# # #

Primeira vez que dei a bundinha depois de casado…

1908 palavras | 4 |4.38
Por

Dei a bunda na infância, tinha parado até fazer uma viagem para SP….

Tenho 56 anos, sou casado a 32 anos com a mesma mulher. Vivi minha infância nos começo dos anos 70. Família italiana com muitos tios e primos. Eu era um dos primos mais novos, então acabei descobrindo as maravilhas do sexo através deles. Eu fui criado por 3 irmãs mais velhas, e mais pela minha mãe. Meu pai estava sempre trabalhando. Elas me tratavam com muito carinho, cuidavam de mim, brincavam comigo. Eu era o nenê delas . Aprendi a gostar de brincar com bonecas e de casinha.
Um belo dia quando eu tinha uns 7 anos e um primo de 9 , com quem eu brincava bastante me convidou para fazer a ¨meia¨. Eu nem sabia o que era , mas pedi para ele me ensinar.
Eu era um menino bem bonitinho, nem gordo nem magro, cabelos loirinhos encaracolados, olhos verdes, coxas grossinhas e bundinha empinadinha, tinha uma cinturinha fina o ressaltava ainda mais bunda. Era muito educadinho, obediente e claro muito bobinho e ingênuo.
Voltando ao belo dia. Meu primo me levou para os fundos do comercio que meu tio tinha junto a casa deles. Lá me explicou que fazer a ¨meia¨ era um troca-troca. Primeiro um comia o outro e depois trocaríamos. Ele de cara disse que me comeria por primeiro, concordei e ele baixou meu shortinho , passou cuspe no meu cuzinho e meteu seu pauzinho em mim. No começo senti uma dorzinha mas depois até que gostei. Quando perguntei quando seria minha vez ele disse que estava vindo alguém e pediu para eu colocar meu short. Obedeci.
Fui embora sem comer ele. Outra vez ele me convidou e fez a mesma coisa. E assim por diversas vezes, ele me enganou. Para ser sincero , nem tentava comer ele. Deixava ele me comer o quando quisesse. Tinha até cosquinha no cuzinho, bastava ele passar a mão que eu convidava ele para fazer a ¨meia¨. Ele sempre inventava um jeito novo de me comer. Ora de quatro ora de ladinho, ora de pé(entendi quando ele me mostrou a fotonovelas em P/B que ele achava no caminhão do meu tio).
Acabei gostando de tudo o que ele fazia, mas adorava quando ele comparava minha bunda com as das minhas irmãs. Ele dizia que a minha era mais bonita e bem redondinha. Ele me comparava a uma menina. Dizia que eu tinha corpinho de menina e bundinha de mulherzinha.
Comecei a me interessar mais por isso. Um dia achei uma calcinha da minha irmã no banheiro. Não resisti e experimentei a tal calcinha. Até aí normal, mas quando contei para ele foi a perdição.
Ele queria me comer todo dia. Quando eu não ia na casa dele e começou a vir na minha.
Mas na minha casa era mais difícil, tinha sempre a mãe e as 3 irmãs em casa. Uma vez ele me levou para a sacada e me comeu lá mesmo. Ele era bem tarado e estava sempre com pintinho duro, pronto para me comer.
Depois de um tempo e me convenceu a dar para o irmão dele que tinha mais ou menos a minha idade. Outro dia me ofereceu para um amigo dele. Eu resistia um pouco, dizia que não faria , mas ele vinha elogiando minha bundinha, passava a mão e eu acabava deixando. Dava que nem putinha mesmo . De quatro sem em nenhum momento pedir para comer ele ou seu amigo.
Cerca de um ano e meio depois ele começou a comer minhas primas, não sei se não comeu minhas irmãs também. Mas estava sempre contando que comia uma prima .
Por fim , foi me comendo cada vez menos, mas não sem antes quebrar sua promessa e não contar nada para ninguém. O sem vergonha contou para vários primos que eu gostava de dar a bundinha.
Vários tentaram me comer. Todos vinham com aquele papinho de fazer a ¨meia¨, eu como sempre aceitava , mas todos diziam que iam me comer por primeiro. Eu deixava. Eu sempre me esquecia de comer eles. Adorava brincar de medico, onde sempre levava injeção na bundinha , ou de casinha onde eu sempre a mamãe e o papai sempre me comia.
Quando fiz uns 9 anos mudei de bairro e deixei tudo de lado. Também comecei a entender melhor as coisas e não queria ser chamado de viadinho.
Passei a adolescia inteira na punheta.
Comi a primeira buceta aos 18 anos. Gostei casei aos 24 e fui fiel por vários anos.
Quando as coisas no casamento esfriaram procurei sexo na rua . Comi umas putas até que destino me aprontou uma surpresa.
Fui de excursão para São Paulo. Para compras. No ônibus reparei um menino bem efeminado, sentado algumas poltronas a frente.
Chegamos em SP as 4 da manha de segunda feira. Na hora da divisão dos quartos a guia me colocou num quarto triplo . Eu o cara que estava sentado comigo e este menino efeminado.
Entrei no quarto direto na cama da janela , junto ao banheiro. O cara foi para o outro lado deixando o meio para o menino. Confesso que dei umas encaradas no menino.
Fomos dormir. Em seguida o menino passa na minha frente e vai ao banheiro. Não fecha a porta. Esperei uns minutos , me enchi de lembranças e de coragem e entrei lá também.
Ele estava parado junto a janela. Jogou um papinho que não conseguia dormir. Disse que também não.
