# #

A mulher do preso 4

1016 palavras | 1 |4.66
Por

Depois que Carol me falou sobre a Dani fiquei bem interessado, a novinha era uma delícia, só de imaginar socando naquela buceta já ficava de pau duro. Afinal que não quer comer uma novinha?
Tive que fazer uma viagem e fiquei uns dias fora, mas sempre mantendo contato com a Carol, as vezes no hotel à noite fazíamos uma chamada de vídeo, só putaria, ela geralmente de calcinha e sutiã, alisava os peitos, apertava os mamilos, descia a mão até a buceta, puxava a calcinha de lado e brincava com o grelho, depois finalizava socando 2 ou 3 dedos na xota. E eu na punheta, que ela pedia pra ver a gozada, como estava deitado, gozava na barriga e ela dizia que a buceta piscava de tesão e vontade lamber minha barriga.
Acontece que um dia antes de voltar para minha cidade, estávamos conversando por vídeo, uma conversa aleatória, sem muita putaria, só um papo mais quente, pela imagem deu para notar que ela estava na sala de sua casa, quando vejo a Dani passar no fundo, passou rápido, mas deu para ver que estava de shorts e tapando os peitinhos. Perguntei para Carol se não haveria problema da menina ver, e ela respondeu que como já havia me dito, a Dani sabia que estávamos metendo.
Achei estranho, ela falar com tanta naturalidade sobre isso, ela já havia me dito, mas não acreditei muito, pois a menina era filha do mané que estava preso e levando chifre. Ela me contou que o pai da menina batia na mãe, por isso ela foi embora, então a menina via suas traições como uma vingança dela contra o pai, sabendo que ele era corno e sendo conivente.
De repente ela chama a Dani, que aparece no vídeo, a neguinha era bonita e tinha cara de piranha, me cumprimento e disse para eu não me preocupar, porque ela nunca iria contar nada para o pai, pois a madrasta também sabia de intimidades dela, eu brinquei e disse que também gostaria de saber dessas intimidade, e ela respondeu que quando eu fosse na casa dela e contaria algumas coisas e piscou.
Depois saiu, mas deu para perceber que estava com os peitos à mostra, falei para Carol que confirmou, e chamou a menina de volta, falando que eu tinha visto os peitos dela. Dani perguntou se gostei, respondi que não vi direito e ela então mostrou um peitinhos, e passando a língua nos lábios alisou acariciou os mamilos, bem putinha mesmo.
Depois que ela saiu perguntei para Carol o que foi aquilo, e ela sem cerimonias me disse, que foi o parte do pagamento da defesa do marido dela, não pensei duas vezes e falei que não iria cobrar mais nada pelo meu trabalho, mas queria as duas bucetas, ela riu, abaixa a câmera do celular e deu uns tapas no pacotão, dizendo: essa bucetona já é sua e a outra logo vai ser.
Depois disso não via a hora de ir embora, tinha um cliente para visitar num presidio no outro dia de manhã e após iria voltar para casa, chegando no final da tarde.
No outro dia, pela manha cumpri com meu compromisso e já peguei a estrada de volta, almocei em Ponta Grossa. Aproveitei e mandei mensagem para Carol, perguntando se ela não queria ir ao meu apartamento a noite, para aumentar meu tesão ela disse que iria e levaria a enteada junto.
Cheguei na minha cidade e nem fui para o escritório, fui direto para casa, dormi um pouco e em torno de 18:30 h. liguei para Carol, quem atendeu foi a Dani, falou que a madrasta estava no banho e que ela já estava se arrumando.
Eram umas 19:30 quando chegaram, Carol estava de saia e blusa, Dani de calça leg e camiseta solta, mas quando entrou no apartamento, deu um no do lado da camiseta, de modo que os contornos do seu corpo ficaram evidentes, a menina tinha bundão e pacotão, um verdadeiro capô de fusca.
Sentamos na sala e ofereci uma bebida para elas, Carol pediu uma cerveja e a menina perguntou se poderia beber também, peguei 3 cervejas e sentei entre as duas no sofá, conversamos amenidades e toda hora eu passando a mão nas pernas da Carol, cheguei na buceta e senti que estava sem calcinha, ela deu um gemido e disse que tinha mais gente sem calcinha, olhei para Dani que sorriu maliciosamente, pegando minha outra mão e levando até a buceta dela.
Que delicia, eu no meio de duas putas, madrasta e enteada, alisando a ppk das duas, na Carol eu brincava com o grelho, descia até sua fenda, melava e dedo e voltava no grelho. Na Dani e massageava por cima da calça leg aquela pacote delicioso, já sentindo a calça melando.
Eu estava de camiseta e bermuda de moleton, meu pau esta duro, latejando de tesão, com a cabeça toda melada, Carol enfiou a mão por dentro da bermuda e ficou punhetando de leve, Dani tirou a camiseta e ofereceu os peitos para eu chupar.
Enquanto eu chupava os peitos da menina, a Carol ficou pelada e me deixou pelado, e caiu de boca na minha rola, eu sentado beijando e mamando na Dani de um lado, dou outro Carol de quatro chupado minha pica e alisando a buceta.
Dani tambem tirou a calça, ja estava encharcada, sem cerimonias meti a mão na buceta novamente, que bucetuda, grelhuda.
Me deitei e Carol continuou com a chupeta, Dani veio por cima de mim e colocou a buceta na minha cara, lambi, chupei, mordisquei o grelho. Depois pedi para as duas ficarem de quatro no sofá, pensem em dois rabetões, com as pernas fechadas formavam aquele pacotão, uma buceta mais rosada e outra mais escuta, além de dois cuzinhos piscando a medida que eu dedilhava as xoxotas.

Continua…

⏩ O melhor site de desenhos animados pornô do 🇧🇷, HQs eróticas🔥

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,66 de 32 votos)

Por # #
Comente e avalie para incentivar o autor

1 comentário

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder Anônimo ID:gqb091pd2

    Delícia de conto continua…