaxado dentro inté a poeira sujar o teto, até ri, Beto dizia umas coisas engraçadas as vezes, os três saíram, já era mais de quatro hs, arrumei a bagunça na cozinha já pensando em que fazer na janta.
Seu Aroeira e Preá chegaram, eu tava lá nos fundos no tanque, cadê o resto do povo perguntei, foram na pastelaria tomar umas Preá respondeu, eu que não ia, todo suado, falaram que não iam demorar não, meu irmão tá com eles, põe água no feijão que com certeza ele vem esvaziar tuas panelas.
Não demorou mesmo, chegaram os quatro, Beto com um pacote de sonhos na mão e um litro de caldo de cana, Claudionor me disse rindo, tu que manda mlk, machao tá na tua mão, manda mesmo falou Beto, manda a cara na minha mão, coma só um depois de jantar sem vergonha, trouxe muito mas não é tudo pra hj não.
Ficaram lá olhando as madeiras enquanto eu arrumava a mesa, ouvi o irmão de Preá dizendo que Sábado ia ajudar Alberto a fazer a mesa e cadeiras, entraram prá comer, tinha caprichado eu na janta, rabada, farofinha, salada de agrião, peixe ensopado pra quem não quisesse carne, chama Aroeira e Preá lá Claudionor pra filar a bóia ruim do lek disse Beto, tem duas cervejas na geladeira lek, põe na mesa, vou rapidim buscar umas ali na esquina, já volto falou Luciano, duas com esse peixe cheiroso, da nem pro xero.
Tava todo mundo comendo, falando das palhaçadas do dia, bateram palma lá na frente, Miguel, só pode disse Luciano, Miguel sem gritar nome de padre, cigana é não, vou lá ver disse Beto, voltou com um homem magrinho que tinha perguntado se sobrou janta, o homem envergonhado falou que tava sujo, comia lá fora, Beto nesse ponto era igualzinho minha mãe, pior sujeira é a de dentro rapaz, sente com nós, nessa mesa santa tem dois que já morou em rua tb, três disse Claudionor, boa noite então pessoal, Adustino meu nome mas me conhecem por Careca, sou ladrão não, tou só num período difícil, Beto pegou uma bandeja de por salada, ele mesmo fez o prato do moço, misturou peixe com carne, meu Nego sabia que era fome, conhecia a peste muito bem.
O tal Careca tava com fome mesmo, comeu a bandeja toda, Beto pôs mais, comeu também, o homem antes de ir embora disse que era ali de perto mesmo, morava num cortiço na rua da Oficina, se quiser um dinheirinho na moral lhe disse Beto vá lá na Adega ali da Bittencourt, o portuga tá querendo alguém pra limpeza e fazer as entregas, vou mesmo respondeu ele, tou precisando de qq coisa, pois quando bater fome, de dia não, mas de noite tou sempre aqui, se acanhe não falou Beto à ele, abençoados sejam todos vcs disse o rapaz e saiu, Beto foi fechar o portão com ele e voltou.
Ficaram lá sentados conversando os seis enquanto eu lavava as louças, depois sairam, Beto e Luciano foram tomar banho, comi um sonho com caldo de cana, õ delícia e fui deitar.
Beto veio pra cama, como quase sempre, peladinho e lindo, pôs minha cabeça no peito gostoso dele, dia bom hj tive bebê, mesmo te falando baboseira logo cedo, foi bom, sei que tu me perdoou já, tu não guarda mágoa do teu doce Beto aqui nem eu do meu menininho bom, comprei as coisas pra mesa e cadeiras, agora vou te dar umas cantada bem dadas prá tu ter vontade de mim, eu ri, acho que tá faltando coisa pras cadeiras Nego eu disse, que coisa me perguntou, aquelas coisa do encosto da cadeira, tipo assim de palha trançada, sei o nome não, tem que perguntar pro teu outro filho, ê mlk danado meu bebê, tava pensando tudo em madeira mas é verdade, lá no Coronel Gregório era com essa palha mesmo, beijou minha testa, bebê danado eu tenho, foda vai sr achar isso aqui prá comprar, se não tiver lá na Da Vinci acho que naquela marcenaria da Bittencourt tem lhe respondi, sábado vejo com Alberto isso disse-me, te quero muito hj bebê, deixa eu tentar pelo menos, eu tava de samba canção só, ele levantou minha cabeça e enfiou aquela língua grossa e gostosa na minha boca, ficou me beijando e alisando minha bunda, deixa disse depois, mó vontade tou lek, tá sentindo a dureza dela em tu né, doida pra dançar xaxado em tu, eu ri do jeito dele falar, ele me pôs de bruços, começou a descer minhas costas com a língua quente, eu sentia um arrepio atrás do outro, quando chegou onde queria falou bem gostoso, levanta a bundinha pro Papai, abre bem as perninhas também, senti a língua quentinha no burakinho, subia, descia, estacionava, encostava os dentes fingindo me morder, ai Nego eu repetia gemendo, meu Beto era danado, desde o beijo sabia que ia entrar em mim, já tinha conseguido o que queria mas ficou lá, me endoidecendo mais que eu já estava, depois subiu, soprando em meu ouvido falou, deixa, deixa o Papai dançar xaxado agora, só danço se tu quiser, se não, danço outro dia, ai Nego falei, se não falar que quer gostoso pra mim, vou dançar não, ai Beto, quero sim, quero muito Nego, ele lambeu e engoliu minha orelha inteira na boca, quero ouvir mééééé dessa bokinha gostosa igual lá no Paraíso enquanto a cabritinha rebola pro Bodão Macho dela, disse e eu já fui sentindo aquela cabeça cremosa, melecada de baba do bode já se encaixando no meio de minhas pernas tb melecadas com a saliva do meu Homem.
