# #

Perdi o cabacinho numa pescaria

3161 palavras | 6 |4.66
Por

Conto: Perdi o cabacinho numa pescaria

Vamos lá, esse fato aconteceu comigo a muito tempo atrás. Hoje sou casado pai de 4 filhos. Meu perfil: sou um cinquentão, 1:80 de altura. 97 kilos peludão um Urso, uso codinome BearMax.
Meu tio na época deveria ter uns 50 e poucos anos, casado pai de 4 filhos, gordo, não muito alto, peludo, muito peludo (todos homens da família são) policial. Eu 13 anos, branquinho, lisinho e gordinho.
Um parêntese: Meu tio era uma pessoa séria e de poucas brincadeiras. Com os adultos ele se soltava mais, porem como os menores ele era de pouco, ou nada de assunto a não ser um breve: Bom dia! – Tudo Bem! – Como vc está!
Porém, quando atingi uns 10 anos ele passou a mudar com relação a mim. Meu corpo deu um esticada, tanto pra cima qto para os lados. Minha bundinha deu uma estufada.
Começa qdo fui na casa do meu primo para fazer um trabalho. Eles moram numa cidade próxima a minha. Chegando na casa deles minha tia estava de saída, disse que estava indo ao supermercado e me perguntou se ficaria para o café – Disse que talvez.
Ao entrar na sala, meu tio estava sentado no sofá assistido TV. Estava de calção e sem camisa… Me olhou e disse:
– Olá td bem? Respondo com um … Sim…
Na sequência me disse: – Seu primo está no quarto… Me encontrei com meu primo… e começamos o trabalho… ao fundo ouço o som da tv ligada… Resolvi beber água, meu primo disse para pegar na cozinha… Teria que passar pela sala para chegar a cozinha.
Ao passar pela frente do meu tio, esse disse: SE DER PRA MIM EU COMO… COMO COM PRAZER…
Não esperava esse reação, e disse ao meu tio.. – Não entendi?
Ele respondeu: O churrasco do comercial… COMO TUDO… Eu disse – Ah!! E fui pegar água. Peguei o copo e fui para o quarto do meu primo.
Ao retornar e passar pela sala meu tio diz: –
Vc faz o favor de pegar essa chave que está ai no chão perto da TV..
Coloquei o copo na estante e abaixei para pegar a chaves… Quando ele me chama a atenção para ele.. jogando uma almofada do sofá para poltrona. Quando viro pra olhar para ele… ele coloca a mãos sobre seu pau e vejo ele todo pra fora com calção…
Ele me disse – Ops o passarinho escapou… e me encarando viu que aquilo que chamou a atenção e fiquei olhando… afinal era muito diferente do meu: peludo e grande.. Ele deu uma risadinha sem graça… eu peguei a chave e entreguei a ele…
Foi quando, para minha surpresa. ele passou a mão na minha bundinha apertando-a e dizendo: obrigado…
Fiquei sem graça porque ele não era de brincar. MAS ESSA HISTÓRIA FICARÁ PARA PRÓXIMA…. por ser longa… assim vou direito ao dia/noite em que perdi meu cabacinho.
(…)
Essa história veio à tona em minha mente, ao começar uma sessão de psicologia. Fui retornando ao passado e acebei por me lembrar de tudo.
Com disse eu tinha 13 anos. Meu tio havia comprado um rancho que ficava as margens da represa de Itupararanga, que margeia algumas cidades da região entre elas a cidade de Alumínio e Mairinque. Era véspera de feriado quando meu pai chegou para mim e disse:
– Vamos pescar… arruma suas coisas que vc vai comigo…
Me surpreendi pq não era comum eu ir junto, mas talvez isso fosse para dar uma aliviada para minha mãe. Arrumei uma mochila e fomos para o rancho do meu tio que ficava no limite da cidade de Alumínio.
Chegando lá por volta das 15 hrs. Havia três carros. Estavam no Rancho, além do meu tio mais três amigos deles.
Era uma casa simples. quatro cômodos: Cozinha, dois quartos com um banheiro. Cozinha simples somente com e necessário.
Dos quartos – um com beliches e outro com uma cama de casal e um beliche. No quarto dos fundos que tinha a cama de casal e um beliche havia uma pequena televisão… Liguei e fiquei por ali assistindo… Meu tio, meu pai os amigos pegaram um bote e me disseram que iriam montar as redes. Do outro lado da represa e assim o fizeram…
Eu fiquei por ali… dei uma volta pelo rancho que era cercado por mata alta e densa… Vi o bote ao longe, do outro lado da represa. Voltei para o quarto e fiquei assistindo… Começou a escurecer rapidamente. Quando escuto eles votando da represa.
Foram diretos para cozinha meu tio começou a fazer a janta. Ouso o barulho das latinhas se abrindo… Muita cerveja e muito papo. O cheiro de tempero frito invade o quarto. Não demorou muito – quando fui chamado para jantar… era prato simples: um mexidinho qualquer, muito bom por sinal. Jantei e voltei para quarto… estava assistindo um filme.
Eles permaneceram pela cozinha bebendo e rindo. Depois de algum tempo percebo um movimento, cada um colocando suas mochilas nas camas.
Uns tomando banho e outros arrumando a cama. Percebi que acabei ficando com a cama de casal onde estava sentando. Meu tio tomou bando e veio para cama de casal, estava só de calção sem camisa.
E perguntou: Vamos dormir?
Fiquei sem ação e disse: – Vamos. Perdi a noção do horário. Mas estava muito escuro, ainda mais no meio do nada, cercado por mato. Notei que meu pai dormiria no outro quarto, com mais dois amigos e no quarto onde estava ficou outro amigo, num beliche, e meu tio e eu na cama de casal.
Todos deitaram em suas respectivas camas. Meu tio foi ao banheiro e ao voltar, parou na minha frente e arrancou o calção ficando só de cueca samba canção, bem larga… E me perguntou, você dorme de cueca, pijama ou pelado…
respondi rápido – De pijama…
Já colocou? – Sim já – Então vamos dormir, que a manhã levantamos cedo. Nisso ele ergue bem as pernas e deixa as bolas saírem pra fora da cueca e fica olhando para mim, não tinha como não notar isso… Ele entrou debaixo do lençol e me cobriu com a outra parte do lençol.
O interruptor ficava ao lado da cama ele apagou a luz, foi um breu total… muito escuro, não dava para ver um palmo diante do nariz. Virei para um lado e ele para outro.
Aos poucos começava a ouvir os roncos dos outros… Além do barulho de grilos e cigarras lá fora. Peguei no sono… quando pela madrugada, meu tio se vira para mim, me pegando de conchinha e jogando seu pesado e peludo braço sobre meu corpo. Ele era gordo.
Me senti envolvido por ele e o seu braço pesado sobre mim me mantinha preso a ele. – Pensei – Ele está sonhando… fiquei paralisado não me mexia e nem dava pra me mexer.
Sento algo duro na minha bundinha gordinha… Ele me pressionava… ai depois de um tempinho ele afasta um pouco seu quadril do meu, mas volta rapidamente… Senti algo mais pontudo que atingiu em cheio minha bundinha… Pensei – E o pinto dele que está fora da cueca… acredito que ele mesmo tenha tirado pra fora… Mas não tinha certeza, porque todos roncavam naquela casa.
Achei realmente que ele estava sonhando. Eu imóvel e ele me pressionando… o tempo passando sinto que ele começa e se movimentar mais lentamente. Me aperta com seu braço pesado. E eu imóvel. (só um parêntese: sou de uma geração em que havia um tabu, muito grande, sobre o assunto sexo – Os pais não tocavam no assunto, aliás era um assunto proibido – então era o total analfabeto nesse assunto e não havia internet para pesquisar).
Continuando… Senti que meu tio ficou impaciente com a situação… E achando que ele estava sonhando… continuava imóvel.
Acredito que ele não aguentou muito essa situação. E, estando com sua boca muito próxima a minha nuca, começou fungar, soltando um ar quente, que me deixava arrepiado…Chegou com sua boca muito próxima da minha nuca e pescoço e continuava a fungar/respirar… um ar com cheiro de cerveja que me deixa ainda mais atordoado.
Foi quando, de repente ele me diz baixinho no meu ouvido, sussurrando – Está gostando? Fiquei se ação… pensando ele não está dormindo…
Ele voltou a perguntar – Está gostando? Não respondi… e permaneci imóvel…Foi quando para minha surpresa e pega a sua pesada e enorme que estava sobre meu corpo e vai direto no meu pintinho…
Assustando tento segurar a mão dele, mas ele foi mais rápido e segurou meu pintinho totalmente duro…Imediatamente sussurrou no meu ouvido-
ESTÁ GOSTANDO SIM SEU TARADO… AQUI OH!!! ESTÁ COM O PIPI DURO… E com dois dedos apertava meu pintinho…eu tentava fechar as pernas impedido que ele segurasse meu pintinho. Mas isso tudo em vão.
Ele então segura minha mão, e leva para trás do meu corpo, até a pica dele, que estava realmente fora da cueca… Era dura macia e quente. E junto com mão dele me faz segura sua rola.
Senti que era muito peludo… e ele esfrega minha mão por toda sua rola, pelos e saco…E prendeu minha mão entre suas coxas larga, grossas e pesadas. Quando voltou a sussurrar no meu ouvido:
Chupa ele chupa….
Ai eu respondi, tb sussurrando: – Oque?
Ele voltou a dizer: – Dá um chupada nele dá…
Eu falei não…
Ele disse se não chupar vou acender a luz e dizer para todos que vc estava segurando meu pinto.
Tentei tirar minha mão e não consegui…
Ele disse: Vai rapinho só uma chupadinha… Vai por debaixo do lençol… ninguém vai ver estão todos dormindo, mas tem que ser agora…
Com uma das mãos ele pegou na minha cabeça e com a outra segurava o pinto… e foi me empurrando pra debaixo do lençol. Acabei indo… mesmo no escuro, ele me conduziu até seu cacete eu abri minha boca e coloquei só aquela cabeçona na boca e fique assim parado. Ele me puxou de volta e disse sussurrando:
Não é para só por a boca e pra chupar mesmo, feito um sorvetão gostoso, uma mamadeira, uma chupeta…
Vai e me empurrou de volta. Sem alternativa comecei a chupar com ele disse, mas só na pontinha porque não cabia tudo aquilo na boca. Ele tentava empurrar tudo pra dentro da minha boca, mas eu segurava…
E chupei, chupei… Para minha surpresa ele me puxa pra cima e diz, delícia, delícia, mas vc não está preparado para levar na boca (fiquei sem entender o que ele estava dizendo).
Foi quando ele disse no meu ouvido sussurrando: – Você confia em mim?
Respondi: Sim… Ele enfiou sua mão dentro do meu calção de pijama e ficou apartando minha bundinha… Eu dizia baixinho: Para… Para… Ele passava um de seus dedos no meu cuzinho.
E disse: tira, tira fica peladinho… ao mesmo tempo em que ele tirava sua cueca samba canção… E disse:
Fica peladinho como eu… Não tive como impedir, ele foi tirando me calção e minha cueca… Fiquei pelado de baixo do lençol. Ele me colocou de bruços… e disse: Abre bem as pernas… E foi ajudando-me abrir as pernas…
De repente ele veio por cima de mim… Fiquei sem saber o que fazer…
Só dizia baixinho… Não… Não… Eles vão acordar…
Ele disse: Nada estão todos roncando, não está escutando? E veio por cima de mim… Com uma das mãos, ele foi conduzindo sua rola na minha bundinha, encaixou a cabeça do pau bem no meu cuzinho.
E disse: – Relaxa… Vc vai gostar… Vai ser gostoso…E foi empurrando… Disse ainda que, no começo doe um pouco, mas depois fica gostoso…ele deixou o pau na entrado do meu cuzinho e levou a mão até a boca cuspiu e voltou no pinto, passando a saliva na minha bundinha que ficou molhada com o cuspe e voltou a pressionar… Senti que meu cuzinho não iria resistir muito, estava quase cedendo às investidas…
E ele pressionando ele disse: – Relaxa, não fica com medo não que ai ele fecha e não abre… eu quero entrar em vc.. Vai deixa… só um pouquinho… Não vou colocar tudo… Está quase entrando… só mais um pouquinho…
E continuo pressionando… Meu cuzinho foi cedendo senti que ele iria se abrir…tentei fechar..
Meu tio disse abre as pernas… E abriu mais minhas pernas… Foi quando meu cuzinho cedeu um pouco e a cabeçona dele escorregou pra dentro…
Eu falei: TIRA.. TIRA… TIRA… tá doendo;
Ele disse calma, vai passar, doe por causa do cabaço depois que eu tirar seu cabacinho vai passar a dor…
Ai então eu disse: Então tira… Tira.. sem saber o que era “cabaço” achei que era algo do pinto dele por isso pedi para tirar…
Ele então voltou a dizer: VOCE QUER QUE EU TIRE SEU CABAÇO…
REPONDI – Sim tira, está doendo…
Ele falou então tá… Mas faz assim: diz pra mim – TIRA MEU CABAÇO.. TIRA MEU CABAÇO..
Eu então disse: Vai tio, vai tio Tira meu cabaço tira, tira…
Ele falou: Segura minha mão, se doer vc aperta minha mão ai eu paro.
Eu disse tá. Segurei a mão dele.
Ai ele disse… Lembre-se que vc não pode fazer barulho, senão vai acordar todo mundo OK.
Eu disse tá…
Ele disse está pronto…. Vou tirar seu cabaço…
Eu – Vai, vai, tira… Foi quando sem esperar ele enfiou sua língua na minha boca, segurando minha boca com a sua e foi soltando seu peso sobre mim, seu pinto foi escorregando e entrando todo dentro de mim. Eu apertando a mão dele e ele não parou…
Foi quando ele disse baixinho: Pronto, pronto… já foi tudo, não há cabaço que resista a essa fincada.
Me dizendo: Calma, calma agora vai passar eu já tirei seu cabaço…Não se mexe… Me mexer como, se eu estava travado no meu tio, além do peso todo dele sobre mim, seu pinto me prendia ao corpo dele. Eu fique parando sentido as bolas dele pressionando minha bundinha.
Ele disse: – calma vai passar relaxar que é melhor… Eu disse tira ele tira…
Ele me disse – Duro assim ele não sai eu tenho que amolecer ele…
Eu disse: COMO ASSIM DURO NÃO SAI… ENTÃO AMOLECE ELE AMOLECE e se alguém acordar vão nos ver assim travado… E agora? perguntei.
Ele disse: Calma, Calma, fica quietinho. Vou tentar amolecer ele para tira de dentro de vc OK.
Disse – certo:
Ele disse: – Mas tem que fazer oque eu mandar certo?
Respondi – Certo
Ele disse: OLHA VOU COMEÇAR a tentar amolecer ele certo? Fica parado não se mexe. Eu fique imóvel.
Ele: Abre mais a perna… Abri… Ele começou a “tentar” tirar puxava o pinto para fora ele sai um pouco mais ele voltava para dentro, e assim foi, tirava um pouco e colocava novamente…
