# # #

Assisti meu amiguinho dando

1069 palavras | 0 |4.67
Por

Me chamo Felipe, hoje tenho 29 anos, e vou relatar uma experiência que aconteceu na minha infância

Sou branco, cabelos e olhos pretos, e sempre fui meio gordinho…
Na epoca do conto eu devia ter uns 7 anos de idade, e minha mãe cuidava de um menino da minha idade, chamado Anderson, ele tinha as mesmas caracteristicas que eu, porém era um pouco mais gordinho, e maior, logo, todo mundo achava que
ele era bem mais velho (parecia que tinha uns 10 anos).
A gente morava numa comunidade, no final de um beco sem saída, ou seja, todo mundo por ali se conhecia, e como a minha casa era a
última do beco, dava pra ouvir tranquilamente quem se aproximava.

Pois bem, toda tarde minha mãe ficava na casa da nossa vizinha, a dona Marlene, sempre batendo papo e assistindo novelas, elas ficavam rindo tanto e fazendo tanto algazarra, que da minha casa dava pra ouvir o barulho, dona Marlene tinha um filho chamado
Valdo, na epoca devia ter seus 15 anos, pele clara, olhos e cabelos castanhos, e aquele corpinho magro de adolescente, e sempre que minha mãe ia pra casa da mãe dele, ele chegava lá em casa, era de lei, e eu nunca tinha entendido, até porque ele era bem mais velho que a gente, e as nossas brincadeiras não agradavam ele, que já era um adolescente.

Eu e o Anderson éramos apaixonados por animais, e ficavámos brincando de ser algum tipo de animal (esse tipo de brincadeira de criança), até que um dia Valdo nos sugeriu uma brincadeira chamada ” touro e vaca”, basicamente tinhámos que derrubar o outro da cama, empurrando com a cabeça, e quem perdesse, voltava pra cama sendo a vaca, que deveria deixar o touro acasalar com ela (Isso tudo imitando os programas de bicho que viámos)

Só que eu e o Anderson erámos muito pequenos perto do Valdo, que já tinha até pêlos crescendo, então a gente sempre perdia, e sempre tinhamos que ser a vaca, a gente ficava de quatro na cama, com roupa mesmo, enquanto Valdo ficava roçando seu pau na nossa bunda, um de cada vez, igual
vemos os animais fazendo, pra nós era só uma brincadeira, mas eu adorava sentir aquele corpo maior que o meu, me dominando, e melhor ainda, assistir
ele fazer isso com meu amigo

Bom, seguimos com essas brincadeiras por algumas semanas, até que um dia, encorajado por conseguirmos ouvir o barulho de nossas mães nas casas vizinhas, e/ou simplesmente por estar mais excitado que o normal, na hora de acasalarmos, Valdo sugeriu que a gente abaixasse a bermuda e a cueca, o que fizemos, afinal ele tinha vencido a brincadeira né, ele quem mandava, lembro que antes de abaixar a bermuda dele, ele parou uns minutos e ficou admirando aquelas duas bundinhas virgens a seus dispor

Ele abaixou a dele também, e foi a primeira vez na vida que eu senti uma pica roçando no meu cuzinho, achei o pau do Valdo enorme (Na minha visão de menino né, era muito maior que o meu) e tinha pêlos, eu nunca tinha visto nada daquele jeito (Meu pai saiu de casa cedo, então nunca tive muito contato).
Ele roçou aquele pau com a cabecinha rosa no meu cuzinho, e depois fez o mesmo com o Anderson, lembro de pensar que ele parecia um macaquinho em cima
do meu amigo, pois ficava mexendo o quadril para trás e para frente no quadril do meu amigo, que parecia adorar…
A brincadeira estava bem legal, mas eu sempre senti uma vontade maior de assistir uma putaria do que participar de fato, inventei que precisava beber agua quando o Valdo estava roçando o pau no cuzinho do Anderson, e sai do quarto deixando eles sozinhos, enrolei o máximo que pude na cozinha, queria que os dois ficassem namorando sozinhos, até me distrai alguns
minutos assistindo um desenho na tv, ai lembrei da brincadeira que estava acontecendo no quarto, e cheguei na porta a tempo de escutar Valdo dizer
” Vou colocar só a cabecinha, e só um pouquinho, se doer eu tiro ”

Escutei isso enquanto ele passava cuspe no cuzinho do Anderson, que por ser bem gordinho, tinha
uma bunda bem grande e redondinha (Acho que por isso Valdo não resistiu)
Dai ele foi tentando colocar, quando Anderson reclamou e pediu pra tirar, Valdo começou a passar mais cuspe, e pediu pro Anderson relaxar e parar de trancar o cuzinho, o que ele fez, pois alguns minutos depois, e mesmo com Anderson reclamando um pouco, pela porta, no angulo que eu estava, já dava pra ver que a brincadeira já estava um pouco diferente, pois Valdo urrava de prazer, enquanto tirava a virgindade do cuzinho do meu amigo, lembro que fiquei olhando
o saco do Valdo batendo no saco do Anderson, enquanto o pau entrava no seu rabo, Valdo tinha se transformado num animal, pois as estocadas já estavam mais fortes.
Anderson que a principio tinha pedido para ir mais devagar, nem reclama mais, o cuzinho já tinha se acostumado com aquele pau de adolescente torado nele, cheguei mais parto da cama e
peguei na mão do meu amigo, que segurou minha mão, enquanto seu cuzinho era fodido pela primeira vez, ele gemia de um jeito diferente, como se estivesse com dor, mas gostando mesmo assim, enquanto Valdo simplesmente o devorava, de todas as maneiras possiveis, com direito a tapas na bunda, e palavras
de sacanagem, Valdo simplesmente me ignorou, estava muito concentrado no cuzinho do meu amigo, lembro que Valdo disse algo como ” Tô te fazendo de menininha ” até que em um determinado momento, o ritmo da socada aumentou, Valdo gemeu mais alto, eu
fiquei até com medo de alguém ouvir, e tudo acabou de repente, Valdo levantou e foi para o banheiro, Anderson foi na sequencia, e depois eu e o Anderson
continuamos brincando como se nada tivesse acontecido, enquanto Valdo assistia tv.

Eu simplesmente fiquei congelado vendo aquela cena, lembro até hoje
de todos os detalhes do pau do Valdo cravado no cuzinho do Anderson, pois foi linda demais, até hoje bato punheta pensando nisso, hoje. já adultos moramos ainda no mesmo bairro, os dois casados e com filhos

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,67 de 18 votos)

Por # # #
Comente e avalie para incentivar o autor

Nenhum comentário

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos