# #

Menina praticamente abandonada

2146 palavras | 10 |4.63
Por

Este relato é real e aconteceu há muitos anos. Não vou citar endereços nem datas, apenas meu nome e o da menina são verdadeiros. Sem falso moralismo.

Olá leitores, sou o Caio e hoje moro em uma cidade da grande SP.
Há muitos anos atrás eu retornei dos Estado Unidos, na época eu estava lá ilegal e senti muitas dificuldades.
O lado bom é que meu inglês é fluente e isto me abriu várias portas.
Logo que cheguei no Brasil, consegui um bom emprego em uma indústria localizada na grande SP. Assim aluguei um pequeno sobrado próximo do trabalho.
Comprei mobílias simples e estava morando sozinho.
Sempre gostei de buceta, e não dispenso nenhuma. Meu maior desejo erótico era de pegar uma bem novinha. Será que só eu desejo isto ou todos os homens são iguais ?
Fato é que meu desejo se realizou de forma bem simples e natural, bastou eu estar atento e ser muito carinhoso.
Um sábado eu acordei cedo e fui até uma padaria, comprei pães e frios, depois passei em um horticenter para comprar algumas frutas.
Eu já tinha notado alguns meninos ali, que cuidam dos carros. Eu mesmo já dei trocados para eles. Mas neste sábado, talvez por ser muito cedo tipo 08:30 eles não estavam lá.
Fiz minhas compras e quando cheguei no carro, vi alguém se aproximando, inicialmente pensei ser um menino pois estava usando um gorro de lã na cabeça.
– Tio… Pode me dar uma moeda ?
– oi garoto, posso sim….
– sou menina tio
– aiiii desculpa não vi você direito, perdão…
Mal guardei as coisas no porta-malas e começou a chover
– eita menina… Você vai se molhar, vamos entrar no carro
Abri minha porta e entrei. Notei que ela estava indecisa.
Abri o vidro e falei:
– entra logo senão vai se molhar inteira…
Abri a porta do carona e ela entrou.
– desculpa eu te chamar de menino, é que com este gorro na cabeça, e sem nenhum brinco ficou parecendo menino.
– tudo bem tio
Sem falar nada eu tirei o gorro que ela usava, que tristeza a menina estava praticamente careca.
– eiiii menina, porque seu cabelo está assim ?
– aiii tio… É que peguei piolho e a escola reclamava todo dia, então minha tia me bateu e raspou tudo, assim saiu os piolhos.
– poxa não precisava cortar assim, tem remédios para combater piolhos… Tadinha
– tudo bem tio, agora tenho que esperar crescer.
Os vidros do carro logo ficaram embaçados e a chuva só aumentava.
– Qual seu nome ? – perguntei ?
– Caroylane (é assim mesmo que se escreve, mas a pronúncia é QUEROLÃINE)
– você é muito bonita, sabia…
– sou feia tio.
– não mesmo, você é uma princesinha… Onde está sua coroa ?
– eu não tenho
– ahhh mas devia ter, toda princesa tem uma coroa, vou te dar uma
Ela só sorriu timidamente.
Coloquei minha mão na sua perninha e fiquei alisando. Passei na sua barriguinha e subi para os inexistententes peitinhos, nem sinal deles ainda.
Fiz algumas cócegas e ela ria meio que tímida ainda.
– Carol, eu estou com fome, não tomei café ainda. Vamos lá para casa eu comprei pão e lá tem bolo de chocolate
– vamos tio, também tô com fome
Liguei o carro e saímos no meio da tempestade.
Abri o portão com o controle remoto e logo parei na garagem.
Ela me ajudou com as sacolas.
Fiz chocolate quente e pedi para elae ajudar a arrumar a mesa. Aos poucos ela foi se soltando.
Em um momento eu passei minha mão na suas costas e falei.
– Carol você está muito molhada, vou te dar uma camiseta minha, vai ficar grande… Pelo menos você fica seca
– tá bom tio.
Peguei na sua mãozinha e caminhei para meu quarto.
Peguei uma camiseta e falei:
– tira a sua e veste está
A menina sem nenhum pudor apenas tirou e vestiu a que eu dei.
– agora tira a bermuda porque senão vai molhar a camiseta
Achei que ela não fosse tirar, mas ela se encostou na cama e tirou o shorts. Consegui ver por poucos segundos sua calcinha.
