# #

Ana Julia: Celinha, a cadelinha

2175 palavras | 8 |4.71
Por

Como conheci e comi a Celinha, uma putinha como eu.

Nos meus doze anos eu já havia aprontado tudo com todos. Minha primeira buceta eu chupei aos 7 anos e a pedi meu cabaço aos nove. Depois disso não passei um dia sem gozar, nem que fosse com uma siririca. Filha única, eu morava com a minha mãe num condomínio enorme, num apartamento que dava para o parquinho. Como a coisa era grande havia muitas mudanças, quase toda semana alguém estava ou indo embora ou chegando. Eu gostava de ficar vendo quem chegava, sempre poderia ser alguma menina que gostasse de bucetas como eu gostava. Numa dessas ocasiões, encontrei no parquinho uma menina que havia chegado a poucos dias e estava sentada sozinha vendo as crianças brincarem. Cheguei e comecei a conversar com ela.
Meu nome é Ana Júlia, você é nova aqui não é? Como você se chama? Quantos anos você tem?
Ela era bem engraçadinha, não era bonita nem feia, tinha cabelos curtinhos castanhos e um par de dentes enormes, parecia uma coelhinha. Ela era magrinha, sem peitos e suas coxas eram finas, calculei que ela devia ter uns 8 anos.
Meu nome é Célia, tenho nove anos …
Eu vi você sozinha aqui e achei que poderíamos ser amigas, puxa eu achei que você tivesse 10 ou 11 anos …
Ela sorriu e ficou olhando para o chão, sem graça. Eu sabia que meninas da idade dela queriam parecer mais velhas e “experientes”, eu também fui assim. Fingi ficar surpresa com a idade dela para que ela pensasse que eu a trataria como uma igual e não como uma criança. Perguntei para ela sobre a escola e se ela tinha irmãs ou irmãos e, aos poucos, ela foi ficando mais à vontade. Ela me pediu para ajudar ela no balanço, nos divertimos bastante, ao empurrar o balanço, pude ver direitinho como era a bundinha dela, pequena e deliciosa. Quando ele foi para casa, se despediu com um beijinho no meu rosto. Ao sentir o perfume da pela suada dela, fiquei com vontade de lamber ela todinha. Naquela noite bati uma siririca pensando como seria a buceta da Celinha.
No dia seguinte fui até o parquinho na esperança de encontrá-la e me surpreendi pois ela estava lá, no mesmo banco.
Estava te esperando, achei que você viria aqui.
Hum, então ela está interessada, pensei comigo.
Ah, Celinha, eu gostei tanto de você, que bom que podemos passar a tarde juntas …
Acho que ela gostou de ter ouvido isso, pois me deu um abraço.
Que bom que te encontrei, a gente muda muito e às vezes não consigo fazer amizades onde estou morando, eu gosto de ter com quem brincar …
Brincar de médico? Pensei comigo, será que era isso que ela estava tentando me dizer, afinal duas “moças” não brincam como criancinhas …
Venha Celinha, vamos passear um pouco …
Naquele tempo era comum as amigas passearem de braços dados, então saímos a passear assim. Ela era muito faladeira e quase não me dava tempo de dizer alguma coisa, mas quando eu falava ela prestava atenção. Comecei a provocar:
Você tem namorado?
Ela ficou me olhando de lado e não disse nada.
E namorada?
Ela parou e olhou para mim com os olhos arregalados e ficou vermelha. Tinha coisa ali.
Saiba que eu já tive namorados e namoradas, isso é muito natural mas são coisas que nossas mães não podem saber, não é mesmo?
Ela fez que sim com a cabeça. Até ali ela não havia aberto a boca, mas eu sabia que ela estava entendendo tudo. Seguindo aquele caminho, entramos no bosque. Não era bem um bosque, era um jardim grande com arbustos e algumas árvores mas nós chamávamos de “bosque”. Levei-a para atrás de um arbusto, ali não podiam nos ver. Me virei para ela e, me aproximando, beijei-a levemente nos lábios, um beijinho que era um encostar dos lábios somente. Ela continuava muda. Como ela não reagia, improvisei:
Você quer ser minha namorada?
Aquilo foi como palavras mágicas, ele me abraçou e ofereceu a boca para mim. Segurei a cintura dela e beijei-a, devagar, sentindo seus lábios, e colocando a minha língua, ela foi abrindo os lábios e a boca aos pouquinhos. Logo nossas línguas estavam brincando uma com a outra. Aquela vadiazinha sabia como beijar, com muita certeza ela já tinha feito isso muitas vezes. Olhamo-nos nos olhos e, afinal, ela disse alguma coisa:
Ai que gostoso!
E me ofereceu a boquinha de novo. Enfiei minha língua e ela chupou, bem gostoso. Agarrei a bundinha dela e ela deu um suspiro. Puxei ela para junto do meu corpo e comecei a me esfregar nela. Ela segurou a minha bunda e começou a massagear. Aquilo me deu a certeza que ela não era bobinha.
Vamos lá pra casa, a minha mãe saiu e só volta no final da tarde.
Eu ficava sozinha quase todas as tardes e aproveitava para me divertir (e gozar) com minhas amigas. Corremos de mãos dadas e assim que fechei a porta, nos agarramos e nos beijamos como duas cadelas no cio.
Ai Celinha, que delícia, quero te lamber inteirinha!!!
Levei ela até o meu quarto e comecei a tirar minha roupa, ela fez o mesmo. Ela era simplesmente deliciosa, magrinha, bundinha pequena, com dois carocinhos nos peitos, uma bucetinha lisinha, parecia uma bonequinha com cara de puta. Deitamos uma ao lado da outra de modo que alcançamos uma a buceta da outra, a bucetinha dela era pequena mas estava inchadinha, enfiei meu dedo e não encontrei cabaço, a vadiazinha já tinha levado muito ferro, estava totalmente arrombada. Ela começou a bater uma siririca em mim e beijamo-nos, estava mais para uma lamber a língua da outra, ela fazia direitinho. Comecei a lamber o rosto dela, depois as orelhas, o pescoço, os mamilos, ela não tinha os peitos desenvolvidos mas o biquinho estava durinho, uma delícia. Ela gemia com o meu tratamento. Lambi a barriga dela e desci para as coxas, ela abriu bem as pernas, na esperança que eu lambesse a buceta dela. Mas eu desci para as pernas e lambi a pézinho dela, meti minha língua entre os dedinhos do pé dela, ela estava se contorcendo todinha. Voltei lambendo as pernas dela e quando