Ele disse: Quando for amolecer ele, vc vai sentir ele mexendo dentro de vc… pulsando dentro vc OK. E quando estive pronto pra amolecer eu vou aumentar a velocidade (de entrar e sair) para tirar ele de dentro de vc, não se assuste é assim mesmo OK..
Respondi: OK
Disse: Parece que ele está aumentando de tamanho. Ele respondeu ele incha um pouco antes de amolecer é assim mesmo OK.
Agora não se mexe. Está quase vindo o leite?
Perguntei: LEITE? Ele disse depois explico isso.
Não se mexe… E começou a ir e vir com o pau… e foi acelerando dizendo: está quase, está quase, está vindo, está vindo não vou aguentar…
Eu fiquei em dúvida… Vindo oque…. Ele começou a passar mal, sua respiração estava ofegante, sentia seu coração batendo forte e suava muito
Ele: NÃO VOU AGUENTAR, NÃO VOU AGUENTAR… SENTE… SENTE… AGORA…. AGORA… CONTA …CONTA .. QUANTA VEZES ELE VAI PULSAR DENTRO DE VC… toma.. toma…
Senti ele pulsar; um, duas, três, quatro e cinco vezes contando pra ele… Ele tremeu todo suava muito… pensei que estava passando mal… quando ele solta seu corpo todo sobre mim e fica imóvel… Pensei… Ele morreu!!!
Eu chamo ele tio… tio.. tudo bem com o senhor… ele nada… até que disse… Está tudo bem… você acabou comigo… nem quando seus primos nasceram foi tão intenso assim.
Ai pensei… Meus primos… o que tem haver meus primos com isso tudo???
Ele disse: Agora ele vai soltar vc. Fica paradinho não se mexe..
Fiquei parado.
Ele disse sente ele sente… ele ta saindo.
E lentamente ele foi saindo de dentro de mim… até pular todo pra fora…
Ele pegou minha mão e colocou sobre o pinto dele que estava molinho caído de lado e todo molhado.
Disse: O Sr. Mijou dentro de mim?
Ele: – Não jamais faria isso com você. Eu coloquei todo meu leite dentro de vc… Você não sabe oque estou falado né?
Respondi – Não.
Quando tivermos um tempo eu te explico tudo OK.
Certo.
Ele disse. Só segura ele agora segura. Faz um carinho nele faz. Eu fiz o que ele pediu.
Ele disse: – E vc está bem? Deixa eu ver sua bundinha.
Ele me virou de lado e começou a massagear minha bundinha e perguntava: Ainda dói?
Eu falei sim. Ele começou a passar o dedo no meu cuzinho e falou: Ele está um pouco aberto, mas vai fechar OK… e foi massageando meu cuzinho com o dedo e ele foi fechando até e dizer. Pronto fechou td, e ele está como meu leite todo dentro dele.
Ele virou de lado e em pouco segundo estava roncando. E o pior estava pelado… Procurei minha roupa por debaixo do lençol, achei a cueca dele tentei cutucar ele para ele colocar a cueca e nada. Só deixei em cima dele e coloquei meu pijama e não conseguia dormir pensando no que aconteceu e meu tio rocando.
Essa história aconteceu… de fato espero que tenha gostando do relato. Vou contar como ele deu indiciou de que isso poderia acontecer OK

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,66 de 32 votos)

Por # #
Comente e avalie para incentivar o autor

6 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder Mauricio ID:muje31d9il

    Delícia

    • Mauricio ID:46kq0ortk0io

      Bom que gostou OK.

  • Responder Ribamar ID:8kqv84oxi99

    Tem continuação? Gostaria de ler mais relatos seu+

  • Responder luiz ID:dlns5khrd0

    Seu conto foi otimo, quero continuação so acho que o vizinho do beliche tambem vai querer um cuzinho pos com certeza ele assistiu tudo

  • Responder JOSE ID:8kqv84oxi99

    TOP DEMAIS SEU CONTO.

  • Responder Vantuil OB ID:w73s2pv3n

    Santa ingenuidade. Mas foi legal, engraçado.