# #

O garoto novo da rua

976 palavras | 2 |4.66
Por

Nando enterrou a pica em minha bunda e começou a meter

Nós 3 éramos um belo trio, mas com certeza eu era a putinha, afinal eu me deliciava sentindo uma rola na bunda ou mamando. Já haviam se passado 1 ano e em qualquer oportunidade nós trepávamos, porem tínhamos uma excelente vantagem, nenhum aparentava ser afeminado, nem mesmo eu que passou a adorar um pinto e tínhamos nossas namoradinhas da escola. O bairro ia crescendo cada vez mais e com isso novos moradores, mais 2 garotos e 5 meninas, como resultado disso, principalmente eu tinha a possibilidade de mais dois pintos, em um ano meu corpo se desenvolveu pouco, mas o de Marcos e Fabio não, eles já tinham praticamente o corpo de um homem e é claro o pau também. Um dos novos garotos Fernando, Nando era o mais velho de todos nós com 17 anos e o outro, Binho era da minha idade. Bastou apenas um mês e meio e Nando já estava enturmado, mas Binho ainda saia muito pouco de casa. Um dia Nando me chamou para ir ao córrego, era sua primeira vez, Marcos de castigo novamente e Fabio havia saído com a mãe, então fomos só eu e Nando ao córrego. Quando tirei a roupa, vi que ele me olhava com cara de assustado então disse: – vai tira a roupa, não queria vir nadar? Timidamente ele tirou e quando eu vi não aguentei e disse: – nossa, você é pintudo hein? Realmente se comparar com os de nós 3, aquele era um pinto de respeito, mole, pendurado sobre um saco grande e rodeado de muitos pelos. Nando foi se desinibindo aos poucos e enquanto nadávamos, eu “sem querer”, rocei várias vezes em seu pau, depois sentados eu mexendo em meu pinto disse: – oh, não da nem pra comparar. Ele mais uma vez tímido apenas sorriu, eu então me aproximando estiquei a mão e já pegando em seu pinto disse: – puta vida, é um puta pintão mesmo, deixa ele duro pra mim ver? quanto mais eu falava mais tímido Nando ficava, porem me deixava mexer em seu pau. E como ele estava permitindo comecei a regaçar e acariciar ainda mais e aquele pau começou a endurecer, quando estava uma tora dura eu olhei para ele e disse: – quer que eu chupe um pouco? Ai ele já com tesão respondeu: – quero. E eu então comecei a mamar, mamei até meu pinto ficar duro e então ele me surpreendeu, colocou as mãos em meus ombros e me deitou de costas no chão, levantou minhas pernas escancarando meu cuzinho e me pediu para segura-las, começou então a passar os dedos em meu cuzinho e enfiou um, depois dois, então encheu a mão de cuspe e lubrificou, encostou a cabeça do pau na portinha e lentamente começou a enfiar aquele pauzão em meu rabo, minha vontade era de gritar de alegria, mas tive de me contentar em dar só uns gemidinhos. Nando enterrou a pica em minha bunda e começou a meter, aumentando o ritmo aos poucos e logo eu sentia seu sacão batendo em mim. Pela primeira vez eu ouvia estalos na metida, cada socada que ele me tava estalava e ele meteu muito deliciosamente, com a mão eu apertava a cabeça do meu pinto tentando retardar ao máximo a minha gozada, mas Nando o pegou de minha mão e começou a me punhetar enquanto me comia e eu disse: – se não parar vou gozar na sua mão. Ele: – vai goza onde quiser. E rapidinho eu comecei a gozar em sua mão, nisso ele pergunta: – quer que eu goze onde em você? Eu: – goza onde quiser. Ele então meteu mais um pouco, tirou o cacete da minha bunda, subiu sobre meu corpo e veio em direção ao meu rosto, nesse percurso, meu pau melado roçou em seu saco e seu rabo, ele se ajoelhou entre meus ombros e se punhetando encostou a cabeça em meus lábios e disse: – vou gozar. Sem pensar 2 vezes, abri a boca e coloquei uma parte da língua para fora e deixei ele gozar em tudo, desde dentro da boca até orelha e olho. Então abocanhei aquele pau melado e chupei como nunca havia chupado uma rola antes, ele começou a recuar deslizando a mão desde meu peito até pegar meu pau, então segurando ele em pé, não teve dúvidas, recuou mais um pouco e começou a descer o corpo, foi até que engoliu minha pica inteira e começou a se mexer e meio que a galopar em meu pau, enquanto ele se desfrutava ali, eu com a língua peguei toda porra que pude e engoli. Mas Nando não parava e eu ficando cada vez mais próximo da segunda gozada me mantive em silencio, até que ele passando a mão em meu peito disse: – safado, ta gozando dentro do meu cu né. E eu gozei em seu cu, ainda sentado em meu pau ele se punhetava, então peguei seu pau em minha mão e acelerando a punheta disse: – vem enfia ele na minha boca. Ele se levantou e veio em minha direção, então coloquei a cabeça dentro da boca, serrei os lábios e acelerei ainda mais a punheta e Nando começou a gozar enchendo minha boca, enterrei seu pau ainda mais na boca e ele disse: – ta engolindo o leitinho tá. E eu engoli tudo mesmo, deliciosamente. Ficamos no córrego par mais 1 hora mais ou menos e voltamos para casa extremamente realizados.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,66 de 38 votos)

Por # #
Comente e avalie para incentivar o autor

2 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder Paull ID:w7364lbh7

    Quero um pau assim chupar até gozar . Ribeirao preto sp email [email protected]

  • Responder Beto ID:gqatx4pd49

    Saudades de meus primos que me comiam gostoso lembro até hoje dos ponto deles meu primo mais velho que me início depois de meses contou pro irmão mais novo TB meu priminho ,fiquei com muita raiva mais depois de algum tempo conheci o pinto do meu outro primo .ele tava tímido eu TB mais ao colocar na boca minha timidez já era ele relutou um pouco mais logo tava fudendo minha boca com seu leitinho quente saudades muitas saudades