#

Indefesa estuprada por enfermeiro tarado

1124 palavras | 3 |3.36
Por

O Enfermeiro e cuidador apelidado de Índio era um sujeito magro, alto, sem família, nem namorada, nem nada. Ficava sempre que podia no bar, tinha desenvolvido uma obsessão pela professora Claudia. Claudia era solteira, jovem e muito recatada. Era uma jovem branquinha, alta, seios durinhos e bundinha arrebitada. Mas o que mais chamava a atenção no Índio eram seus pés macios e com solas com contorno de S. O coitado ficava esperando ela passar toda manhã e ficava encarando a moça e reparando o corpinho de boneca. Mas nunca disse nada a ela por ter problemas em se relacionar com outras pessoas. Claudia se sentindo incomodada até mudou a trajetória para o trabalho, deixando o enfermeiro muito magoado. Um dia porém, quando já fazia uns meses sem ver sua musa Professora, ele recebeu uma proposta de um conhecido que disse que tinha uma família desesperada por um cuidador. Visto que a Cidade é pequena e não oferece muita oferta para esse tipo de trabalho. Índio foi no dia seguinte se apresentar e ser entrevistado pela mãe da sua futura paciente, ele até chegou a dizer que era gay para conseguir o emprego. A senhora disse que precisava trabalhar e que ele teria que passar o dia cuidando da paciente. A senhora convidou Índio para conhecer a jovem acidentada. Quando ele entrou no quarto foi logo levando um susto, seu coração foi parar na boca. Prostrada numa cama hospitalar de ferro totalmente indefesa e vegetativa estava a sua querida Professorinha. Ela deitada de frauda com um lençolzinho branco cobrindo parte de seu corpo, os pés e coxas estavam a mostra. Ele tremia de tesão e seu cacete armou quase rasgando a cueca. Enxergando não uma doente mas sim uma boneca indefesa. índio assim que ficou sozinho na casa tratou de ir até o quarto e vasculhou cada centímetro a procura de alguma câmera escondida, até que ele se sentou numa poltrona que ficava em frente a cama e tentou relaxar um pouco. Ele ficou fitando a moça, encarando e percebeu que ela se incomodava com ele, ela olhava fixamente para o teto mas fazia umas caretas de dor como se ela estivesse pedindo ajuda. Ela tentava se contorcer mas tudo em vão. Tudo só contribuía para que o enfermeiro ficasse cada vez mais louco de tesão. Ele olhava fixamente para as pernas e pés macios da moça, ele percebeu que ela até tentou esconder seus pés para dentro do lençol, mas tudo em vão. Cansado da brincadeira ele se aproximou da cama e foi logo dizendo olhando para os olhos dela, você agora é minha boneca vadia, vai servir de depósito de porra. Índio em pé do lado da cama tirou um cacete para fora, um falo enorme cabeçudo em forma de cogumelo. Foi puxando devagarinho o lençol descobrindo o corpinho branco e frágil, tirou a frauda deixando a vadia peladinha como veio ao mundo. Seu pau latejava de tão duro, meteu a mão nos pés e começou uma sessão de cócegas nos pés da moça. Ela grunhiu e tentava se debater mas sem sucesso. Ele quase gozou tocando aquelas solas macias e deliciosas, a coitada só conseguia era mexer os olhos com sucesso. Ele estava disposto a segurar o gozo o máximo que pudesse para aproveitar o máximo, usando as mãos para percorrer todo o corpo e caiu de boca na boceta, meteu a boca e começou a chupar a bocetinha, com a língua rodando lá dentro sentindo todo aquele sabor. Enfiava a língua lá dentro e em volta mordiscando o clitóris. Cinco minutos de degustação e ele começou a saborear o corpo todo, indo dos pés a cabeça, a língua subia e descia nas solinhas e depois foi subindo chegando nas tetas que sugou com gosto. Claudinha suava e grunhia como nunca em sua vida. O suor escorria pelo corpo da gostosa, O enfermeiro resolveu que ela faria um boquete e enfiou pinto na boca da doente, segurou pelos cabelos e fez um vai e vem, flap,flap, flap e ela engasgava, tossia e continuava. Quando ele parou a pirosca e o rosto dela estavam todos babados. Ele meteu a mão na xana dela e logo percebeu que tava molhadinha, puxou ela para o canto do colchão e pondo ela de lado ergueu uma das pernas colocando o pé apoiado no ombro e enfiou o cabeça do cacete na boceta bem lentamente, ficou esfregando um pouco na portinha e depois colocou tudo e meteu com força, a coitada gemia como louca em seguida virou ela de costas e subiu na cama por cima e posicionou em cima do cú. Começou a enfiar enquanto ela soltou um grito deixando o sujeito ainda mais tarado. foi socando até as bolas, o cú apertava o cacete dando uma sensação de prazer surreal. Tirou o pinto do cú e enfiou na boca novamente segurou na cabeça balançando em contra o cacete enfiando e tirando da garganta, tirava da boca e batia o pinto nos lábios sem dó. Puxou ela com o tronco de bruços em cima da cama e com os pezinhos tocando o chão, ela ficou praticamente de quatro. Enfiou o cogumelo no cú da maço com tanta força que escorreu lágrimas dos olhos vadia. Meteu, meteu e meteu como nunca tinha metido, aquele cú nunca tinha sido tão arregaçado, ela gritava e suava feito uma vaca. Em seguida ela foi colocada de costas na cama e ele foi no papai mamãe, metendo e beijando na boca quase engolindo a língua da puta. Saiu dali e enfiou a boca no pé engolindo todos os dedos sugando com gosto, depois subiu por cima com os joelhos encostando nos sovacos, enfiou o cacete na boca metendo na boca até gozar. Foi uma enxurrada de porra dentro da boca e em todo o rosto da puta. Tampou a boca da cadela com a mão fazendo a engolir parte de sua porra. Quando terminado ela estava exausta tremia e suava muito. O tarado só ficou observando o corpinho da sua boneca. O Índio se aproximou do ouvido da da sua puta e disse, de agora em diante vai ser sempre assim. Seu dia será longo de agora em diante. Vamos tomar um banho gostoso e fazer curativos nesse cú de princesa. Quem tiver fetiche entra em contato [email protected] (tenho muitas fotos).

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 3,36 de 11 votos)

Por #

3 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder bea ID:4ades3ylxik3

    Que delicia de conto!! Se alguem quiser algo me chama [email protected]

  • Responder Angélica ID:4pggmfw1q7

    Quem está suada e tremendo sou eu gozei gostoso

  • Responder Branco37 ID:1wm1n49d0

    Ótimo conto!