# # #

Tio Zé Carlos

1613 palavras | 6 |4.81
Por

ele enfiou tudo até seu saco encostar em minha bunda e carinhosamente começou o vai e vem.

No aniversário de 80 anos da minha avó, os filhos resolveram se unir para uma festa, alugaram uma chácara e lá todos iam se reunir. Até ai tudo normal, meu pai tem 4 irmãos, todos mais velho, todos casados, dois deles tem uma filha cada (Jana 19 e outra Carla 21), eu ainda com 14 era filho do caçula dos irmão. O terceiro Zé Carlos, era casado, mas não tinha filhos e pelo que tudo indicava, ele e a esposa não queriam. A chácara era grande, afastada da cidade, com uma casa principal, com 4 quartos todos com suíte, uma sala grande, um lavabo, uma cozinha e anexo uma área com churrasqueira e fogão de lenha bem próximo a piscina, e uma casinha que deveria ser para um caseiro ou coisa do tipo, com uma salinha, cozinha, banheiro e um quartinho com um beliche e uma cama de casal. Com todos ali e eu na piscina a tempo, vejo que volta e meia uma conversa com outro e assim vai, até meu tio Zé pular na água, parecia um tsunami, ele era alto fortão e com uma barrigona, cada vez que ele saia da piscina para encher o copo, mostrava uma parte do rego. Nesse meio tempo minha mãe se aproximou de mim e disse: você vai dormir ali naquela casinha com o tio Zé tudo bem. Nisso ele se aproximando diz: ah que bom, agora vou poder ficar tranquilo, vou ter companhia. Descobri que minha tia iria embora, teria plantão ou coisa do tipo. Tentando ser simpático e me deixar mais a vontade, ele entrou na água (como um hipopótamo) se encostou em mim e disse que era para eu ficar tranquilo, que depois que ele tomasse todas dormiria como uma pedra. Só que ele toda vez que vinha falar comigo, se encostava em meu corpo e a uma certa altura e discretamente ele já meio que me encoxava. Fui deixando e ele cada vez mais bêbado, ficava mais atrevido. Então com encostando o pau em minha coxa disse: ta querendo dormir com o tio? O tio vai tomar conta direitinho de vc. E assim foi, as pessoas começaram a entrar na casa, uns para assistir tv, outros para tomar banho e quando vi só estávamos nos dois ali fora. Ele então se encostou na lateral da piscina, esticou o braço e apalpando minha bunda e disse: já fez troca-troca? E eu meio sem saber como reagir fiquei quieto, ele dava umas nadadas se aproximava, agora já apertando minha bunda dizia: você tem um bundão, acho que já fez sim, conta pra mim. E foi assim, insistindo até que eu disse que já tinha feito e ele com um sorriso no rosto disse: ah! Eu sabia, com uma bundona dessas até eu fazia… Dali para frente a coisa começou a esquentar, aproveitando que estávamos sozinhos ali, ele sem cerimônia se encostou ao meu lado e enfiando a mão dentro do meu calção, encostou o dedo em meu cuzinho e disse: Será que o tio pode brincar um pouco com você. E acenando com a cabeça disse que sim e ele já começou a dedilhar em meu rabinho, com a outra mão, pegou a minha e colocou em cima do seu pau sobre a bermuda, eu segurei naquela mala grande e comecei a apertar de leve, ele disse: hummm assim não vai prestar. Eu malandro, enfiei a mão dentro da bermuda dele e agarrei seu pau. E ele tirando sua mão de minha bunda, tirou a minha de seu pau e disse: não vai prestar mesmo, como que eu vou sair daqui de pau duro, temos de esperar. Foi a espera mais longa da minha vida. Ele parecia ter perdido o interesse, eu já havia saído, comido (tipo jantado) e ele ali ainda bebendo. Então minha mãe aparece, olha pra nós dois e diz: os dois, não demorem par tomar banho e ir deitar, o tempo ta fechando. Realmente já ventava e parecia que iria chover. E se aproximando de mim ele diz: já arrumei sua cama, a roupa e a toalha estão em cima dela, tem shampoo e sabonete que sua tia deixou no banheiro, ah, e se ele passar mal ou coisa do tipo me chama. Respondi que tudo bem e enquanto ela voltava para a casa eu disse a ele que estava indo tomar banho. Abri o chuveiro e já pelado ouvi na porta: abre sou eu. Mesmo na dúvida abri e assim que ele entrou disse: começou a chover e ficar frio. Arrancando a bermuda, entrou na ducha antes de mim, me olhou e disse: que tá esperando, vem. Entrei no box de cortina com ele e então pude admirar aquele pau. Coisa mais linda, um pauzão mole ali bem na minha frente, ele então meio que ensaboando o cabelo com os olhos fechados disse: pega nele, mas não podemos fazer barulhos estranhos heim. E enquanto ele ria, peguei na mão e comecei a acariciar, ele por sua vez diz: vai, coloca na boca, já fez boquete. E enquanto eu me abaixava em sua frente disse: não sei fazer direito. Ele: eu te ensino e se abaixando mais