# # #

Amor de Pai e filho (2)

818 palavras | 8 |4.76
Por

Vim contar outra situação q passei junto com meu pai

Depois do ocorrido na casa de praia. Tudo seguiu como de costume. Exceto q fiquei muito mais próximo do meu pai. Acho q não comentei. Papai nessa época tinha uns 33 anos. Era mais magro e mais definido do q é hj. Apesar dele ser bem fechado, quando estávamos só nós, ele era super carinhoso comigo. Mas… nossa rotina era muito corrida. Tinha dias q nem nos falávamos. Papai saia quando eu estava acordando. Eu estudava de manha. A tarde tinha inglês ou aula de basquete. A noite estava exausto. Papai chegava por volta das das 22h. Mas sempre fazia questão de ir no quarto me dar um beijo. Mesmo eu dormindo. Ele tinha uma brincadeirinha q ele dava um beijinho no meu pinto, por cima da roupa mesmo. E falava XEIRO NO PIPO! Eu fingia q ia me esquivar e ria. Só q eu adorava.
Mas eu notei q o pai só ficava mais “a vontade” depois q bebia. Teve uma noite q ele chegou muito porre em casa. Mas ao invés de ir pro quarto dele, foi pro meu. Pelo q eu entendi depois, ele havia brigado com a mamãe e não queria dormir com ela. Então eu lembro de acordar com ele se jogando na cama, no escuro, ao meu lado. A cama era de solteiro e cabia bem apertado nos dois nela. Eu sentia forte o cheiro de suor e álcool q vinha dele. Ele tava bem grogue e completamente mudo. Parecia q tinha dormido. Então, pensando em aliviar aquela cheiro todo, comecei a desabotoar a camisa dele, tirei delicadamente. Levantei, no escuro e em silêncio, pra não acordar ninguém na casa, peguei minha toalha q tava perto, e comecei a passar no papai. Passei pelo pescoço. Barriga. Fui descendo…
Então desabotoei a calça, fui puxando aos poucos e fazendo muito esforço (papai pesa bem uns 80kg). Ele continuou imóvel, deitado. Parecia desmaiado. Então ficou só de cueca. Tava escuro, mas ainda assim conseguia um pouco ver o desenho do pau dele, bem mole, sob a cueca. O saco enorme se destacava. Sentei na cama e fiquei por alguns instantes apreciando aquela vista. O corpão dele esparramado na minha cama, só de cueca, os braços jogados pra trás, mostrando o sovaco dele, com uns ralos pelos claros, q passavam pelo peitoral e iam descendo, e ganhando volume quando chegavam perto do púbis, me deixava hipnotizado…
Até q o silêncio foi quebrado, pela voz arrastada dele, q falou baixinho:
-Tuco, faz carinho no pai…
-Aonde papai?
-Aonde vc quiser, filho…
Então comecei a passar a mão na coxa dele, não era musculosa, mas era firme e macia. Passei pela virilha, e logo cheguei no pau, q continuava mole, mas já parecia mais dilatado, descansando pro lado naquela moita de pentelhos. Nisso puxei a cueca dele até o meio da coxa e fiquei apalpando. Passava meus dedinhos pelo saco… segurei o pau e esfolei, trazendo a tona a cabeça enorme e rosada. Um cheiro forte exalou pelo quarto, o q me deixou ainda mais eufórico. Fiquei amaciando, até q ele endureceu, ficou parece uma pedra. Continuei o q parecia ser uma punheta, já estava usando minhas duas mãos pra dar conta de segurar todo aquele volume (como ele é meio torto, tendia q cair mais pro lado esquerdo), até que meio insatisfeito, sussurrei:
-pai, posso beijar o seu pipo?
-filho. Ainda não banhei. Ta suado… Acho q vc não vai gostar.
Ignorei o q ele disse e comecei a passar a língua no buraquinho da cabeça. A rola dele tava bem babona, e eu já sentia na língua um líquido viscoso mas sem gosto. Fui beijando até por tudo dentro da minha boca. Lembro q o máximo q entrava era um pouco do final da glande. Senti um gosto meio salgado, mas continuei. Pra mim tudo era muito gostoso, era como se eu tivesse na boca o cheiro do papai.
Eu já sabia o q estava por vir, e estava muito ansioso pra tomar todo o leite dele. Então sinto ele se contorcer e sem aviso recebo vários jatos violentos de gala na minha boca. Bebo tudinho. Até o q escorreu pelo meu queixo. Lembro do meu pintinho duro e de sentir um prazer e relaxamento incrível. Caio cansado lado do papai. Ele sem falar nada, me vira de lado e me abraça de conchinha. O pau dele continuava pra fora e ainda meio duro, senti cutucar meu cuzinho.
Mas… nessa hora de fato ele desmaiou, a ponto de roncar. Então deixei essa curiosidade pra uma próxima e logo dormi também.

Continua…
No próximo eu conto como ele comeu o meu cuzinho 🙂

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,76 de 29 votos)

Por # # #
Comente e avalie para incentivar o autor

8 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder Francisco ID:g3jga5oij7

    Muito bom ,coloque logo os próximos, faça o pai dele chupar ele e arregaçar o cuzinho dele tudo com amor e sedução.

  • Responder Lindo ID:2qls57d9k3

    continua

    • CONTINUAÇAO DO AMOR DE PA ID:g61w7tnqlm

      AMOR DE PAI E FILHO 3 PARTE

  • Responder Caputeiro ID:xlqb6vmz7

    Excelente

  • Responder David C. ID:19p3wnw8jl

    Continua, por favoor. 🥺

  • Responder fer ID:ona28gf6iam

    oi luiz qtos anos q vc tem?

  • Responder luiz ID:dlns5khrd0

    muleque de sorte ter um pai desse, conto muito bom, quero ve vc recebendo o pau todo do seu pai, alem disso ainda chupou a rola suada, eu adoro

  • Responder luiz ID:dlns5khrd0

    muleque de sorte ter um pai desse, conto muito bom, quero ve vc recebendo o pau todo do seu pai