# # # #

Botei os mulekin do meu bairro pra cruzar com minha priminha (parte 2)

2921 palavras | 9 |4.23
Por

Helinho estava muito ansioso para a vez dele. Mas a mesma brincadeira seria difícil ela aceitar, então tive que mudar.

Sentei na cadeira perto do Ademir e perguntei pra ele se tinha sido bom, ele me olhou e disse que tinha sido a melhor gozada na vida dele e que nunca tinha experimentado isso antes, que foi bom pra caralho. Dizendo isso o Joãozinho ficou doido, querendo saber mais detalhe de como foi a sensação e o Helinho mais uma vez começou a me encher o saco mandando eu trazer minha prima pra sala que eu tinha prometido que agora era a vez dele, eu retruquei e disse que não tinha prometido nada mas que eu ia lá no quartinho dela ver se ela ia voltar.
Fui até o quarto da minha mãe, vejo minha prima sentada quietinha na cama dela vendo tv, chamei ela pra ir lá pra sala pra gente continuar a brincar mas ela balançou a cabeça que não, que agora ia ficar vendo tv, eu tentei insistir falando que ia ser rapidinho e se ela pedisse pra parar a gente ia parar, ela não tava querendo de jeito nenhum, eu então disse que a gente n ia mais brincar de provar nada, que agora so ia tentar adivinhar o que era passando o pé, ela ficou meio receosa, mas acho que como ela não tinha amiguinhos estava carente de atenção e acabou topando.
Quando voltei na sala de mãos dadas com minha priminha os três meninos estavam conversando entre si, estavam rindo e enquanto o Ademir fazia gracinha de ficar segurando a almofada com as duas mãos e ficar pressionando contra sua virilha simulando um sexo oral. Assim que eles me notaram com a minha prima eles pararam na hora o que estavam fazendo. O Helinho ficou todo feliz e já veio com a venda na mão pra vendar minha prima que entrou por trás das minhas pernas querendo se esconder. Eu falei pro Helinho que agora a gente ia vendar o Joãozinho e que a gente não ia mais fazer brincadeira de colocar nada na boca, a brincadeira agora iria ser vendar uma pessoa e colocar um objeto no chão e ela ia ter que adivinhar passando a sola do pé no objeto. O Helinho ficou com cara sem entender nada mas olhei pra ele e falei pra ele se acalmar.
O Joãozinho sentou na cadeira, vendamos ele, ele estava todo apreensivo, coloquei um melão perto do pé dele e mandamos ele colocar o pé no objeto e tentar adivinhar o que era, ele meio receoso foi passando o pé no chão até encontrar o melão, ficou passando o pé levemente e rapidamente acertou o objeto, também era o único objeto grande que eu havia trazido da cozinha e ele deveria ter percebido. A brincadeira foi rápida com o Joãozinho, colocamos mais uns dois objetos em baixo do pé dele e ele não conseguiu mais adivinhar nem um, minha prima estava rindo das palhaçadas dos meninos, acho que ela já meio que tinha se soltado mais depois do que aconteceu.
Terminado o Joãozinho peguei a venda e mandei ela ficar sentadinha na cadeira, assim que fui botar a venda ela logo me questionou se eu não ia colocar nada na boquinha dela e eu afirmei que não, que íamos brincar dela adivinhar com o pé, o Helinho me cortou e disse que só ia fazer mais uma brincadeira de colocar na boca e depois não mais, mas o Joãozinho deu um peteleco na cabeça do Helinho e falou que depois ele ia também. Nisso minha priminha já recuou a cabeça pra eu não colocar a venda e quis levantar da cadeira porque não queria mais brincar de nada na boca, mas eu acalmei ela e disse que era brincadeira deles que não iríamos por nada na boca dela, ela ficou mais calma e me deixou vendá-la.