Meu pau já estava muito duro, que até doía preso na minha calça.
Levei a menina para o banheiro e pedi para ela lavar as mãos.
Um docinho de criatura, frágil e meiga. Bem obediente e que está disposta em ajudar sempre.
Só então sentamos e tomamos nosso café da manhã.
A menina devorou metade de um bolo e tomou uma xícara de chocolate quente.
– está bom tio…
– gostei
– eu gostei muito, mas gostei de você. Te achei linda
– obrigada
– meu docinho, eu acho que estou apaixonado…
Liguei a TV e ela ficou assistindo um desenho.
Me sentei do seu lado e deixei minha mão na sua coxinha. Fiz carinhos nela.
Pedi para ela deitar no sofá e colocar a cabeça na minha perna.
Lentamente fui fazendo a camiseta subir até que vi sua calcinha.
Não falei nada, apenas coloquei minha mão em cima da sua bocetinha.
Fiquei alguns minutos imóvel.
Passei meus dedos procurando sua minúscula fenda.
Senti um calor gostoso ali.
Notei que ela estava gostando porque aos poucos foi abrindo as penas.
Coloquei minha mão na sua barriguinha e fui descendo até colocar meus dedos dentro da calcinha.
Parei quando toquei na tua bocetinha.
Meu pau estava explodindo,meu coração parecia que ir sair pela boca. Eu estava suando frio. Minha boca seca e eu tremia inteiro. Até ela percebeu.
Fiz carinhos na bucetinha. Comecei a fazer movimentos circulares com os dedos.
Queria avançar mas estava com medo.
Fiquei uns 10 minutos assim. Ela abriu bem as perninhas.
Com uma mão na bocetinha, a outra eu segurei meu pau por cima da calça.
A Carol nitidamente estava gostando, ela fingia ver desenhos na Tv.
Resolvi ser mais direto.
Segurei sua cabeça e beijei sua testa, depois beijei suas orelhas, nariz, olhos até que dei um selinho.
– hummm que delícia meu amor – falei
Ela ficou calada, de pernas abertas e eu lá esfregando meus dedos.
– Eu te amo Carol
– eu também tio
– você tem namorado ?
– Não né
– mas devia é tão linda. Quer namorar comigo ?
– quero
Pronto o caminho estava mais que aberto
Dei mais alguns selinhos, sem enfiar a língua na boquinha dela.
– Carol, eu quero te ajudar com dinheiro e se estamos namorando vou te dar muitos presentes.
Os olhos dela até brilharam
Dei mais selinhos e senti que ela estava bem receptiva
– amor, quero beijar aqui – falei já apertando sua bocetinha
– tá
– se você deixar eu beijar aqui eu vou te dar dinheiro
– eu deixo
Fiz ela se levantar e subimos para meu quarto.
Ao chegar coloquei ela deitada e tirei sua calcinha.
Até ali a menina não teve nenhuma vergonha
Senti um cheiro forte de xixi e cocô. A menina não se limpa corretamente. Mesmo assim eu chupei sua bocetinha.
Sabor azedinho, com toques salgados e doce. Nunca senti algo tão bom.
– Carol, você está com cheiro de cocozinho, vamos tomar banho ?
– vamos
Eu ainda estava vestido.
Abri o chuveiro e tirei minha camisetaque estava nela.
Deixei bem quentinha a água.
– Carol, vou ficar pelado para entrar aí com voce porque estou com frio tá…
– tá
Deixei o box aberto e ela ficou de frente comigo, tirei minha camiseta e ela só olhava, encolhida debaixo do chuveiro.
Tirei minha calça e cueca juntos, meu pau saltou para o alto. Percebi que ela arregalou os olhos e virou, ficando de costas.
– Pode olhar Carol, somos namorados né
Entrei e fechei o box, lentamente virei a menina e dei alguns selinhos.
– Não tenha vergonha, meu pinto é seu
Ela só olhou e depois me abraçou. Meu pau estava todo melado e ficou encostado nela.
Sem forçar nada eu passei sabonete. Primeiro no bumbum. Subiu um cheiro de cocô ruim.
Olhei minha mão, estava até um pouco marrom. Não tive nojo, pelo contrário, senti que teria que ensinar ela a se limpar.
– Carol, quando vc faz cocô ou xixi, precisa se limpar
– Eu fiz cocô ontem a noite tio, mas não tinha papel
