# # #

Eu e meu irmão trocamos de mulher

926 palavras | 3 |4.39
Por

Fizemos isso a vida toda. Agora foi a vez de trocarmoa de mulher: eu comi a mulher dele e ele comeu a minha!

Eu me chamo Altair. Tenho um irmão gêmeo identico a mim nos minimos detalhea chamado Altemir. Temos 33 anos, somos negões fortes e bombados, temos mais ou menos 1,86 de altura e modestia a parte somos cacetudos com mais de 20cm de pau!!! Só quem noa conhece de verdade nota a diferença. Sempre fomos muito ligados e unidos em tudo: faziamos travessuras juntos, brincavamos, brigavamos e confundiamos as pessoas. Até que na adolescencia pra idade adulta passamos a confundir a cabeça das meninas: Nós jogavamos basquete no clube da cidade e as meninas caim em cima da gente. Se eu saia num dia com uma garora, no outro dia ia meu irmao no meu lugar e vice versa. Comemos muita mulher desse jeito.
Até que ele se apaixonou por uma menina e se casou. O nome dela é Denise. Muito gostosa: cabelos pretos lisos, branquinha, seios pequenos, coxas grossas, bundão, malhada e alta como nós. Ele foi promovido na multinacional que trabalha e ficou 4 anos fora do Brasil tendo retornado recentemente.
No dia do casamento dele, fui apresentado a uma prima da esposa dele, a Elisa com quem me casei: baixinha gordelicia coxas grossas, seios medios e loira com olhos cor de mel.
Senti muita falta dele nestes 4 anos. Quando ele retornou por sorte eu estava de ferias do trabalho e ficamos uma semana na praia.
Ele tem 2 filhos e eu tenho um. Meus pais tambem foram mas ficaram num apartamento um andar abaixo de nos no predio que estavamos hospedados.
Foi bem familia mesmo (ou quase)
Durante a semana fomos colocando a conversa em dia. Relembramos nosso passado e em especial as mulheres que compartilhavamos sem elas saberem. Rimos muito e achamos falta daquilo até que eu tive uma ideia, mas disse a ele que não se sentisse ofendido: propus a ele que trocassemos de mulher. Ele aceitou, mas não sabiamos como convencer as esposas.
Até que ele sugeriu que saissemos e tentassemos deixar as duas bebadas. Pedimos pra minha mae tomar conta das criancas e leva las pro apartamento dela, pois iriamos sair e voltar tarde.
Fomos num barzinho ali na avenida da praia. Dei uma gorjeta caprichada pro garçon nos trazer limonada e pras meninas caipirinha de vodka.
Foram 3 ou 4 caipirinhas e as duas estavam bobinhas.
Meu irmão sugeriu que começassemos a dar uns malhos ali mesmo e assim foi feito.
Mas ao chegarmos no apartamento as duas mal trocaram de roupa e desabaram. A primeira parte do plano tinha dado certo.
Como a minha mulher dormiu primeiro eu o ajudei e como ela estava deitada de bruço, tiramos o shortinho do pijama.
Ensinei pra ele o caminho das pedras: falei pra ele lamber a orelha, beijas as costas, apertar a bunda e se ela virasse pra beijar que fosse pra cima e correspondesse. E assim aconteceu: aos poucos ela foi dando gemidos, cedendo até que abriu as pernas e ele começou a bolinar a buceta da minha mulher ela se virou e os dois se beijaram de lingua demoradamente com ele bolinando a buceta dela até que ela gozou. Eu observava tudo pelo vão da porta sob a penumbra de um abajur. Queria bater uma punheta vendo aquela cena mas me contive porque eu tinha uma buceta pra foder
Ele foi por trás dela e colocou um travesseiro por baixo pra ela empinar a bunda. Pincelou várias vezes a rola na buceta dela até que Elisa foi de encontro e encostou a bunda nele engolindo seu pau com a buceta.
Ele meteu com força e gozou rápido mas fez ela gozar mais uma vez. Vi aquilo e fique doido. Me deitei um pouco ao lado dela pois se ela acordasse e desconfiasse eu estaria por ali.
Dormiu igual criança.
Agora era minha vez. Denise estava dormindo de barriga pra cima. Usava um baby doll nude e já estava sem calcinha.
Meu irmão disse que eu podia ir direto e cair de boca na buceta dela e que se ela dormiu sem calcinha é porque já esperava rola. Era costume deles fazer assim.
E assim fiz: cai de lingua e de boca naquele bucetão carnudo e todo lisinho. Ela me puxava pelo cabelo e dizia coisas desconexas. Certa hora não sei se entendi direito mas ela disse que queria mamar minha rola. Eu ajoelhei perto dela e ela mamou meu pau com vontade enquanto eu apertava seus peitinhos. Voltei pra baixo, encaixei meu pau naquele bucetão e passei a penetrar com força. Ela gemeu e se tremeu toda que a buceta ficou tão molhada que parecia que estava enfiando meu pau na nuvem.
Estava longe de gozar mas ela percebeu quando estava perto do meu orgasmo e me pediu leitinho.
Tirei o pau pra fora e fiquei roçando em cima da sua fenda e gozei horrores. Lavei a barriga dela e seu baby doll com minha porra. Ai ela choramingou e disse que queria leitinho na boquinha. Sai de cena e meu irmão que ja havia se recomposto entrou na jogada e deu o pau pra ela mamar. Logo inundou a boca dela com sua porra.
No dia seguinte estava tudo normal. Achei o baby doll da Denise num saco de roupa suja no banheiro com o cheiro da minha porra.
Agora estamos imaginando em como convencer as duas a fazerem troca de casal conscientemente conosco pra aproveitarmos melhor daqueles corpinhos… E se bobear vai acabar virando suruba!

Vibradores com 19% de desconto na Vibrio!

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,39 de 28 votos)

Por # # #
Comente e avalie para incentivar o autor

3 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder Gabi ID:3pukt0q5

    Gostei pacas se conseguir conte para nos

  • Responder Indio 77 ID:81rittwoiai

    Foi bom, mais falta detalhes e mais tesão

  • Responder Vantuil OB ID:8ef2spz20di

    Fraquinho. Sem graça