rápido que eu, parou a cara na frente do meu pintinho, pegou ele na mão e mesmo mole começou a chupar. Mas foi meio que imediato e meu pintinho já estava duro, eu olhava e via aquele pauzão mole balançando e ele chupando meu pau, então se levantou e disse: é assim, viu. Eu então me posicionei e abocanhando aquele pauzão mole comecei a mamar, fiz de tudo e logo estava uma pedra, um cacete enorme e duro, que eu enfiava até quase a garganta, acariciava o seu saco, me esbaldava naquele pau. Ele então me levantou me virou de costas para ele, me encostou na parede e se abaixou atrás de mim, separou minhas pernas, com as mãos separou minhas nádegas e quando meu cuzinho apareceu ele caiu de língua, lambia, enfiava a pontinha, enfim me levou a loucura, em pé de novo, me encoxou encaixando aquele pauzão em meu rabo, pegou em meu pintinho duro e me punhetando disse: você tem um pinto pequeno né? Mas compensa tudo com esse rabo maravilhoso, vem vamos pra cama. Assim que acendemos a luz do quarto, ouvi duas coisas a chuva que caia forte e minha mãe gritando: tá tudo bem ai? Qualquer coisa me chama. E meu tio responde: pode deixar, qualquer coisa a gente berra. Ele me colocou deitado de costas na cama de casal, me mandou abrir e levantar as pernas, se abaixou ao lado da cama e começou a chupar meu pinto novamente, porem agora enfiando o dedo em meu cuzinho, depois outro e quando me dei conta ele já enfiava 3 dedos em mim. Ficou em pé, se inclinou sobre mim, segurou com uma mão em cada tornozelo meu, escancarou tudo e disse: pega ele e põe na portinha. Imediatamente encostei a cabeçona do seu pau na portinha e comigo guiando, ele começou a enfiar, disse: se doer eu paro. Quando um bom pedaço já estava dentro, soltei e ele enfiou tudo até seu saco encostar em minha bunda e carinhosamente começou o vai e vem. Aquele homem começou a me comer de uma maneira única, delicada, carinhoso e tudo isso ao mesmo tempo em que me arrombava com aquele cacetão, volta e meia pegava em meu pintinho e acariciava numa punhetinha. O barulho da chuva colaborava, pois cada estocada que ele dava seu saco estralava em minha bunda e eu pela primeira vez comecei a gemer baixinho, ele puto me diz: isso! Vai fala putaria, pede para eu arrebentar seu cu, diz pra meter tudo, vai fala putaria. Mas eu me contentei naquele momento só em gemer mesmo. Não aguentando mais eu comecei a gozar sobre a barriga e ele pegando meu pau me punhetou e ainda espalhou a porra por toda minha barriga e meu peito, então tirou o pau da minha bunda e disse: vem vamos voltar para o banheiro. Eu não conseguia ficar em pé direito, minhas pernas estavam meio amortecidas, mas fui. Ele me mandou ajoelhar e disse: vou gozar na sua cara todo. E começou a bater uma punheta com a cabeça do pau encostada em meus lábios, foi rápido e assim que saiu o primeiro jato de porra quente na minha cara, ele acertou desde meus lábios, entrou um pouco no nariz, acertou meu olho e foi parar na minha testa, sem perder a oportunidade, abri a boca e os próximos foram dentro da minha boca e ele gozou muito, finalizei dando aquela mamada na cabeçona, fazendo a porra escorrer pelo canto da boca e para minha ele se abaixou e me deu o BEIJO, revirando a língua dentro da minha boca, lambia a porra do meu rosto e enfiava a língua em minha boca de novo. É realmente foi divino, foi inacreditável, eu, um moleque ainda, tive uma trepada daqueles com um macho, muito mais velho, que me ensinou muito em um só dia. E depois de outro banho, nos dormimos, até minha mão bater na janela nos chamando. E daquele dia em diante, meu relacionamento com Tio Zé era outro.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,81 de 21 votos)

Por # # #
Comente e avalie para incentivar o autor

6 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder [email protected] ID:xlpkbgzj1

    Como é gostoso ser putinha de um homem maduro, eu amo servir um macho maduro, gosto de ser a mulherzinha na cama, de tomar leitinho, sou bem puta com um homem entre quatro paredes !!

    • Lex75 ID:5vaq00tfi9o

      Um bom conto. Adorei.

  • Responder Atos(Tio do Gu e do Alê) ID:46kpgktvk0jp

    Com certeza, cusinho de menino novo é demais de bom…e qdo se tem o privilégio de ser o primeiro, e torar as preguinhas…é melhor ainda…
    Eu já tive…duas vezes…

  • Responder Vantuil OB ID:mujqotchir

    Comer um rabinho novo é tudo de bom. Só perde para um cabacinho novo.

    • Novinho inexperiente ID:w71fwiql0

      Sou de Balneário Camboriú e procuro um cara mais velho pra tirar a minha virgindade

    • Vantuil OB ID:mujqotchir

      Não vou poder te atender novinho. Sou do RS.