cheguei nas coxas virei ela de bruços, lambendo a nuca e descendo pelas costas, acariciando os mamilos dela enquanto lambia, fui descendo até chegar na bundinha que ela tinha arrebitado, mordi de leve e abri a bundinha dela com as mãos, ela tinha um cuzinho delicioso. Deixei escorrer saliva para molhar aquele rabinho sem tocar meu lábios. Ela estava ficando enlouquecida pois eu não lambia a buceta dela. Cheguei mais perto e assoprei naquele cuzinho que piscava e na bucetinha que ela, de quatro, estava abrindo com os dedos de modo que eu podia ver o grelinho dela, durinho e a buceta toda melada, pingando. Não aguentei ver aquilo e enfiei a língua. Ela gemeu alto, quase gritou: “Delíciaaaaa !!!!!!” Minha língua entrou, ela estava super encharcada. o melzinho dela era delicioso, lambi, chupei, agarrada na bunda que ela, rebolando, empurrava em direção à minha boca. Só parei quando ela gozou e desabou na cama. Deitei ao lado dela e ela se aninhou nos meus braços, deitando a cabeça no meu peito, ofegante, eu podia sentir o coraçãozinho dela batendo. Puxa que sorte ter encontrado essa menina, eu iria ter essa cadelinha por muito tempo, logo planejei dividi-la com as minhas amigas, é sempre uma delícia comer uma menininha com as minhas amigas, três, quatro de nós chupando e sendo chupadas por uma cadelinha no cio que sempre queria gozar mais e mais, esse era o melhor dos mundos. Ela olhou para mim e pediu:
Quero chupar a tua buceta.
Abri as pernas e ela caiu de boca, sem sequer me acariciar um pouco, ela queria era a minha buceta. Ela tinha uma linguinha pequena mas era espertíssima, ela usava os lábios, esfregava a cara e lambia, tudo ao mesmo tempo. Percebi que enquanto ela me chupava ela estava batendo uma siririca. Definitivamente, iria ser perfeito que ela tivesse alguém chupando a buceta dela naquele momento, ela precisava disso. Mesmo com doze anos, eu tinha muito tesão por meninas mais novas que eu, eu gostava de as ensinar, e as ensinava encontrar outras meninas para gozarem juntas. Isso fazia com que quanto mais meninas estivessem fazendo putaria, mais oportunidade eu tinha de gozar pois sempre as minhas amigas me chamavam para festinhas com garotas que eu não conhecia. Assim que eu usasse bem a Celinha eu iria chamar minhas amigas para brincar com ela e com certeza a Celinha iria dividir sua amiguinhas comigo.
É claro que gozei na boca da cadelinha. Ela estava totalmente tarada; às vezes eu fico assim, mas aos oito, dez anos de idade eu só pensava em gozar e lamber bucetas, não que eu não pense nisso agora mas, ela não era diferente. Todos sabem que se alguém goza uma vez, quer repetir pelo resto da vida, acho que não estou falando bobagem pois gozar é algo tão gostoso que a gente não cansa e quer sempre mais, não importa como, não importa com quem. Mas voltando àquela tarde com a Celinha, pedi para ela deitar, fiquei de pé sobre a cabeça dela e fui me abaixando, levando minha buceta de encontro à língua que ele me mostrava, se lambendo toda; sentei na cara dela, rebolando, esfregando minha buceta na boca da putinha, é claro que ela estava com os dedos na buceta, batendo uma siririca. Ela agarrou minha bunda e enquanto ela enfiava a língua pra dentro de minha buceta, deitei sobre ela e nos acabamos num 69, eu em cima dela, depois rolamos e ela ficou em cima de mim, ela era muito gostosa (não lembro de uma buceta que não fosse gostosa), ela gozou com espasmos no quadril, dava para perceber que ela explodia quando gozava. Mas eu não estava satisfeita e entrelacei minhas pernas com as dela para fazermos um roçadinho, buceta com buceta, grêlo com grêlo. Como estávamos bem molhadas, nos esfregamos com gosto e com força, é delicioso sentir uma buceta roçando na minha, sentir que misturamos nossos sucos, ver aquela carinha de tarada se babando toda, e ela gemia e dizia:
Que buceta gostosa, faz mais, faz mais!!!
Quer mais vagabunda? Então pede!
Ela revirava os olhos e se babando toda pedia:
Quero mais, mais, faz mais …
Ela era uma putinha e eu adorava isso. Eu estava me esfregando tanto que achei que os meus pentelhos iriam deixar a bucetinha dela assada … Não sei quantas vezes gozamos mas eu queria saber se ela já tinha sido enrabada. Coloquei ela de quatro e enfiei um dedo na buceta e outro no cuzinho. Quando ela sentiu meu dedo no rabinho, abriu a bunda com as mãos para ajudar a entrar. Entrou sem muito esforço.
Você gosta de ser enrabada, não é?
Gosto sim, disse gemendo.
Deitamos abraçadas, eu queria saber umas coisas dela:
Quem te ensinou toda essa putaria Celinha?
Foi a minha tia, quando eu tinha 7 anos eu vi ela dando a buceta para o namorado e eles me chamaram e eu fui. No começo eles só me chupavam mas depois fui aprendendo até que eu pedi para ele me comer.
Uau! Preciso conhecer a tua tia e o namorado dela!
A minha tia vem me visitar qualquer dia desses, mas eles não estão mais namorando.
E você deu para mais algum outro?
Só para ele, os meninos gostam de meninas com peito como você, bonita como você, não me querem.
Deixe de bobagem, você tem uma buceta deliciosa que é o que todos os homens querem, especialmente porque você é novinha, eles adoram bucetas sem pentelho e cuzinhos apertados. Vou conseguir várias picas para você, te ensino como você mesma pode fazer isso, é fácil, eles sempre querem nos encher de porra e, pelo que você me contou, você sabe como é bom.
No final da tarde nós duas estávamos com as pernas tremendo de tanto gozar, fiquei com o gosto da buceta dela na minha boca e ela foi para casa com a buceta inchada.
Você vai me comer amanhã?
Vou sim, mas você precisa aprender a procurar outras meninas para você, tá cheio de putinhas aqui mesmo no condomínio, logo você se enturma.
À noite liguei para a minha amiga e contei tudo para ela, combinamos nós duas comer a Celinha, ela iria gostar da surpresa.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,71 de 14 votos)