– tudo bem meu amor, não tem problema. Eu lavo minha namorada
Lavei a menina inteira.
– Carol, você já viu um pinto assim ? – falei mostrando o meu para ela
– não
– nunca viu um pinto ?
– já vi, mas pequeno e sem estes pêlos
– ahhh de quem vc viu ?
– dos meninos lá da favela
– hummm já andou fazendo sexo com eles ?
– não tio… Só um que colocou o pinto aqui atrás (apontando para a bundinha)
– e doeu ?
– não… Foi é gostoso… Pela primeira vez ela sorriu com carinha de safada
– e que tamanho tinha o pinto do menino ?
– assim ô (indicou com os dedos algo como 6 centímetros)
– pequeno né… Mas entrou no seu cuzinho ?
– num sei, acho que não
– e chupar … Você já chupou um pinto ?
– já… Deste menino
– hummm então já sabe chupar né… Chupa meu ?
– aí não tio o seu é grande né
– melhor ainda meu amor, e se você chupar vou comprar.um presente hoje mesmo para você
– mas eu não sei estas coisas
– eu te ensino… Abre a boca e pensa que é um pirulito,vai chupando até sair um leitinho
– sai leite daí ?
– sai sim e se você engolir vai ficar com os peitinhos lindos
Agora abre a boquinha, vem
Ela segurou meu pau e passou a mão molhada, como que lavando. Depois apenas colocou na boquinha.
Ahhh que sonho e que tesão forte.
Não queria que aquele momento acabasse nunca.
– Passa a língua também e vai chupando seu pirulito
A menina não sabia chupar, mas estava se esforçando
Segurei sua cabeça e fui conduzindo.
– dói a boca tio, seu pinto é muito grande
– Já está acabando, logo solto o leitinho para você engolir tá
– tá – e voltou a chupar
– não para agora que o leite está vindo
Ahhhhhhh meu tesão
Jorrei na boquinha dela.
Foi muita porra
– ecccaaaaa tio é ruim isto… – falou cuspindo
Apenas abracei ela. Ficamos calados.
– tio este leite é ruim… Grudou na minha garganta
– na primeira vez é assim, depois você vai acostumar. Toda mulher gosta de chupar e tomar leite
– minha amiga falou que gosta, mas eu não vou gostar disto não
– está vendo até sua amiga gosta
Terminamos o banho.
Eu a sequei e chupei com muito carinho e calma.
A menina foi se soltando mais e mais.
Queria gozar novamente.
Passei meu pau por fora mesmo e fiquei brincando, só encostando e tirando.
Esfreguei bastante até avisar .. vou gozar
Foi porra até a altura dos peitinhos
Me deitei exausto e aliviado.
Conversamos sobre a vida dela. Ela me contou que a mãe teve que ir embora porque uns caras queriam matá-la.
A Carol estava morando com uma vizinha, e que ela chava de tia. Mas sem vinculo familiar. Esta vizinha tinha vários filhos e passavam dificuldades.
Nós trocamos. Deixei de propósito minha porra nela.
Ela vestiu a roupa que ainda estava molhada.
E saímos. Parei em uma lojinha de bairro e comprei alguns presentes.
Ficamos juntos quase 4 horas.
Dei dinheiro e combinei de encontrar no dia seguinte.
Passamos a nos ver todos os dias.
Até que a “tia” quiz me conhecer. Afinal era estranho a menina chegar com dinheiro, roupas, presentes etc
Relutei muito, foi extremamente difícil marcar um encontro. Marquei na padaria por ser de maior movimento.
No encontro a mulher pareceu não saber que eu estava namorando com a menina.
Apenas agradeceu as coisas que eu mandava. Ela aceitou a amizade muito fácil, acho que por não ser filha dela.
Passei a mandar cesta básica e algum dinheiro. Ela me deu um número de celular.
Um dia pedi para ela deixar a menina passar um final de semana comigo. Disse que se ela autorizasse eu daria um presente para ela. Bingo. Ela não só deixou como disse que eu poderia ficar com a menina sempre que quisesse,era apenas para avisar quando iria devolver.
Com dois meses de muitas chupadas e gozadas por fora, eu consegui meter na bocetinha da Carol, mas isto ficará para o próximo relato
E aí … Continuo ou paro aqui ?

