# # #

O véio Afonso

1315 palavras | 6 |4.47
Por

coloquei na portinha do cu e disse: vai, enfia tudo

Quando eu estava com 15 anos recebi a incumbência de ficar durante o dia na casa da minha que estava hospitalizada, minha mãe me deixou lá pela manhã, com as devidas provisões alimentícias e assim que ele foi embora, aguardei mais ou menos uma meia hora e fui fazer um tour minucioso pela casa, assim que comecei a campainha tocou, era a senhora que faria a faxina semanal. Já no final da tarde Dona Ivone veio até o quintal onde eu estava e começou a conversar, falamos um pouco de tudo e assim foi até que ela me disse: só toma cuidado com o veio louco ai do lado. Eu assustado e curioso quis saber mais. Ela então me disse que a gente não podia bobear que ele estava espiando, enquanto ele falava eu vi que realmente o muro do quintal era bem baixo, ela também disse que ele nunca havia se quer dito ou feito algo estranho para ela ou minha avó, apenas espiava mesmo. Durante a noite toda pensei no veio, até que já no outro dia na casa da minha avó, eu tentei de tudo que é jeito ver se o via, mas nada. Já tenho um bundão enorme, sempre uso uns shortinhos que é só ajeitar se enterram. Devo dizer também que agora apesar de ser magrinho, ter uma bunda (linda) enorme, tenho também meus xodós, meus peitinhos, que não sei se apareceram de tanta vontade ou porque fico massageando. Mesmo sabendo que podia ser espiado eu resolvi me deitar no corredor para tomar sol e aproveitar para fazer uma marquinha na bunda, foi ai então notei que no canto do muro o veio escondido me espiava. Devo confessar que de início achei que não aconteceria, mas ele nem se que parecia respirar, me levantei como só quisesse me movimentar e comecei a caminhar pelo quintal, tomando cuidado para não encara-lo, mas a cada vez que eu olhava, o via ali na fresta do muro, porem agora parecia que mexia em seu pau. Resolvi não provocar e entrei até a hora de ir embora. Quando minha mãe chegou e indo até o carro vi o veio na varanda da casa dele, ai eu o encarei, foi quando minha mãe disse: entra. Entrei no carro e ela continuou: deixa o sr. Afonso quieto, não fica encarando, ele é meio tantan coitado, fala um monte de besteiras só, é de dar pena. Mais uma noite pensando no veio e sabe como é né, comecei a pensar se podia ter alguma vantagem. Do que pude ver, o veio deveria ter + ou -70 anos, careca, baixo e gordinho, ou seja bem ruim. Mas então tive uma ideia e assim que cheguei na manhã seguinte, fui para o fundo do quintal para ter ideia qual era a visão que o veio teria de mim, esperei um tempo até que notei que ele disfarçadamente foi para o canto do seu quintal, então botei meu plano em ação. Tirei o shortinho e peladinho com o bundão virado em sua direção me deitei no chão, volta e meia eu dava uma ajeitada no corpo sobre a toalha e arreganhava meu cuzinho em sua direção, disfarçadamente eu tentava ver o que ele fazia, pois era nítido que ele estava se mexendo, mas eu queria saber se era no pau. Ficamos assim até que não aguentando mais e aproveitando um empilhado de telhas subi no muro (peladinho) para ver o que o veio fazia. Ele estava encostado nos cantos dos muros do fundo do seu quintal, segurando uma benga mole na mão tentando se masturbar, num misto de tesão (eu acho ou tara sei lá) e dó do veio eu disse: quer que eu vá ai te ajudar? Ele só me olhava e continuava tentando. E de supetão eu coloquei meu shortinho, subi no muro, me certifiquei que conseguiria voltar e fui em direção ao veio. Assim que parei na sua frente ele disse: não funciona mais não. Eu então caridoso, estiquei o braço e peguei na mão seu pau mole, que diga-se não era pequeno não, comecei a acariciar e perguntei: o sr. Mora