# #

João, o gordinho submisso

3755 palavras | 5 |4.50
Por

É uma história verídica que um amigo meu me autorizou a escrever, vou mudar apenas os nomes das pessoas envolvidas. Tem muita ação gay.

João, na altura dos acontecimentos tinha feito a pouco tempo 14 anos, tendo agora 23. Eu sou amigo dele, mas sou mais velho, mas as nossas famílias sempre se conheceram, os nossos pais são amigos de infância. João sempre teve jeitos efeminados, quer na maneira como fala, quer como se veste, quer como se movimenta, pois mesmo a andar na rua ele rebola aquele cu enorme que ele tem, atraindo a atenção dos homens que gostam de enrrabar um gordo, com umas nalgas grandes, pernas grossas, umas mamas que são enormes também porque ele anda a tomar hormonas para a cada vez mais se parecer com uma mulher, e deixem que vos digue que está a ficar um mulherão daqueles que param o transito. É que a sua cara redondinha, o cabelo longo que ele pinta de loiro, os lábios bem carnudos, faz qualquer um virar a cabeça quando ele passa. Mas quando ele tinha os 15 anos, era apenas mais um adolescente gordinho, isso sim já com umas mamas bem desenvolvidas e um cu enorme.
Como ele desde criança pequena sempre teve aquele jeito efeminado, a sua família aceitou-o como ele era, embora sempre tivessem aquela esperança que ele pudesse mudar, mas como passavam os anos e tal não acontecia foram aceitando e conformando-se.
Aqui onde eu moro, é uma região que é meio campo, meio cidade. Moro perto de Lisboa, na outra margem do rio Tejo, e de carro levo cerca de 30 min a chegar a Lisboa.
Nesta região perto do rio Tejo existem muitas salinas, quase todas já desativadas, mas algumas ainda funcionam porque as câmaras municipais financiam a sua exploração, e ainda existem algum salineiros, que é o nome que damos ás pessoas que cuidam das salinas. Numa delas trabalha um homem com uns 60 anos, que se chama Xico, que é um homem bem moreno, musculado, cheio de pêlos, barba grande e grisalha. Ele tem a permissão para vender parte do sal a particulares, e como tem muito boa qualidade, clientes não lhe faltam, como é o caso da minha família e da do João.
Um dia a mãe do João, mandou ele ir buscar um saco de sal, deu-lhe dinheiro, e lá foi o João. Mas no caminho para a salina, havia um bar, que vendia também gelados, e como estava muito calor nesse dia, e João era muito guloso, gastou o dinheiro que a mãe lhe tinha dado para comprar um gelado. Quando chegou a salina, pediu o saco de sal ao Xico, e quando este lhe pediu o dinheiro, inventou uma desculpa que a mãe se tinha esquecido de lhe dar o dinheiro, e que ele também se esqueceu de lhe pedir. Xico, que não era parvo nenhum, e já havia algum tempo que ele queria enrrabar aquele menino, pois conhecia-o desde que ele era criancinha e o jeito efeminado dele sempre lhe dera tesão, viu ali uma oportunidade de comer o cu do João. Ele já sabia que o João já tinha mamado e chupado o caralho a vários jovens na escola, mesmo algum dizia que já tinha enrrabado João, mas ele queria tirar essa história a limpo.
– João, a tua mãe não te deu dinheiro??? perguntou o Xico.
– Não senhor.
– De certeza?
– Sim senhor de certeza. Eu venho cá depois trazer o dinheiro.
– Não me estas a mentir João?
– Não senhor.
– Então porque tens a boca cheia de chocolate, seu mentiroso??? Apeteceu-te foi comer um gelado com o dinheiro que a tua mãe te deu, seu mentiroso, disse o Xico com uma voz já alta.
João baixou a cabeça, e ficou todo vermelho com vergonha por ter sido apanhado na sua mentira. Esquecera-se completamente de limpar a boca depois de comer o gelado.
– E agora como resolvemos o problema??
– Não sei sr Xico.
Xico começou a olhar para ele, com um sorriso sádico nos lábios e perguntou-lhe:
– Se eu contar a tua mãe que tu em vez de pagares o sal compraste um gelado, o que aconteçe?
– Devo ficar de castigo.
– Pois é isso que mereces seu mentiroso. Mas eu hoje estou bem disposto, e lembrei-me de tu pagares de outra maneira.
João olhou então para o Xico, já com uma cara mais animada e pensou que mesmo que ele tivesse de trabalhar na salina um ou dois dias, era melhor do que ficar de castigo em casa.
– Como sr Xico?
– Quero-te foder o cu. Deixas eu foder-te o cu e podes levar o sal. Se não queres, não levas o sal e explicas a tua mãe o que se passou. Se mentires eu saberei e vou contar aos teus pais que tu mentiste.
– Sr Xico, eu não sou paneleiro, respondeu João. Eu gosto de mulheres.
– João não sejas mentiroso… è mentira que já mamas-te vários dos teus colegas? É mentira que o Carlos já te foi ao cu???
