# #

Comi minha filha gata

1790 palavras | 11 |4.60
Por

O dia que comi minha filha de 17 anos que só via nas férias.

Sou solteiro 42 anos, moro em Cuiabá. Quando tinha 25 anos tive um pequeno romance com uma mulher que mora no interior de Goias, desse romance nasceu uma menina que vou chamar de Alê.
Desde sempre eu reconheci paternidade, ajudei como pude na criação da menina que passei a ver frequentemente nas férias escolares à partir do seu 13° aniversário, nunca tinha olhado para ela de outra forma que não sendo minha filha. Acompanhei seu crescimento ano a ano, e todas as vezes que vinha passar as férias na minha casa algo tinha mudado, não só fisicamente, mais também no intelecto de Alê.
Vamos aos poréns…. No ano passado quando ela veio no fim de ano, já estava com 16 para 17 anos, corpo formado, uma linda morena clara de cabelos escuros, olhos negros, e um corpo lindo (como a sua mãe era) e cheia de atitudes, nós só nos víamos a tarde e a noite quando chegava do escritório (sou contador), sempre com roupas bem a vontade porém cheirosa. Numa tarde de sexta feira, não fui ao escritório porque estávamos nos arrumando para irmos até um sítio de uns parentes aqui próximo a Cuiabá, quando ao passar na porta do seu quarto que estava aberta, eu a vi só com uma minúscula calcinha verde…. Meu coração quase parou naquela hora, foi um mixto de tesão, vergonha, culpa… Mais passei rápido e fui para o meu quarto acabar de fechar minha mala.
Nós encontramos na sala, seguimos em direção ao carro que estava na garagem sem trocar uma palavra, e assim fomos durante o caminho até que ela quebrou o silêncio e me disse:
Pai eu vi que sem querer você me viu trocando de roupas, não precisa ficar assim, sou sua filhinha, lembra?
Dei um sorriso e disse tudo bem.
Chegamos no sítio e uma tia nos encaminhou para nosso quarto, que tinha uma cama de casal e um colchonete de solteiro no chão, logo eu disse a ela que ficaria no colchonete e que ela poderia ficar na cama, ela disse para fazermos ao contrário, e não aceitei…
Ficamos a tarde e noite bebendo algumas cervejas e jogando conversa fora, mais o que me incomodava eram os olhares que ela me dava, sempre que eu olhava para ela ela estava me olhando, aliás, olhando não, estava me paquerando. Fui deitar por volta das 2 da manhã já bem alto por ter bebido um pouco além da conta. Tomei uma ducha coloquei um shorts bem confortável e deitei no colchonete e comecei a cochilar, quando ouço a porta se abrir e Alê entrar no quarto, ela me disse:
Paizinho deita na cama que eu vou tomar um banho e me ajeito, está frio e o chão deve estar desconfortável, me deitei na cama me cobri e notei que ela estava tomando seu banho de porta aberta, via sua sombra na parede do banheiro e isso me deixou excitado, porém tive uma crise de consciência e me virei para o outro lado tentando esquecer tudo e dormir.
Quando ela saiu do banho, estava com uma camiseta minha surrada e perfumada, isso acendeu a luz amarela… Meu pau quis dar sinal de vida mais eu desviava meu pensamento para não pensar em comer a minha filha… Inútil** ela me perguntou se eu poderia dividir a coberta com ela porque ela não tinha levado a dela, eu prontamente disse que sim, ofereci um lado da cama e parte da coberta pra ela. Ela se deitou do meu lado, perguntou se podia se deitar no meu peito e eu disse sim, encostou sua cabeça no meu peito, deitada de bruços, me abraçando com metade do seu busto encostado em mim, ela estava sem sutiã, e a camisa velha deixava quase nus seus seios grandes redondos e firmes, me tocando. Fiquei quase doído, mais procurei disfarçar pensei, isso deve ser loucura da minha cabeça, até que ela me pergunta se pode fazer algumas perguntas pra mim, eu disse claro que sim.
Ela perguntou:
Pai, porque você nunca mais procurou minha mãe?
Eu disse:
Alê, porque o que eu e ela tínhamos que viver já foi vivido, e nossa relação cordial já nos bastava.
Ela se levantou um pouco e disse:
Eu me pareço com ela?
Eu disse:
Sim, você e tão bela como sua mãe, e tão geniosa como ela.
Ela sorriu esse deitou outra vez sobre meu peito.
Ficamos ali quietos calados sem trocar uma palavra a noite toda, eu não prefiro os olhos.
