# # #

Eliot e Luca 3

2182 palavras | 9 |5.00
Por

Os dias que se passaram depois daquele dia foram verdadeiro paraíso na visão de Eliot, que em todas as oportunidades possíveis sondava seu irmão, dedos atrevidos sempre adentraram no calção da criança pequena e dedilhavam o pequeno buraquinho, beijos roubados onde as salivas eram trocadas pelos irmão, entretanto aquelas semanas onde tudo o que podia fazer era acariciar de forma sorrateira o corpo lascivo de Luca estava fazendo que Eliot ficasse prestes a explodir de tanto tesão acumulado.

Contudo, o jovem rapaz procurava desesperadamente obter mais confiança vindo de seus tutores, não havia saído pra festas, não fumava ou ingeria qualquer tipo de droga e pelo menos três semanas, também estava sendo mais presente nas tarefas domésticas, e principalmente estava mais próximo de Luca, sendo a última a única tarefa que não era uma farsa, o fato é que a usar do corpo pequeno do seu irmão mais novo tinha feito um sentimento forte crescer em seu peito, o amor que sentiu quando descobriu que teria um irmãozinho voltando de forma na s intensa, mas junto desse amor que fazia Eliot querer ser participativo na vida de Luca também vinha o desejo quase insuportável de subjugar a pequena criança a seu domínio total.

Eliot desejava possuir de todas a s formas o pequeno Luca, desejava preencher o interior do menino com seu pau duro e cutucar a estranhas do garotinho, ansiava afundar toda sua rola na parte mais profunda da garganta pequena de Luca e desejava humilha-lo e castiga-lo quando não atendesse a suas vontades, desejava treinar o menino pra ser sua putinha especial, desejava o mostrar a seus amigos, e compartilhar o corpo puro do menino com a roda de amigos.

Mas antes queria preparar o menininho para que ele satisfizesse seus amigos de forma adequada, Eliot apesar de aparentar ser um vagabundo tinha uma renda fixa e bastante lucrativa, como também ilícita, eles e os amigos eram donos de uma pequena e bem escondida rede de pornografia infantil, os vídeos eram gravados ali mesmo, com crianças locais, meninos e meninas, as vezes comprados por doces e brinquedos tecnológicos, as vezes vendidas pelos próprios pais, o fato é que Eliot tinha acessa a uma pequena propriedade, reservada para o uso particular dele e dos amigos.

Era um local bonito, paredes pintadas da cor de chumbo, e quartos dos mais variados temas, desde a imitações de um quarto infantil, até uma pequena masmorra, possuía um pequeno bar, sempre abastecidos de álcool e outro alucinógenos, e um salão principal, onde quase sempre ocorriam festas pecaminosas, as prateleiras eram entupidas de dildos, plugs e toda sorte de perversão, alguns espelhos e câmeras estrategicamente posicionadas, além das vigas e ganhos espalhados por todo o ambiente cujo o único propósito era servir de suporte para as seções de sadismo praticadas naqueles ambientes.

A algumas semana Eliot planejava uma forma de trazer seu pequeno irmão até alí, sem que os pais desconfiassem, ele não queria ser tão cruel com a criança como havia sido na primeira vez deles, ele queria acima de tudo que o menino se viciasse naquele tipo de prazer pecaminoso, mas ele não podia evitar de ter seu pau duro quando pensava nos seus quatro amigos roludos e pervertido abusando sem piedade do corpo do menino, a luxúria falou mais alta quando ele planejou convidar seus amigos para participar do treinamento do seu brinquedinho, eles já haviam feito aquilo várias vezes com crianças, até mesmo mais novas que Luca, alguns pais traziam de longe seus filhos para serem gravados em vídeos caseiros enquanto eram abusadas por aquele grupo de jovens, não seria uma novidade, mas parecia tão mais quente quando pensava que seria seu irmãozinho o alvo dos seus amigos.

A oportunidade perfeita apareceu quando o pai e a mãe fizeram aniversário de casamento e passariam o dia fora em uma programação especial, Eliot prometeu que cuidaria de seu irmãozinho, para que o casal pudesse ter um tempo a sós, ele mal podia crer que finalmente poderia se enterrar mais uma vez dentro das entranhas de Luca, duas horas depois que os pais haviam saído, ele mandou uma mensagem dizendo que levaria o irmãozinho a um parque de diversões, e saiu com o garotinho em direção a parte mais afastada e deserta da cidade, onde algumas enormes propriedades faziam residência, ali ficava a casa que servia de set de filmagem, parecia ser normal, tinha um designer moderno, e uma piscina enorme ele entrou pela porta principal, seus quatro amigos estavam todos espelhas pelo sofá de veludo marrom, todos eles sorriram quando viram o garotinho que vinha de mão dadas a Eliot.