João em desespero e sem pensar no que ia a dizer, falou:
– Só mamei ainda alguns o cu não dei a ninguém. E quando se apercebeu do que tinha falado, baixou a cabeça e ficou com a cara mais vermelha que um tomate, de vergonha e de raiva por ter confessado que ele já mamara caralhos.
– Pois eu não quero só ser mamado João, eu quero enfiar o meu caralho no teu cu. Como vai ser então?
– Eu tenho medo sr Xico.
– Medo?? Tu vestes-te dessa maneira, mais pareces um travesti, com esses calções atolados no rego do teu cu, essas camisas apertadas para se notarem as tuas mamas, e andas como se fosses uma puta de rua, fazendo com que todos comentem e queiram fuder o teu cu, e tens medo???
– Sim sr Xico… medos que os meus pais descubram e me castiguem.
– Mas queres ser enrrabado ou não?
– Sim sr Xico, já a muito tempo que quero, mas se eles descobrem…
– E não achas que eles já não sabem que és paneleiro??? Vestido assim???
– Eu sei sr Xico, mas uma coisa é eles saberem que eu gosto de andar assim, outra e contarem a eles que eu dou o cu…
– Bem eu já não tenho paciência para mais conversa. Quero foder-te o cu, agora. Aceitas ou vou ter a tua casa contar a tua mãe que no lugar de pagares o sal, comes-te um gelado? Diz já.
– Não posso só mamar no seu caralho, sr Xico?
– Não, seu paneleiro, eu quero fuder-te o cu já disse.
– Não me vai fazer doer?
– Se te vai doer ou não eu quer lá saber. Quero é foder.
João fez sinal com a cabeça que aceitava.
– Então vamos para a barraca onde eu guardo os materiais. Vá a minha frente.
Quando lá chegaram, Xico trancou a porta por dentro, sentou-se numa cadeira e disse:
– Sobe para cima da mesa, e faz um show de strip para mim.
– Como sr Xico?
– SOBE PARA CIMA DA MERDA DA MESA, E DESPE-TE DEVAGAR, E REBOLA ESSE CORPO DE PUTA GORDA, PERCEBESTE OU TENHO DE TE DAR UM ESTALO NO FOCINHO?
– Sim sr Xico, respondeu João a tremer, pois Xico nunca tinha gritado com ele, e aquela voz intimidava-o.
João subiu para a mesa, e começou a dançar, tirou a camisa revelando assim um corpo branquinho, sem pelos com umas mamas tão grandes que balançavam descontroladamente enquanto dançava… e João começou a perder a vergonha… dançar daquela maneira para um homem, um verdadeiro homem e não um colega ou amigo qualquer da sua idade excitava-o. Xico assistia aquela dança, mexendo no caralho cara vez mais teso, ainda dentro das calças esfarrapadas que ele usava no trabalho.
João despe então os calções, revelando umas coxas branquinhas e bem carnudas, e umas cuecas que ele tinha tirado a sua irmã mais velha, todas atoladas no rego do seu cu. Xico ao ver aquilo comentou:
– Puta que te pariu seu paneleiro, andas com as cuecas de mulher vestidas… tira elas e manda-as para aqui. De que são?? Da tua mãe??
– Não sr Xico, são da minha irmã.
João rebolou o seu cu mais um pouco, e virou o cu para Xico e despiu as cuecas da irmã, e mandou-as para Xico, que quando as apanhou, cheirou-as e verificou que estavam sujas, tinham o cheiro da cona da irmã do João. Xico estava agora doido para foder aquele rapaz. ele disse:
– Agora desces da mesa e de joelhos no chão e de 4 vens aqui, e tiras-me o caralho para fora, e mamas nele.
João desceu da mesa, foi de joelhos e de 4 até onde estava Xico sentado, rebolando aquele seu cu enorme. Quando agarrou no ziper das calças de Xico, este deu-lhe uma chapada na cara e disse:
– Abres o ziper com a boca, como qualquer reles puta faz.
João, que estava com medo, com tesão e a adorar que aquele homem o trata-se como se ele fosse uma puta, pôs as mãos no chão ,e com a boca abriu o ziper, Xico desabotoou as calças, e um enorme caralho grosso, cheio de veias bateu na cara de João, que o olhou espantado com o tamanho do caralho de Xico. Assustado afastou-se um pouco, e falou:
– Eu não vou ser enrrabado por um caralho desse tamanho.
– Ai vais vais. Agora estás com medo, puta?
– É muito grande… grosso… é tão grosso como o meu braço, sr Xico. Vai me matar.
Xico levantou-se da cadeira de repente, João desequilibra-se e fica deitado de costas no chão, e á medida que Xico avança para ele com pequenos passos, João vai recuando, mas os seus olhos não desviavam daquele caralho enorme…e ia dizendo…
-Não… não… não… é muito grande… não … o meu cu não aguenta…
Até que ficou encurralado entre Xico e uma parede. Xico com voz grossa, ordenou-lhe:
– Puta, mama no meu caralho, ou bato-te tanto…
E agarrou em João pelos cabelos, e levanto-o um pouco, pondo ele de joelhos. João abre um pouco a boca, mas Xico deu-lhe outa chapada na cara e diz:
– Engole ele já. JÀ SUA PUTA.