Do nada ele colocou a mão no meu pau e perguntou se eu estava com vontade.
Meu pau endureceu e ele aproximou seu corpo do meu. Tentou me dar uns beijos , mas eu me desviei. Começamos a nos arretar e logo estávamos os dois de pinto duros.
Ele mandou eu me deitar. Obedeci. Em seguida ele sai do banheiro e deita por cima de mim. O cara do outro canto viu e virou contra a parede.
O menino começou e esfregar seu pinto duro no meu por cima das cuecas. Ele perguntou no meu ouvido se eu estava gostando. Disse que sim . Ele continuou e se esfregar em mim , e com as mãos passou a procurar minha bunda. Eu estava adorando. De repente ele começou a tentar baixar minha cueca. Eu ajudei ele e tirei minha cueca , ele fez o mesmo e logo estávamos esfregando nossos pau novamente. Suas mãos acharam minha bunda e logo seu dedo achou meu cuzinho.
Ele no meu ouvido só perguntando se eu estava gostando. Eu não conseguia nem responder. Só gemia. Então ele pegou o dedo e colocou na minha boca. Chupei aquele dedinho fino. Ele em seguida colocou o dedo molhado no meu cuzinho. Mordeu minha orelha e perguntou se eu gostava.
Não conseguia responder, só gemia. Ele percebeu meu tesão e delicadamente colocou as mãos nos ombros me fazendo sinal para virar e ficar de bruços.
Obedeci. Virei de bundinha para cima e ele logo colocou seu pau no meu reguinho. Começou um vai vem na minha bundinha. Em seguida passou cuspe no meu cuzinho.
——O que tu quer fazer ? perguntei , já sabendo a resposta.
Ele apontou o pau no meu cuzinho e deu uma forçadinha.
——Tu quer ? perguntou ele no meu ouvido já sabendo a resposta.
Eu só gemia e ele sem esperar a resposta meteu seu pau no meu cuzinho.
Senti uma dorzinha, anos sem dar , eu era praticamente virgem. Mas ele apesar de novo sabia fazer. Meteu a cabecinha, tirou passou mais cuspe e meteu de novo. Senti as pregas se abrindo e seu pau foi entrando devagar, me fazendo gemer como cadelinha no cio.
Quando senti seu corpo bater no meu, senti que tinha entrado tudo. Ele mordiscava minha orelha e pedia para eu empinar a bundinha. Eu como uma putinha obedecia.
Ficou me comendo uns 10 minutos. Então acelerou o ritmo e batia seu pau com força na minha bundinha. Firmou seus braços ao lado meu corpo e metendo com bastante força, gozou dentro do meu cuzinho. A cama chegou a ranger. Tentei esquecer o companheiro do outro lado do quarto.
Ele deixou o pau baixar um pouco e tirou aquele invasor , todo melado , da minha bundinha.
Deu um alivio no cuzinho, sobrou um pouco de dor e vergonha. Ele foi ao banheiro se lavou e foi dormir.
Adormeci assim mesmo, de bruços, sem forças todo melado , na bunda e no pau, já que acabei gozando sem me tocar.
Quando acordei ele já tinha saído. Trabalhei o dia todo pensando na noite de segunda que íamos dormir no mesmo quarto para ir embora só na terça a tardinha.
Para minha decepção ele não apareceu a noite, também na vi ele na tarde de terça e quando voltamos ao ônibus para voltarmos , também não o vi. Perguntei a guia e ela respondeu que ia voltar de avião.
Fiquei muito frustrado. Mas nunca mais fui o mesmo. Depois daquela viagem, caiu uma ficha em mim, me lembrei de todos aqueles troca-troca da infância. Continuei a comer minha mulher, mas não tirava aquele moleque da cabeça. Cheguei a procurar ele na loja dele ali em São Leopoldo. Vizinha da minha cidade, Porto Alegre. Não achei ele, nunca mais o vi.
Aos poucos fui perdendo a vergonha e comecei a procurar sexo com homens, sempre que viajava para São Paulo. Ia pelo menos uma vez por mês . No começo ia aos cinemas , sentava e começava uma punheta. Logo aparecia alguém para chupar. Fui ficando mais ousado , baixava as calças e sentava na pontinha do banco. Logo eles chupavam , mas já procuravam meu cuzinho com dedo.
Eu adorava cada vez mais, ficava mais ousado e por fim já ficava de pé batendo punheta com as calças nos joelhos. As vezes vinham chupar meu pau, mas sempre acabavam passando a mão na minha bunda. Não demorou muito para eu ser encoxado. Poucas vezes depois já estava dando a bundinha nos cinemas e nas saunas de São Paulo.
Para não sujar minhas cuecas, comecei a comprar calcinhas em SP e ir aos cinemas e aos saunas vestido com calcinhas. Não preciso dizer que a intenção já nem era ser chupado mas sim , dar a bundinha. Nos cimenas quase não viam que era calcinha, a não ser que puxasse ela bem no meio do reguinho. Nas saunas eu desfilava de calcinha.
Comecei a ficar viciado em dar a bundinha. Ainda durinha e branquinha e com uma calcinha enviada no rego era fácil achar quem quisesse me comer. Passava uma noite só em SP. mas ia a vários cinemas e pelo menos uma sauna em cada noite lá em SP. Dava a bundinha para 3 ou 4 cada noite, voltava para hotel, me lavava, trocava a calcinha e voltava para dar mais um pouco.
Em Porto Alegre tem menos lugares e não posso sair a noite, mas sempre que consigo uma desculpa visito uma sauna ali na rua Cabral. Mas fico pouco tempo, as vezes consigo dar para um ou dois.
Quem quiser saber mais estórias entre em contato com o email :
[email protected]