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,63 de 30 votos)

Por # #
Comente e avalie para incentivar o autor

10 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder Jacinto Leite Aquino Rego ID:19p3wwt0j7

    Clichê!

  • Responder Dasilva ID:1dai5li8r99

    Parabéns! Muito bom esse conto, continue

  • Responder Vantuil OB ID:mujqotchir

    Essa pergunta já ganhou a resposta, continua… Muito bom

  • Responder tatui.sp ID:7xbwhotghmr

    quero dize mais tudo rola sem forca.violencia .nada de abuso tudo concensual.as meninas tao lindaa e num fogo que adoro logo logo a pequena de 4 aninhos que fara 5 em marco quero fode ela tambem .abracao a todos continua seu relato

  • Responder tatui ID:7xbwhotghmr

    continua sim.Quero dize meu amigo que vivo feliz tbm. sou empresario tenho haras e transportadoradora.nessa pandemia conheci uma mae e tres filhas. d 10 4 e 12 anos. ambas tavam morando da na rua pois tinha sido jogada da casa por traficantes pois o marido foi morto por divida de drogas.tava passando ali na regiao doBras essa moca com as filhas me pediu dinheiro p come ajuda compras as coisas pra as meninas. eu n so ajudei como perguntei se tinha onde dormi a moca disse que nao.fiz uma proposta de ajuda la ela aceitou levei elas p casa conprei roupas tudo para elas fiz novos documentos p mae e filhas. a mae m retribui com uma noite de sexo que nunca esqueco.no ano passado dia do meu aniversario em outubro essa moca m deu de presente as duas filhas pra fode. falei com um amigo meu advogado se tinha como tira nome do pai das meninas ele disse que sim se a mae aceitasse podia. hoje ja dado entrada no processo pra distituicao paternidade .pra quen ve la hoje nao diz quem era ela uma mulher linda cabelos meio aloirados .as meninas sao moreninhas bem clarinhas.quero dize essa moca hoje trabalha comigo me ajuda na empresa tou pagando faculdade pra ela e as filhas num bom colegio.

    • Vilmar ID:46kpgktvk0jp

      Ei “empresário”…
      Aproveita que você tem grana, e contrata uma professora de Português…URGENTE…

    • Dasilva ID:1dai5li8r99

      Cotinue ajudando, Independente de como elas distribuíram vc fez algo que muitos não fariam, e tirariam vantadem depois abandonariam novamente, parabéns pela atitude!

  • Responder j ID:7xcccz049a8

    continuaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa

  • Responder de longe ID:8ef4wn8b0d8

    continua

  • Responder Anonimo ID:bf9dsxsnhkl

    continua, e detalhe a relação de vocês