Assim que perguntei pra ela se ela tava vendo alguma coisa e ela disse que não escuto Joãozinho e Ademir atrás de mim rindo meio alto, quando me viro para olhar qual a graça vejo a camisa o short e a cuequinha do Helinho jogadas no sofá da sala e ele todo peladinho com as mãos na cintura, o corpo dele n tinha pelo nem um ainda em nem um lugar e o pauzinho dele duro era quase mesmo tamanho e grossura que do Ademir, praticamente a mesma coisa. Ele vira pra mim e pergunta se ele já podia ir na vez dele, o Joãozinho exclama que o amigo era muito sem noção e mais uma vez da um tapa de leve na cabeça do Helinho, ele fica meio puto mas ignora e volta a perguntar pra mim se agora seria a vez dele. Eu falo pro Helinho bem baixo, mas em um som que os outros dois também possam ouvir, que agora a brincadeira iria ser outra, a minha prima iria passar o pezinho dela no pau dele, ia ser meio que uma punheta de pé que ele ia receber, ele pareceu ficar puto, ele disse que queria que ela chupasse, quando ele disse isso ele disse meio alto e minha priminha ouviu essa palavra e já foi tentar levantar da cadeira mas eu empurrei ela de volta e falei pra ela ficar tranquila que ela não ia chupar nada. Helinho ficou bem puto e disse que se fosse assim não iria querer mais ele foi pegar sua cueca pra colocar enquanto o Joãozinho disse que então ele iria querer, quando ele disse que iria querer o Helinho, logo desistiu de por a cueca e falou que ele mudou de ideia que ia querer sim ela passando o pé no pinto dele.
Eu disse primeiro pra ele esperar um pouco então, peguei um abajur que tinha na sala e coloquei perto do pezinho dela e mandei ela tentar adivinhar, logo que falei isso ela foi procurar com o pé ela deu um chutão no abajur e quase rasgou a parte de cima, os meninos começaram a rir alto menos o Helinho que virou pra mim com cara de que poderia ter chutado ele. Com os meninos rindo alto a minha priminha achou graça e acho que isso incentivou ela a querer ainda mais chutar as coisas que colocava perto do pezinho dela. O Helinho puto com os amigos mandava eles pararem de rir mas isso era difícil, eu falei meio bravo pra Ynara parar de chutar as coisas que ela não estava sabendo brincar e que se ela não sabia brincar com o pé ia brincar com a boca. Quando eu disse isso o Helinho incentivou falando que agora ela ia brincar com a boca, ela mais uma vez negou com a cabeça, e com uma mão enquanto colocava na venda pra tirar com a outra já segurava na cadeira para dar impulso para se levantar, eu rapidamente impedi as duas ações dela enquanto dizia que ela ia ter mais uma chance de acertar com o pé, ela então aceitou, ficando sentadinha na cadeira vendada esperando o próximo objeto.
Nessa hora mandei o Helinho deitar no chão da sala, ele me deita com a cara perto do pezinho dela, quando ele faz isso o Joãozinho logo fala “que muleke burro”, o Ademir demora um pouco pra entender mas ele logo percebe o erro e cai na gargalhada, o Helinho olha pros dois amigos sem entender mt bem o motivo da graça, até que eu pra ajudar ele me agacho e agarro ele passando meus braços sobre as axilas dele e começo a arrastá-lo até que o pauzinho dele fique perto dos pezinhos da minha prima. Assim que terminei de ajudar ele, o Ademir logo falou em tom de brincadeira pra minha prima dar um chute pra tentar adivinhar o que é, o Joãozinho gargalhou mas falou pro amigo que era sacanagem, o Helinho na mesma hora já começou a se levantar do chão mas mandei ele deitar que ela não ia chutar não se não ela ia ter que adivinhar chupando, quando disse isso até vi os pezinhos dela se contraírem pra trás com medo de chutar e ter que voltar a brincadeira de chupar.
Com tudo ajeitado, mandei ela ir devargarzinho procurando o objeto com o pezinho dela e assim ela fez, os pezinhos dela pequenos foram indo pra frente bem devargazinho até a pontinha do pé dela esbarrar na virilha do Helinho, com isso ela ficou pressionando os pés de leve na virilha do menino pra tentar adivinhar o objeto mas eu disse pra ela que o objeto na verdade estava mais a frente e com isso ela foi seguindo com os pezinhos pela virilha do Helinho até os pezinhos dela encontraram o pauzinho dele. Helinho já tava com pauzinho todo durão, ele tava deitado mas com os cotolevos no chão com a cabeça erguida olhando para os pezinhos da minha prima explorando seu brinquedo. Minha prima bem levemente com o pezinho esquerdo pressionava o saquinho do menino enquanto com o pé direito explorava mais a pequena forma cilíndrica misteriosa. A carinha dela tava normal nem sabia o que tava passando o pezinho, Joãozinho e Ademir já estavam agachados perto da cena olhando fixamente os pezinhos da menina explorarem o amiguinho.