sozinho? Ele que desse ponto em diante já não parecia mais bobo não respondeu: sim, uma filha vem nos finais de semana ficar comigo e fazer compras. Enquanto acariciava e ouvia o veio, notei que ele era bem cheirosinho e já meio que o punhetando disse: o sr. Ta cheiroso. Ele: eu tomo 3 banhos por dia, os velhos não tem cheiro bom se não se cuidar. E já estando naquela situação peguei a mão dele e coloquei sobre minha bunda e enquanto ele já me apertava eu disse: quem sabe anima mais. E o puto diz: acho que se você chupar ajuda. Sem saber o que responder e com vontade, me abaixei de cócoras na sua frente, terminei de abrir sua calça, arriei até os joelhos, peguei aquele pau mole e enfiei na boca, comecei a mamar e ver aquele monte de pelinhos brancos que me davam a impressão de que nunca rolaria, tive a surpresa e quanto mais eu chupava maior e mais duro aquele cacete ficava acariciando seu saco, eu mamei até aquele pau ficar uma pedra e ele disse: vira pra mim. Mas como ele era baixo, mais ou menos da minha altura, tirei de vez o shortinho, procurei um local adequado e disse: vem cá. Ele veio babando, me segurou com as duas mãos em minha cintura, eu coloquei o pé sobre uma cadeira já arreganhando a bunda, lotei o cuzinho com cuspe, peguei seu pau com a mão, coloquei na portinha do cu e disse: vai, enfia tudo. E foi o que ele fez, acho que por medo do pau murchar, ele socou tudo em uma só estocada e com aquela benga dentro do meu rabo ele começou a me comer e pediu: geme, geme um pouquinho. E eu safado, comecei a dar uns gemidinhos e colocava uma das mãos para trás acariciando sua barriga e seu peito. Deixei o veio meter a vontade e estava muito bom sentir aquele cacetão entrar e sair do meu cu como a tempos eu estava precisando e acredito que o veio também. Fomos até a sala da sua casa, onde de frango assado ele continuou metendo em mim, a essa altura eu já me punhetava e vendo e sentindo aquele veio me fodendo gostoso gozei na barriga, e gozei muito, ele ainda me fez o ultimo pedido, se eu podia ficar de 4 e ele me encher de porra. Ah delicia né! Ai eu perguntei onde íamos para eu ficar de 4 e ele disse que ali mesmo, questionei que podia pingar porra da minha barriga no sofá e enquanto ele enterrava o pau em mim novamente disse: tomara que pingue mesmo, ai eu tenho uma lembrança sua. E me segurando pela cintura ele estocou mais um pouco, enfiou bem fundo e começou a gozar, eu ainda dava umas gemidinhas, sentindo a pica pulsando dentro do meu cu. Deixei ele a vontade e assim que ele tirou, me virei e abocanhei aquele pau melado e gostoso e mamei e mamei até que começou a amolecer, senti a porra começar a escorrer e corri para o quintal, vesti meu shortinho e vi que o veio pegou uma água e ainda de calças arriadas sentou-se na cozinha. De la do fundo me despedi e ele acenou, pulei o muro de volta e fiz questão de ficar com o rabo melado até a hora do banho em minha casa.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,47 de 15 votos)

Por # # #
Comente e avalie para incentivar o autor

6 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder Osvado ID:8ef7uyz49d9

    Eu também gosto de levar vara de velho principalmente grande e grossa

  • Responder Vini ID:2ql412c8lp

    Teve outras fodas com ele? Se sim conta mais

  • Responder [email protected] ID:81rfb9sm9k3

    adoro mamar pica mole…gostei…

    • Frank ID:xgmcvvzl6

      Olá Alessandra.Sou tbm velho.Tenho 70 anos de idade,mas meu pau fica bem duro pra caramba viu.Eu gostaria muito de poder meter com você.Sou gente boa.Caso vc topar,meu imail é,
      [email protected]

    • NEGRO DIE ID:5h702hra4

      TENHO PAU 2OCM E DURÃO VC QUER ALESSANDRA

  • Responder Bob ID:xlorigqk8

    Muito bom 👏👏👏👏