# #

Beto e Luciano no baile, eu e Papai em casa

2217 palavras | 15 |3.78
Por

Cheguei do cinema com o Beto, era pertinho de casa, uma quadra só, Luciano e meu Pai tavam no ronco ainda, acordaram quando nós chegamos, Luciano ia pro baile perto de casa também, meu Pai ia pro seu trabalho da noite.
Beto pensou pensou, tava cansado mas disse que ia ao baile também, encerrar a comemoração de seu niver, pensei, que bom, tava a fim de ficar é vendo tv e nanar cedo mesmo, fiquei na sala vendo tv, meu Pai se vestindo pra ir pro seu serviço, via o entra e sai dele entre quarto e banheiro, cueca Boxer amarela novinha, sei pq nunca tinha lavado essa e roupa em casa era tudo eu que lavava, pôs calça social azul marinho, sapatão preto, depois foi se pentear já estava com uma camisa de linha branca de gola e manga curta, por baixo a mesma camiseta branca sem gola e sem mangas que ele raramente deixava de usar por baixo das camisas, bonitão tava o danado, ainda pensei, será que vai trabalhar mesmo ou saracutear por ae, passava por mim, me olhava mas não falava nada, pediu pra mim fazer um prato pra ele, fiz e ele comeu no sofá vendo tv comigo, acabou de comer, se mandou pro trampo, té mais filho, bom sono, lá pelas 05.30 hs tou de volta, bom trampo Pai eu disse
Mal acabou de sair, entrou Beto e Luciano, tavam um pudim de côco os dois, lindos mesmo, pronto, meu bebê já passeou no cinema, agora é hora de adulto sair falou meu Beto, bora comer antes Assis de ir, Assis respondeu, quero não, tou entupido de tanto rango ainda, eu vou comer um pouco, faz lá bebê, põe pouco pra mim e um pratão procê mandou o Beto, fui lá, fiz o prato pra ele, pra mim, nem tava com fome, mas não queria o Beto me perturbando rs, teu Pai volta que hs me perguntou, umas 05.30 ele disse, respondi, blz, até lá nós já tamos é tudo dormindo, Luciano olhou pra mim e Beto profetizando, certo mesmo era sempre ficar alguém aqui com o lek, ou levar ele junto, nesse centro de cidade aqui, vagabundo de noite não falta, ele põe os trincos por dentro Assis, tem perigo não disse Beto, essas portas daqui malandro derruba com um chute Beto, falou Luciano, difícil esse lek ficar sozinho aqui, acontece nada não, fica tranquilo Assis emendou meu Beto, eram onze e pouco quando saíram, 4 e pouco tamo de volta bebê, passa os trinco e vê se dorme logo prá descansar um pouco, vou dormir mesmo falei, achei que ia né, só achei
Deu uns 15 minutos que saíram, tv ligada baixinho, sono já estava me pegando, ouvi barulho no portão, esqueceram alguma coisa pensei mas pra surpresa minha era meu Pai, batendo na porta falou, abre filhinho, Papai esqueceu a carteira, eu tava só de schort já pra dormir, abri a porta meu Pai entrou, ae reparei, tava com um cinto novo marrom na calça, largo, grosso, bonito mesmo, deitei de novo no sofá, ele foi pra cozinha, tirou a camisa de cima, ficou só com a regata branca de baixo, sentou na cadeira da mesa defronte pra mim que estava no sofá dizendo, mee serve um conhaque filho, coloquei metade dum copo, entreguei à Ele, põe mel e limão até completar o copo neném me disse, quero minha urina bem docinha prá vc tomar depois, gelei, o Sr não vai trabalhar Pai falei, vou filho, vou trabalhar sim mas em você, te tenho até às 4 hs, só para mim.
Começou a bebericar sem pressa, olhando calmo pra mim, pensei, apanhar não vou, não vai querer deixar marcas em mim, tomou tudo, faz outra dose igual meu neném, conhaque me dá tesão, tu sabe, passei por ele tremendo pra pegar o copo, pegou no meu braço, tremendo pq filho, medo de mim? não Pai, tou com frio, ele riu, tu tinha safado era que ter vergonha nessa carinha, não medo, coloquei o copo na frente dele, ia voltar pro sofá, ele ordenou, senta comigo aqui, sentei na cadeira perto dele, ele estirou os pernões e pôs no meu colo, sempre me olhando no olho, eu já estava com medo mas segurei