# # #

Estupradas pelo pai e adotadas por mim (2 de 2)

1082 palavras | 5 |4.50
Por

Teve muita putaria no shopping e parece que Flavinha também goza pela buceta…

Essa é a segunda parte do conto, se não a (1 de 2) então leia!
As duas partes desse conto já estão disponivel
Acesse /autor/familia_incesto e leia esse e outros contos

No dia seguintes fomos ao shopping comprar mais roupas pra elas, minha esposa não queria sair de casa, então fomos nós 3, como não podia faltar putaria, as meninas já foram sem calcinha (Isso depois se mostrou ser normal, ela não gostavam de usar calcinha. E quem gosta?), escolhemos algumas roupas, era loja infantil e estava cheia de criança deliciosa, a essa altura eu já olhava pra menininhas de outra forma. Escolhemos algumas peças, fiquei revesando sarradas nas meninas, elas ficavam olhando as roupas e eu ficava por trás delas encochando sua costinha, fazendo ela sentir meu volume, flagrava algumas garotinha nos olhando mas isso só fazia meu tesão aumentar, teve uma hora que Liandra se empinou para olhar algumas peças, eu olhei em volta, e como não tinha ninguém, passei meu dedo em sua xaninha, ela ficou molhadinha na hora. Peguei dois shortinho de minha escolha, um pra cada menina. Fomos para um provador, falei pra moça que eu era o pai das meninas e teria que ir junto, ela não viu problemas e fomos para a última cabine, chegando lá, botei a Lohanne de quatro, arriei seu shortinho e chupei sua buceta, ela estava meladinha, botei meu pau na entradinha dela e forcei tudo pra dentro, ela gemia bem baixinho, fizemos uma rapidinha até ela gozar na minha pica. Peguei um dos shorts que escolhi e limpei sua buceta com ele, peguei Liandra, carreguei em meu colo, ela já estava bem meladinha, meu pau entrou só com sua lubrificação natural, tapei a boca dela pra não fazer barulho. Fiquei bombando gostoso e em silêncio pra não alertar ninguém que tinha duas criancinha levando pica ali do lado. Ouvimos a porta do provador do lado se abrir, nos olhamos e fiz sinal de silêncio para as meninas, elas começaram a rir baixinho, continuei penetrando na Liandra mas bem devagarzinho, a putinha gozou gostosinho atolada no pau, tive que beijar sua boca para que não ouvisse seu gemidos de orgasmo, tirei ela do meu pau e botei as duas de joelhos, terminei de gozar tudo em seus rostos, as duas já bebiam porra, e começaram a lamber uma o rosto da outra, o que restou limpei com os shortinhos cuidadosamente escolhidos por mim, eles ficaram todos melados de esperma. Mandei elas se vestirem e saímos, ao mesmo tempo, do nosso lado saiu 2 princesinhas de olhos claros, aparentavam ter uns 9 anos, muito gostosinhas, ela nos olharam e foram embora. Na saída do provador a moça perguntou se tinha tudo dado certo, eu falei que sim, quando na verdade elas nem provaram as roupas. Antes de ir, devolvi os 2 shortinho sujo de porra e orgasmos infantil, botei os dois dobradinho esperando que outras garotinhas usassem, peguei algumas peças pra Ana Flávia também, pagamos e fomos embora.
Passei na casa de minha sogra pra deixar as roupas de Flavinha e assim que cheguei, me deparei com ela dormindo no sofá, só de calcinha, estava de pernas abertas, me deu uma vontade imensa de explorar, pra saber até onde o Fábio tinha ido com sua caçula, mesmo caçula mas do Fábio eu não duvidava de mais nada.
Assim que chegamos em casa, Lucia estava nos esperando, as meninas foram mostrar as roupas que tinham comprados, a mãe delas ainda questionou o porque de tantos vestidos e saias, eu disse que elas que tinham escolhido mas na real, eu que falei para pegarem esses, já pensando na maldade. Nessa noite eu transei com Lucia, estava muito feliz por eu ter assumido o papel de pai, mas na foda, eu só conseguia pensar nas filhas.
Tivemos muito prazer, minha esposa já tinha progredido muito desde o início da terapia, mas na real, se ela tivesse uma mente mais aberta, eu contaria pra ela e tentaria explicar que é tudo uma questão de prazer, as meninas gostavam do que faziam e sentiam bem, mas preferi deixar no anonimato mesmo. As vezes quando estavamos em casa, mesmo com Lucia do meu lado, as meninas insistiam em me provocar, as vezes elas passaram os dedinhos em suas bucetinhas e chupavam na minha frente, uma vez tive que brigar para não fazerem isso, mas não tinha jeito. A Liandra era a mais safada, sempre procurando, se dependesse dela, era seria fodida 24h por dia, ela tem um fogo que não tem mais fim.
Quando elas voltaram pra escola tudo ficou mais difícil, era bem no horaio da terapia de Lucia, torcia pra elas não irem pra escola. Só tinhamos tempo no sábado, pois a Lucia sempre fazia uma seção extra no sábado.
Alguns meses depois foi o aniversário de Liandra, estávamos todos reunido em casa, cada momento que eu em que eu passava por elas eu dava um parto em suas bundas, quando tinha poucas pessoas eu levantava seu vestido e dedava bem fundo sua buceta, a Liandra era a mais safadinha, sempre que eu ia pra algum lugar mais isolado ela queria ir atrás, em uma dessas ela até me chupou na cozinha, bem rapidinho pra ninguém ver. Tinhas muitas priminhas delas na festa, eu tinha vontade de puxar uma e meter pau nelas, era uma mais delicinha que a outra. A noite, fomos dormir e eu pedi pra minha sogra deixar a Flavinha dormir conosco, ela aceitou. Lucia foi dormir cedo pois estava exausta, então resolvi ir no quarto das meninas fazer uma visitinha, no dia seguinte a minha esposa foi para a terapia e nos deixou só, agora tinha as 3 comigo… E oque rolou? Ah, nunca vão saber, aqui eu não posso contar!

