#

Eu, minha amiga e os novinhos da praia

1481 palavras | 2 |4.05

Fazia tempo que eu não via minha melhor amiga. Ela havia se mudado para outro país para trabalho, mas como estava de férias, disse que ia me visitar. Minha ansiedade estava quase me matando, quando ela apareceu no saguão do aeroporto. O abraço caloroso e apertado foi inevitável. Saímos do aeroporto, passamos numa lanchonete e depois fomos para minha casa.

No dia seguinte, fomos à praia. Como moro num apartamento em frente e estava muito calor, resolvemos sair e curtir o mar. Mesmo com nós duas tendo 37 anos de idade, chamamos muita atenção por causa das nossas bundas. Ela, uma morenaça de cabelos pretos, longos e lisos. Com 1,72 de altura, tinha um corpo com cintura fina, peitos grandes de silicone e 120cm de uma bunda espetacular.

Eu não fico para trás não. Branquinha loira dos olhos azuis, tenho cabelo loiro, liso e longo também. Porém sou muito mais baixa que ela, medindo 1,58. Cintura fina com 800ml de silicone em cada peito e 117cm de uma bela bunda branca.

Enfim, estávamos tomando sol quando uma bola de futebol nos atingiu.

– Quem foi o desgraçado? – gritei e apareceu um garoto bem sem graça.
– Fui eu tia, perdão…
– Não conseguem jogar mais distante não?
– A gente vai fazer isso. – ele disse e saiu correndo.

Reparei bem naquele garoto, era igual a mim. Branco dos olhos azuis e uma barba por fazer, devia ter uns 22 anos. Era bem torneado, com peitoral definido e barriga tanquinho. Resumindo, um gostoso.

– Que foi, tia? – minha amiga enfatizou o “tia” num tom de deboche. – Se perdeu no corpo do novinho?
– Para de graça, mulher. Sabe que ele tem idade para ser meu e seu filho né?
– E daí? Se for maior de idade, já aguenta a mamãe aqui. – disse ela, balançando os peitos. – Mas o branquinho não me interessou não, sou muito mais o amigo dele.

Olhei para onde o garoto correu e vi um moreno lindo. Tinha olhos verdes e uma barbixa bem feita. Fisicamente, tinha as mesmas características do seu amigo que veio pegar a bola, porém era mais alto. Fomos para a água e eles não tiravam os olhos da gente. Na volta, minha amiga foi falar com os dois.

– Posso fazer uma pergunta? – ambos acenaram com a cabeça que sim. – Quantos anos vocês tem?
– Eu tenho 21. – respondeu o branquinho.
– E eu 22. – acrescentou o moreno.
– E vocês já ficaram com mulheres mais velhas? – ambos disseram que não com a cabeça.

Antes que ela pudesse fazer outra pergunta, puxei-a de canto.

– O que é que você tá fazendo?
– Calma amiga, só tô me divertindo…
– Com garotos? Você acha isso certo?
– Você já transou com um? – ela perguntou e eu balancei a cabeça que não. – Então tá perdendo. Foi a melhor coisa que eu já fiz na minha vida. Eles não param tão cedo e, o mais importante, endurecem bem rápido.
– E eles não acham ruim não? – perguntei e ela balançou a cabeça que não.
– Muito pelo contrário, eles amam mulheres mais velhas. Alguns sempre me ligam perguntando se dá pra repetir…

Como estava bastante tempo sem sexo resolvi topar a brincadeira da minha amiga. Voltamos a falar com os garotos.

– Escuta aqui, quero vocês dois na minha casa às 22 horas. Alguma objeção?
– Não… – respondeu o moreno.
– Nenhuma dúvida. – acrescentou o branquinho.

Mostrei qual era o prédio onde morava. Disse que era só falar com o porteiro que eles iam me visitar. Depois disso, voltei para casa com a minha amiga.
=====================================
No fim da tarde fomos ao shopping. Não tinha uma lingerie decente para aquela ocasião, então resolvi comprar. Comprei uma branca de renda que não cobria nada, uma meia calça da mesma cor da lingerie e um salto agulha branco. Minha amiga se inspirou no vermelho e comprou um body transparente de renda da cor e um salto agulha igual ao meu, porém vermelho.

Chegando em casa, já estava quase na hora de encontrar com os novinhos, então fomos tomar banho. Fizemos uma brincadeira que só nós sabíamos fazer uma com a outra e saímos já relaxadas. Nos arrumamos e ficamos na sala, esperando os garotos, o que não demorou muito.

– Pode entrar, a porta está aberta. – disse, após ouvir o barulho da campainha.
– Venham rapazes, não fiquem com medo. – minha amiga disse, já se aproveitando do moreno e lhe dando um beijo. – E não pense que eu esqueci de você… – ela acrescentou, beijando o branquinho.

Eu olhava aquilo maravilhada. Ver os garotos sarrando minha amiga, se aproveitando dela e ela gostando da situação me excitava. Não demorou muito e eu já estava no meio daquela putaria.

Com os garotos já de cueca e nós só com nossos saltos agulha, comecei a beijá-la com o moreno atrás de mim passando sua piroca na minha bunda, com o mesmo acontecendo com ela.

– Vocês estão gostando, meninos? – perguntei.
– Porra… – disse o branquinho.
– Pra caralho… – respondeu o moreno.
– Então vocês vão curtir ainda mais agora, não é amiga? – pisquei pra ela e ela piscou de volta, entendendo meu recado.

Nos agachamos e tiramos suas cuecas. Dois caralhos grandes, magníficos, grossos, veiudos, pulsantes e com bolas suculentas apareceram bem na nossa frente.

– Puta que pariu… O que vocês meninos andam comendo? Quantos centímetros tem aqui? – perguntei para o moreno.
– Eu tenho 23…
– E você branquelo? – perguntou minha amiga.
– Tenho 22…

Ela já não aguentava mais e caiu de boca no pirocão branco. Eu não fiquei pra trás e comecei a chupar o monstro do moreno, trocando depois. Após isso, deitamos na cama de perna aberta e pedimos para que eles chupassem nossas bucetas, que já estavam ensopadas de tesão.

– Isso, vai caralho. Chupa a buceta da tia gostosa, vai. Tá gostando dessa bucetinha, seu pirralho? – perguntei pro branquinho e ele só balançou a cabeça que sim.

Do meu lado só conseguia ouvir os gemidos e os gritos da minha amiga. Saímos dali, os deitamos na cama e começamos a cavalgar neles. Estava uma delícia aquilo tudo: o som das bolas deles batendo forte nas nossas bundas e os gemidos e gritos que nós duas dávamos só aumentava ainda mais o meu tesão.

Vi minha amiga saindo daquela posição e ficando de quatro no chão. “Será que ela vai fazer anal?”, pensei. Dito e feito. Ela abriu seu cuzinho e pediu para que o moreno enfiasse sua rola bem devagar.

– Isso vai, come meu cu seu puto. Ain caralho, sua piroca é muito grande, tá arregaçando meu cuzinho. Mas não para não seu gostoso, soca essa piroca no meu cu, caralho… – ela falou e ele começou a estocar forte. – E você, ain…, amiga. Não, porra…, quer experimentar não? Caralho…

Nunca tinha dado meu cu, mas pra tudo tem uma primeira vez né? Fiquei de quatro e pedi para que o outro rapaz pegasse um lubrificante no meu quarto. Ele pegou, passou naquela piroca imensa, passou na entrada do meu cu e foi enfiando.

– Porra… Puta que pariu… parece que eu tô parindo pelo cu.
– Ainda tá na metade, mas já tá entrando tudo…

Quando entrou tudo, ele não parou de meter forte no meu cuzinho.

– Ain caralho, que delícia. Vai, fode meu cuzinho seu puto, fode o cu dessa puta, vai. Arregaça o cu dessa vadia, vai…

Enquanto tomava no cu ao lado de minha amiga, nos beijamos novamente. Nossa amizade era a melhor possível em todos os sentidos…

– Não falei que, ain caralho…, você ia gostar?
– Eu tô, oh porra…, amando. Obrigada, ain…, por isso…

Depois de bastante estocadas no meu cu e no dela, os rapazes anunciaram que iam gozar. Ficamos de joelho e recebemos jatos e mais jatos de porra quente e espessa no rosto e principalmente nos peitos.

Eles foram tomar banho enquanto nós duas ainda nos recuperávamos no chão. Depois, nos despedimos deles os beijando.

– É amiga. Agora acho que só vou querer dar pra novinho.
– Falei que ia ser bom, miga. Sabia que você ia gostar…

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,05 de 19 votos)

#
Comente e avalie para incentivar o autor

2 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder aaaaa ID:tb9m7rn83

    ssssss

  • Responder Uberlove ID:ayc04ah4

    É em santos??

    Vai que acontece né?