meu choro, dia de prestação de contas hj filhinho, meu nariz merece né, fiquei mudo, gostou do meu cinto novo, couro de antílope, bem duro, caro mas vc merece filhinho, já ia chorar, ele falou bem calmo, deixa pra chorar quando tiver sentindo ele neném, rasgando esse bumbum lindo todinho, deixa eu ir dormir Pai falei, deixo filho, depois que eu te corrigir devidamente, vc dorme, vai pro sofá, barriguinha pra baixo, já já tou lá, deitei no sofá pedindo à Deus que Beto ou Luciano voltassem pra casa, mas foi em vão, ouvi o som dele tirando os sapatos, veio vestido em minha direção, de meias e tudo, no meio de suas pernas parecia que tinha uma jaca na cueca boxer, tão excitado estava, abaixou meu schort até os joelhos, tirou o cinto novo e começou a meter cintadas em minhas nádegas, suas coxas sobre minhas pernas as esmagando, com a outra mão, ele segurava meus dois braços em cima do meu bumbum, ardia, queimava minhas nádegas aquele couro duro, ele sem dó ia colocando mais força nos golpes, eu só chorava, não dizia nada, depois dumas vinte cintadas, achei que ele ia parar, recomeçou a me espancar com força descomunal, golpes rápidos, cada vez mais brutos, mais rápidos e contínuos, comecei a gritar, implorar pra que parasse mas não, ele concentrado a me bater só nas nádegas continuou, quando parou eu já tava desmaiado quase, até ele já tava ofegando de tanto esforço, saiu de cima de mim, sentou ao meu lado, alisando meus cabelos encharcados de suor falou, vc pede vc tem filho, a cada um segundo suas obras, não se preocupa, comprei pomada pra passar depois, só não mostrar bundinha pra ninguém por uns dez dias, ninguém vai saber, entendeu? entendi Pai, entendi respondi, neném inteligente, assim que Papai gosta, vai ganhar presentão bem grande e grosso por isso, tirou meu schort de vez agora, me pegou no colo e me deitou na sua cama, tirou a roupa toda agora, alisou a Jeba Gigante, vou matar tua saudade filho, tu tá precisando de Homem Macho que eu sei, montou na sua presa, sem creme, sem cuspe, enfiou sem dó me arrancando gritos de dor, me dando o castigo que ele achava merecido, eu parecia um coelhinho esmagado por um urso faminto que queria prazer estraçalhando a caça, extraindo prazer da dor, quanto mais eu gemia e gritava, mais sedento ele ficava, já estava eu ciente, hj não teria misericórdia, seria só dor, até a hora que ele decidisse parar, era dor que ele ia extrair de mim, dor que era o alimento pro seu prazer, depois de muito tempo, vieram os gemidos, os urros de prazer, os pernões esticados pra trás, as estocadas pra frente do seu ventre em mim me rasgando, por fora eu já estava esfolado pelo cinto, agora por dentro a marca do meu Pai já estava tatuada também, gozou, gozouuuuuuuu muitoooo mas não saiu de dentro de mim, comecei a sentir a tora crescer de novo lá dentro, exigindo mais, ele começou os movimentos suavemente, depois continuou a me rasgar por dentro de novo, esmagando meu corpo todo por fora com seu peso enorme sobre mim, de repente parou dizendo com a jeba estacionada lá dentro, hora do recreio neném, dois minutos procê descansar e se arrepender dos teus pecados, respirei um pouco, em seguida a Fera fez a cama balançar, metendo com toda a força que tinha seu mastro em mim, repetidas, infinitas vezes, gozou de novo, muitoooooo e se estirou do meu lado falando, é isso que tu precisa neném, do Macho teu Pai e mais ninguém, aprende isso de vez, depois meto de novo suave, daquele jeito que tu se abre todo pro teu Dono, Macho e Senhor, hora de se hidratar agora neném, boquinha na Jeba, conhaque já quer sair, faz do jeito que te ensinei, fiz, ele foi soltando aos poucos na minha boca, até sair a última gota, até a bexiga ficar esvaziada completamente, inda bem que tava docinha, amarga era quase insuportável engolir a danada da sua urina, um gosto forte demais, ele se