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,38 de 21 votos)

Por # # #
Comente e avalie para incentivar o autor

4 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder Tata Nascimento ID:8d5n6s649d

    Amei seu conto me lembrou dos anos80 tbm, tinha um primo mas velho que agente fazia troca troca, mas o mesmo faleceu em acidente de carro, comecei a frequentar o cine pornor aqui em Salvador tupy onde conheci um cara que me comia e eu a ele, depois comecei a dar para as trans, hoje com 56anos e a mas dec5anos sem ser comido por alguém

  • Responder Maxx! ID:3ynzguyzfia

    Tbm comecei aos 7.
    Me chamem.
    @nalabuta
    [email protected]

  • Responder Tio 50ão... ID:gqbg04m99

    Empatamos…
    Tenho 55, fui casado duas vezes, e qdo surgia uma boa oportunidade pra dar o cusinho, dava gostoso. Se bem que tem muito tempo que não rola uma boa né. Hj tá muito difícil, não qq lugar que se arrisca a ir, e dá samba né. A um tempo atrás saí pra dar umas voltas sem compromisso, e rolou de um garoto aparecer no meu caminho. Era tarde da noite, ele estava num ponto de ônibus, parei pedindo uma informação qq, ele explicou, e eu joguei perguntando pra onde ele ia, pq era tarde e eu sabia que não tinha mais ônibus por ali. Ele disse pra onde ia, então ofereci uma carona até um certo terminal. Ele aceitou de boa, e no trajeto, arrisquei né, o menino entendeu, sorriu e falou que só não faria nada na rua. Arrisquei leva-lo pra casa, mas antes dei umas voltas, afim de saber mais sobre ele. Passava das duas da manhã qdo chegamos em casa, e obviamente sugeri tomar um banho antes, ele aceitou e foi na frente. Demorou um pouco mas valeu a espera. Qdo ele abriu a porta e me chamou, ainda estava se enxugando. Olhei pra ele e perguntei a idade, 16 foi a resposta. Sorri, apalpei a rola dele e falei que só de imaginar que ele ainda ia crescer até os 20a, já dava medo. Fazia muito tempo que eu não dava, e o menino era tão bem servido, que sofri na primeira trepada, e como sofri. O melhor foi depois de um breve descanso, que tomamos banho juntos, e qdo voltamos pra cama, rolou um 69 por iniciativa dele, pasmei né. E qdo ele foi se chegando, querendo claramente me dar o cusinho, foi pra fechar com chave de ouro. Levei-o até perto de onde ele morava, mas nunca mais o vi. E olha que cansei de rodar por aquele bairro hein. Como falei, faz tempo, mais de dois anos pra ser exato, e meu divertimento desde então, são alguns brinquedos que tenho. É divertido, mas nada como ter uma rola de verdade pra te fazer gozar gostoso.

  • Responder luiz ID:dlns5khrd

    Tu nunca deixou de ser viado todos os seus contos vc da esse cu e ainda diz que voltei a dar o cuzinho tu nunca deixou