João abriu a boca o mais que pôde, mas conseguindo meter a cabeça do caralho de Xico, e com a língua começou a percorrer a cabeça do caralho e Xico começou a forçar o caralho mais para dentro da boca de João, sufocando-o.
João consegue então sair dali e empurrou Xico, e fugiu para a porta que estava trancada por dentro. Xico avança então lentamente para João, ele começou a chorar e a pedir:
– Sr Xico deixe-me ir embora… eu não digo a ninguém que isto aconteceu…
– O seu caralho é tão grande e grosso… vais-me aleijar…
Xico não falava nada… só avança direito a ele. Como é bem maior e mais forte, agarrou João, levou ele para junto da mesa, e segredou-lhe aos ouvidos, com voz ameaçadora:
– Puta do caralho… quis ser bom para ti… deixava tu lubrificares bem o meu caralho… até punha um bocado de gel de banho nesse buraco para ele entrar melhor… não quiseste… fugiste agora vais levar com ele a seco, sua cabra…sua puta.
João debatia-se como podia, mas Xico era muito mais forte, dobrou João em cima da mesa, com as suas pernas afastou as dele, apontou o caralho na porta do cu de João, e começou a forçar a entrada da sua cabeça do caralho para dentro do cu de João. Apenas o fluido viscoso que o seu caralho deitava, servia como lubrificante naquele cu virgem e apertadíssimo. Ele forçava mas não entrava, mas não fazia mal…ele tinha todo o tempo do mundo para enrrabar aquele rapaz ali naquela barraca no meio do nada.
João gritava, debatia-se em vão, até que soltou um grito mioto maior…a cabeça do caralho de Xico tinha finalmente entrado dentro do seu cu… Xico em vez de esperar um pouco para aquele cu virgem se acostumar ao volume do seu caralho, não tem qualquer dó ou piedade dele, e enterrou o resto todo de uma vez só, fazendo João dar um grito enorme e desmaiar com a dor que teve.
Mas isso não impediu Xico de começar a enrrabar ele com fúria, e passados uns momentos quando João acordou, sentia o seu cu a arder, com uma dor enorme, e sentia o caralho do Xico, ir bem fundo dentro do cu dele.
Ele começou novamente a debater-se, mas quanto mais o fazia, Xico enterrava aquele caralho mais depressa e fundo… Xico estava a adorar desflorar aquele cu e enquanto João mais se debatia, mais ele tinha vontade em fode-lo. João começou a mostrar menos resistência, as forças iam acabando, e Xico fodia-o com fúria na mesma… até que ele começa a suspirar… a ter prazer com aquela situação, onde estava a ser violado por aquele homem, e começou a gemer cada vez mais alto, e pedir:
– Issoo…maissss fundddooooooooooooooo… aaaaaaaaaiiiiii é tãaaaaaaaaooooooo bbbbbommmmmmmmmmmm
– Fode o meu cu meu maccccccccccccccchhhhhhhhhhhhhhhooooooooooo.
Xico fica maluco, voltou João em cima da mesa, deixando este deitado de costas, e na posição de frango assado, começou a fode-lo na mesma com fúria, e João, com as pernas no ar, as suas mamas a balançarem descontroladamente, a gemer e a ganir de prazer.
Xico então começou a mamar nas mamas de João, fazendo com que este ainda tivesse muito mais prazer, João estava com um tesão tal, que desatou a urinar durante aquela foda, e isso excitou mais ainda Xico, que o beijava na boca, agarrava-lhe nas mamonas, e esporrou-se dentro do cu de João várias vezes de seguida, pois o seu caralho enorme não perdia a ereção. Aquele rapaz até ali era a melhor foda que ele teve. E foderam nessa tarde durante horas, em várias posições até que caíram para o lado completamente cansados. Do cu do João, saia uma mistura de esperma com sangue, mas ele estava com um sorriso nos lábios… estava feliz… finalmente conheceu o que era dar o cu a um homem, e queria mais, muito mais. E disse-o a Xico, que queria foder mais.
– Ainda não estás satisfeito sua puta??? Tens o cu todo arrebentado e queres mais???
– Sim quero. Quero levar mais no cu, eu adoro.
– Mas ao princípio fugiste…
– Era por medo… agora o medo é não ter caralho dentro dele.
– So com uma foda ficaste assim??? Puta do caralho, nasceste memso para isso. Mas espera que vais ter teu desejo satisfeito.
Levantou-se, e fez umas chamadas com o telemóvel, e João ouvia ele falar:
– Sim já agora… eu já lhe fui ao cu…a puta era virgem mas quer mais… estamos na minha barraca das salinas… ok, ate já.
Passados uns 10 min, ouvem-se umas vozes e bateram a porta. Xico, vai abri-la, e mais 8 homens entraram. João assusta-se um pouco, pois conhece aqueles homens todos. Eles moram aqui na mesma cidade que moramos, e alguns deles eram bem conhecidos mesmo, como o José do talho, o Carlos da venda, o carteiro Luís, o João que era porteiro na fábrica, o Marco dono da farmácia e outros 3 embora os conhece-se menos sabia quem eram.