Pergunto pra ela se ela sabe o que é, ela parece não fazer ideia, começa a tentar acertar falando coisas nada a ver como esponja, copo, travesseiro. Passados uns 30 segundos ela passando os pezinhos lá ainda começa a tentar desistir já pedindo que a gente revele o objeto, percebo que o Helinho não tinha ficado meio decepcionado pois achou que seria algo melhor. Nisso eu digo pra ela que esse ela tem que passar o pé até acertar e eu iria ajudar ela. Nisso eu me posiciono ao lado da cadeira dela bem perto e fico de joelhos. Seguro cada canela da perninha dela com cada uma das minhas mãos e peço pra ela deixar as perninhas molinhas que eu ia ajudar ela a passar o pezinho pra descobrir o objeto. Segurando as canelinhas dela dobro os pezinhos dela com que as duas solas do pezinho dela fiquem uma de frente pra outra e no meio o pauzinho do Helinho. Nisso eu pressiono as solas do pezinho dela no pauzinho do menino e com as solas do pe pressionadas vou levando os pezinhos dela pra cima e pra baixo, começando a punhetar o menino com os pezinhos da minha prima.
Começo a fazer isso bem de leve, os meninos ficam em silêncio só apreciando a cena, Helinho fica com boca meio aberta olhando focado em ver seu pauzinho sendo punhetado pelos pezinhos da minha prima. Enquanto faço isso pergunto pra ela se ela sabe o que é e ela bobinha tenta acertar mas em vão. Helinho olha pra mim e falando com os lábios sem emitir som pede pra eu ir mais rápido que tava muito bom. Nisso começo a acelerar e noto que minha priminha começa a sentir desconfortável pela posição que estava mas peço pra ela esperar um pouquinho que não ia demorar muito. Quando começo a acelerar mais noto que tava tento muito atrito entre a sola do pezinho dela e do pau do Helinho que começa a reclamar e pede pra eu desacelerar. Percebendo isso eu dou uma cuspida de leve na minha mão e começo a passar na sola do pezinho dela, ela começa a reclamar e perguntar o que eu tava fazendo e eu disse que era água pra fazer ela acertar ela não contestou muito, já Helinho me vendo passar cuspe no pe da minha prima soltou um “que nojo velho”, eu falei pra ele que era pra ajudar ele e que ia ficar muito melhor, o Joãozinho e Ademir acharam minha atitude meio estranha no começo mas depois começou a fazer sentido pra eles.
Com os pezinhos da minha prima lambuzados com minha saliva, quando eu passava eles no pauzinho durasso do Helinho eu conseguia ir mais pra cima e pra baixo bem mais rápido e estava punhetando o pauzinho dele com os pezinhos bem mais pra ponta do pau dele, estava esfregando mt a cabecinha do pau dele e isso começou a deixar o mulekinho doido. O Helinho começou a perder as forças e parou de se escorar no chão com os cotovelos e de erguer a cabeça para ver seu pauzinho ser punhetado e se estirou completamente no chão olhando pro teto com a boca aberta e com os olhinhos meio fechados. Quando ele fez isso Joãozinho e Ademir logo ficaram mais animados com o amiguinho assim pq sabiam que o negócio tava bom pra caralho e até deram uma risadinha abafada.
Como o Helinho estava olhando pro teto só apreciando a punheta e eu tava conduzindo a sinfonia com os pezinhos da minha prima, olhei pro Ademir e disse mexendo os lábios sem sair som pra ele perguntar pro Helinho se ele já estava gozando se ia demorar muito, porque até eu tava ficando desconfortável já. Ademir se vira pro amigo cutuca ele e cochicha no ouvido dele que cochicha de volta, Ademir me diz que o Helinho disse que estava muito gostoso e se eu podia ir mais rápido pra ele gozar. Entendi a mensagem e disse pra minha prima que em um minuto se ela não adivinhasse ela poderia parar, nisso eu dou mais uma salivada no pezinho dela, pressiono mais