Luca estava com medo, não sabia bem o que esperar, somente tinha ganhado um aviso que hoje eles iriam brincar com os amigos do mano, mas não sabia o que isso significava, seu estômago embrulhado em nervosismo, porque no fundo sabia que seria uma das brincadeiras onde o irmãozão brincaria com suas partes especiais, Luca estava vestido com uma roupa que fazia ele parecer menor do que era, um tipo de calça de tecido verde, que era larga demais e que não chegava no meio de suas batatas da perna, um blusa que ficava longa e era estampada com dinossauros, e um par de meias verdes e um tênis branco, além do boné cor de telha adornado os cabelinhos lisos cortados em tigelinha do menino.

— oi gente — Eliot abriu um sorriso orgulhoso quando notou os rapazes babando no seu irmãozinho, Luca ficou todo vermelho quando notou que os cinco homens naquela sala o observava fixamente.

Eliot apanhou o menino no colo e se dirigiu até a rodinha que estava sentada em volta da mesinha de mármore, ele sorriu pervertido o colocou o garotinho em cima da mesinha, bem no meio dos amigos, de forma que todas eles pudessem observar os detalhes da criança pequena.

— Deixa eu apresentar eles para você doce — ele fez carinho na nuca do menino — esse sentado no braço do sofá é o Vitor — Vitor era o tipo de rapaz com cara de hetero, a pele bronzeada, o corpo torneado e a barba mau feita faziam um belo par com o sorriso cafajeste que o mesmo tinha no rosto, ele comprimentos o menininho com oi rouco — esse do lado dele é o Eduardo, ele parece ser um cara legal né? — Eliot sorriu sabendo que dentro do grupo, Edu era o mais pervertido de todos, ele parecia ser mais menino também, tinha o resto limpo de qualquer pelo, o cabelo arrumado em um topete desgrenhado e os olhos cor de mel esbajando simpatia — ao lado do Edu está o Fê, que você já conhece — ele falou sobre Fernando que era o vizinho da casa ao lado e filho de um grande amigo do pai dos garotos, Fê era um jovem comum olhos e cabelos castanhos escuros, pele meio bronzeada, com um altura mediana — e o esse é o Tadeu — ele falou por último apontando para o homem que parecia ser mais velho entre os três, ele era corpulento e tinha pelos espalhas por todo o corpo, uma barriga de cerveja e um sorriso pervertido no rosto — eu quero que você vá lá e se apresente anjo.

O menino caminhou até o grupo de homens sentado no sofá e resmungou algo baixinho, sem sequer olhar no rosto de qualquer um dos rapazes, Eliot se aproximou do irmão e dei-lhe um leve beliscão na cintura fininha do menino.

— maninho você tem que ser mais simpático com nossos convidados, eles vieram aqui pra ver você — Eliot sussurrou no ouvido de Luca, o menino olhou o irmão com os olhos marejados e confusos.

— eu tô com vegonha Élot’ — o menino falou embolado sem conseguir pronunciar corretamente o ‘r.

— não precisa ter vergonha amor, os amigos do mano gostam muito de você — ele deu um beijinho na bochecha corada — olha amor — ele segurou o queixinho do menino e o fez o olhar na direção dos paus de seus amigos — os pipis deles estão felizes em ver você, igual a mim, vamos diga olá, para que possamos brincar.

Luca agora não conseguia desviar a atenção dos pipis daqueles desconhecidos, um sensação engraçada brotando no seu interior, ele lembrava da dor causada pelo pipi de seu irmão no seu buraquinho, mas mesmo assim era como se ele quisessem mais, sem entender o que se passava no seu interior Luca falou.

— e-eu so-sou o Luca — ela falou entre gaguejos, Eliot sorrio diante da reação fofa do seu maninho.

— diga que você que brincar com eles bebê — Eliot instrui-o o menino, que se manteve calado, pois não sabia se queria realmente brincar daquilo os amigos de seu mano.

— mas mano vai doer — ele falou baixinho, mas foi o suficiente para que os outros escutassem.

— não precisa se preocupar Lulu, nos vamos cuidar bem você — falou Fernando que já tinha certa intimidade com a criança pequena, pois se conheciam a um bom tempo — vem pro colo do Fê, vem?

O menino olhou pro irmão mais velho em duvido do que deveria fazer , mas recebeu uma breve aceno com a cabeça, ele caminhou devagarzinho em direção ao Fê, e escalou o colo do melhor amigo de seu irmão, se sentiu pequeno quando percebeu que agora estava completamente no meio daquele homens enormes, ele estava sentado de frente no colo de Fernando e quando percebeu os olhares sobre si ele escondeu a face no pescoço do homem, não demorar muita a sentir mãos grande acariciando de vagar seu corpinho, primeiro foi um peluda que acariciou se pescoço, longo em seguido uma mão gelada adentrou sua blusa e afagou sua costas, em poucos minutos ele sentiu uma dureza debaixo do seu bumbum, e ele soube que era o pipi de Fê.