Colocou a mão direita sob minha cintura, a esquerda ficou estirada com seus dedos enfiados em minha boca e foi me empurrando o pirocào pra dentro, ai Nego eu dizia mesmo com os dedos na boca, no meu ouvido ele sussurrou, já falei meu mlk, quero ouvir os méééé da minha cabrita, mééééé eu dizia baixinho, isso cabritinha, vou te encher de leite ouvindo teus mééééé, tou igual bode que se perdeu no mato hj e encontrou uma cabritinha nova perdida tb ele disse e empurrou tudo dentro da cabrita que agora gritou alto, mééééé quase mordendo a pata do bode enfiada em sua boca.
O xaxado dele começou, aqueles pernão dançavam entre as pernas da cabritinha, a piroca do bode girava entrando e saindo da cabrita, ela gritava mééééé sem parar deixando o bode mais lindo do mundo louco dentro dela, rebola cabritinha, rebola gostoso pro teu Bode senão ele te arranha toda com os patão dele, eu rebolava com meus mééééé saindo da boca a todo instante, te amo meu Bode eu dizia e gritava mééééé, ele tirou a mão esquerda da minha boca, com ela segurou minha nuca a empurrando sobre o travesseiro, a cabritinha era toda dele, o bebê era todo dele, o mlk era todo dele, o filhinho era todo do Papai, com a mão segurando firme minha nuca, até doia um pouco pelo peso dele apoiado nela, a outra mão arranhando minha barriga feito pata de bode de verdade, ele se saciava lá dentro dizendo, isso cabritinha, teu Bodão gosta assim, obedece ele que ele merece.
Tirou a mão da minha nuca, apoiou a boca em meu pescoço, ficou lambendo e mordendo de leve meu cangote, ah meu lek, que cabritinha gostosa Deus me deu disse Ele, teu Bode te adora cabrita, eu respondia mééééé e ele socava sem dó mordendo eu no cangote, o bode conhecia sua cabritinha, sabia que podia ficar dentro dela até o dia clarear se quisesse, ela era toda dele e ia berrar mééééé com gosto, gostava de fazer aquele Bode feliz.
Os berros do Bode começaram, as dentadas ficaram mais fortes, as patonas me prendendo mais firme, podia machucar muito se quisesse mas não queria, queria a cabrita inteira pra noite seguinte de novo, o Bodão gostava todo dia, com calma ele ia me acostumar a querer todo dia tb, ele enfiou a piroca até o talo e jorrou seu leite todo, berrava enquanto a sua cabritinha gritava mééééé, como era bom aquele corpão do Bode me cobrindo e inteiro dentro de mim.
Danadinho meu cabritinho novinho falou Ele já estirado ao meu lado, na próxima vou deixar a tigela cheia de capim aqui no chão ao lado da cama, nunca esqueço aquele dia lá nos trilhos do trenzinho, o Bode fica de piroca dura toda vez que lembra, num pode ser uns bombonzinho invés de capim Nego eu disse, não folgado me respondeu, cabrita minha come é feno e capim, comida saudável, brincadeiras à parte bebê, teu doce Beto gosta de tu assim, entregue, obedecendo Ele sem frescura nenhuma, fico feliz prá caraio, esqueço até lá do Norte, do velho doido que vou ter que matar um dia se ele aparecer de novo, tu me faz feliz mlk, se tu desaba, esse Machão durão aqui cai junto, vai morrer reclamando tu mas vou prender sempre, quero tu marcado de novo pelas maldades desse mundo não, teu xato vai tar sempre cuidando, beijei o peito dele, não reclamo mais de nada não Nego, já acostumei a ficar dentro de casa lhe falei, eu sei bebê disse ele passando a mão em meus olhos, sei que vc sempre acaba fazendo o que teu Beto quer, dou valor, nós lá dos Sertão é tudo assim, Macho vai pra onde quer, muié só vai aonde a gente quiser, num tem que tar saindo em rua não, tu quis um Homem bronco, tem que acostumar a viver como ele quer, tou errado?, não Nego, respondi, já acostumei seguir teu jeito, menino bom tenho disse Ele, muito Machão por ae, até aqui em casa mesmo, se rasga de inveja do cadeeiro véio aqui como diz Miguel, aliás aquele preto safado deve pintar hj prá filar nossa bóia, Sexta o bixo não falha, já falei que sou teu hj eu disse, não safado ele falou, nem hj nem ontem, daqui há pouco tu prova ordenhando teu Bode, ele vai gritar ai mamãe até umas hs, vou lavar o Pirocão, já volto.
Voltou, me beijou e puxou meu rosto pra baixo, o xerinho bom do Alma de Flores encheu meu nariz e eu fui praqueles caminhos que eu tanto gostava e nunca enjoava, a piroca, os coxões, aquelas bolas lindas pareciam ter sido feitas prá minha boca, eu me acabava naquelas peles e nervos do meu Homem, tb esquecia de tudo com as maravilhas salgadinhas em minha língua, ouvindo os ai mamãe dele, sentindo suas coxas tremendo, o saco dançando em minha boca, aquelas mãos grandes e suaves em meu rosto e cabelos, como era bom aquilo que prá mim era meu Mundo e sempre acabava com aquele leite grosso e doce em.minha boca, depois ele quase desmaiado me cobria com o pernão pesado depois de dizer muitas vezes, ai mamãe, como é bom isso, ai mamãe, vou matar esse mlk mamãe, ele acaba comigo mamãe.