forte e começo a acelerar ao meu máximo pra cima e pra baixo no pauzinho do Helinho. Nisso percebo os pezinhos do menino se contorcerem assim como todo corpinho dele, ele instintivamente tenta levantar e descer os quadris pra o máximo que ele pode e começa a gemer, só que ao invés do filho da puta gemer mais baixinho ele começa a gemer alto e falar uns palavrões, nisso olho arregalado pro Joãozinho que rapidamente entende e vai pra cima do amigo e coloca a mão na boca dele pra abafar os gemidos enquanto manda o muleke calar a boca, mas o muleke ignora e continua gemer alto, mas pelo menos abafado, já que o Joãozinho está com a mão tapando sua boca. Quando o muleke da a sua gemida final ele fica mais frenético em balançar o quadril pra cima e pra baixo e da pontinha do pauzinho dele sai uns 3 jatinhos não muito fortes de um líquido muito transparente que caem no pezinho da minha priminha e nele mesmo. Nisso minha prima quer tirar a venda por achar tudo estranho mas novamente impeço ela e com ela vendada, seguro ela no colo e levo ela de volta no banheiro. Minha prima tira a venda coça a canela da perna e me olha com carinha de que não gostou de ter mexido tanto pezinho dela, percebo que a canelinha dela quase ficou com a marca da minha mão de tanto que segurei mas pareceu não machucar muito. Nesse meio tempo o Joãozinho entra no banheiro (estava aberto), e me pede um rolo de papel higiênico pra limpar o Helinho, dou o rolo e ele sai. Falo com minha prima pra ela voltar pro quartinho na minha mãe que depois ia chamar ela, ela saiu esfregando as canelinhas dela meio puta comigo.
Quando voltei na sala vi o Ademir sentado no chão olhando o Helinho se limpar, Joãozinho estava agachado e cortava folhas de papel higiênico e entregava ao amigo, que estava ainda peladinho sentado no chão se limpando com os pedaços de papel higiênico que lhe era entregue. Assim que eles me viram tomaram susto mas logo disse que estava sozinho eles continuaram, a sujeira era até muito maior que eu imaginava, a virilha toda do muleke tava babada seja com minha saliva misturada com sua porrinha, terminou de limpar seu pauzinho ainda meia bomba, botou a cuequinha e deitou no sofá com braços pra cima ocupando todo espaço, ele parecia estar em êxtase. Sentei na cadeira onde minha prima estava sendada e notei que o chão ainda tava melado, pedi o rolo para limpar. Perguntei pra ele se tinha valido a pena, ele vira pra mim e diz que foi a melhor punheta da vida dele, mas que ele preferia ter sido chupado. Falo pra ele que vou ver ainda como vou conseguir que ela chupe ele. Ficamos meio no silêncio até que o Joãozinho meio sem graça pergunta pra mim onde ta minha priminha e se ele vai poder ter a vez dele. Eu viro pra ele que claro que ele vai ter a vez dele e vou para o quarto da minha mãe chamar minha prima.
(Continua…?)
Se gostaram deixem comentários que posto a continuação

⏩ O melhor site de desenhos animados pornô do 🇧🇷, HQs eróticas🔥

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,23 de 26 votos)

Por # # # #
Comente e avalie para incentivar o autor

9 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder Antôny ID:81rd3cfyzl

    Continua pofavor

  • Responder Henrique ID:h5i1num9i

    Tem potencial pra muitos episódios, continua….
    Depois dessa primeira fase ela tem q dar pros 3 mlks e depois fazer seus amigos comer ela tbm.

  • Responder Eduardo ID:h5i1num9i

    Continua, muito bom

  • Responder Levi ID:dct0dfvm2

    Falta a continuação…a maioria dos cara começa os contas e não termina

  • Responder Jovem ID:funr18fii

    Ou consigo assistir ?

    • Vitor Kaenan ID:81rfhenmm1

      Esse cara faz os melhores contos

  • Responder Prof tarado ID:1wm1mrhj

    Esperando a continuação

  • Responder TH ID:gqb5vjim2

    Cara que legal você ter continuado o conto! Estou no aguardo das outras partes, pois gosto da forma que você conduz a história!

  • Responder Luck nha ID:muiums6ia

    Gostei bastante, esperando a continuação