Por # #
Comente e avalie para incentivar o autor

8 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder George ID:xgn2r7413

    Queria uma putinha dessa para eu encher seu cu de porra, queria amigas putinhas, aqui onde eu moro tem umas novinhas, mas não sei se elas fazem, sempre gozo pensando nisso

    • Sandura ID:w71k6tqm6

      Todas as meninas tem tesão desde pequenas, eu já gozava desde os 7 anos e como é mais fácil menina com menina aprendi a chupar bucetas com essa idade e não parei mais, mas só com 9 anos que perdi meu cabaço, me comeram todinha, foi uma delícia.

    • Jorge ID:xgn2r7413

      Também mano, queria pelo menos umas duas, aqui tem uma que quando vem pro avô dela, só anda de top da Calvin klain e shortinho, dança tik tok, eu fico bem excitado com a putinha que ela se tornou, faz tempo que quero comer o cuzinho dela de novo e gozar na boca dela de novo.

  • Responder Tatá morena ID:dlo3mo20dn

    Delícia de conto gozei gostoso ,lembrei do tempo que brincava com minhas primas e chupava as bucetinhas e seus cus arrombado

    • Sandura ID:41ih1j5nt0j1

      Tatá, é verdade isso de cu arrombado, antigamente as meninas não queriam perder o cabaço mas queriam gozar e davam a bunda até ficar com o cu totalmente arrombado eu nunca entendi como os rapazes não comiam as bucetas delas

  • Responder O eclético ID:gp1f797v27

    Delícia, gozei lendo…

  • Responder Hggtyuu ID:8kquykbkv3q

    Delicia quero ver

  • Responder Rafaella ID:funxvfym2l

    O coisa boa… encontrar um puteenha pra gente brincar.. Beijos Linda! e umas linguadas na sua nova amiguinha !!