Fica a lição, o que ninguém sabe, ninguém estraga! Fábio foi pra cadeia por falar muito e agora eu que adotei minhas enteadas.

Obrigado a todos que leram tudo, se possível, deixa uma avaliação 5 estrelas

Se quiser entrar em contato comigo, meu e-mail é
[email protected]ail.com

Adoro ouvir relatos, leio todos os comentários

Me desculpem os erros de português
Obrigado CNN por todo o suporte.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,50 de 36 votos)

Por # # #
Comente e avalie para incentivar o autor

5 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder Raysp9.14833931.. ID:bf9xb9ov9cn

    Ta indo bem ate o momento que foi para o provador e meteu com elas ai viajou , podia ter rolado uma exibiçao imas dedadas e em casa ai sim uma foda , mas viajou na imaginação

  • Responder FAMILIA_INCESTO–CORRECÃO ID:yazafn43m

    C O R R E Ç Ã O
    —————————>

    O conto ficou com com o final estranho, porque a idade de Flavinha foi JUSTAMENTE censurada.

    As regras não permitem idades inferiores a 7 anos. Flavinha era pelo menos dois anos mais nova que a idade permitida e por isso, a política do site decidiu remover o numeral com a idade de Flavinha (Mesmo que não tenha contado nada muito pesado sobre ela, apenas mostrei desejo.)

    O motivo para terminar sem contar o que aconteceu com as meninas, é para justamente deixar aberto a interpretações, já que eu não posso descrever nada sexual com a pequena, mas eu não sabia que a idade dela seria removida.

    Irei escrever uma continuação extra pra explicar melhor.

  • Responder Paulo pica ID:xloriid4o

    O conto faltou muito s detalhes, na

  • Responder Buceta meladinha ID:81rfqgz20b3

    Acho que toda menina quer um padrasto tarado assim, que delícia

  • Responder Crítico de Contos ID:8kqv5170qko

    Conto mais rapido,Mais leve e com poucos detalhes,Mais mesmo assim arrasando do mesmo jeito,agora Só poderia ter contado o q fez com as meninas,Mais tudo bem !!