O dia amanheceu, acordei ela não estava na cama, ela estava tomando banho, adivinhem?!?! Com a porta aberta, eu morrendo de vontade de mijar perguntei se ela já estava terminando quando ela me disse, paizinho pode vir usar o banheiro, eu não ligo, vou ficar de costas enquanto você usa o vaso, sem pensar duas vezes fui até o banheiro, ao entrar, eu a vi, ali, nua linda uma bunda redonda aqueles furinhos nos quadris, a marca quase apagada de um bronzeamento, afe… O pau ficou duro igual uma pedra, detalhe, não dava pra esconder, meu pau e grande e grosso 21X16 eu já estava dentro tentei sentar no vaso mais o pau não coube, quando ia saindo ela se virou, olhou direto pro meu pau, colocou a mão sobre sua pepekinha, e falou, nossa paizinho que pauzao lindo, eu fiquei sem palavras, imediatamente olhei em direção da sua pepekinha, ela tirou a mão e pude contemplar aquela maravilha, pelinhos negros aparados, só um risquinho que começava bem embaixo já na curva, meu pau pulsava, ela abriu o box e disse: quer vir aqui? Eu sem falar nada, acabei de tirar o calção, entrei no box, dei um paço na direção dela, ela veio até mim, abaixei um pouco e beijei sua boca, foi um beijo longo, molhado, quente, ela colocou a mão no meu pau e disse:
Pai, faz tempo que quero esse momento.
Eu não disse nada, só voltei a beija-la, toquei seus seios lindos, grandes com aréolas grandes porém protuberantes, fui descendo minha mão até chegar na sua pepeka, que estava encharcada de um jeito que eu nunca tinha visto em outra mulher, estava literalmente babando, eu olhei pra ela e disse que isso não estava certo, e que devíamos parar ali, ela com cara de triste me disse que queria mais que tudo, e que eu não tinha notado mais ela tinha deixado os cabelos crescerem e usava maquiagem, e até o mesmo perfume que sua mãe usava, porque desde quando começou a se interessar pela sexualidade ela sentia algo estranho quando estava comigo, parou de falar, e me ofereceu sua boca outra vez, nós beijamos loucamente, nos esfregavamos eu eu podia sentir seu mel escorrendo em minhas pernas, ela estava quente, começou a esfregar sua pepeka na minha perna, nessas alturas meu pau estava latejando, eu perguntar ela ainda era virgem, ela disse que não, que tinha ficado algumas vezes com um namoradinho, mais que ele era um moleque e que nunca tinha sentido nada, e que nunca tinha ficado tão molhada daquele jeito, meus amigos, desculpem porque sei que nos contos sempre tem aquela preliminar, mais ali na rolou preliminar nenhuma, eu me sentei no chão, ela intuitivamente já veio se abaixando, trazendo sua bucetinha ensopada em direção do meu pau, eu segurei firme, procurei a porta da bucetinha, ela veio se encaixando e foi sentando, estava tão molhada que meu pau mesmo com esse tamanho foi escorregando pra dentro como se estivesse sendo esmagado por aquela grutinha, ela colocou sua boca na minha e bufava como uma louca, quando ela encostou sua bunda no meu colo, ela afastou seu corpo, olhou nos meus olhos e disse:
Hoje e o dia mais feliz da minha vida.
Segurei na cintura dela, forcei ela para baixo até sentir meu pau no seu útero, na primeira mexida, ela sufocou seus gemidos apertou minhas costas e disse que estava gozando, começou a tremer, me apertou muito sentia as contrações da sua bucetinha, ela ficou ali, parada por alguns instantes, eu comecei a forçar meu pau pra dentro e pra fora mais os movimentos eram limitados, então ela começou a se mexer pra frente e pra traz pra cima e pra baixo, nós nos beijavamos, ela dizia que me amava, eu estava hipnotizado com tudo aquilo até que veio a sensação do gozo, eu tentei sair debaixo dela, mais ela me disse:
Vai meu gostoso, goza no fundo da bucetinha da sua mulherzinha, me enche com seu amor.
Começou a se mexer mais rápido, não me contive, gozei… Gozei como nunca tinha gozado na minha vida, a visão ficou escura, eu tremia, meu pau atolado, latejando, esguichando toda minha porra dentro da minha filha….
Ficamos ali, parados, meu pau não amoleceu totalmente, ainda estava dentro dela, rompemos o silêncio com um beijo longo, carinhoso, afetuoso. A cena dela se levantando devagar, meu pau saindo comprimido de dentro dela foi uma das coisas .aos lindas que já vi na vida. Escorria meu gozo, um pouco de sangue, ela me olhou, estendeu as mãos, eu segurei me levantei e nos abraçamos.
Tomamos nosso banho juntos, depois nos deitamos na cama, nus, cansados exaustos, porém felizes. Nos vestimos, saímos do quarto como se nada tivesse acontecido, tomamos nosso café da manhã e fomos para um quiosque a beira do lago, levamos alguns minutos até que ela quebrou o silêncio e disse:
Pai, não quero que você se sinta culpado, sujo ou coisa do tipo, eu te amo muito, e quero ser sempre sua filhinha especial, piscou os olhos e me deu um selinho.
Eu estava em êxtase. Passamos o sábado no sítio, e voltamos no mesmo sábado para casa, porque queríamos mais, queríamos repetir….
Isso e história para o próximo conto.
Pessoal desculpa, sei que ficou longo, mais como isso não e uma fantasia e sim um fato real, senti muita vontade de descrever tudo o que senti e vi nesse dia .
Se for bem aceito volto aqui pra contar o que aconteceu no domingo, e conto como nós nos transformamos em amantes secretos.
Até mais.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,60 de 60 votos)

