# # # #

Vovô emprestou a bonequinha pro vizinho (parte 2/2)

1228 palavras | 2 |3.89
Por

Avô e seu vizinho fodem de todas as formas a netinha novinha. A bonequinha perde tudo nessa noite, e só sai quando for completamente descabaçada. 2/2

O Jô manda ele sair que agora é a vez dele.

– e se recupera que hoje ainda vamos comer o cuzinho dela! Ela só sai daqui completamente descabaçada.

Então o Jô bate no meu rostinho, me ergue e me poem de 4, arregaça minha bunda e começa a me chupar freneticamente. Passa a língua pelo meu cozinho e enfia ela na minha buceta recém descabaçada. Massageia meu cu com o dedão e chupa meu grelinho até eu tremer toda e começar a gemer. Eu não tava acreditando que eu tava gostando daquele abuso todo, que eu tava sentindo prazer com aquele velho nojento com bafo de cigarro. Quando ele viu que eu gozei e gemi baixinho, deu mais umas bombeadas nas bola e ficou de pé, com aquele cacete enorme e duro. Eu ainda tava de 4, ele me puxa pela cintura, encaixa o pau dele na entrada da minha bucetinha e fala acariciando minhas costas: 

– agora eu vou brincar com essa bonequinha, vai doer muito mas tu fica bem caladinha!

E ele começa a enfiar o pau no meu canal estreito, e realmente doi muito. Ao invés de relaxar pra sentir menos dor, eu me contraio e ele geme alto sentido minha pepeca pulsar. Ele coloca só a cabecinha e manda eu ficar imóvel, já que estava me esquivando do meu avô que tenta me beijar. Eu continuo me mexendo fugindo do hálito de velho e ele me bate forte:

– eu mandei parar de se mexer, e deixa teu avô se aproveitar da putinha que tu é enquanto eu te como! Se não vai doer mais ainda.

Eu com medo da dor, fico imóvel e de 4 naquela poltrona da tortura. Não consigo ser recíproca com o beijo e sinto a língua do meu avô invadindo e preenchendo minha boca no mesmo momento que o Jô mete todo aquele caralho enorme na minha bucetinha! Ele geme muito alto e começa o movimento de vai e vem bem  devagar, tirando tudo pra eu contrair a buceta e ele enfiar de novo. Pra mim, parecia que aquele sofrimento iria durar pra sempre e poucos minutos pareciam uma eternidade. Mas nada que não possa piorar. Ele soca com toda força super fundo em mim e eu não tenho mais força pra me sustentar. Entao ele me pega no colo e senta de novo na cadeira. Me coloca no seu colo de costas pra ele e volta a me bulinar, eu fico jogada no colinho do Jô aproveitando o carinho. Quando eu menos espero ele enfia o pau em mim de novo e manda eu quicar:

– vai bonequinha, faz como se tivesse cavalgando. Imagina que eu sou teu cavalo e tu tá galopando pro castelo.

Eu tento, toda desajeitada. Morrendo de vergonha, meu avô está de joelhos na frente de poltrona assistindo tudo com o pau mole na mão. Começo a sentir umas estocadas violentas no colo do útero e tento fugir dali. O Jô fica irritado com a minha falta de experiência e tentativa de fuga:

– ta devagar demais e tu não vai pra lugar nenhum, agora tu vai ver o que é bom!

Ele enfia o pau tão fundo e tão forte que eu fico tonta, ele tem que me puxar pelos cabelos pra eu não cair pra frente. E fica assim dentro de mim batendo forte na minha bunda. Quando ele viu que eu me recuperei um pouco, pegou meu quadril com força e começou a me mexer pra que eu fizesse movimentos circulares sentada no pau dele. Sentia dor com prazer e gemia baixinho. Vendo que eu tava começando a gostar, mandou eu sair e me empurrou pra frente:

– sai de cima vagabunda

Eu cai no colo do meu avô, que me agarrou e beijou a força. O Jô me pegou pelo braço me fazendo ficar de pé, mandou eu deitar de bruços no sofá.
Ele veio por cima de mim, foi tão nojento, cuspiu na minha bucetinha e em uma estocada só enfiou tudo em mim. Ele urrava de prazer me vendo sofrer. E pela primeira vez naquela foda começou a meter muito rápido e forte.

– agora vou te fazer mulher por completo, e vou completar todos os teus buracos. Vai faltar buraco pra eu enfiar na minha bonequinha.

Falava uivando e quando terminou, enfiou o dedão na minha boca e mandou eu deixar bem babado. Já foi logo arrombando meu cuzinho. Fazia movimentos circulares com o dedo no meu cu enquanto metia forte na minha pepeca que já tava esfolada.

– antes teu avô preparou essa bucetinha pra mim, agora eu tô preparando teu cuzinho pra ele. Vou te comer enquanto ele fode teu cu.

Nisso meu avô se levanta e Jô sai de cima de mim e deita no sofá. Manda eu deitar no peito dele e abrir bem as pernas. Eu faço exatamente o que ele manda. Meu avô vem por trás e baba tudo! Passa a mão cheia de baba na minha buceta e no meu cu.

– isso, assim, deixa tua netinha bem babadinha e melecada. E tu minha bonequinha, pega no meu pau e coloca na tua buceta.

Eu tento toda sem jeito, mas no fim da certo e pela demora ele enfia tudo sem paciência e deixa o cacete imóvel pulsando dentro de mim. Jo segura meu rosto pra ver a minha cara de dor. Ele manda meu avô vir por trás e comer meu cu:

– vamos, come esse cu! Vou abrir a bundinha dela pra ti.

Ele não abre, ele arregaça minha bunda. O meu avô sobe na gente encaixa o pau no meu cu e geme alto. Ambos estão urrando de prazer enquanto eu gemo baixinho e  peço pra pararem. Ambos começam uma meteção sincronizada e rápida. Até que os dois tiram de dentro de mim, ficam em pé e gozam o meu rostinho inteiro! Eu fico imóvel, de olhos fechados, com porra no corpo todo enquanto eles dão risada esfregando todo aquele esperma em mim. Eu deito exausta no sofá. O Jô pega uma câmera e começa a filmar, abre minhas perninhas e filma meu cuzinho, que ta todo aberto e minha buceta que ta escorrendo porra. Filma minha cara e coloca o pau meia bomba descansando na minha boca. E fala:

– tu é nossa bonequinha agora, e essa brincadeira com a gente é segredo. Tu não pode contar pra ninguém. Se não eu mando esse vídeo pros teus professores e eles vão te castigar pior do que a gente hoje. Então é bom ficar caladinha.

Meu avô se veste e pega as minhas roupas. Ele manda eu só lavar o rosto porque vou tomar banho no apartamento dele. Eu contesto:

– mas como eu vou sair pelada e suja assim pelo prédio?!

Ele me bate e abre a porta, aponta pra saída e eu saio daquele inferno toda degradada torcendo pra que ninguém me veja mas esperando que alguém nos visse e me resgatasse.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 3,89 de 19 votos)

Por # # # #

2 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder Marcos Mondadori

    Dois contoa dos mais nojentos deste site. Violência e estupro conta menores,velhos safados pra isso não tem idade pra se tornar noivinhas de presidiarios pois é crime horrendo

  • Responder Paulo

    Que transar gostosinha nossa