— nós deveríamos levar ele pra um dos quartos né, lá tem vários brinquedos pra nós testarmos no seu irmão — ele ouviu uma voz desconhecida vindo por detrás do seu corpo.

Ele abriu os olhos e viu que quem lhe acariciava o rosto era Tadeu, o homem que lhe foi apresentado por último, e Vitor, o primeiro rapa, tinha uma das mãos subindo e descendo em suas costas, Fernando observava em silêncio os dois homens acariciando o garotinho em seu colo, Luca olhou pra trás e viu que quem conversava com seu irmão era o rapaz de rosto gentil, ele percebeu que Eliot tinha uma olhar faminto em sua direção, e viu o irmão mais velho molhar os lábios quando percebeu que ele o olhava.

— vamos levar para o jardim de infância – Eliot falou com um sorriso pervertido.

— isso! – Eduardo bateu palmas animado – é meu quarto preferido, ele sorriu perverso, podemos vestir eles com uma fralda? ele é perfeito pro isso, até fala errado como um bebê de verdade – ele olhou animado pra Eliot e recebeu um aceno de confirmação, Fernando que ouvia tudo aquilo se levantou do sofá com o menino no colo tirando o acesso a ele dos outros dois.

— eu vou vestir ele, se for o Tadeu ou o Vitor os dois são capazes de estuprar Luca na primeiro oportunidade, e eu nem sei que tipo de perversão o Ed faria se tivesse oportunidade, mas provavelmente estragaria a brincadeira também – ele falou em um único fôlego.

— tudo bem Fê, pode levar ele, nós iremos esperar no jardim de infância – falou Eliot.

Jardim de infância era o nome de uns quartos mais populares que havia ali, era pintado em tons pastéis de rosa, Marcelo e azul, e sua decoração era compostas por brinquedos sexuais espirados em brinquedos de verdadeiro, as cordas usadas para o bondade eram cordas de pular, havia gangorras com pau de borracha estalados no banco, cavalinhos também com paus estalados, ursinhos de pelúcias usando as famosas cintas com paus, era um quarto perfeito para brincar com seu maninho de coisas de adulto.

Oi, escrevi que nem doido pra realizar os desejos KKK, mas mesmo assim não consegui publicar a tempo, não sei se a parte 4 vai sair logo, mas vai dá certo, daqui pro fim de semana sai, cara estou cruzando os dedos pra com esse tanto de macho no capítulo, na acabar ficando confuso. É isso até breve.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 5,00 de 15 votos)

Por # # #

9 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder GarotoSado ID:enmt1mpqkm

    Os efeitos das balinhas realmente é muito insano pra quem é pervo, curto pra caralho tomar e bater umas com a mente a mil. Tu tocou um ponto fraco haha tava a tempos atrás algo que envolvesse isso, nem acredito que achei. Da uma focada nisso, todos usando, descreve os efeitos nos garotões e no lucas. @mlkaotesaooo se tiver tel chama ai

  • Responder GarotoSado ID:enmt1mpqkm

    Mano na próxima parte faz o Eliot da pro Lucas as balinhas. Descreve melhor os efeitos, todos usando. Confio em te, conto ta muito foda

  • Responder Admirador ID:40vom29km9il

    Puta que pariu, que conto perfeito 😈😍

  • Responder Admiradora ID:81rd5bik0d2

    Acho q tem q continuar na pegada sado…

    Mais esta mto legal

  • Responder luiz ID:dlns5khrd0

    ta ficando 10 mas tem tudo para melhorar queria que Tadeu fosse o primeiro a meter em Lucas, o menino tem que gostar de danao deve ser forçado. Outra coisa ve se nao abondona o conto Meu Menino de Ouro

    • MenteCriativa ID:81ritu3hrap

      Forçado é bom, mas eles ficam realmente fofos quando pedem pra ter paus preenchendo os buraquinhos gulosos.

  • Responder luiz ID:dlns5khrd0

    ta ficando 10 mas tem tudo para melhorar queria que Tadeu fosse o primeiro a Meter em lucas

    • MenteCriativa ID:81ritu3hrap

      Não se preocupe não irei abandonar meu menino de ouro, mas eu realmente comecei a escrever um monte de contos que precisam de pelo menos uma parte 2.

  • Responder Mister Pineapple ID:gp1eqyd9a1

    Ta muito bom o conto continua sim
    Tem que continuar