Por # #
Comente e avalie para incentivar o autor

11 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder Dom ID:4adeq531hrb6

    Maravilhoso!
    É simplesmente um espetáculo ver tal relação entre Pai e Filha. Agradeço o bel momento que me proporcionou pois me encheu de tesão e deixou ansioso por continuações.
    Não há coisa melhor do que fazer da própria filha a sua mulher. Fez muito bem meu jovem, e imagino que agora devam estar mais próximos do que nunca

  • Responder Mr.Allok ID:gsuanufij4

    21×16 é um pau ou tubo de detergente kkkkkk vai mentir lá na casa do chapéu kkkk

  • Responder Ernesto ID:81rdts9b0dn

    Desculpe mas21 x 16?

  • Responder breno ID:1ien0g8k0

    Gostei
    Teleg Breno26

  • Responder Luki ID:7r05elh20b1

    Asioso esperando

  • Responder Chô Mano ID:g3j1norzlm

    Ah, prossiga! Muito delicioso seu relato, primo!

  • Responder Dick Grayson ID:3c77vrkx8rc8

    Comer filha é bom demais. Comecei a transar com as minhas a pouco tempo, e fico me perguntando pq não tentei antes. Tenho uma com 18 e uma com 23. No começo uma não sabia que eu comia a outra, mas acabaram descobrindo, o que foi ótimo, pq agora de vez em quando eu levo as duas pra cama juntas rsrs

    • Robertt ID:81rdts6t0c5

      Conto top,continua…..!!!!

    • Jhonatan ID:40vpque9hri2

      Conta mais

  • Responder hp ID:81rqf7w49c0

    top, também sou de Cuiabá. Me empresta sua filha um pouco rs rs

    • BigBear777 ID:4adedrlhhrj3

      Só vem agora nas férias e feriados!!!!