⏩ O melhor site de desenhos animados pornô do 🇧🇷, HQs eróticas🔥

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 3,87 de 15 votos)

Por # #
Comente e avalie para incentivar o autor

10 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder Baby Boy ID:vpdkriql

    Ainda quero ver o veio se fudeu! Sei que o muleque vai acabar sem Beto pelo pequenos detalhes, mas o velho tem que morrer da pior forma! Estuprado e capado.

    • Gringo ID:1v7e4dsh

      Com um Beto desse, nem pra escola eu iria, ia andar sempre sem cueca e quando ele chegasse, já arreganhava pra ele ou agachava pra mamar, que delícia.

    • Marcus ID:19p2lvrzj

      O véio ira se fuder sim. E o mlk fica com o Beto sim. Abraços Querido.

  • Responder luiz ID:dlns5khrd

    conto ta monotono o moleque tem que fuder com os homem todos

    • Marcus ID:19p2lvrzj

      Rs. Abraços Querido.

  • Responder Juca ID:h5hqg99zk

    Tá lindo mas agora o Beto tem dividir o mlk com o Luciano, pq ele tbm ama o mlk. Precisa apimentar mas.

    • Bsb novinho ID:muiqz2m9k

      Concordo plenamente

    • Marcus ID:19p2lvrzj

      Abração Querido. Boa noite.

  • Responder Sla ID:2ql0ptfzj

    Com um homem igual o Beto eu sou uma putinha obediente
    Mt bem lek, tem que obedecer seu macho sempre caladinho rs

    • Marcus ID:19p2lvrzj

      Bjo Querido.