acalmou, pôs minha cabeça no seu peitão peludão, começou a fazer carinhos agora, era sempre assim, primeiro castigava, se eu fosse obediente, premiava depois, esse fdp do Beto não te fez gozar não né, não mente, não Pai falei, melhor assim, é pro teu bem meu lek, depois de castrado vc não vai sentir falta do que nunca teve, além do que, feminha igual vc que goza, fica safada, ae as surras tem que ser diárias pra manter ela na linha, um sofrer desnecessário, surra uma, duas vezes na semanas no teu caso já é o suficiente, entendeu? Sim Papai, respondi, vai lá, põe um dedinho de conhaque no copo, enche de gelo e volta pra tirar leite do teu Tourão, bezerrinho manso meu, trouxe o copo, ele ordenou, vai mamando, tira da Jeba, toma um golinho do copo, volta pro meu saco e pra jeba, vai repetindo isso até eu te fazer engasgar de tanto leite, exijo serviço no capricho hj a nao ser que queira carinho do cinto de novo, fui fazendo desse jeito novo que não conhecia, ele gostava, forçava minha cabeça pra baixo, se entregava pra minha boca abrindo os pernões, gemia alto, gritava, ah bezerrinho manso, que bokinha é essa, capricha pro teu Macho gozar bem gostoso, depois acomodou a tora na minha garganta e senti aquele gosto forte, espesso, quente e doce invadir minha garganta, o gigante caiu quase saciado ao meu lado, feliz de tar de novo comigo ali, sob seu domínio total.
Aprendeu neném que tu não pode fugir de mim agora nem nunca mais, ou vou ter que usar o cinto toda semana, aprendi Pai, vai mostrar o bumbum esfolado pro Oliveira? não Papai, juro que não, melhor pra vc filho, se mostrar nós vai se atracar de novo, ae teu próximo corretivo vou mandar Juvenal providenciar, à gosto dele, não Pai, juro que o Beto não vai ver, por favor, eu morro de medo desse Juvenal, nao devia ter filho, ele é mais bonzinho que Eu, esticou o braço em meu rosto, enfiar isso ele nem sabia fazer, aprendeu comigo. Apavorado já tava, agora mais ainda fiquei, fiquei quieto ali, esperando as ordens do meu Pai.
Ele mandou eu massagear a Jeba e os bolões até endurecer de novo, quando ficou bem dura, ele veio pra cima de mim, vou fazer gostoso agora, fêmea tb precisa de carinho meu neném e eu sei dar, depois vou cuidar do teu bumbum procê poder nanar um pouco, quanto mais pomadinha mais rápido ele melhora, se aprontar alguma, te rasgo de novo antes de cicatrizar, te garanto que as dores serão bem maiores, começou a lamber minhas orelhas, pescoço, enfiar bem devagarinho, alisando meu corpo todo, eu fui sentindo que tinha que agradecer pelo carinho agora e fui me abrindo pra ele se saciar por inteiro, ficar feliz e esquecer esse maldito nome Juvenal, suavemente ele foi até o fim, roçando a floresta densa de pelos sobre meu corpo todo, depois se estremeceu todo gozando gostoso, falou no meu ouvido, de mim tu não foge meu menino, não tenta pra não sofrer a toa.
Pegou um pote dum creme que tava num pacote que ele trouxe da rua, vestiu a cueca, sentou no sofá e mandou eu deitar com o bumbum no colo dele, foi massageando devagarinho, espalhando a pomada nele todo dizendo, teu bumbum é lindo mas vermelhinho de cintada fica mais gostoso ainda meu lek, dá vontade de surrar todo dia, vestiu meu schort, me deitou no sofá, agora pede a benção e dorme logo filho, a benção Pai, Deus abençoe teu sono neném disse e entrou no quarto dele, não deu cinco minutos já ouvia o ronco dele, Beto e Luciano chegaram, eu tava acordado ainda, não consegui fechar o olho um minuto de dor mas fingi que tava dormindo, ouvi Beto dizendo ao Luciano, o safado saiu cedo do trampo hj, chegou antes de nós, cedinho pego o lek pruma boa conversa, o verme que tenha se atrevido a falar besteira pra Ele, quebro-lhe todos os dentes, boa noite Mano, boa noite parceiro Luciano respondeu, lek vai dormir no sofá hj? vou acordar ele não disse Beto, tá cansado o bebê.

Vibradores com 19% de desconto na Vibrio!

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 3,78 de 23 votos)

Por # #
Comente e avalie para incentivar o autor

15 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder Lou ID:5erqsmnd2q

    Marco, o conto parece mais um livro mas chato, mesmo!!!… mais valia não contar nada.

  • Responder Fui ID:w71gte8k7

    Conto horrivel. Para de escrever

  • Responder VS ID:6suhf7vk0j9

    Continue, acompanho desde o primeiro.
    Todo dia venho ver se postou novidade.
    A parte mais interessante é q parece bem real, lembrança.

    • Marcus ID:19p2lvrzk9

      Continuarei sim Amigo. Abraços.

    • Francisco ID:4adesj5cv9aq

      Show!! Muito bom

  • Responder Caiçara ID:fi07cbmm43

    O conto perde a graça quando se tem essa surra que o pai da, sem falar.que o enredo de castrar o menino já perdeu todo o sentido

    • #tira esse pai dai ID:8ciprj62zlp

      Já tá todo mundo cansado desse enredo do pai castrar o menino, já passou da hora de tirar o pai do conto, e outra, o menino já não tá com 14 anos? E não tem uma descrição de que ele fica de pau duro ou goza, é como se ele nem tivesse pau, precisa de mais atenção aos detalhes.

    • #tira esse pai dai ID:8ciprj62zlp

      Já tá todo mundo cansado desse enredo do pai castrar o menino, já passou da hora de tirar o pai da história. E outra, o menino já não tá com 14 anos? E não tem nenhuma descrição que ele fica de pau duro ou que goza, com 12 anos muleque já bate punheta, e esse com 14 nem de pau duro fica ? Precisa de mais atenção aos detalhes.

  • Responder No Errado ID:40voza5bb0j2

    Para com essa porra de castrar o mlk, cara. Deixa de ser doido. Esse conto fica uma bosta com essa trama toda com o pai do mlk.

  • Responder Luiz ID:3ynzegwchrck

    Caro autor,tire esse pai da história,ele está acabando com o conto,beto merece o menino e vise e versa

  • Responder Wy18 ID:h5i6q4m9cl

    Os contos são bons, mais não precisava ter tanta violência não, e até bom um sexo com dominação onde as duas partes sente prazer, mais parece que o autor não sabe o que é prazer, sabe só o que é dor para o parceiro

    • Fernando ID:g61z12izl3

      Deveria tirar o Beto e o pai chamar o compadre pra comer o menino, ficaria melhor, o Beto se acha muito

  • Responder wayne ID:6stwya749bi

    quero que esi velho safado si fera o beto e o lusiano tem que manda eli para hospital e a esposa deli descobritudo

  • Responder luiz ID:dlns5khrkn

    podia comer sem maltratar o menino, os contos quando o pai come é muito melhor mas sem violencia

    • Wy18 ID:h5i6q4m9cl

      Realmente, mais parece que o autor sabe só o que é dor na hora do sexo e não tem a mínima noção do que é sentir prazer