Els quando viram o João, completamente nu, comentaram:
– Xico desta vez tens aqui uma puta de primeira qualidade para fuder.
– É o filho do André, aquele que tem jeito de paneleiro. O coitado tem um desgosto dele ser assim, mas que fazer verdade?
– Fazer só uma coisa, dar caralho no cu dele. Já agora mostra lá esse rabo, para vermos como o Xico o deixou.
– Mostra lá esse cu aos meus amigos sua puta.
João voltou-se e com as mãos afastou as nalgas e mostrou o cu todo rebentado pelo caralho do Xico. Esporra ainda escorria de dentro dele pelas suas pernas abaixo, misturada com um pouco de sangue.
– Sabem que não têm muito tempo, é melhor começarem já, senão ainda apareçe ai os pais dele a procura dele, disse o Xico.
Um disse, é verdade e eu vou já fode-lo.
Quatro deles agarram João no ar, segurando-o pelas pernas que estavam afastadas, e pelas costas ,pondo João os seus braços nos ombros deles.
Um dos menos conhecidos de João, pôs-se no meio das suas pernas, e meteu de uma vez só o seu caralho tamanho normal, mas grosso dentro do cu do João, que deitou a cabeça para trás e revirou os olhos… até a menos de 2 h era um paneleiro ainda virgem, e agora já tinha levado com dois caralhos de homens feitos no cu… e estava a adorar. Vendo ele a posr acabeça para trás Xico aproveitou e colocou o seu caralho dentro da boca de João, pondo-se em cima da cadeira, e assim João estava com um homem a enrrabar o cu dele com uma fúria imensa, enquanto outro lhe enfiava o caralho pela garganta abaixo… e não tardou a que outros dois se pusessem mamar e a mordiscar nos bicos dos seus mamilos, fazendo João ter um prazer total… estava a ser dominado de todas a s formas possíveis por aqueles homens, que se iam revesando, pois mal um se vinha quer no seu cu ou na sua boca, logo outro enrrabava o seu cu, e outro punha o seu caralho na boca dele… e que caralhos meu deus. Haviam dois ainda maiores do que o de Xico, e os outros eram todos do memso tamanho do dele.
A certa altura Xico deitou-se na mesa, agarraram em João e sentaram-no no caralho do Xico, mas ficando João de costas para Xico, agarraram-lhe nas pernas e afastaram-nas, Xico agarrou mas mamonas do João, e outro deles subiu para a mesa e pôs o caralho dele pela boca do João, até ter ele todo na boca do João, então outro homem pôs-se no meio das pernas do João, e começou ele a forçar a entrada do caralho no cu do João, que já tinha o do Xico dentro.
João começou a tentar impedir, mas como poderia? Torcia-se mas não havia nada a fazer. O caralho do segundo homem entrou também dentro do seu cu, que estava bastante aberto e lubrificado, mas memso assim João quase desmaia ao levar aquela dupla penetração. E os restantes 8 que chegaram fizeram dupla penetração no cu do João. Este chorava, mas de nada lhe valia… estava ali para levar no cu, fosse como fosse, e aqueles homens só iriam parar quando estivessem saciados.
Depois deitaram-no no chão de barriga para baixo, e os 9 o foderam assim, até finalmente ficarem satisfeitos. Marco o dono da farmácia, mostra a João um vídeo no telemóvel, onde João estava a ser fodido no cu por eles todos, e disse-lhe:
– Agora és a nossa puta. Quando apetecer foder-te vens fuder com qualquer um de nós ou alguns ou todos, seja onde for. Percebes? Ou mostro isto aos teus pais??
– Eu venho… não diga nada aos meus pais por favor.
– É só portares-te bem puta do caralho, e a única coisa que acontece é levares com caralhos nesse cu… e tu gostas.
– Sim sr.
– Bem agora vens comigo, tenho lá umas coisas para esse cu sarar mais depressa.
– Não te esqueças do sal, puta boa, disse Xico.
E cumprimentaram-se todos, e foram embora menos Xico que ainda tinha coisas a fazer nas salinas.
Na farmácia, Marco ainda fodeu o João mais uma vez, nas traseiras. Encostou-o contra uma parede e meteu-lhe o seu caralho todo pelo cu acima do João, que gemia baixinho ,para os clientes da farmácia não o ouvirem a ser fodido.
Marco deu-lhe umas pomadas e uns analgésicos, explicou-lhe como fazer, e João foi para casa, rebolando ainda mais o seu cu a andar, quando lá chegou mentiu a sua mãe e disse que tinha estado a jogar futebol mais os amigos e se tinha esquecido das horas. Foi dar um banho, e fez como Marco lhe disse, e meteu a mangueira do chuveiro no cu, saindo assim com a água muita esporra e um pouco de sangue. Tomou os analgésicos, pôs pomadas no cu conforme lhe fora explicado, foi jantar com os seus pais, mal aguentando estar sentado. A noite recebeu 4 mensagens apenas com estas palavras:

Quero foder. Amanhã as 15h.

Outras eram as 16h, outras as 16h30, ao todo eram 5 mensagens. João sabia agora que não teria sossego com o seu cu. Eles quereriam foder ele todos os dias, e sorriu com agrado quando teve este pensamento.
O meu amigo ainda hoje quando cá vem vai fuder com alguns daqueles homens, mesmo passados 9 anos. Ele agora estuda em Coimbra, onde é amante de 2 homens casados, e fode com alguns colegas e 3 professores. Continua gordo, como disse ao princípio deste relato, mas as mamas dele, são muito maiores, e aquela cara redondinha… adivinhem quem também enrraba ele sempre que ele cá vem…

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,50 de 4 votos)

Por # #

5 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder Gordoludo ID:fi04iuoic6

    “Agora és a nossa puta” KAKAKAKAKA, quem escreveu isso véi, o cara é cavalheiro até sendo rude kkkkk

  • Responder Eu ID:w72k6yv0k

    Quais pomadas e analgésicos?

  • Responder luiz ID:dlns5khrd0

    que conto bom!! vc vai dar muito para sua felicidade, portanto conte tudo para nós

  • Responder Marcos Mondadori ID:6suhf7lxij5

    Eu me divirto muito ao ler estes contos escritos por Russos(de Lisboa) pq aqui no Brasil não se pode falar mal e nem se divertir às custas de Patricios, pra não sermos chamados de preconceituosos. Kkkkk é que os irmãos nao tem noção do quanto eles fantasiam nos seus escritos. Mas é só um comentário, fiquem tranquilos nem critica pode ser considerada.

  • Responder O menino que lia ID:2cq8b7y0qii

    Antes que algum metido a crítico diga algo o conto foi escrito em português de Portugal não BR pelo jeito. Bem escrito e entendível a narrativa. Merece continuação!